01 janeiro, 2013

O poder de valorizar um terreno de 11 milhões, para 55 milhões.


parque mayer corrupçao Carmona Rodrigues foi acusado pelo ministério público de beneficiar ilicitamente a Bragaparques, lesando em muitos milhões de euros a Câmara Municipal de Lisboa.
Não obstante a presunção de inocência a que, como é óbvio, tem direito, esta é uma história que mete nojo.

Segundo o Público, tudo terá começado com a aprovação ilegal dum pedido de informação prévia, que atribuiu à Bragaparques o direito de construir 46.500 m2 no Parque Mayer, decisão que constituía uma violação do PDM.
Um terreno comprado ao estado, por 11 milhões de euros, passava assim a valer 55 milhões, nas mãos dos privados, isto é, 5 vezes mais. Não existe no mundo negócio com tamanha rentabilidade. Suponho que nem o tráfico de droga ou armas.
A sórdida tramóia prosseguiu com uma muito conveniente permuta de terrenos: a câmara fica com o sobreavaliado Parque Mayer e entrega em troca uma parte dos terrenos da feira popular, esses sim com um alto valor patrimonial.
Em seguida, a câmara atribui à Bragaparques um inexistente direito de preferência na compra da parte da feira popular que não tinha sido permutada. Esta operação terá desviado dos cofres da autarquia mais 1 milhão de euros, que passou directamente para o bolso dos empreiteiros de Braga.
O banquete continuou com uma isenção do pagamento de taxas no valor de 9 milhões de euros. Mais uma verba que escorrega directamente dos depauperados cofres da autarquia para a conta da Bragaparques. Tudo isto é de ir ao vómito. 

E eles continuam adiar, para ter tempo de prescrever, arquivar, corromper e prosseguir o regabofe.
"Parque Mayer julgado em 2013
O julgamento do Parque Mayer, que se deveria iniciar no dia 25 de Setembro, foi novamente adiado, desta vez para 2013. A primeira sessão do caso, no qual está em causa o negócio da troca dos terrenos do Parque Mayer pelos da Feira Popular, e onde Carmona Rodrigues, ex-presidente da Câmara de Lisboa, é um dos arguidos, está marcada para a manhã do dia 9 de Janeiro." CM

ACTUALIZAÇÃO::: 2014. O Tribunal Central de Lisboa absolveu hoje o ex-presidente da Câmara de Lisboa Carmona Rodrigues e os ex-vereadores Fontão de Carvalho e Eduarda Napoleão, acusados de prevaricação de titular de cargo político, no âmbito do processo Bragaparques. Em causa estaria o suposto favorecimento da Bragaparques em prejuízo do município.

  Para o tribunal, os arguidos não agiram "em conjunto e em conluio" para "beneficiar o particular" (Bragaparques), acrescentando que, numas situações houve "clara de falta de prova" e outras "dúvidas", aplicando-se, neste caso o princípio de "na dúvida absolve-se". sic

O presidente da Bragaparques garante que não fez donativos para a campanha que elegeu Carmona Rodrigues para a Câmara de Lisboa. A questão foi levantada esta manhã durante o julgamento da troca de terrenos do Parque Mayer e da Feira Popular. Domingos Névoa diz que não houve qualquer ilegalidade e que, a haver suspeitas, em vez de Carmona Rodrigues, teria de ser Santana Lopes a sentar-se no banco do réus. sic

A câmara de Lisboa vai pagar 100 milhões de  euros à Bragaparques pelos terrenos da antiga Feira Popular e do Parque  Mayer, de acordo com a proposta que o presidente da autarquia vai apresentar  na próxima reunião.
  António Costa anunciou na terça-feira que chegou a um "acordo global"  com a Bragaparques e que o iria apresentar na próxima reunião de câmara.
Na proposta que vai à reunião de câmara, datada de hoje e a que a agência  Lusa teve acesso, pode ler-se que o acordo "prevê a restituição à sociedade  Bragaparques - Estacionamentos, S.A. e à sociedade P. Mayer S.A. as quantias  desembolsadas a título de preço e encargos fiscais e administrativos, atualizados  pelo índice de inflação, na aquisição daqueles terrenos". SIC

6 comentários :

  1. Bom Ano Novo para a Zita e todos os outros leitores e comentadores

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado e esperemos que sim que o 2013 seja um bom ano para todos. :)

      Eliminar
  2. Aindam acham disparatada a ideia de ser obrigatória a passagem anual pelo polígrafo de todos os políticos?
    Bom Ano!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia poderia não ser disparatada, mas os visados, (politicos) jamais a aceitariam... se eles aceitassem imposições do nosso interesse, estaríamos perante uma democracia, coisa que não temos.
      E se eles aceitassem pedidos e imposições do povo muitas coisas poderiam mudar, mas a realidade é que eles não aceitam.

      Eliminar
  3. ou estou confuso com outra bronca da bragaparques (que tiveram broncas em todos os sitios pelos que passaram excepto pasmem-se, em braga) este caso ainda tem mais que se lhe diga...
    se a memoria nao me falha, foi neste caso que tentaram aliciar um vereador da camara de lisboa atraves do irmao dele, que foi ao ministerio publico, e forao apanhados com a boca na botija a dar naoseiquantos mil euros
    O processo contra a bragaparques nao foi em frente, adicionalmente a bragaparques tentou N's processos contra a pessoa que denunciou o crime.
    ora vejam uns links encontrados a pressa:
    http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=2307593
    este blog pode nao ser imparcial, mas tem muita informacao:
    http://parquemayer.wordpress.com/
    se estiver a fazer confusao, desculpem la qq coisasinha :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No final do artigo também divulgo o caso dos irmãos Sá Fernandes. Assim como outros.

      Eliminar