06 junho, 2013

FMI diz ao mundo que a Grécia foi vítima de erros graves


ALEMANHA crise grécia fmi bandeira portugalDe que estão à espera para mudar as medidas e alterar o rumo destrutivo de Portugal? O que esperam para inverter a espiral recessiva para onde empurraram a economia portuguesa? 
No entanto fica a questão: Foi erro, ou uma estratégia calculada para eliminarem direitos dos cidadãos e destruírem o património nacional
Se foi erro, o Gaspar pode começar por um pedido de desculpas aos portugueses sacrificados. 

"Fundo reconhece que torceu as suas regras e acusa Bruxelas de desprezar efeitos da austeridade na economia
Três anos. Foram precisos três anos de austeridade, dois planos de resgate, um perdão da dívida, muito desemprego, muita recessão e muito sofrimento. Três anos depois, o FMI admite erros graves no resgate à Grécia e que teve de "torcer" as próprias regras para poder apoiar financeiramente Atenas e assim evitar uma desintegração da zona euro, segundo o "The Wall Street Journal". O jornal económico norte-americano noticia, citando um documento confidencial que o FMI admite erros significativos nos remédios do programa da Grécia e nos efeitos que estes teriam na economia grega.
Nesse mesmo documento, o FMI diz que esta resposta permitiu à zona euro mais tempo para tomar medidas que limitassem o impacto nos restantes países do euro. O FMI admite ainda que terá "torcido" as suas próprias regras para que a dívida da Grécia parecesse sustentável e diz que uma análise feita agora permitiria perceber que a Grécia falharia três dos quatro principais critérios para poder receber assistência económica. O documento diz que as incertezas sobre o resgate grego eram "tão significativas que a missão técnica não foi capaz de garantir com elevada probabilidade que a dívida pública era sustentável" e que o Fundo foi demasiado optimista relativamente às perspectivas do governo grego de regressar ao financiamento de mercado e à sua capacidade política para implementar as condições do programa.
ATAQUE FORTE A BRUXELAS
O resgate, segundo o FMI, terá sido uma operação feita para "dar tempo à zona euro para criar uma firewall para proteger outros membros vulneráveis e evitar efeitos potencialmente graves na economia mundial".
Sobre a Comissão Europeia, parceiro do FMI na troika, a organização diz que tinha tendência para delinear medidas por consenso, "tem tido sucesso limitado na implementação das condições associadas aos empréstimos e não tem experiência na gestão de crises", além de considerar que a CE está mais preocupada com o "cumprimento das regras da União Europeia que com o impacto no crescimento económico" e que "não foi capaz de contribuir muito para identificar reformas estruturais potenciadoras de crescimento".

Depois desta confissão de incompetência e mentiras sobre a Grécia, é natural que os outros países sob resgate, como Portugal, Irlanda e Chipre, exijam a Christine Lagarde, directora-geral do FMI, documentos semelhantes para que possam confrontar Bruxelas com as suas responsabilidades, pesadas, na recessão e no desemprego."  FONTE
Nota:: Ainda sobre esta matéria, ouvi ontem na rádio, que este relatório considerou Durão Barroso "incompetente" (não recordo o sinónimo que eles utilizaram) para o trabalho que tem realizado. 
Já estive a tentar encontrar a confirmação na imprensa escrita e por enquanto nada, por isso apenas possuo esta informação, sem fonte que me corrobore, para além da minha memória.

E se tivermos em conta que, em Portugal foram aplicadas medidas de austeridade, mais duras... devemos concluir que os erros foram ainda mais graves e mais destrutivos. 
Condições em que foi negociada a dívida da Grécia, segundo o video.
PONTO 1 - A  Grécia conseguiu uma redução dos juros de 1% (6 pontos base)com a desculpa que o seu empréstimo é bilateral (Alemanha e França)
PONTO 2  - Conseguiu também uma redução de 0,1% (10 pontos base) à comissão que o fundo cobra à Grécia, e esse nem desculpa deram para não se aplicar a Portugal... 
PONTO 3 - A Grécia conseguiu alargar o tempo de vigência da divida de 15 para 30 anos... Portugal não precisaria de 30 anos, mas um pouco mais de espaço fazia-nos geito.
PONTO 4 - E o mais escandaloso e injusto, é que a Grécia conseguiu um período de carência de 10 anos... ou seja, fica 10 anos sem amortizar divida, e apenas após esse período, é que começam a pagar... Pois desta forma vão obrigar os portugueses a que em 2014 tenham que pagar 14 mil milhões de euros de amortização de divida, em 2015 pagaremos 17 mil milhões de euros e em 2016, 20 mil milhões de euros.  E a Grécia? Nada!!!!
Chipre tem 22 anos para pagar empréstimo de 10 mil milhões + juros a 2,5%;
Portugal tem menos de 10 para pagar 78 mil milhões + juros a 3,55% !!!! Video e artigo completo.

Para agravar a destruição da economia nacional, o governo tomou a iniciativa de aplicar mais austeridade, que a exigida.
  1. - Educação: "Governo corta o triplo do que a troika mandou. "
  2. - SNS: "A ‘troika’ mandou cortar 550 milhões e o Governo cortou mais 650 milhões e este ano vai cortar mais”, sublinhou.
  3. Baixar TSU foi iniciativa do Governo, não da troika, diz chefe de missão do FMI." fonte
  4. Portugal reduziu em mais de 5% dos funcionários públicos entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. Superando, assim, em mais do dobro a meta anual imposta pelo memorando da troika.
  5. - Chefe da troika contra mais aumentos de impostos.
Quem dá os números aos técnicos do FMI e quem norteou as suas reflexões foram 10 ministros e cinco secretários de Estado. Virem agora dizer que o documento do FMI é apenas um exercício externo pode ajudar o Governo a manter-se neutro e sacudir o capote das responsabilidades. Mas não é e bem o sabemos. Este é o programa que Passos Coelho e Vítor Gaspar gostariam de apresentar. As suas prescrições são a síntese do seu programa político e ideológico. 

Os títulos na imprensa dão conta do mau governo que temos e dos maus resultados que alcança. 
 - "Segundo o relatório Fiscal Monitor, Portugal é a segunda economia do mundo com maior aumento da carga fiscal entre 2009 e 2012."   Económico
 - "Entre os seis países da União Europeia, Portugal é o único onde as medidas de austeridade exigiram um esforço financeiro aos pobres superior ao que foi pedido aos ricos, revela um estudo recente publicado pela Comissão Europeia. Na comparação com Grécia, Estónia, Irlanda, Reino Unido e Espanha, Portugal é também o País que regista um dos maiores aumentos de risco de pobreza devido às medidas de consolidação orçamental adoptadas durante a crise, ultrapassando a barreira dos 20% da população em risco." RTP
- "O pico de mortes em Portugal está relacionado com o programa de austeridade. O SNS foi forçado a cortes radicais desde que começaram a executar o plano de resgate do FMI em Maio, os efeitos começaram a sentir-se."(The Guardian)
- "Vítor Gaspar admite "enorme aumento" de impostos. Governo aumenta em média 34,6% com sobretaxa de 4%".rtp
- "Portugal é o país da União Europeia, com excepção da Letónia e Lituânia, a ter maiores desigualdades na distribuição dos rendimentos das famílias." Fonte
- "Portugal entre os países que possui a mais pesada carga fiscal para a classe média." Fonte
- "Índice de Desenvolvimento Humano: Portugal é 41.º
- "Portugal tem 3,4 camas de hospital por mil habitantes, dos valores mais baixos da UE.
- "Forças de segurança vão receber um aumento de 10,8% OE 2013
- "Portugal é o terceiro país da Zona Euro com mais polícias.
- "A despesa de Portugal com Defesa é superior à média da Zona Euro 
- Fosso entre ricos e pobres no nível mais elevado em 30 anos
- Emigração aumentou 85% em 2011. Quase 44 mil residentes em Portugal abandonaram o país nesse ano. Números estão longe de reflectir a situação actual. fonte
- "O esforço pedido pelo Governo às famílias em 2012 vai ser mais do triplo que o acordado com a troika, enquanto o corte nas ‘gorduras’ do Estado vai permanecer inalterado." fonte
-  Como conseguir tratamento do cancro na Alemanha. 
-  A história de Safira, a menina que se curou de cancro, na Alemanha e desafiou Portugal.

Já no ano passado o FMI tinha admitido o erro, mas prosseguiram?



7 comentários :

  1. Só uma nota á parte, faz hoje 69 anos que milhares de jovens perderam a vida nas praias da normandia para libertar a europa do jugo nazi, hoje esses mesmos jovens devem estar a "rebolar" na campa ao ver no que a europa se tornou.

    ResponderEliminar
  2. Exactamente. A Europa está novamente a ser ocupada saqueada e destruída, com o desplante do total fingimento... Enquanto os povos não perceberem esta farsa e não lutarem contra ela de todas as formas possíveis, o pesadelo aumentará até à destruição total da Europa e da sua civilização que o resto do mundo desejava copiar... A tristeza é que há pessoas que ainda têm dúvidas...sobre incompetência ou maldade pura e dura. Acordem as pessoas que estão nos governos de hoje são lá postas com a missão da destruição total do que elas deviam defender ( o povo estúpido votou neles com essa esperança ou interesse egoísta). Eles nem se importam em perder ou ganhar eleições pois têm tentáculos em todos os lados. Alguma vez os porcos guterres, coelhis, sócrates, constâncios, barrosos, etc, se preocupam? Os outros donos arranjam-lhes outro tacho algures lá fora ou mesmo cá dentro depois da respectiva lixiviação da sua fama nos media fracos e subservientes Portugueses. Por favor! Acordem, eles só vão parar quando destruirem tudo o que lhes mandaram, ou quando alguém os parar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia não é bem destruir tudo, mas destruir alguns países, para serem escravos e alimentarem os outros... e esses países escolhidos para servirem de escravos dos outros são Portugal Grécia, Irlanda etc, pois são os mais corruptos e onde o povo vive mais desligado e desinteressado destes assuntos facilitando a vida aos politicos na sua actividade traiçoeira de vender a nossa soberania a nossa liberdade e a nossa dignidade.

      Eliminar
  3. Nesta data histórico, desembarque Aliado na Normandia em 6-6-1945, presto também as minhas sentidas homenagens a todos os jovens, lutando em qualquer das partes beligerantes, pereceram em combate.
    Os jovens em idade de mobilização militar foram, são e serão as principais vítimas dos grandes erros ou ambições políticas.
    Será este um momento para, também, recordar e homenagear também todos os militares portugueses que entre 1961 e 1974, em nome de uma pátria pluricontinental - cuja existência, as superpotências emergentes da guerra de 39-45, condenaram - deram as suas vidas ou definitivamente as comprometeram.


    ResponderEliminar
  4. Do texto acima destaco:

    "Sobre a Comissão Europeia, parceiro do FMI na troika, a organização diz que tinha tendência para delinear medidas por CONSENSO, "tem tido sucesso limitado na implementação das condições associadas aos empréstimos e não tem experiência na gestão de crises", além de considerar que a CE está mais preocupada com o "cumprimento das regras da União Europeia que com o impacto no crescimento económico" e que "não foi capaz de contribuir muito para identificar reformas estruturais potenciadoras de crescimento".

    Reparem, por favor:

    Decisões por consenso: Significa que existiam várias opiniões em avaliação. Ou seja, com tanta cabeça bem pensante, bem viajada e muito bem paga, o futuro de nações em risco decide-se por leilão de opiniões...


    "...a CE está mais preocupada com o "cumprimento das regras da União Europeia que com o impacto no crescimento económico"...

    Existe, aqui dolorosamente expressa, a vontade de Merkle (ela é, actualmente, a UE) em ser intransigente e punitiva.

    Merkle, e Schauble, pretendem pelo castigo exemplar, mostrar o vai acontecer aos pequenos países que infrinjam as regras de Maastrich.

    Claro que quando a França e a Alemanha infrigiram os limites da dívida, nada aconteceu...

    A imagem dos grandes poderem bater nos pequenos, sem consequências, aplica-se agora também aos países.



    ResponderEliminar
  5. Roubam, destroem a nossa economia e ainda ficam com uma reforma choruda vitalícia,e o povo impávido e sereno a assistir a tudo isto, até quando?
    Gostava de ver a Esquerda toda unida.

    ResponderEliminar
  6. Eu continuo a defender uma revolução mas, URGENTE, e que tal aproveitarmos que a luta já chegou a Europa pelos Turcos e lançarmos a nossa?
    Mas estar na rua a serio, não é ir meia duzia de gatos pingados e os outros, velhos e jovens a ver no café.

    ResponderEliminar