11 novembro, 2012

Porque sobe a despesa pública? Porque não se prendem estes criminosos?





Os nossos brilhantes Governos insistem em "destruir" o património nacional só para disfarçar o quanto são incompetentes e despesistas. Sabia que venderam os nossos hospitais? Curry Cabral e S.José e agora pagam milhões de aluguer, por eles?
Mas não é tudo, fique a conhecer mais vendas ruinosas, do Património nacional.
O estado realizou 980 milhões de euros, com vendas de património que logo a seguir alugou, a ele próprio, por rendas altíssimas.
Em 10 ou 12 anos já terá gasto os 980 milhões das vendas, em rendas, que depois ficaremos a pagar para sempre, sem qualquer retorno. E nós povo, futuro pagador destes "pecados" de má gestão e interesses obscuros... nada podemos fazer para os parar.
Pagam milhões de euros de rendas e a despesa pública sobe vertiginosamente, 152 mil euros por MINUTO.!!!

Com a intenção de realizar milhões com urgência, e apenas para camuflar os buracos do estado e esconder o deficit, o estado caiu num circulo ruinoso de venda de património. Com escassos benefícios a curto prazo e prejuízos incalculáveis, a longo prazo (10 anos)
Entretanto o estado vai ficando mais pobre despojado do património imobiliário, e com rendas incomportáveis, elevadíssimas e fixas.
Neste vídeo são expostos os vários casos de gestão ruinosa e ainda por explicar.
Caiado Guerreiro, fiscalista, explica que este tipo de manobras financeiras, nem deviam ser permitidas e a UE, devia proibi-lo. Pois serve apenas para ludibriar os resultados do deficit e arruinar o país.
- A venda do hospital S. José e o Curry Cabral que nos deixou, a nós contribuintes, a pagar milhões de euros de renda, são os casos mais chocantes ou graves. Venda realizada em 2010.
Hospital S. José pagamos de renda, 2,798 milhões/ano
Hospital Curry Cabral, apenas pelo aluguer de algumas partes e serviços, ficamos a pagar renda de 1,400 milhões/ano.

O governo desfez-se de vários hospitais e comprou um terreno por 14 milhões onde pretendia construir um hospital central para substituir os vendidos, mas até agora nem a primeira pedra se lançou.
Esta é uma forma de realizar dinheiro para disfarçar o deficit, mas ao mesmo tempo empenhar o futuro. Pagaremos a longo prazo, aquilo que já era nosso.
Envolvidos neste caos difícil de compreender e de deslindar encontra-se um polvo de várias empresas intermediárias que compram e vendem o património.
Uma das razões porque os estados se endividaram tanto é precisamente porque a UE permite estas aldrabices contabilísticas aos estados. E enquanto a UE aceitar contabilidade CRIATIVA, estas medidas ruinosas vieram para ficar e incrementar, e só não vendem o Mosteiro dos Jerónimos porque fica mal, ironiza o fiscalista.
A lista de vendas e revendas mirabolantes continua, ao longo do video.
Caiado Guerreiro, acrescente que estamos a transformar um património, numa despesa corrente permanente. Por isso o estado vai aumentar e muito a sua despesa corrente. 

Sá Fernandes, surge nesta curta reportagem afirmando que qualquer empresário competente, nunca procederia assim, mas o estado procede porque sabe que nunca irá responder pelos encargos futuros. 
O estado estava nesta altura a pagar quase 3 milhões de euros em rendas mensais, que continuam a engordar a divida pública. A impunidade e irresponsabilidade mais uma vez a permitir a destruição da nação.

"A razão deste procedimento prende-se com questões de engenharia financeira de um Estado devorador e descontrolado financeiramente que apenas pretende arrecadar verba imediata a todo o custo, transferindo o défice do Estado para o seu subsector empresarial, e assim esconder a verdadeira dimensão do défice ‘varrendo-o para debaixo do tapete’.”
Para o deputado, este é um “procedimento ruinoso para o próprio Estado com as escandalosas rendas mensais que fica a pagar de imóveis que eram seus, e obrigando as suas empresas participadas a adquirir os imóveis, endividando-se junto da Banca para o poderem fazer”. Altino Bessa/CDS
Se quiser continuar a navegar por este mar ofensivo do interesse nacional... prossiga.
Em baixo um artigo que explica os contornos obscuros que tem envolvido este processo, algo incompleto, devido à falta de respostas do governo a alguns pedidos de informação.

O ARTIGO É LONGO, MAS  INTERESSANTE, PARA OS QUE GOSTAM DE IR MAIS LONGE NOS DETALHES.
 VIVA A INCOMPETÊNCIA ALIMENTADA PELA IMPUNIDADE.
"Encaixe de €980 milhões em cinco anos (2005/2009) foi feito esmagadoramente com recurso à Parpública.
O Estado português é o maior proprietário de imóveis do país mas o Governo gasta milhões de euros todos os anos em arrendamentos para instalar os seus serviços. E boa parte desse valor é para pagar rendas de imóveis que pertenciam ao Estado, foram vendidos nos últimos anos (em muitos casos, a empresas do grupo Parpública) e depois alugados, para lá continuarem os mesmos serviços públicos.A Parpublica surge agora como um dos principais senhorios do Estado. Entre as maiores rendas suportadas destacam-se várias pagas à Estamo . Desta forma, sem os imóveis saírem da esfera pública, o Estado teve uma receita que ajuda a "compor" o défice e vai pagando, anualmente, renda pela utilização dos espaços.
(...)dez ministérios assinaram 269 contratos de arrendamento desde 2005, num valor total de 18 milhões de euros por ano. Mas esta é apenas uma pequena parte do total. Não só porque faltam cinco respostas, mas sobretudo porque entre os que ainda não respondem estão os três ministérios que terão o maior número de arrendamentos: Finanças, Segurança Social e Justiça.
A Presidência do Conselho de Ministros também ainda não disponibilizou qualquer informação (estão em causa, por exemplo, as Lojas do Cidadão — quase sempre em espaços amplos e bem localizados no centro das cidades). 
O Ministério do Ambiente, por seu lado, revelou que fez trinta contratos de arrendamento para os seus serviços nos últimos cinco anos, mas não releva o valor dessas rendas.
 O caso do Ministério da Justiça (MJ) é exemplar, para se perceber como os 18 milhões conhecidos até agora são só o início da história. Basta lembrar que apenas três edifícios arrendados pelo Ministério da Justiça nos últimos anos representam um encargo anual de cerca de 21 milhões de euros — o campus da Justiça, em Lisboa (14 milhões), e as prisões de Lisboa e Pinheiro da Cruz (7 milhões). 

Estes dois estabelecimentos prisionais são, aliás, paradigmáticos da estratégia do Estado, que os vendeu e imediatamente arrendou para os continuar a utilizar. Se juntarmos as rendas de tribunais por todo o país — sobretudo os novos, quase sempre em imóveis que não são do Estado — é fácil perceber que a conta dispara.
Não é por acaso que o Tribunal de Contas está a investigar os negócios de património no MJ.


“Engenharia financeira”
Uma das razões que levaram o CDS a questionar os ministérios foram notícias “de vários casos de venda e posterior arrendamento, envolvendo os edifícios onde se sediam os vários serviços dos ministérios governamentais”. Por outro lado, verifica-se que muitos dos imóveis são vendidos a empresas do grupo Parpública — ou seja, é o Estado a vender ao Estado, para depois o Estado arrendar ao Estado.
Dos dados que já recebeu, o deputado centrista Altino Bessa, que conduziu esta iniciativa, destaca isso mesmo: “Em alguns casos o vendedor do imóvel é o próprio ministério que o arrenda logo após a venda, isto tudo sem nunca o abandonar. 

A razão deste procedimento prende-se com questões de engenharia financeira de um Estado devorador e descontrolado financeiramente que apenas pretende arrecadar verba imediata a todo o custo, transferindo o défice do Estado para o seu subsector empresarial, e assim esconder a verdadeira dimensão do défice ‘varrendo-o para debaixo do tapete’.”
Para o deputado, este é um “procedimento ruinoso para o próprio Estado com as escandalosas rendas mensais que fica a pagar de imóveis que eram seus, e obrigando as suas empresas participadas a adquirir os imóveis, endividando-se junto da Banca para o poderem fazer”.

Para Eduardo Catroga trata-se de uma situação clara de desorçamentação. “o Instituto Nacional de Estatística é muito responsável em tudo isto, porque finge que não vê”. O economista sublinha que é uma forma de desorçamentação entre outras que têm acontecido nos últimos anos, como as parcerias público-privadas ou o endividamento das empresas públicas.


Três casos exemplares

Está nesta situação, por exemplo, o edifício da Avenida da República que alberga a secretaria-geral do Ministério da Economia. 

O imóvel foi vendido em 2008, por €10,7 milhões, à Estamo. Os serviços que lá estavam lá continuaram e, segundo explicou ao Expresso o gabinete de imprensa do Ministério da Economia, está atualmente em negociação um contrato de arrendamento, pelo valor mensal de 69.400 euros (832.800 euros por ano). Feitas as contas, Albino Bessa nota que é um excelente negócio para o comprador: o investimento 10,7 milhões está pago ao fim de doze anos.
No Ministério da Agricultura há três casos parecidos: dois imóveis vendidos na anterior legislatura por €5 milhões, e outro por €7,4 milhões, todos comprados pela Estamo. Pelos primeiros, o ministério ficou a pagar uma renda de €33 mil, pelo último paga quase €50 mil. As contas são parecidas: ao fim de 12 anos a Estamo recebeu em rendas o valor pago.
Das respostas que chegaram ao CDS, o Ministério da Saúde é o que tem celebrado mais contratos de aluguer de imóveis {73), seguido pela Administração Interna (67), Negócios Estrangeiros (64) e Ambiente (30). A Administração Interna paga a renda mais cara (126 mil euros por mês pelas instalações do SEF em Barcarena, alugado à Fundimo, também do universo Parpública).
DESDE JANEIRO
Quatro ministérios não responderam às perguntas sobre arrendamentos e venda de imóveis colocadas pelo CDS: Finanças, Justiça, Trabalho e Presidência do Conselho de Ministros (PCM). O Ambiente, por seu lado, deu alguns dados mas não revelou o valor dos arrendamentos. O Regimento da Assembleia da República impõe que as perguntas feitas pelos deputados ao Governo sejam respondidas no prazo de um mês. Neste caso já passaram mais de seis, as perguntas foram reapresentadas, e nada.
O Expresso perguntou aos ministérios por que razão não dão a informação pedida, mas não teve muito mais sorte do que os deputados.  fonte


Outro artigo sobre o assunto onde se CALCULA que já vai em 57 milhões de rendas, na falta de respostas por parte do governo, até porque se trata de um enredo que dificilmente terá uma explicação plausível.





11 comentários :

  1. Infelizmente o povão continua a votar nos mesmos... Apostam que para as proximas eleições vai ganhar os mesmos???? Mas chegará um dia, que isto se tornará totalmente insuportavel e os politicos e as empresas cumplices desta colossal burla irão ver os ultimos raios de luz do sol no terreiro do paço com a corda ao pescoço, juntamente com seus familiares e todos bens expropriados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  2. É importante identificar bem a coisa e colocar a palavra certa para descrever exatamente do que se trata. Falar de corrupção é uma palavra muito moderna que está na moda, mais não serve.

    Isto é um sistema feudal com toda a certeza, generalizado as várias camadas da sociedade portuguesa.

    Eu não estou a ver a coisa resolvida tal como alguns que falam em refundações democráticas, democracias diretas, petições par maior representação parlamentar etc... .

    A única solução ao meu ver é de tomar posso da justifica e dos meios de investigação numa méga operação nacional em larga escala de tipo "Mano Puliti" com a criação de brigadas especiais com brutos meios.

    Sabendo que a coisa tal com está avançada, não há muitas esperanças que isso veja a luz do dia, porque pelos os vistos nunca haverá essa vontade política. A única solução é de tomar conta do estado de qualquer maneira par instaurar num primeiro tempo um regime de tipo "República dos juízes".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que são as duas coisas, um reinado de corrupção onde vigora o sistema feudal... quanto aos juízes há muito que estão dominados por infiltrados

      Eliminar
  3. O Tribunal Tributário do Porto acho que paga uma renda e em tempos o edifício era do Estado; o Estado vendeu a um particular, este fez umas alterações e toca de arrendar ao Estado ... só que no processo, dizem as vozes da caserna, que já nem me lembro quem, teriam mamado vários maduros e em grande !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é tudo a roubar, por isso os portugueses trabalham até julho só para pagar impostos, ou seja pagar a ladrões

      Eliminar
  4. A jurisdição portuguesa permite a venda de património do estado, a outras entidades sejam públicas ou privadas, devia de ser proíbido, como na maioria dos países europeus em que a legislação determina que património do estado só pode ser trocado, conservado, para melhoria das condições patrimoniais ou para melhorar serviço público e tem de ser aprovado por 2/3 em parlamento.

    ResponderEliminar
  5. ONDE PARAM AS ARMAS? homens há e muitos, faltam os meios e lideres convictos, a central de corrupção (assembleia da republica) e os grupos económicos vigaristas os alvos a abater (mexias, catrogas, coelhos, salgados, etc.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No nosso País, as armas só estavam acessíveis para alguns.
      Após o 25 de Abril, as armas ditas desaparecidas…estão mesmo desaparecidas.
      Nunca houve interesse em armar o Povo. E isso foi visto no 25 Abril, no 11 de Setembro, etc.
      Os partidos “revolucionários” são absorvidos por partidos mais liberais.
      Os militantes mais intrépidos são convidados a sair, através do estoicismo.
      É de recordar a política das armas de Sócrates, que pediu à população para as entregar que não sofreriam represálias. Logo, começou a “grave crise financeira”, desarmar para governar.
      E o desespero do Povo agoniza, desarmado.
      Nenhum País, da União Europeia se importa, nem nada fará para ser diferente.
      Eles sabem se houver uma revolta generalizada num País, se alastrará aos outros, porquês as políticas e o regime é igual.
      Já não existe esquerda nem direita…existem TRAVÕES.
      Travar qualquer revolta, qualquer instabilidade social, são essas as suas funções. É para isso que recebem os subsídios e partilham as assembleias.
      Controlar as MASSAS.

      Eliminar
  6. Isto é fácil.
    Portugal, 11 Milhões.
    Ricos, muito Abastados e Classe Média Alta, 5%.
    Logo, são imensos milhões de pessoas que levarão as suas vidas inteiras a pagar dívidas que não são suas.
    Mas reparem!
    Europa, vários milhões.
    Ricos e muito Abastados e Classe Média Alta, 10%.
    Logo, serão muitos milhões de pessoas a pagar infinitamente as mordomias dessa gente.
    O que eles têm que fazer?
    Enganar esses milhões, mantê-los calmos e resignados à sua sorte.
    Sempre assim fizeram, e vão continuar a fazer.
    O resultado final.
    Uns vivem bem, todos os outros SOBREVIVEM.

    ResponderEliminar
  7. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar