21 fevereiro, 2013

BANIF MAIS UM SAQUE COMBINADO ENTRE VÁRIOS PARTIDOS E EX-POLÍTICOS.



"Banqueiros e Governo dizem que o Banif não é o novo BPN. Mas as semelhanças estão à vista: o banco foi sempre um instrumento para financiar o PSD/Madeira, enquanto acolhia ex-governantes do PSD, mas também do PS. Veja neste video as ligações entre políticos e o banco que acaba de ser salvo com o dinheiro dos contribuintes." fonte

"Banif paga prémio milionário a gestora.
Com o banco intervencionado, a administradora Conceição Leal ganha 982,3 mil euros, mais do que qualquer outro banqueiro em Portugal. Conceição Leal recebeu o triplo do que ganhou o presidente do banco Jorge Tomé, e foi o gestor bancário mais bem pago em Portugal. Em 2012, o Estado passou a deter 99,2% do banco."  fonte
É realmente uma vergonha, pois para além do prejuízo em si, acima de tudo significa que eles, políticos e banca, mesmo após tanta crise e indignação, continuam sem medo nem vergonha do povo que saqueiam e prontos para prosseguir. 

Os capitais alheios financiam 95% do BANIF. O estado colocou o nosso dinheiro no BANIF, onde antigos dirigentes do BPN passaram e os boys do PSD também.
A memória dos Portugueses não pode ser curta. São mais os membros do PSD mas os membros do PS também lá passaram. O BANIF está falido, e só não fecha porque o Governo, em finais de 2012, colocou lá 1.100.000.000 EUR. Este dinheiro injectado pelo estado é superior ao valor do banco, ou seja mesmo que que vendessem o banco, não conseguiam pagar-nos o que devem. Este valor equivale também a 1/4 do valor que o estado quer cortar ao estado social.

Pela calada , sorrateiramente , sem grandes alaridos e comentários  dos opinantes do costume , o BANIF apresentou as contas do primeiro semestre de 2014, com prejuízos de 97,7 milhões de euros!
E os prejuízos ainda seriam bem maiores se a dívida pública portuguesa não tivesse ajudado as contas!
Pois é ! A dívida pública paga por todos nós ao serviço do BANIF e de toda a BANCA isto é dos banqueiros e respectivos accionistas!
As contas do Banco foram penalizadas  pela orientação do Banco de Portugal para que as instituições reconhecessem metade da exposição a entidades do grupo Espírito Santo. As ditas imparidades , provisões para prejuízos futuros, somaram 146,2 milhões....
Mas os comentadores, mercenários de serviço vão continuar a dizer que o contribuinte está salvaguardado! Olá se está !
Os novos assaltos ao IRS, pensões, vencimentos, salários , segurança social , transportes públicos estão à vista com os sorrisos do pau mandado da ministra das Finanças , os pulinhos do ministro dos submarinos e a charlatanisse de Passos Coelho !

Banca rota (Paulo Morais)
"O país está falido, não há dinheiro para nada. Mas, para os bancos, os recursos continuam ilimitados. 
Sempre que um banco está em apuros, logo os governantes o auxiliam com os dinheiros públicos; isto apesar de o estado português se encontrar, ele próprio, em situação de pré-bancarrota.
Foi assim com o BPN. Ao longo de anos, a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), grupo detentor do banco, realizou todo o género de negócios.
Acumulou os lucros nas empresas da SLN, enquanto os prejuízos engrossavam o passivo do BPN. Em 2008, José Sócrates nacionalizou o banco, assumindo todos os seus prejuízos, mas deixou intacta a SLN.
De seguida, o estado saneou as finanças do banco e vendeu-o a preço de saldo.
Triste é também a história do Millennium-BCP, entidade tomada de assalto pelo Partido Socialista no tempo de Sócrates e que, sob a gestão de Armando Vara, concedeu empréstimos sem critério e sem garantias. Está perto da falência, começa a despedir pessoal. E vem agora o estado, já em 2013, comparticipar, com apoios sociais, na operação de despedimento coletivo do banco.
A estes bancos falidos junta-se ainda o Banif, instituição cuja imagem foi profundamente afetada pelo escândalo da herança de Horácio Roque, disputada pela sua mulher Fátima, guerrilheira da Unita, e suas filhas Teresa e Cristina. Descapitalizado, sem quota de mercado, o banco vê agora os seus problemas resolvidos, pois recebe uma injeção de 1100 milhões do estado. Um absurdo!
Igualmente estranha foi a aquisição do Finibanco pelo Montepio Geral (MG). O MG, não sendo uma entidade pública, tem responsabilidades sociais óbvias, pois é a maior associação portuguesa, com cerca de 530 mil associados. Quando o Finibanco acumulava já enormes prejuízos, surge uma oportuna OPA por parte do MG. O Finibanco apresentou lucros apenas no semestre da venda, as ações valorizaram artificialmente dias antes da operação, com uma valorização de 22% em apenas três dias, inflacionando o valor da OPA em dezenas de milhões. O MG comprou muito caro o Finibanco, prejudicando os mutualistas.
Os exemplos sucedem-se de forma agonizante. Os bancos constituem autênticos sacos rotos onde são despejados, criminosamente, os escassos recursos do povo português." fonte

Para aqueles que duvidavam, eis uma conversa gravada entre banqueiros, que geriam o BPN da Irlanda, a forma como eles gozam com o país, o povo e os governos. Imaginem os donos do Banif, do BPN e outros bancos a quem demos milhares de milhões, a gozarem assim com o dinheiro dos portugueses...
"O governo de Dublin preparava-se para meter mil milhões de euros no Anglo Irish Bank. Seria, contudo, a primeira injeção de capital. Neste momento o Estado irlandês tem investidos no banco em questão 30 mil milhões de euros. Investidos é como quem diz. Bowe e Fitzgerald deixam bem claro nesta conversa que tudo o que entrar no banco não é para ser devolvido ao Estado - que é o mesmo que dizer aos contribuintes.
Começando por pedir uma soma relativamente razoável, a ideia do banco era fazer novos pedidos, sempre com o argumento de que era necessário proteger aquele capital inicial e não deixar que o banco se afundasse, o que resultaria na perda definitiva do dinheiro dos contribuintes.
Levar o governo a entrar em jogo" continuar a ler... 

As semelhanças entre o BPN e o BANIF


O CASO BANIF, A SAGA DA DESTRUIÇÃO DA MADEIRA! 
Segundo o deputado, José Coelho. 


"A Fundação Social Democrata, o Partido Social Democrata, Jaime Ramos e Companhia, Lda. esvaziaram os cofres do BANIF, fizeram empréstimos que planearam nunca pagar! Como consequência disso, o banco ficou sem viabilidade financeira para financiar grandes investimentos.
O BANIF ficou sem capacidade financeira para financiar o novo hotel Savoy. Estes ladrões hipotecaram o futuro de milhares de pessoas. Centenas de trabalhadores foram despedidos de um hotel, em pleno funcionamento, com muitos clientes, para dar lugar ao desemprego, à miséria, à pobreza de milhares de famílias madeirenses. Os trabalhadores foram despejados, com a promessa que teriam um lugar garantido na nova unidade hoteleira, que seriam ajudados financeiramente.Tudo mentiras. Neste momento o que existe é um grande buraco financeiro no BANIF e um grande buraco físico no local do Savoy! Estes ladrões não têm respeito pelos trabalhadores que foram despedidos do Savoy, não têm respeito pelos trabalhadores do BANIF, não têm respeito pelo POVO Madeirense! BASTA! RUA COM ESTES LADRÕES!"



3 comentários :

  1. Uma vez, quando me reuni com um empresário alemão no final da década de 90, por razões que, aqui, não caberão, ele disse-me:

    "Sabe que os empresários alemães pagam 45% do IRC devido ao estado português?"
    Se eu tivesse ali um buraco, enfiava-me lá.
    Recordei-lhe que se estivesse em África, a percentagem de IRC paga pelos alemães, ainda seria maior.
    Mas, ele disse-me: "Lá ainda não há IRC!".

    Refiro isto, apenas, para se ver a violência cultural ao sentido do dever social:
    Todos os roubos em bancos, feitos a partir das administrações, têm à frente a cultura portuguesa.

    Não estaríamos todos mais tranquilos se à frente dos nossos bancos estivesse a cultura alemã?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em resposta ao seu último paragrafo, embora com algumas reservas, não hesitaria em concordar consigo.

      Eliminar
  2. QUEM DETÉM O PODER NESTE PAÍS É A MAÇONARIA,HÁ QUASE 40 ANOS.VAI SER DIFÍCIL ACA -BAR COM ELE , SEM HAVER CONVULSÕES SOCIAIS.

    ResponderEliminar