18 junho, 2013

A ostentação que nos empurra para a miséria...


Um dia mais tarde, e se Portugal sobreviver a tudo isto, quando alguns portugueses quiserem contar a história de Portugal aos seus filhos e netos, encontrarão neste artigo, uma forma muito interessante, de transmitir o ridículo a que deixamos chegar o país. 
É um resumo realista e ao mesmo tempo cómico, pela introdução do conceito "Marajá"... que incute o estilo sarcástico e permite alcançar visualmente, a dimensão do ridículo que são, os que nos desgovernam. 
O luxo, a ostentação, a arrogância, o abuso e a prepotência... nada lhes falta, aos snobs pretensiosos que nos escravizam, para seu deleite e abastança, verdadeiros aspirantes a marajás.

"Os portugueses não foram apenas à India (1498), onde se estabeleceram durante muitos séculos, absorveram também na sua cultura, os hábitos dos seus marajás.
A monarquia constitucional (1834-1910), colapsou, devido à quantidade de parasitas viviam à custa do Estado e dos seus apêndices, sem nada produzirem.
A primeira república em Portugal (1910-1926), anunciou que iria acabar com o parasitismo dos marajás, mas rapidamente ficou refém de políticos demagogos, incompetentes e corruptos que viviam da parasitagem no Estado.
A Ditadura (1926-1974), a segunda República, pretendeu também acabar com o desperdício e a parasitagem, mas cedo se percebeu que o que fez foi proteger uma elite que vivia na mais completa parasitagem protegida pelo Estado. (Fundaram os donos de Portugal)
A terceira república, que começou em 1974, prometia um virar de página neste domínio. Pura ilusão. Os "marajás", como dizem os brasileiros, que pululam pelos partidos políticos não tardaram a dominar o aparelho de Estado, apropriando-se de tudo o que podem, conduzindo o país para um contínuo empobrecimento.

O perfil e os hábitos dos marajá, embora revelem alguma variação de marajá para marajá, estão perfeitamente tipificados:
- O Marajá considera as instituições ou empresas públicas como sua propriedade. O único a quem tem que prestar contas é a ele próprio. O secretismo sobre as finanças do país, da câmara, junta de Freguesia, empresa pública ou municipal, frequentemente em nome do "interesse nacional", é um princípio sagrado.
 - O Marajá estabelece o seu próprio vencimento, de acordo com a sua suposta dignidade do cargo e presumidos méritos pessoais. Se legalmente não o puder fazer, e não puder mudar a lei, o marajá dedica-se a acumular cargos e mordomias (viaturas oficiais, almoços, viagens, despesas de representação, cartões de crédito, residências oficiais, subsídios de deslocação, integração, reintegração, horas extraordinárias, etc, etc) até perfazer tudo aquilo a que tem direito.
 - O Marajá necessita de uma corte para o servir, e é por isso se faz rodear de assessores, consultores, funcionários para isto e aquilo. Muitos marajás, instalados por exemplo nas Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia, transformam grupos populacionais, como os idosos e as crianças, em membros das suas cortes pessoais.
- O Marajá vive da pompa e circunstância, por isso não olha a custos em festas, recepções, prendas, pequenos e grandes luxos, não apenas porque eles são próprios do cargo, mas porque é próprio das suas funções públicas esbanjar recursos em eventos, comemorações e obras para dar animo ao povo.
 
Protecção dos Marajás - constroem o seu forte impenetrável
Os marajás da Assembleia da República ao longo dos anos foram produzindo uma sofisticada legislação que protege os marajás, impedindo que possam ser responsabilizados pelo descalabro que provocam na contas públicas.
- Primeiro impediram que se possa conhecer com rigor quantas entidades se alimentam do orçamento do Estado (administrações centrais, regionais e locais, empresas, institutos e fundações públicas), consumindo 51% do PIB.
- Depois limitaram a fiscalização pública destas entidades, nomeadamente através do Tribunal de Contas. Num universo estimado de 13.740 entidades que estão sob a jurisdição do Tribunal de Contas, apenas 1.724 apresentaram contas, mas só foram fiscalizadas 418. O descontrolo é total.
- Por último, produziram uma legislação que confere aos políticos portugueses a total impunidade no saque dos recursos do país, e que só em condições excepcionais sejam presos. 

Os Marajás de Portugal - 
Não faltam marajás em Portugal, o problema é sempre o da sua selecção, tantos são os candidatos para os diferentes categorias. Correndo os risco de sermos acusados de ter cometido graves omissões, daremos alguns exemplos ilustrativos para as várias categorias, privilegiando os insuspeitos marajás.
- Marajás carismáticos -
Apesar da enorme diversidade de estilos, estatutos e meios que dispõem, ou dispuseram, todos possuem uma característica comum: desfrutam ou desfrutaram de uma enorme popularidade junto do seu eleitorado, por mais desmandos que tenham feito. As suas redes clientelares, solidamente criadas, dão-lhes permanentes provas de reconhecimento e apoio. As regras da ética política e da decência, não se lhes aplica. Alguns atingiram o estatuto de total impunidade, colocando-se acima da própria Justiça. Nada os incomoda.
Mário Soares...
Alberto João Jardim. Líder regional do PSD, critica todos os governos da República por falta de transparência, roubalheira e desvario na gestão da coisa pública. A verdade é que este governador regional da Madeira é o pior exemplo do país nestes domínios.
Isaltino Morais. Antigo militante do PSD, apesar dos vários casos em tribunal e de ter sido condenado por desvios de fundos públicos, continua a ser premiado nas eleições autárquicas com o voto dos munícipes.
Avelino Ferreira Torres. Antigo militante do CDS-PP, como presidente da Câmara Municipal de Marco de Canaveses ultrapassou tudo o que seria imaginável de um autarca, sendo sucessivamente condenado pelos tribunais. A população local, imbecilizada, continuou a votar nele.

-Marajás camarários - 
As 308 câmaras de Portugal são um verdadeiro viveiro de marajás. É extremamente difícil A parasitagem está de tal modo instalada e enraizada, que deixou de ser questionada.
*Câmara Municipal de Lisboa. A cidade de Lisboa, entre 1981 e 2008 perdeu 41% da sua população. No entanto neste mesmo período o número de funcionários, dirigentes, assessores, serviços, empresas municipais nunca parou de aumentar. Os custos com viaturas oficiais, deslocações, horas extraordinárias, subsídios, acumulações de vencimentos, prémios, promoções, atribuição de casas camarárias aos próprios funcionários e dirigentes, etc., etc., foi subindo exponencialmente.
Em Janeiro de 2010, as dívidas acumuladas da CML eram de 1,952 mil milhões de euros. Se a estas dividas somarmos as das 53 freguesias e das dezenas de empresas municipais de Lisboa, é fácil perceber que estamos perante um enorme esbanjamento de dinheiro dos contribuintes capaz de fazer felizes muitos pequenos e grandes marajás.
Apesar da câmara e das empresas municipais estarem falidas, os seus dirigentes municipais nunca deixaram de atribuírem a si próprios prémios pela excelência da sua prestação à frente das mesmas (1). E subsídios a fundações de amigos.
Este quadro torna-se ainda mais revelador do descalabro que a cidade mergulhou , quando se constata que o actual presidente da CML - António Costa - ao mesmo tempo que recebia uma reforma do Estado, auferia também o vencimento completo de presidente. O líder da oposição, o vereador Pedro Santana Lopes, recebe 2 (duas) reformas do Estado. A CML à semelhança do país é dirigida por políticos que acumulam mordomias e reformas do Estado.  
*Câmara Municipal do Alandroal. Nesta autarquia alentejana, cuja maioria dos seus 6197 habitantes é reformada ou pensionista do Estado, existe um funcionário público para 28 habitantes. Apesar da população ter vindo sempre a diminuir, os presidentes da câmara não param de aumentar o número de funcionários, despesas com horas extraordinárias, gratificações, viagens, etc, etc. As dívidas não pararam também de subir, desde 2001 ao ritmo de 3 milhões por ano, ultrapassando todos o limites legais (2). Os marajás do Alandroal, à sua escala, não olharam a meios para criar uma corte de dependentes.
*Câmara Municipal de Espinho. Os presidentes das câmaras municipais em Portugal, em vez de resolverem os problemas básicos para os quais as autarquias foram criadas, como verdadeiros marajás, esbanjam o dinheiro dos contribuintes em tudo aquilo que sendo importante, é todavia secundário.
Os exemplos não faltam, mas um dos que fizeram escola foi o da Câmara de Espinho. O Marajá local, em 2000, resolveu dar férias a cerca de 150 idosos do seu concelho no Brasil. Para preparar a visita de tão numeroso grupo, o marajá e outros funcionários camarários, andaram numa roda viva entre Portugal e o Brasil, até que por fim tirou dois meses à conta da autarquia para acompanhar a sua corte no Brasil. O espectáculo conforme consta na imprensa local foi esplendoroso no outro lado do Atlântico.
A partir daqui, outros marajás de câmaras decidiram enviar os seus "velhinhos", devidamente acompanhados pelo presidente, mais os respectivos vereadores e funcionários camarários, sempre devidamente remunerados, para os cantos mais distantes e exóticos do mundo.
Os marajás das Câmaras (308), distinguem-se neste capítulo dos marajás das juntas de Freguesia (4.260), cujos passeios com as suas cortes privativas de "idosos" e outros dependentes, em geral, não ultrapassam o território espanhol.

- Marajás de empresas públicas - 
Os marajás da empresas públicas são conhecidos por se lamentarem de ganhar pouco e desfrutarem de mordomias irrisórias. A única forma que encontraram para compensarem a sua escandalosa situação, é mostrarem o seu desprezo pelo dinheiro que dispõem. Eles estão acima das ninharias que preocupam o comum dos mortais.
-CP - Caminhos de Ferro. O seu presidente ganha a módica quantia de 69.000 euros (2010). Este empresa pública registava, orgulhosamente, o mais elevado de número de chefias em relação ao total de funcionários. A corte de serviçais é impressionante, assim como os números dos prejuízos acumulados. Em 1996, o total de dívidas era de 2,2 mil milhões de euros. Decidiu-se então criar uma nova empresa, a REFER, para repartir as dívidas. Em 2099, o total das dívidas só da CP era de 3,3 mil milhões de euros.
- Refer - Apesar de recente, os valores desta jovem empresa pública impressionam fazem inveja a qualquer marajá. Embora o seu presidente só ganhe a modesta quantia de 66.000 euros (2010), os números das dívidas acumuladas em poucos anos são próprios um grande marajá. Em  2009, a REFER já tinha uma dívida superior a 5,5 mil milhões de euros.
- RTP. O seu presidente, recebe a irrisória quantia de 250.000 euros, mas em nada fica a dever a outros marajás em termos de prodigalidade. Em 2009, a dívida acumulada da RTP era superior a 800 milhões de euros. Prevê-se que nos próximos tempos, devido aos cortes nas receitas publicitárias, espera-se que ultrapasse a confortável posição de mil milhões.
-Águas de Portugal. Em 2010, o seu presidente (ordenado de 126.000 euros), tornou-se conhecido da opinião pública, por furar a miserável contenção de gastos, promovendo a compra numa assentada de 400 novas viaturas para a corte das Águas de Portugal. Os marajás desta empresa pública, têm mostrado que não aceitam limitações à sua tradicional prodigalidade: Em 2005, deviam ao bancos apenas 1,2 mil milhões de euros, passando em 2009, para a expressiva quantia de 2,5 mil milhões.
-Metro de Lisboa. O número de estações aumenta a conta gotas, mas o seu presidente (66.000 euros de ordenado), não se pode queixar. A dívida pública desta empresa não tem parado de aumenta, atingido esperando-se que em 2010, atinja os 4 mil milhões de euros, contra os 3,7 mil milhões do ano anterior. Tem sido uma fartote próprio de grandes marajás.
-Metro do Porto. A empresa é recentíssima, contudo o seu presidente (96.000 euros de ordenado), pode apresentar já números que fazem inveja a qualquer marajá: uma dívida de 2,3 mil milhões (2010).
-Metro do Mondego. A empresa foi constituída, em 1996 e até 2011, o único trabalho que realizou foi desmantelar a linha ferroviária que existia. Os prejuízos não param de aumentarem, assim como os seus 7 administradores, para gerirem 5 funcionários !. Em 2010, mais de 60% do orçamento desta empresa pública foi para pagar aos administradores (ordenados, mordomias, automóveis topo de gama, etc, etc). Uma das razões desta aberrante organização, está no facto das câmaras municipais locais ter exigido ao governo o direito de nomearem os seus marajás. Todos pretendiam participar no roubo do erário público.
-Estradas de Portugal. Face aos números anteriores, o presidente desta empresa pública, está uma situação desconfortável. Em 2005 a dívida era de apenas 50,5 milhões de euros, uma ninharia. Graças à acção de vários marajás passou para em 2008 para uns animadores 910 milhões de euros, tendo atingido os 1,507 mil milhões de euros em 2009. Espera-se que em 2010 este valor da dívida seja superior a 2 mil milhões de euros.
Atendendo ao reduzido valor inicial da dívida, em 2007, o actual Presidente (Almerindo Marques) quando iniciou as suas funções, sem contar com as mordomias do cargo, só conseguiu um vencimento de 18.000 euros mensais. Desde 2008 o seu vencimento tem vindo a aumentar, acompanhando a subida das dívidas da empresa.
-TAP . Os rendimentos do seu presidente (285.000 euros de vencimento), não tem parado de aumentar, assim como a dívida acumulada da empresa: 2, 5 mil milhões de euros (2009).  O marijismo no seu melhor.
-Parpública. Holding que gere as participações do Estado, desde há décadas que é um típico caso de polícia e imoralidade. Autoriza, por exemplo, prémios a gestores cujas empresas dão prejuízo.
A lista é infindável. Por incrível que possa parecer, o Estado central não sabe quantas empresas públicas possui. O Tribunal de Contas, em 2010, calculava que fossem mais de 700 empresas, a esmagadora maioria das quais são verdadeiros buracos sem fundo.

- Marajás das Empresas Municipais -
As empresas municipais são presentemente o paraíso dos marajás de Portugal. Produto das máfias que dominam as Câmaras municipais (308), alimentam todo o tipo de marajás locais, incluindo os partidos políticos.
Ninguém sabe ao certo quantas existem em Portugal, quais as suas funções, quem são os seus gestores, quantos funcionários possuem, nem sequer qual o montante das suas dívidas.  O poderoso lóbi das câmaras garante a total opacidade neste domínio.
Apesar disto, o Presidente do Tribunal de Contas, em Novembro de 2010, calculava que existissem mais de 2 mil empresas municipais. Mostrando-se particularmente preocupado com os montantes das suas dívidas. As futuras gerações vão levar décadas a pagar a roubalheira que já foi feita.
Trata-se de um mundo opaco, onde só a Polícia Judiciária consegue obter alguma informação. De tempos a tempos, alguns dos seus marajás são aborrecidos por terem posto dinheiro das empresas municipais numa conta na Suíça, dado algum a um familiar ou até a amigalhaços do Partido. Tudo coisas menores, que gente sem nível se preocupa..

- Marajás das Regiões Autónomas -
As duas regiões autónomas de Portugal - a Madeira e os Açores - são presentemente um verdadeiro viveiro de marajás. A maioria deles, sobretudo na Madeira, formaram-se nos movimentos separatistas nascidos logo após o 25 de Abril de 1974. Habituaram-se a reclamar, a gastar e a extorquir tudo o que podem ao "Governo da República", sumariamente identificado com os "colonialistas" ou "comunistas" do continente.
Estes movimentos não tardaram a assumirem características mafiosas, em regiões cujas populações continuam a apresentar as mais elevadas taxas de insucesso escolar de Portugal.
As "Assembleias Regionais", ao longo dos anos, foram aprovando um vasto conjunto de medidas compensatórias para os marajás que estão desterrados nas ilhas. Os "custos da insularidade ou ultra-periferia" tem servido de argumento para sacarem importantes recursos financeiros à "República" que depois são esbanjados pelas diversas cortes de mafiosos. O hábito de sacarem já degenerou numa impune roubalheira:
- Os marajás da Madeira, por exemplo, possuem empresas privadas que trabalham directamente para o governo de que fazem parte. A promiscuidade entre o público e o privado é total. Os governantes e deputados atribuíram-se a próprios regalias que mais ninguém possui em Portugal.
- Os marajás dos Açores, em Dezembro de 2010, resolveram compensar as suas clientelas locais pelas perdas nos vencimentos decretadas pelo Governo da República para fazer face aos elevados níveis de endividamento do país. Os marajás dos Açores entendem que estão acima de qualquer crise económica, podem continuar a gastar, esbanjar e a endividarem-se sem qualquer controlo.
As duas regiões autónomas criaram também uma infinidade de empresas, cujas dívidas estão em total descontrolo. Ninguém sabe o que se passa neste domínio.
Nos Açores, em 2007, o Tribunal de Contas, denunciava que os gestores das 26 empresas públicas do Governo Regional, receberem salários milionários.
Na Madeira, em 2005, a maioria das 35 empresas públicas do governo regional estavam falidas, mas os seus gestores entregavam-se a uma roubalheira generalizada. Dados actualizados não existem, para que não se saiba a dimensão desta desbunda própria de grandes marajás.

- Marajás da Assembleia da República -
O prestígio devido à chamada "casa da democracia" está pelas ruas da amargura. Os seus deputados de direita ou de esquerda provocam nojo aos cidadãos, nas palavras de um deputado do PSD (Pacheco Pereira, 2010). As mordomias e regalias dos políticos portugueses, como a acumulação de reformas vitalícias, são o exemplo mais completo do roubo institucionalizado.
As anedotas que se contam na rua ou circulam na internet sobre os deputados portugueses ilustram a imagem que o parlamento possui junto da população.

Em fins de 2010, num inquérito feito à população portuguesa, cerca de 80% indicava a Assembleia da República e os juízes como os principais responsáveis do descalabro do país (4).
Como foi possível chegar-se a este ponto de descrédito? A resposta está nas leis que os deputados criarem para alimentarem os marajás de Portugal, incluindo eles próprios. (...)

- Marajás dos Bancos Públicos -
*Banco de Portugal. O santuário dos marajás de Portugal. Em 2007 ficou-se a saber que os seus administradores não apenas fixavam os seus próprios ordenados, mas também todo o tipo de mordomias, nomeadamente avultadas reformas obtidas num curto espaço de tempo. Chegavam ao requinte de fazerem empréstimos a si próprios com o dinheiro do banco público, mas a taxas mais baixas do que as do mercado.
O seu presidente Vitor Constâncio, antigo líder do PS, em 2009, ganhava 5 (cinco) vezes mais do que o Presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos, Ben Bernanke. Em todo o mundo só os governadores do banco central de Hong Kong e do banco central de Itália eram mais bem pagos.
*Caixa Geral de Depósitos. A Caixa, o principal banco de Portugal, tem sido objecto de um saque permanente por parte dos partidos políticos. Desde 1974 até 2010 deu guarida a 23 ministros ou secretários de Estado. A esmagadora maioria nunca esteve ligada ao sector bancário, o que não os impede de saltarem logo para o topo da hierarquia desta instituição para obterem chorudas reformas e vencimentos. A ex-ministra da Justiça do Governo PSD-CDS, Celeste Cardona (2002-2004), num processo que chocou o país, entrou para administradora da Caixa poucos meses depois de sair do governo.

- Marajás das Forças Armadas -
Portugal ao longo de séculos sustentou sempre várias guerras, no continente e ilhas, mas também pelo mundo fora. Não admira durante este largo período, os oficiais das forças armadas tenha desfrutado de enormes privilégios. As guerras terminaram, em 1974, e desde então Portugal só participa em acções de paz no âmbito da ONU.
Apesar disto, segundo a Stockolm International Peace Research Institut (www.sipri.org), Portugal, desde 1989, é o país com mais gastos militares em percentagem do PIB, no conjunto dos países europeus (UE-27, mais Islandia, Noruega e Suíça). É fácil perceber porquê. Um simples exemplo: só o Estado-Maior das Forças Armadas tem 75% de coronéis a mais (Out/2010). As mordomias dos oficiais em Portugal ultrapassam tudo o que é razoável, em qualquer democracia consolidada.

- Marajás Moralistas -
No Governo, autarquias, empresas e bancos do Estado ou no Tribunal de Contas, deram exemplos de total esbanjamento de recursos públicos, próprios de grandes marajás. Acumulam reformas do Estado e outras mordomias, que o comum dos cidadãos está privado. Desfrutando de uma confortável situação económica, sustentada pelos contribuintes, estes marajás apelam agora à contenção das despesas públicas, à redução do consumo por parte da populaça. Estamos perante a mais tradicional das práticas dos marajás indianos, para quem a abastança faz parte da sua condição, e o Karma da miséria é inerente à populaça.
*Cavaco Silva - Os portugueses nos discursos deste presidente, professor de Economia, habituaram-se a ouvir falar de contenção, combate ao desperdício, rigor das contas públicas, etc. A pratica deste marajá é outra.
Quando foi primeiro-ministro (1985-1995), não fez as reformas que a administração pública carecia, fazendo disparar o défice do Estado. Preparando o seu futuro como acumulador de reformas do Estado, em 1991, instituiu o subsídio de férias para os reformados ...
O BPN, um dos bancos ligados às fraudes que abalaram o mundo desde 2008, tinha como dirigentes vários ministros e secretários de estado de Cavaco Silva. Fosse por que motivos fossem, os seus investimentos neste banco renderam-lhe um lucro 140 por cento. Já depois de se ter descoberto as trafulhices deste banco, manteve no Conselho de Estado um dos responsáveis do BPN (Dias Loureiro).
As ligações de Cavaco Silva a este banco não terminaram nesta negociata entre amigos. Na Aldeia da Coelha, em Albufeira, escolheu para vizinhos Oliveira Costa e Fernando Fantasia, homens-fortes da SLN, a proprietária do BPN. Na génese deste loteamento estão empresas sediados em off-shores (paraísos fiscais). A escritura do lote do imóvel de luxo de Cavaco Silva, não se encontra no Registo Predial de Albufeira. Inquirido pela imprensa, Cavaco afirma não se recordar em que cartório a assinou. Um dos promotores da urbanização, velho amigo e colaborador de Cavaco, diz que a propriedade foi adquirida "através de um permuta com um construtor civil", sem acrescentar detalhes (Visão, Janeiro de 2011).
Desde que é presidente, as despesas da Presidência da República atingiram o valor mais alto de sempre. Cavaco Silva, no primeiro mandato na presidência, gastou mais 30% do que o seu antecessor. A RTP, em 2010,  comparando o custo da Presidência Portuguesa com o da Casa Real de Espanha, concluiu que a corte republicana gasta mais do dobro do que a corte monárquica espanhola.
*Padre Vítor Melicias - Este frade franciscano, conhecido pelo seus arrebatados apelos ao despojamento e à pobreza, como um típico marajá português, só de uma das suas reformas recebe 7.490 euros mensais...
*Eduardo Catroga - O aguerrido coordenador do programa do PSD às eleições de Junho de 2011, que acusou tudo o todos de desperdício e ladroagem do erário público. O seu passado político é no mínimo tenebroso. Enquanto Ministro das Finanças de Cavaco Silva (Dez. de 1993 e Out.1995) deixou o país numa desgraça: contribuiu para a destruição do sector das pescas e da agricultura, aniquilou a Siderurgia Nacional. Aumentou o defice público e o desemprego. Quando abandonou o Estado, depois de ter penhorado as retretes do Estádio do F.C. do Porto, deixou o país numa grave recessão económica.
Com apenas 53 anos tratou logo de sacar uma reforma do Estado, a que se seguiram outras reformas, as quais atingem actualmente a quantia de 16.900 euros mensais. Actualmente exerce o seu poder na EDP.
*Miguel Macedo - Dirigente do PSD que se destacou pelos seus ataques ao desperdício do erário público, durante o governo do PS. Quando foi nomeado ministro da defesa, tratou logo de acumular o vencimento de ministro com um subsídio de alojamento (1300 euros), sob o pretexto que não tinha uma residência permanente em Lisboa, mas a umas centenas de metros em Algés. (Out.2011). Para tornar mais ridícula esta argumentação, é preciso dizer que como ministro da defesa tem direito a uma residência oficial, com todas as despesas incluídas.

- Marajás Incorformados- 
Portugal está povoado de uma multidão de funcionários, empresários, artistas e todo o tipo de dependentes, que nunca fizeram nada de útil na vida que justificasse os ordenados, as pensões ou os subsídios que recebem do Estado português. Nada no país está à altura do seu refinado gosto, tudo é mesquinho e detestável. O seu ideal de vida era obterem da populaça uma boa fonte de rendimento, que lhes permitissem viver no estrangeiro, longe dos que os sustentam.

- Marajás Independentes -
A sociedade portuguesa foi criando ao longo dos tempos, uma série de instituições supostamente independentes do Estado. A sua função é vigiarem o Estado ou aplicarem a lei.  Ciosos da sua independência face ao poder político, muitas dos que polulam nestas instituições afirmam-se acima dos problemas comezinhos com que se debate a população portuguesa, vivendo num total desvario próprio de grandes marajás.
*Anacom- Autoridade Reguladora da Comunicação Social. O seu ilustre presidente- Amado da Silva ( 224.000 Euros de vencimento), depois de ter dirigido ao gabinete de Sócrates, deu largas nesta instituição pública à sua veia festiva. A ANACOM só nas comemorações do seu 20º aniversário gastou a módica quantia 150 mil euros (2010). Em Novembro de 2009, só em em brindes personalizados derreteu mais 31 mil euros, e um mês depois mais 30 mil euros numa festa natalícia. O somatório destas festanças é de tal forma exorbitante, que não foi revelando para não fazer inveja a outros marajás.
*ERSE, Entidade Reguladora da Energia, Vítor Santos , 233.857 euros de vencimento, mais mordomias. O caso mais interessante desta Instituição está no facto dos seus presidentes, quando pedem a demissão do cargo têm direito a dois anos de vencimento (2010). Um esquema de verdadeiros marajás: Despedem-se mas ficam a ganhar.
*ISP- Instituto dos Seguros de Portugal: Fernando Nogueira:  247.938 euros de vencimento, mais mordomias..
CMVM: Carlos Tavares:  245.552 euros de vencimento, mais mordomias.

- Marajás de Institutos Públicos -
Os institutos públicos e organismos públicos equiparados funcionam como territórios privativos de marajás em ascensão ou em repouso forçado. Encontram-se espalhados por todos os sectores da administração pública, muitas vezes onde menos se espera.
No falido Serviço Nacional de Saúde, o Tribunal de Contas descobriu, em 2010, um destes territórios privativos: o "Serviço de Utilização Comum dos Hospitais" (SUCH): Administradores e funcionários atribuíam-se a si próprios prémios por objectivos não atingidos. Entre 2006 e 2008 as remunerações dos dirigentes cresceram 50%. Os prejuízos do SUCH, como é habitual nestes casos, nunca pararam de crescer.

- Marajás de Fundações Públicas -
As fundações são instituições vocacionadas para a perpetuação de uma memória, a troco de um qualquer beneficio para a população. Em Portugal as fundações, em particular as criadas pelo Estado são instituições para marajás. O importante deixa de ser a suposta função para que foram criadas, para ser a vida dos seus presidentes e das suas cortes privativas.
*Guimarães capital da Cultura 2012. Era suposto que um evento desta natureza,  devia ser confiado a uma equipa de pessoas competentes, capazes de o aproveitarem para projectarem a cidade e a região a nível internacional. Puro engano. Em Guimarães tratou-se desde logo de criar uma Fundação, cuja presidente (Cristina Azevedo) e dois vogais executivos, não tardaram a projectarem-se a si próprios, nomeadamente pelos vencimentos que passaram a  auferir, que variam entre os 14.300 e os 12.500 euros/mês, com direito a carros, telemóveis, senhas de presença nas reuniões (entre 300 e 500 euros), etc, etc. (3).
Como se tudo isto não bastasse, esta Fundação tem um vasto Conselho de Administração povoado de pequenos e grandes marajás, entre os quais se destacam: Jorge Sampaio, João B. Serra, Adriano Moreira, Diogo Freitas do Amaral, Eduardo Lourenço e Manuel Alves Monteiro. As suas remunerações variam entre os 14.300 euros e os 2.000, para além de receberem senhas de presença (500/300 euros), carro, telemóvel, etc. A Fundação só será extinta em 2020, de modo a continuar a alimentar por muitos anos uma vasta corte de marajás.
A Câmara Municipal de Guimarães e o Ministério da Cultura, povoados de marajás alimentam esta situação, num distrito com uma das mais elevadas taxas de desemprego de Portugal.
Seguindo uma habito típico dos grandes marajás, em Guimarães passaram a multiplicarem-se as encomendas de eventos (espectáculos, exposições, recepções e outras diversões) para gozo exclusivo da presidência da Fundação e da sua corte de dependentes. Nada aliás que já não tivesse acontecido em Lisboa Capital da Cultura (1974), Coimbra Capital Nacional da Cultura ou mesmo no Porto.  Guimarães é hoje a mais celebrada Capital dos Marajás de Portugal.
 
Enquanto tudo isto acontece, Portugal em fins de 2010, aproximava-se alegremente da falência, carecendo de enormes ajudas internacionais para poder pagar as suas dívidas." Artigo original

15 comentários :

  1. Sinceros parabéns pela analogia "Marajá"!
    Também pela síntese abrangente mas com focagem bem localizada, de situações e situacionistas.
    O termo situacionista era comum nos tempos de Salazar para apontar os apoiantes do regime.
    Desde 1990 voltou a ter todo o sentido.
    Hoje, como sempre, aponto a principal responsabilidade ao PCP, à sua radicalização, que colocou toda a direita atrás do Mário Soares, dando a este um estatuto de "pai e defensor do sistema" que transformaram os seus defeitos em virtudes.
    Os privilégios atribuídos por ele aos ex-PR, as eleições em listas nominais, as vereações multipartidárias, são exemplos de exageros/disparates políticos com base no autoritarismo, de máscara democrática, que o situacionista dr Soares cometeu.

    ResponderEliminar
  2. excelente artigo. parabéns pelo bom trabalho

    ResponderEliminar
  3. Gostei do tema de hoje!

    O levantar dos podres das autarquias - responsáveis por 48% da dívida pública - tem sido, até hoje, muito difícil.
    A pobreza das câmaras antes do 25 de Abril descambou no fartar vilanagem para pequenos reizinhos, incapazes de se associarem para planearem um futuro comum e melhor para os seus concelhos.
    Entretiveram-se a rivalizar no disparate, a enriquecer o amigo pato-bravo, a reivindicar auto-estradas até à porta, festas e foguetes...

    Planear desenvolvimento económico? Atrair investimento? Empregos?

    Hoje, os reizinhos estarão mais ricos, os amigos também, a população - sem empregos - abandonou o território, deixando os idosos para trás. Ficaram as auto-estradas, os gimnodesportivos, as piscinas e... as dívidas!

    Poder local: Para que serviu? Para que serve? Para que servirá no futuro?
    De todos os paquidermes brancos do estado, este é um mamute violento.

    ResponderEliminar
  4. Existe uma grande questão de fundo: COMO É QUE PORTUGAL VAI CONSEGUIR SOBREVIVER... SIM, COMO É QUE PORTUGAL VAI CONSEGUIR SOBREVIVER???
    .
    Ora:
    - Sem corte com os 'patrioteiros-do-prego'... não há sobrevivência!
    - Não é com um partido nacionalista que Portugal vai conseguir sobreviver!...
    .
    -> De facto, não faz sentido os nacionalistas estarem a concorrer com 'patrioteiros-do-prego' {leia-se, os portugueses que estão a colocar Portugal no prego} que votam em (escolhem) Comissões Liquidatárias [ex: PS, PSD, PCP, etc]!
    .
    Nota: uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum. Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
    .
    .
    Assuntos que não interessam aos 'patrioteiros-do-prego' (e às Comissões Liquidatárias):
    1- uma sociedade dotada da capacidade da capacidade de renovação demográfica (média de 2.1. filhos por mulher) - as Comissões Liquidatárias preferem 'naturalizações' [nota: os 'patrioteiros-do-prego' gostam de se armar em parvinhos-à-sérvia (vide Kosovo)];
    2- recursos estratégicas para a soberania em mãos nacionais - as Comissões Liquidatárias vendem empresas estratégias à alta finança (capital global);
    3- dívida pública moderada/(sob controlo) - as Comissões Liquidatárias (e os 'patrioteiros-do-prego'), mesmo depois de já terem sido estoirados mais de 200 mil milhões em endividamento, continuam a falar em mais e mais despesa... NÃO ENQUADRADA na riqueza produzida!?!?!... Nota: para os 'patrioteiros-do-prego' já se vislumbra uma luz ao fim do túnel: "implosão da soberania, ou o caos" - federalismo...
    .
    .
    {uma obs: os separatistas-50-50 não têm nada contra os 'globalization-lovers'... leia-se: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa}
    .
    .
    SE NÃO CORTAR COM OS 'PATRIOTEIROS-DO-PREGO', PORTUGAL NÃO VAI CONSEGUIR SOBREVIVER... resumindo e concluindo, SEPARATISMO-50-50!
    .
    OBS:
    --- Nazismo não é o ser 'alto e louro'... mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!...
    Nota: é mais fácil apanhar um nazi do que um coxo -> os nazis desmultiplicam-se na busca de pretextos... para negar o Direito à Sobrevivência de outros...... um exemplo: os nazis 'globalization-lovers'/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) buscam pretextos... para negar o Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones.
    --- Pelo contrário, os SEPARATISTAS-50-50 não têm um discurso de negação de Direito à sobrevivência de outros... os separatistas-50-50 apenas reivindicam o Direito à Sobrevivência da sua Identidade!
    {nota: há que mobilizar os nativos... que... possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência}

    ResponderEliminar
  5. E por falar em Marajás,será que algum(?)jornalista(?)sério(?) perguntou...
    Ao Mário Soares:
    1- Porque é que esteve preso em Toulouse,França?
    2-Porque é que andou dezenas de anos fugitivo da justiça francesa?
    3-Se ainda guarda na sua (a)fundação a fortuna do François Mitterrand?
    4-...e tambem ao Ramalho Eanes,Otelo Saraiva de Carvalho,etc. o que são os Amigos da Guiné-Bissau?
    5-Quem eram os donos do BPN e para que servia alem de lavar o dinheiro sujo da Camorra Siciliana e dos Amigos da Guiné-Bissau.Porque é que o Governo Socialista o nacionalizou?
    6-Se ele é ainda o homem mais rico de Andorra?
    7-Porque é que na sua ultima visita a França estava um juiz acompanhado por dois policias para o prenderem?
    8-O que é que a fundação dele anda a fazer em Timor?
    --------------------------------------------------------------------
    Há tambem outros marajás:
    Porque é que nao perguntam ao Barroso porque é que a UE ainda não aplicou as sanções economicas a Cabo Verde e à Guiné-Bissau pelo trafico de droga?
    Porque não perguntam ao Ramalho Eanes (como PR) porque abandonou os militares portugueses em Timor?
    Porque é que a imprensa escondeu dos portugueses o que a imprensa estrangeira dizia da bancarrota portuguesa (desde 2008)?
    Porque não perguntam ao Manuel Alegre que informações transmitia na Rádio Alger?
    Porque não perguntam ao Almeida Santos quantos quilates de diamantes falsos recebeu do Samora Machel e o que sabe do assassinato deste?
    Porque não perguntam ao Otelo Saraiva de Carvalho onde esteve entre os dias 23/04/74 e 26/04/74??
    Porque não perguntam ao Pinto Balsemão o que sabe de Camarate?
    Porque não perguntam por quem é que telefonou ao Freitas do Amaral a dizer-lhe para ficar doente num dia em que caiu uma avioneta em Camarate?
    --------------------------------------------------------------------
    E ja agora:
    Porque nao perguntam quando é que o PCP vai devolver os ficheiros da PIDE?O que lá está registado que tanto medo lhes meteu e ainda mete?E porque os enviou para a ex-União Soviética por onde ainda devem andar?
    Porque não perguntam se o PCP ainda lava dinheiro sujo na festa do Avante?
    Porque não perguntam aos controladores aéreos qual a razao para não publicarem um boletim de salário?
    Porque não perguntam aos Maquinistas do Metro de Lisboa qual a razão para não publicarem um boletim de salário?
    Porque não perguntam aos funcionários dos Estaleiros de Viana do Castelo,quantos salários recebem por ano?
    Porque não perguntam ao PCP pela ARA (Acção Revolucionária Armada)--o braço armado do PCPe onde estão as armas e onde estão os operacionais?
    Este é um País de rôtos,pedófilos e oportunistas cujo aparecimento é anterior à fundação da Nacionalidade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comentário bombástico! Deveria ser publicado em manual a distribuir à população. Coloco aqui meu e-mail para que o autor me envie mais informações! Nunca havia lido um relatório da vigarice em Portugal.

      Eliminar
    2. Realmente... somos um país podre... ainda há quem me critique porque coloquei um nome tão mau no blog. apodrecetuga--- quando o coloquei era precisamente porque sabia que somos um povo que vive enterrado na podridão que quase todos desconhecem, e que por inércia e ignorancia ninguém combate. Algumas destas questões estão respondidas aqui no blog, mas 90% delas, são uma surpresa para mim.
      Muito obrigada pelo seu contributo. Vou fazer deste seu comentário, um artigo.

      Eliminar
  6. VERDADE VERDADINHA TUDO ISTO ADEVEM DA HERANÇA QUE OS SENHORES CAPITAES DE ABRIL NOS DEIXARAM PARA SATISFASEREM OS SEUS INTERESSES LEIA-SE O DECRETO 353/73 ENTREGARAM O OURO AOS BANDIDOS DERRUBARAM UM GOVERNO DEMOCRATICO EMBORA UMA DEMOCRACIA NAO PARTICIPATIVA PARA FUNDAREM UMA DITADURA MISTA DITADURA DO PROLETARIADO E DITADURA DO CAPITALISMO POR ISSO ACONSELHO A TODOS OS PORTUGEUESES DE BOM SENSO NAO VAO EM CANTIGAS QUE É CERTO QUE CHORAM RECOMENDO LEIAM O BLOGUE ANALISEM,E GUARDEM PARA MEMORIA FUTURA.

    ResponderEliminar
  7. INDIGNAÇÃO NÃO CHEGA, PALAVRAS TAMBEM, RESTA QUE ALGUEM ACORDE E PROTEJA O POVO COMO E SUA OBRIGAÇÃO.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. está nas nossas mãos, votemos contra a corrupção, o voto não serve apenas para votar a favor de politicas mas também para votar contra, votemos contra. Basta de nulos brancos e abstenção, usem o voto para salvar o país da corrupção. NÃO DESPERDICEM MAIS VOTOS

      Eliminar
  8. Estou pasmada com tudo quanto li neste blog. E eu que julgava saber o que se passava em Portugal!... E eu que estava deveras indignada com este governo que, afinal, é apenas um desfecho da triste saga de roubalheira que tem ocorrido em Portugal.
    É claro que a roubalheira continua e continuará até o país soçobrar porque ELES são muitos e poderosos (ou não tivessem conseguido as Leis que os isentam de culpas), mas até estou com pena deste (des)governo... É que agora tudo se põe a nu e eles, coitaditos, já nem sabem o que fazer à vida por não conseguirem mais ocultar os desmandos e os roubos.
    O que fazer? Como ocultar este gato se o bicho já está com o rabo todo de fora?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. está nas nossas mãos, votemos contra a corrupção, o voto não serve apenas para votar a favor de politicas mas também para votar contra, votemos contra. Basta de nulos brancos e abstenção, usem o voto para salvar o país da corrupção. NÃO DESPERDICEM MAIS VOTOS

      Eliminar
  9. Para quando uma revolução armada já que por outras vias isto não vai la.o que está denunciado neste blogue exige que se faça a bem da nacao

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A LUTA COM SANGUE não é necessária nas democracias modernas e com eleitores activos. está nas nossas mãos, votemos contra a corrupção, o voto não serve apenas para votar a favor de politicas mas também para votar contra, votemos contra. Basta de nulos brancos e abstenção, usem o voto para salvar o país da corrupção. NÃO DESPERDICEM MAIS VOTOS

      Eliminar