11 julho, 2013

Obras insustentáveis, enriquecem quem? Acorda povo!



O regabofe continua, a gestão ruinosa prossegue. As obras avançam, para enriquecer os amigos do regime (Banca, empreiteiros, engenheiros, arquitectos, políticos) com a desculpa de que são obras para melhorar a vida das populações.
Mas se a população fosse questionada, jamais aceitaria que um edifício da GNR custasse perto de 5 milhões de euros. De certeza que o povo saberia decidir melhor destino para tanto dinheiro, já que é ao povo que custa ganhar e é ao povo que ele faz falta. Mas o povo, continua silenciado, ignorado e cada vez mais enganado e roubado.

"O concelho de Reguengos de Monsaraz tem 10.828 habitantes (CENSOS 2011).
A autarquia decidiu construir um novo quartel para a GNR, recuperando o edifício da antiga adega da Cartuxa. No passado mês de Janeiro, foi lançado o concurso público para a empreitada desta obra, a qual tem um custo (inicial) superior a 2 milhões de euros (2.279.735,20 €).
Estamos, mais uma vez, perante um dos municípios que recorreu à ajuda financeira do PAEL - Programa de Apoio à Economia Local, tendo obtido um empréstimo de 4.872.327,01 €. E, não obstante, da leitura da acta (n.º3) da reunião ordinária da Câmara Municipal, realizada no dia 6 de Fevereiro de 2013, ficamos a saber que esta autarquia recorreu a outro empréstimo bancário no valor de de 670.000,00€, "considerando as pontuais e eventuais dificuldades de gestão de tesouraria desta Autarquia Local e considerando que durante o ano de 2013 pode, eventualmente, justificar-se o recurso a um novo empréstimo de curto prazo". fonte : Má Despesa Pública.

As pessoas têm que perceber que as obras megalómanas não visam o bem estar das populações. Qualquer gestor, até uma mãe de família doméstica, saberia que é totalmente irracional, e não visa o bem da família, empenhar o orçamento familiar, para empreender obras de luxo ou despesistas, para depois deixar de ter dinheiro para comprar comida, roupa e medicamentos para os filhos. Mas os que gerem o erário público insistem em fazer isso mesmo. Espalhar obras megaloamanas pelo país, que ou ficam abandonadas, ou são demolidas, porque não há dinheiro para as manter nem há quem as utilize, e deixam as populações desprovidas daquilo que realmente faz falta, mas não dá dinheiro aos amigos.
O país tem por todo lado exemplos disso mesmo. Mas eles não aprendem, porque não se trata de falta de sabedoria, mas sim de desonestidade. Porque enquanto eles constroem, demolem e voltam a construir, há centenas de parasitas amigos que são beneficiados ao estilo do costume.
Neste video, a história da Parque escolar é a prova mais degradante do abuso do dinheiro e poder público, em favor de privados-

Casos de demolição ou venda de património, sem respeito pelo contribuinte.
Mais investimentos insustentáveis

1 comentário :

  1. Enquanto os municipes não puserem processos aos técnicos e ou aos dirigentes, em vez de os porem às entidades...não saímos desta corrupção toda. Muitas vezes os maiores crimes da humanidade são feitos ou permitidos pelas pessoas que estão a fazer o seu trabalho obedecendo cegamente às maiores aberracções pedidas...

    ResponderEliminar