29 abril, 2014

Cavaco Silva, um "mísero" professor rico e activo accionista.





As mentiras de "um mísero professor".
Nos vários vídeos existentes no mercado, encontramos declarações do Presidente da República bastantes contraditórias para alguém que exerce cargos de responsabilidade.
Transcrevo algumas dessas declarações que nos mostram a verdadeira face da figura que ocupa o Palácio de Belém.
A vermelho colocarei as frases que são declarações de contradição a ele próprio.
Entrevista com Cavaco Silva, sobre as suas acções no BPN e a sua relação com o banqueiro Oliveira Costa, seu amigo, seu vizinho.

- "Eu não quero que ninguém fique impune em relação a qualquer coisa que aconteça de mal no nosso país" (Cavaco Silva - PR)
Perante a má gestão no BPN que tal como afirma no video, Judite de Sousa, já era conhecida do público e claro, do BdP e do próprio PM Durão Barroso, incoerente a seguinte declaração do próprio:
Contradição: "Eu sou muito rigoroso em relação ao cumprimento da Lei"
À pergunta sobre a quem Cavaco Silva tinha vendido as acções no BPN:
"Nunca discuti um preço, nem a quem comprei, nem a quem vendi"
Já não é rigoroso de novo?
"Eu nem fiquei a saber quanto eram as mais -valias"
Que falta de rigor? Ou excesso de confiança no seu amigo?

"Fizeram umas aplicações em acções estrangeiras com uns nomes esquisitos"
Contradição: "Eu sou muito rigoroso" 
Como é possível dizer-se tão rigoroso mas quando lhe convém, finge ser um leigo que tudo ignora? Uma pessoa rigorosa não pode padecer de tanta ignorância?
Na verdade, para um economista que se diz "muito rigoroso", acusar tanta displicência soa a falso, a fingimento, a mentira. E este vídeo está recheado de contradições do próprio, quer como economista "rigoroso" quer como PR eticamente de um "rigor total"

Às tantas o "rigoroso" Cavaco diz: "escrevi uma carta porque me pediram" !!! (a exclamação é minha)
Quer dizer, o Cavaco tem lá no banco as suas acções, perdão, dele e da mulher (como ele gosta de dizer) e alguém lá do banco diz-lhe: Ó Cavaco, escreve aí uma carta a dizer que queres vender as acções. E o Cavaco, "rigoroso" como é, escreveu uma carta para vender as acções. E nem quis saber por quanto. E nem se admirou por ter um ganho superior a 140%.
É muita contradição: "Eu sou de um rigor total em relação à conduta ética na politica"
"A senhora coloca o seu dinheiro num Banco e espera que ele tire o máximo de lucro possível"
Contradição: "Eu nunca discuti um preço"

"Eu não gosto que façam política com as minhas poupanças" 
Neste ponto eu acho que o Cavaco Silva -está mais uma vez a ser incoerente, primeiro porque ele mesmo disse; "Eu era um mísero professor, minha senhora" tentando mostrar que era pobre e ignorante nas finanças, e que portanto as suas poupanças não foram feitas enquanto professor, pelo contrário, estão intimamente ligadas à sua actividade política como ele mesmo afirma " tem aplicações desde há vinte anos". Ora, sendo poupanças oriundas da sua actividade política, penso que ele não devia melindrar-se por alguém querer fazer política com as suas poupanças conseguidas enquanto político e não como "mísero professor".

Cavaco Silva é economista, ele sabia que o BPN servia para lavar dinheiro. (Video)

Sobre a sua casa nova.
A uma pergunta do jornalista, em que Notário ele teria feito a escritura da sua casa nova, Cavaco Silva Respondeu:
"Não me lembro qual o Notário onde fiz a escritura" (Cavaco Silva-PR)
Contradição: "Eu sou de um rigor total em relação à conduta ética na política" (Cavaco Silva-PR)
Em traços largos, é este o retrato do Cavaco Silva, actual Presidente da República, que se diz rigoroso no cumprimento da Lei e conduta ética em política.
E é esta personalidade, extremamente "rigorosa" que esconde debaixo do tapete do palácio as suas despesas e do respectivo séquito.

CAVACO SILVA NÃO DÁ CAVACO, recusa-se a revelar as despesas.
É caso para dizer que é preciso outro 25 de Abril para que esta situação mude. A Presidência da República continua a não publicar os seus contratos e despesas detalhadas. No portal Base, por exemplo, não se encontra qualquer despesa de Belém. O Má Despesa denunciou esta situação no ano passado e destacou-a no livro Má Despesa Pública como um caso de falta de transparência nas contas das instituições portuguesas.
No site da Presidência da República existia desde 2011 uma secção chamada Contratos que nunca teve qualquer informação. Este órgão de soberania chegou a garantir à TVI24 que a situação iria ser corrigida. Como a Presidência nunca mostrou interesse em partilhar essa informação, a secção foi agora apagada!




3 comentários :

  1. Apesar de em 2003 já ter no curriculum 10 anos de primeiro ministro era um mísero professor...eheh

    e tem uma relação distante com os bancos!...pois é!...mas os bancos são feitos de pessoas com quem ele se dá muito bem.

    Ele não gosta de números e não quer saber nada dessas coisas de dinheiro e economia e não sei k...acho que lhe dá dores de cabeça, então pelos vistos quem o aconselha é a Maria... lindo!!




    ResponderEliminar
  2. Sempre que vejo esta personagem lembra-me o frankenstein...parerecido não é ?

    ResponderEliminar