24 maio, 2013

PRESIDENTE DE BRAGA QUER "EXPROPRIAR" A FILHA ...URGENTE?


Paulo Morais já explicou, diversas vezes, os esquemas dos autarcas para transformar o negócio imobiliário, numa das melhores formas de enriquecimento rápido e ilícito mas seguro. 
E eis mais um caso que vem a público na maior impunidade...
O sector imobiliário está em crise... há pouca procura , mas a filha do Presidente de Braga, como qualquer privilegiada, com raízes na politica, está acima da crise, da lei e da vergonha e, precisa de dinheiro e de se desfazer de uns terrenos.
O certo é que, como não encontra comprador que pague o que ela quer, provavelmente o pai, vai fazer o favor de obrigar a Câmara a comprar o terreno à filha, pelo preço que ela quer....
Esta tem sido mais uma conhecida forma de oferecer dinheiro do estado a amigos. Expropriar por valores elevados, o estado paga, ninguém sabe, ninguém reclama, o povo aceita tudo.
Basta criar a necessidade de a Câmara "precisar "do dito terreno, e já agora "urgente", quando é urgente paga-se mais... O mandato está a acabar e há que desenrascar família e amigos. Nada como o generoso estado para oferecer balúrdios por terrenos de amigos.
O sector imobiliário, do estado, é um negócio tão rentável como o tráfico de droga. Compram terrenos agrícolas por 100, 200 euros a agricultores idosos e ingénuos. Depois transformam-nos em terrenos urbanizáveis através do seu poder na autarquia, alterando o PDM. E valorizam-nos nas ordem dos 200% .

"Câmara de Braga quer instalar pousada em terrenos que há dias eram da filha de Mesquita Machado
Imóveis foram vendidos na semana passada a uma imobiliária. A seguir a autarquia iniciou processo de expropriação "urgente".
Os imóveis foram vendidos a uma imobiliária da cidade e, quatro dias depois, foi iniciado o processo de aquisição dos terrenos situados junto ao Convento das Convertidas, no centro da cidade. Os documentos da 1.ª Conservatória do Registo Predial são claros, dando conta da transmissão da propriedade dos dois imóveis para a empresa Urbimodarte no dia 30 de Abril .

Os prédios tinham sido comprados, em 2010, pela filha de Mesquita Machado e pelo marido, e estão hipotecados, como garantia por um crédito concedido ao casal em 2011, com um montante máximo assegurado de 2,7 milhões de euros. Segundo os registos da Conservatória de Braga, os edifícios continuam hipotecados. Caso avance o pedido de expropriação dos mesmos, a hipoteca será o primeiro elemento a ser liquidado pelo dinheiro público envolvido no negócio.
Quatro dias após a venda dos prédios pela filha e o genro de Mesquita Machado, a autarquia deu início ao processo de expropriação dos mesmos, num processo declarado “urgente” e em que é evocado o “interesse público” da sua localização. O documento será votado na reunião do executivo municipal desta quinta-feira.
Entretanto, o caso foi denunciado pelo Bloco de Esquerda (BE) de Braga, que divulgou os mesmos documento a que o PÚBLICO tinha tido acesso. O deputado municipal do BE, António Lima considera que, por estar em fim de mandato, “Mesquita Machado está a ter as últimas oportunidades para desenrascar amigos e familiares” e que só essa condição justifica a urgência dado ao processo quando ainda não há certezas da existência de financiamento para a Pousada de Juventude. Os bloquistas vão comunicar o caso ao Tribunal de Contas e ao Ministério Público. (...)
Dias depois, Mesquita Machado falava num “grande projecto” para o local, envolvendo todo o quarteirão. O presidente da Câmara envolveu-se pessoalmente na ideia, tendo inclusivamente reunido com o Ministério da Administração Interna (a quem pertence o edifício) para garantir a sua cedência ao município.  Agora, o autarca não comenta para já este caso, devendo apenas pronunciar-se sobre ele amanhã, no final da reunião do executivo municipal bracarense." FONTE

NEGÓCIO ANULADO
O Tribunal de Braga anulou a expropriação do Palacete das Convertidas pela Câmara de Braga, um negócio considerado suspeito e que consistia no pagamento de três milhões de euros à filha e a um genro de Mesquita Machado, quatro meses antes das eleições autárquicas.
no despacho do 3.º juízo cível de braga, considera-se que o novo executivo camarário, liderado por ricardo rio, tem toda a legitimidade para revogar a expropriação e determina-se a imediata devolução dos três milhões de euros à autarquia. o dinheiro estava depositado à ordem do tribunal judicial de braga, devido a uma acção já interposta por rio e pelo deputado hugo soares, presidente da jsd, antes das eleições de 29 de setembro. o juiz jorge soares determinou ainda a devolução dos terrenos à sociedade detida pelos familiares de mesquita machado, bem como a anulação de todas as inscrições sobre a expropriação na conservatória do registo civil. SOL

"Paulo Morais criticou também as "vigarices" na área do urbanismo praticadas por muitos municípios, acusando-os de "valorizar terrenos à ordem dos 2000% sem qualquer dificuldade", apenas para beneficiar um determinado "predador imobiliário". artigo sobre esta entrevista.

A partir do minuto 18, deste video, Paulo Morais relata mais duas das formas muito utilizadas pelos corruptos para extorquir dinheiro dos nosso impostos.
Uma delas é o licenciamento de obras que não cumprem os requisitos e portanto obrigam a subornos, para serem licenciadas.
A outra é alterar o PDM de forma a ganhar dinheiro extra com expropriações, por exemplo, os autarcas e outros dos círculos partidários, ao terem conhecimento que vai haver uma obra pública a passar em determinados terrenos, compram-nos ainda como um terreno agrícola por 100, e depois alteram o PDM, classificando-o como urbano e passa a valer dezenas de vezes mais. O estado quando iniciar a expropriação é assim lesado pelos que, trabalhando para o estado se aproveitam do acesso à informação antecipada, e abusam do poder para conseguirem extorquir milhões ao estado, hiper valorizando terrenos.
Para termos uma ideia basta perceber que há SCUTs cujas expropriações custaram metade do custo total do investimento..


"Paulo Morais, afirmou, a propósito de corrupção no poder local, que "a margem de lucro do urbanismo em Portugal só é equivalente à do tráfico de droga".
"chegámos a este estado devido à forma como os partidos têm vindo a ser organizados e financiados".
tem que haver uma grande vontade política". Se não houver, Paulo Morais prevê "estar daqui a uns anos a dizer que o Urbanismo dá muito mais dinheiro do que o tráfico de droga". TVI

Paulo Morais explica o esquema de corrupção imobiliária.


E como o estado não tem quem zele pelo seu interesse... O oposto também acontece. Tanto é comum obrigar o estado a comprar/expropriar terrenos a amigos por preços acima do valor real, como também é comum venderem propriedades do estado, a amigos e família, por valores abaixo do real, como podem ver pelos links que se seguem... 

AMIGOS E FAMÍLIA DE MESQUITA MACHADO SÃO PESSOAS COM SORTE

Exemplos de bons negócios imobiliários. 
MAIS CASOS CURIOSOS, EM BRAGA!!

13 comentários :

  1. Mais um fassista, pois claro!

    cantaide
    gandolavilamolena

    ResponderEliminar
  2. São pessoas como este presidente da câmara, que grande parte ou seja, 90% dos presidentes de câmara, tem esta mentalidade, ajudar amigos e familiares. É uma pouca vergonha estes senhores quanto mais roubam, mais o povo vota neles. Uma coisa é certa um cretino é um cretino. O povo português tem de mudar de postura, ser mais interventivo e mais critico com quem nos desgoverna.

    Fernando

    ResponderEliminar
  3. Quando, há uns anos, eu apoiava a Regionalização, alguém me disse: "Tu jä viste o que eram vários Albertos Joēs a chantagear os governos como esse imbecil?"

    Reflecti e arrepiei caminho. Mas quando hoje vejo o Grande Porto e a Grande Lisboa, com 5,5 milhões de pessoas, serem governadas por 20 municípios , e os restantes 4,5 milhões "precisarem" de 288 municípios, pergunto-me:

    Não estaria eu certo da primeira vez?
    Ridículo tem limite. Mesmo com o drogadito como primeiro-ministro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Não estava certo na primeira nem na segunda...

      Eliminar
  4. Um dos projectos da BPN/SLN que começou com um terreno de 110.000€ e acabou num fundo imobiliário com cerca dE 18.000.000M€ foi a Torre Turifenus - que se situaria num terreno de 12.000m2 ao lado do AKI da EXPO.

    http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=656584

    http://www.dn.pt/inicio/interior.aspx?content_id=658594

    ResponderEliminar

  5. Ó CABACO!!!
    Vai-te encher de moscas.

    http://www.publico.pt/politica/noticia/miguel-sousa-tavares-chamou-palhaco-a-cavaco-e-este-queixase-a-pgr-1595395#/0

    Roubar é legal. Falar verdade dá direito a uma queixa da PGR.

    Ó Cabaco, porque não mandas queixas ao PGR sobre os gatunos que te rodeiam?

    Biba a democacia.


    ResponderEliminar
  6. O Miguel Sousa Tavares (MST) - pessoa que não é totalmente do meu agrado por ser do FCP, fumar, gostar de toiros e, principalmente, por ser compadre do abrilhantinado Salgado - chamou PALHAÇO ao montanheiro do Poço de Boliqueime.

    Miguel: Você já devia saber que não se chama palhaço a qualquer pessoa!

    Pela simples razão que pode ofender os palhaços.
    Esta classe profissional meritória, passa escassez salarial, trabalha bastante, não vive à custa dos nossos impostos e, apesar disso, faz sorrir as nossas crianças.

    Não é qualquer indigente político, por melhor que ganhe e pouco faça, além de asneiras, que pode ser elevado à categoria de palhaço.

    Por isso meu caro MST, perca essa sua mania de promover qualquer idiota.

    Limite-se a comentar as loucuras gerais do manicómio e a silenciar os podres da sua família.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O Miguel Sousa Tavares (MST) - pessoa que não é totalmente do meu agrado por ser do FCP, fumar, gostar de toiros e, principalmente, por ser compadre do abrilhantinado Salgado - chamou PALHAÇO ao montanheiro do Poço de Boliqueime."
      Muito bom o seu comentário... comungo das suas opiniões, e adorei o sarcasmo.

      Eliminar
    2. "O Miguel Sousa Tavares (MST) - pessoa que não é totalmente do meu agrado por ser do FCP, fumar..."

      Eu comprei um livro do MST o ano passado, chamado "A história não acaba aqui". Comprei-o porque tinha alguma estima pelo autor e porque era um livro sobre a crise sobre a qual necessitava de ler vários pontos de vista.

      Ao fim da 3ª página deitei o livro ao lixo.

      Porquê? Porque ele elaborou uma lista de responsáveis pela crise económica de onde constavam segundo ele, enfermeiros, bombeiros, policias, professores, engenheiros, arquitectos, agricultores etc. Eu senti-me logo ofendido, pois eu sei que nunca fiz nada que provocasse a crise.
      E nada de mencionar Banqueiros nessa lista.

      Mas logo a seguir diz esta preciosidade:
      "A maçonaria é apenas uma espécie de rancho folclórico, que não tem qualquer papel no poder politico em Portugal"
      Depois de ler isto o livro foi parar ao caixote do lixo.

      No entanto esta navalhada no cabaco é bem enfiada.
      De resto o MST pode parecer um "rebelde" mas no essencial é do "Sistema".


      Eliminar
    3. Pois ... ele tem uma perminha no sistema, mas o que lhe dá brilho é a rebeldia, é na verdade um homem dividido entre o sistema e a rebeldia.
      Por vezes pergunto-me como é que uma pessoa que gosta de touradas e que permite que a razão e o óbvio, se vergue aos interesses do FCP, conseguiu escrever o livro " O equador" que eu gostei bastante?

      Eliminar
  7. Difícil acreditar não ser possível travar este/s gajo/s!
    Como é possível que os bracarenses e o restante país sigam estes episódios de descarada gatunagem sem reagir??!
    Será que a maior parte do país tem telhados de vidro, também??? Só pode ser isso...não consigo encontrar outra razão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há poucos blogs como o meu, e os mais vistos são os de moda, futebol e novelas... ninguém quer saber de Portugal... pensam que Portugal está bem entregue aos políticos e desleixam-se na vigilância.
      A maior parte destas noticias são dadas de forma muito disfarçada, sem o merecido alarido, e o povo dorme sereno.

      Eliminar
  8. Depois ainda há os do tipo ruas ( o tal das pedradas) que em épocas eleitorais oferecem cheques aos abades da região para comprar votos na diocese......este país é um escarro moral e ético, como é típico dos países católicos......

    ResponderEliminar