14 novembro, 2012

Camarate finalmente trazido à luz pelo medo. Morte das testemunhas?


camarate correio manhã josé moreiraApós as publicações das confissões sobre o caso Camarate, no Youtube, pelos que garantem, ter sido os autores e garantem ter sido um atentado.
Enviaram ao blog, mais esta noticia que vem novamente colocar em causa a versão de que Camarate foi apenas um acidente...
Um acidente que segundo o relatório da investigação, foi provocado porque o avião estava em muito mau estado e o piloto era demasiado incompetente... situação estranha se atendermos ao facto que se tratava de transportar duas das figuras mais importantes de Portugal e que portanto deveriam ser exigidos os mais seguros, os mais competentes, os mais eficazes, aviões e pilotos!!!
Mas mais estranho ainda é que os próprios aeroportos impõem determinadas exigências que devem ser cumpridas ASSIM COMO os mecânicos e os  pilotos que, geralmente não são suicidas, e todos eles lêem a caderneta antes de cada voo é obrigatório e conveniente que o façam, caderneta essa que deu origem ao famoso relatório digno de um avião da sucata.... quem pegava num avião assim? 

O Correio da Manhã, relatou, desta forma, o caso do estranho "falecimento" da testemunha José Moreira... O dono do avião. 
"Polícias e Ladrões: O Caso do Gás (1983)
Mortes misteriosas que ensombram a PJ
Os corpos foram encontrados nus, ele em cima dela, no chão alcatifado. Parecia que os amantes tinham morrido durante uma escaldante cena de sexo. E foi isso mesmo que pensou o descuidado inspector da Polícia Judiciária chamado a esclarecer as causas da morte.
O investigador ficou sem a mais pequena dúvida sobre o que aconteceu naquele apartamento de Carnaxide, nos arredores de Lisboa, em 4 de Janeiro de 1983, uma terça-feira. José Moreira e Elisabete Silva foram vítimas de um trágico acidente doméstico – por respirarem monóxido de carbono libertado pela combustão do esquentador. Mas uma observação mais atenta do cenário teria ali detectado sinais inconfundíveis de mãozinha criminosa.

Os corpos não estavam arroxeados, como é próprio do envenenamento por monóxido de carbono, e o esquentador estava apagado, com o botão na posição de desligado, e não havia uma única torneira aberta. O cadáver de José Moreira apresentava marcas de agressões: a cana do nariz estava desviada, talvez por efeito de um valente murro, e um fio de sangue seco desprendia-se da narina direita.

Os indícios de crime eram demasiado evidentes. Mas uma outra circunstância obrigava a uma investigação mais cuidada: o engenheiro José Moreira, amigo e colega de curso de Amaro da Costa, o ministro da Defesa falecido a bordo do avião que se despenhou em Camarate, desaparecia para sempre nas vésperas de prestar depoimento na primeira comissão parlamentar de inquérito ao desastre – e era público que ameaçava contar o que sabia sobre o caso.

Treze dias depois das mortes de José Moreira e de Elisabete Silva, a Polícia Judiciária voltou ao apartamento de Carnaxide para experimentar o esquentador. Os técnicos ligaram o aparelho e, após hora e meia de funcionamento com as torneiras da casa de banho e da cozinha abertas, mediram a contaminação do ar. Os resultados foram surpreendentes. A quantidade de monóxido de carbono detectada, segundo o relatório assinado pela especialista Júlia Vilar, “não era suficiente para causar as mortes”. Nem assim os investigadores da Polícia Judiciária abandonaram a teoria de acidente.

Os sintomas de intoxicação por monóxido de carbono dependem do esforço físico despendido durante o período de exposição, da temperatura e da velocidade de movimentação do ar ambiente. Este dado científico quer dizer que quanto maior for o esforço físico e quanto menor for a deslocação do ar – mais depressa se morre por inalação de monóxido de carbono.
Os investigadores encarregados do caso concluíram então que o casal tomou um prolongado duche quente, saltou da banheira e no corredor alcatifado, à saída da casa banho, entregou-se aos prazeres do sexo. O esforço físico dos amantes, numa casa fechada sem movimentação do ar e contaminada pelo gás libertado na combustão do esquentador, acelerou a morte – mesmo sob o efeito de inofensivas percentagens de monóxido de carbono.
Acontece que na casa de banho não foi encontrada a mais leve prova de que José Moreira e Elisabete Silva tenham tomado banho: nem uma gota de humidade na banheira, nem uma toalha grande com sinais de ter sido utilizada – e tão pouco o esquentador estava ligado.

O relatório das autópsias identificou ferimentos suspeitos no corpo de José Moreira. Além do septo nasal afundado por um murro, o médico legista descobriu lesões no ombro esquerdo e no joelho do mesmo lado. Essas escoriações, compatíveis com a acção abrasiva da alcatifa, indiciavam que o cadáver foi puxado pelo braço direito e arrastado até ao local onde o encontraram sobre o corpo de Elisabete. A investigação da Polícia Judiciária não deu a mais pequena importância aos ferimentos: considerou-os irrelevantes – próprios do fogoso sexo a que os amantes se entregaram até à morte, silenciosa e doce, por inalação de gás.

O monóxido de carbono não provoca lesões nos pulmões das vítimas como as que foram descobertas em José Moreira e Elisabete Silva. Os médicos legistas, após demorados exames, descobriram que os alvéolos pulmonares de ambos estavam destruídos – ferimentos internos que não resultam da simples inalação. O rebentamento dos pulmões, de acordo com o que a investigação criminal sabe de ciência certa, só pode ser provocado por gás administrado a grande pressão. Houve na PJ quem levantasse a hipótese de o crime ter sido cometido através de um tubo enfiado na boca das vítimas e ligado a uma botija. Nada disto foi investigado. Prevaleceu a tese do acidente por monóxido de carbono. Mas, se assim foi, o casal teria morrido exactamente ao mesmo tempo? Um não teria dado pela perda da consciência do outro?

INVESTIGAÇÃO
- A recolha de impressões digitais é tarefa obrigatória na investigação criminal.
- No caso da morte de José Moreira e de Elisabete Silva, os investigadores da Polícia Judiciária dispensaram a recolha de impressões digitais no apartamento onde os corpos foram encontrados.
- A investigação do caso de Carnaxide foi dada como concluída pela Polícia Judiciária ao fim de escassas semanas.
- O médico legista, Fernando Fonseca, reconheceu que aquilo que aparentava um acidente indiciava homicídio. Vinte e três anos depois, o processo repousa no pó dos arquivos.
'CAMARATEGATE'
José Moreira era proprietário de um avião que, nas eleições presidenciais de 1980, colocou ao serviço do general Soares Carneiro, candidato da Aliança Democrática, coligação formada pelo PSD, CDS e PPM. Já durante a campanha, o aparelho foi apreendido pelas autoridades aeronáuticas por razões ainda não totalmente esclarecidas. Foi então que um empresário do Norte emprestou um segundo avião – que veio a despenhar-se em Camarate, na noite de 4 de Dezembro de 1980.
José Moreira financiou equipas de investigação particulares sobre o que teria provocado a queda do avião. Morreu na data mais conveniente – precisamente nas vésperas de depor na primeira comissão parlamentar de inquéritocmjornal.

E quando todos os crimes prescreveram... 
Secretas internacionais podem ter informações sobre Camarate
E o Instituto de Medicina Legal, que voltou a analisar amostras recolhidas há três décadas, concluiu que José Moreira, proprietário de um avião que já tinha sido utilizado por Amaro da Costa, terá morrido por intoxicação de monóxido de carbono e gás, mas de forma forçada, indiciada pela ruptura dos alvéolos pulmonares, desvalorizada na altura.
O actual presidente da Medicina Legal disse mesmo aos deputados que a investigação médico-legal feita naquele caso tinha deficiências e insuficiências difíceis de aceitar nos dias de hoje.
Os trabalhos da 10ª comissão parlamentar de inquérito à tragédia de Camarate estão suspensos, pelo menos até Março, à espera de documentos pedidos à Alemanha, ao Reino Unido e aos Estados Unidos. fonte

Comissão de inquérito reconhece o assassinato
Confissão em video
Confissão em texto.

4 comentários :

  1. Pena que não se reabra o caso Camarate porque mais que uma pessoa não saberia donde se meter. Vergonhoso...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco Pinto Balsemão:
      https://www.facebook.com/sergio.racionalista.5/posts/1532176553711070

      Eliminar
  2. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar