07 agosto, 2012

A Internet em Portugal é um meio pouco eficaz para chegar a todos.


41% dos portugueses nunca surfaram na Net
Por vezes pensamos que a internet está demasiado presente na vida dos portugueses. Que é por isso uma forma eficaz para chegar a todos os cidadãos, para passar a palavra, informar, vender... etc. Aparentemente é uma ideia errada, estamos entre os que menos utilizam a internet, na Europa.
Agora já sabe porque os portugueses continuam na ignorância politica.
Apesar de 57% das casas já terem acesso à Internet em banda larga, 41% dos portugueses entre 16 e 74 anos nunca usaram a mãe de todas as redes. Entre 2006 e 2011 o número de casas com acesso à Internet mais do que duplicou (24% em 2006 para 57% em 2011), mas os portugueses continuam a destacar-se entre os europeus que nunca usaram a Internet. (instituto de estatísticas da União Europeia (Eurostat ).
O ranking UE27 dos que nunca usaram a Net é liderado pela Roménia (54%), seguindo-se a Bulgária (46%), Grécia (45%), Chipre e Portugal (41%).
Em contrapartida, os nórdicos são os mais assíduos.Cidadãos entre os 16 e os 74 anos que nunca acederam à Internet
- Na Suécia 5% 
- na Holanda (7%), 
- No Luxemburgo (8%)  
- Na Finlândia (9%)
- Em Portugal (41%) Fonte

"Países com melhor educação tendem a ser menos corruptos
Os países com melhores índices de educação tendem a ter menores taxas de corrupção. É isso que mostra um cruzamento entre os dados do Índice de Percepção de Corrupção Mundial e do Pisa, exame internacional que avalia estudantes de 15 e 16 anos em matemática, leitura e ciências (ensino básico).

Os dados mostram que os países menos corruptos estão no topo do Pisa. Um exemplo é Singapura, que está entre os cinco países menos corruptos na análise da ONG Transparência Internacional e figura em 2º lugar na avaliação do Pisa em matemática, por exemplo.
O Pisa é um exame feito pela OCDE (organização dos países ricos, que organiza a prova) a cada três anos em 65 países. Já a lista dos países corruptos é organizado anualmente pela ONG Transparência Internacional com base em dados de percepção de abusos de poder, acordos clandestinos e subornos nos sectores públicos em 177 países.
Somália, Coreia do Norte e Afeganistão estão entre os países mais corruptos da lista. Nenhum deles participa do Pisa.

Veja os 10 países mais transparentes x Posição no Pisa de ciências
1º Dinamarca - 27º lugar
1º Nova Zelândia - 18º lugar
3º Finlândia - 5º lugar
3º Suécia - 38º lugar
5º Noruega - 32º lugar
5º Singapura - 3º lugar
7º Suíça - 19º lugar
8º Holanda - 14º lugar
9º Austrália - 17º lugar
9º Canadá - 11º lugar
(FONTE)


Interessante reparar que os mais assíduos na internet são os países onde há menos corrupção.

"Nesta época, onde se recebem catadupas de informação, existem dois grandes grupos-padrão receptores:
Activos: Capazes de a seleccionar, procurar outras fontes e marginalizar propaganda.
Passivos: Aceitando o divulgado, absorvendo o repetido, sem capacidade ou interesse em ponderar o que adquiriu.
Digamos que entre os primeiros estarão os utilizadores da internet, os leitores de vários jornais, os de literatura enquadradora e, entre os segundos, os ouvintes dos telejornais, telenovelas e afins.
Claro está que neste segundo grupo se encontrará 95% da população dos países do sul da Europa e do mundo “em desenvolvimento” onde grassa a corrupção, compadrio e saque do erário público.

E porquê? Porque se quem governa – através dos seus cúmplices nos media - consegue dominar as preocupações de 95% da população com:
- o crime no bairro periférico,
- a sessão nº 3874 dum julgamento que irá prescrever,
- a transferência dum jogador de futebol, essa maioria esmagadora, só poderá classificar de inferior interesse, logo de preocupação mais distante, que:
- a reforma do Estado marque passo,
- o deficit resvale dramaticamente,
- se continuem a abrir cursos superiores sem saída profissional,
Porém, estas últimas são as determinantes para o nosso futuro, não as outras…
Por isto, é fundamental educar os jovens de hoje, homens de amanhã, a não permitirem ser manietados pelas modernas grilhetas de governos, ditos democráticos mas, sem quaisquer escrúpulos.
Porque se não insere no ensino secundário uma disciplina “Análise e Interpretação dos Media”?" fonte

A polémica... 
A falta de interesse pela internet é causa ou consequência da ignorância? Na minha opinião pessoal, uma implica a outra. É um ciclo vicioso que urge quebrar. 
Quanto mais pobre e ignorante menos se usa a internet... quanto menos se usa a internet mais tempo se alimenta a ignorância que protege os corruptos.
É certamente um assunto polémico e a minha opinião é apenas a minha opinião. Mas no que toca a informação sobre o estado de um país e um povo, a internet é sem dúvida uma das formas mais eficazes de combater o obscurantismo e a manipulação da informação dos mass media.
Neste caso especifico é a ideia que passa, a internet combate a ignorância e permite aos cidadãos, mais informados, combater a corrupção...
Portugal é uma pena... 



6 comentários :

  1. A Internet pode não chegar a todos mas se chegar a alguns deve ser utilizada correctamente mostrando os erros e a incompetência de muitos políticos da nossa praça.
    Lentamente a palavra vai passando e as pessoas vão acordando desta desgraça em que nos meteram.
    Por um tempo ainda acreditei que as coisas tomavam rumo, mas infelizmente apenas vejo vampiros sedentos de devorar tudo.
    Incompetência, arrogância, insolência e tudo o mais que ainda leva chapéu - ^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto mais crentes e ignorantes são os povos, mais roubados são. É um facto, são pessoas que precisam de seguir lideres, precisam que lhes indiquem caminhos precisam de se sentir guiados por alguém e integrados em grupos, ou seja precisam de pertencer a um grupo religioso, politico, futebolistico e se mais houver melhor, pois e já agora há que fazer parte do grupo que gostam da novela das 5 e não da das 8.
      A ignorancia tem destes problemas, pessoas incapazes de pensar e agir por elas próprias.

      Este tipo de gente são a maioria e arruinam o país e a minoria, pois só conseguem viver seguindo alguém ou adorando idolos, nem que seja os nossos criminosos do seu partido preferido.

      Eliminar
  2. Tal como acredito muito mais na boa-fé das más decisões de um árbitro estrangeiro, que venha apitar um Sporting-Benfica ou Braga-Porto, estou numa fase em que ficava muitíssimo mais tranquilo se fossemos governados por políticos finlandeses, alemães ou suecos.

    Esta a principal razão porque acredito numa Europa Federada.
    Preciso de votar em gente com cultura de honestidade, para variar...

    A corja que tomou conta dos partidos nacionais - todos os da A. da Republica - está feita com a banca e com os construtores civis cá do sítio e trabalham, alguns à descarada, para eles.

    Na primeira desculpa, lá virá mais um roubo aos impostos para favorecer a canalha que lhes garante o "mensalão".

    Leiam o livro do Carlos Moreno "Como o Estado gasta o nosso dinheiro" e avaliem onde e com quem estamos metidos.
    E o homem só fala de factos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ""Tal como acredito muito mais na boa-fé das más decisões de um árbitro estrangeiro, que venha apitar um Sporting-Benfica ou Braga-Porto, estou numa fase em que ficava muitíssimo mais tranquilo se fossemos governados por políticos finlandeses, alemães ou suecos.""

      Nem mais....

      Eliminar
  3. O nosso governo deveria ser um sistema informatizado de inteligencia artificial.

    http://www.youtube.com/watch?v=5zn8MRKOskw

    ResponderEliminar
  4. Mas nós já somos governados pelos estrangeiros, ainda não perceberam. E não é para correr bem, mas é de propósito. Quanto à inteligência artificial, vê-se mesmo que estão a leste do perigo real. Que decepção, pensei que neste blog estavam um pouco mais acordados.

    ResponderEliminar