28 abril, 2012

Escola de Tomar gasta 20 mil euros em 12 candeeiros, para ajudar os ricos de Portugal?



A Secundária Jâcome Ratton, em Tomar, tem 12 candeeiros do arquitecto Siza Vieira que custam
no mercado mais de 20 mil euros. Foram pagos pela Parque Escolar, custam quase 1.700 euros cada e iluminam a nova sala polivalente.
Ficou bem claro no contrato, qual o amigo que deveria ser bafejado com o beneficio dos impostos dos portugueses, pois o contrato dizia claramente que a iluminação «deve ser do modelo Lorosae da Reggiani ou de qualidade equivalente». Ou seja define especificamente a opção pela iluminação desenhada pelo premiado arquitecto.
E enquanto uns alunos andam a fazer ginástica à chuva, estudam em salas sem janelas e escolas sem WC, há uns senhores que precisam de fazer pela vida e escoar os produtos que fabricam... para fugir da falência! Mas os honestos não tem como fugir, pois estão condenados a competir num país onde a competência, o sucesso, e os tachos são decididos por interesses que se sobrepõem à livre concorrência. 

Mais estranho ainda é que a sala foi feita com material do mais barato, é forrada a madeira de caixote e tem um pavimento de cimento, que são materiais de baixo custo.

Mas tudo tem uma explicação que nos deixa tranquilos e cientes que estes senhores, que abusam dos nossos impostos são muito competentes e poupados.
Calma pois apesar de serem caros, já estavam previsto na obra... Assim ficamos mais descansados!
«São candeeiros relativamente caros, mas estavam previstos no projecto original», contrapõe o engenheiro José Teixeira.
A direcção da escola também desvaloriza o assunto...
Calma... são caros mas quem olha, pensa que são uns quaisquer da IKEA. Ficamos de novo mais descansados.
«São candeeiros simples. à primeira vista ninguém diria que são do Siza Vieira», desabafa o director José Possante. Ou seja o despesismo, claramente danoso e tendencioso foi-nos explicado de forma a que tudo seja claro e justo.
Foram 20 mil euros mas já estava previsto. E????
Foram 20 mil euros mas nem se nota... quem olha. E???
Fonte

VEJA OUTRAS LOUCURAS, DA PARQUE ESCOLAR, PARA ALÉM DOS CANDEEIROS.

14 comentários :

  1. A corrupção neste país, não é privilégio dos sempre poderosos (as 10 famílias que governam economicamente), nem de políticos arrivistas pouco escrupulosos.

    Para que "todos comam" e quase ninguém fale, permitem-se, legal mas imoralmente, patamares inferiores de corrupção.

    Por exemplo: Qualquer gestor de 1º nível do estado - chefe de divisão - pode colocar no caderno de encargos de um concurso que quer determinada marca de um produto ou equivalente.

    Claro que o concorrente pergunta, muitas vezes, o que é que o emissor do concurso considera equivalente... mas a resposta é: "Desconheço".

    Logo, o concorrente, para não ser eliminado, compromete-se a adquirir e colocar a marca indicada.

    Claro que é possível pensar o pior entre o chefe de divisão e essa marca.

    Mas porque é que não se estabelecem limites de valor, máximo e mínimo, para os diversos itens a adquirir em concurso, revistos bianualmente?

    Porque é que não existem limites de valor, por exemplo, para os almoços dos governantes, directores-gerais e outros quando pagos pelo estado?

    Como é que os restaurantes de luxo, 60, 70 ou mais euros por refeição, continuam cheios?

    A pequena corrupção é uma das grandes aliadas do estado a que isto chegou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://desabafosdeumtraido2.blogspot.pt/?view=magazine

      Eliminar
    2. A pequena corrupção é dos pequenos, mas os grandes tem apetites mais vorazes... A escalada na carreira politica mede-se pelos actos corruptos mais ou menos poderosos.

      Eliminar
  2. Nos tempos do Império Português em que a pobreza e miséria eram o estado mais comum desse POVO, devidamente controlado pela religião oficial em que o "respeitinho era muito bonito"... o "favorzinho" e a "esmolinha" eram as formas incentivadas para se resolverem os gritantes problemas das classes desfavorecidas. As classes privilegiadas caracterizadas em geral pela falta de conhecimento e cultura sentiam-se muito acima do POVO como se fizessem parte dum mundo diferente, esta situação nunca os levou a pensar numa NAÇÃO. ESTADO, CIDADANIA, DIREITOS, ÉTICA eram conceitos desprezados que na prática não havia espaço para eles... as classes privilegiadas resolviam os seus assuntos recorrendo ás formas marginais mais diversas em que o vencedor pagava um contributo ao mais poderoso para manter os seus privilégios e o povo ocupava sempre o lugar de "bombo da festa". Por todo este nosso historial o conceito de "corrupção" é uma coisa nova em que é necessário que o POVO interiorize primeiro os conceitos de ESTADO, CIDADANIA, DIREITOS, ÉTICA... para depois compreender melhor o que deverá ser um comportamento digno e então poderá compreender que a corrupção é um crime, hoje utilizado vulgarmente pelos políticos para enriquecimento pessoal devido à continua falta de JUSTIÇA que é claramente controlada por esta classe sem escrúpulos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais... o povo ainda não percebeu o que é corrupção. Creio que essa é a origem de todo o mal.

      Eliminar
    2. Mas não se trata de uma obra de autor? Os candeeiros como objectos de design exclusivo e conceituado têm de um valor comercial compatível, não acham? Quem compra uma marca, sabe que tem de pagar um preço elevado pelo estatuto que a sua posse confere.

      Eliminar
    3. Claro que temos que pagar o preço de uma obra de arte e assinada. Mas estamos a falar de uma escola e de candeeiros para um sala de aulas... Há que ter o mínimo de noção do ridículo, as escolas são serviços utilitários e práticos, não museus de exposição ou locais de exibição de luxos de um povo falido.
      Tem alguma lógica um país pobre e falido desbaratar dinheiro do povo em candeeiros de luxo?
      Creio que todos sabemos que não.

      Eliminar
    4. É mesmo assim tobeth!

      Eliminar
    5. Deviam era ter vergonha.. (mas não têem andam gozando com a cara do povo) andam as crianças nas escolas, a esforçar-se e muitas vezes nem tem alimentação completa, falta os nemores recursos, na escola da minha filha até papel higiénico à em falta... mas temos 20mil€ em candeeiros.. de marca... ohh ora bolas tinha me esquecido... peço desculpa... MUITO VERGONHOSO... é só falcatruas neste país... quem compra marca..bla bla... é tdo feito da mesma treta.. obra de arte!! obra de arte faço EU em casa, candeeiros reciclados e muito mais bonitos.. tornem-se utéis.. lutem pelo vosso país e não apoiem estas desigualdes e desperdicios... porque 20mil€ em candeeiros é um desperdicio seja em que país for... quanto mais neste...

      Eliminar
  3. É certo caro Anónimo, mas porque temos de pagar esse luxo?

    ResponderEliminar
  4. O Siza Vieira vale zero como arquitecto, é mais um decorador de interiores com um gosto esquisito e caro. Há uma casa de ferragens no Porto que tem uma parceria com o Siza, Souto Moura, entre outros, em que um puxador "normal" igual a outros custa 20 vezes mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu gosto por arquitetura deve ser muito conservador e por isso contradigo totalmente o seu comentário. Siza Vieira é um arquiteto com um excelente reconhecimento (mais internacional do que nacional) e as suas obras, a meu ver (e não sou arquiteto), são um pilar muito importante na arquitetura portuguesa. Talvez desconheça interessantes projectos de arquitetura que ele fez na Holanda, nomeadamente na cidade de Haia e também noutros países da Europa.
      Quanto à questão dos custos dos candeeiros, estou de acordo que tais não deveriam ter sido feitos em tempos de crise mas não creio que Siza Vieira embora tivesse sido beneficiado com isso, esteja por trás de algum abuso dos dinheiros públicos.Simplesmente vendeu o que lhe pediram e nada mais. Estejamos atentos mas não exageremos!! Como meio de comparação,há também que não esquecer que as obras do pintor holandês Reembrant valem milhões mas não passam somente de alguns gramas de tela e tinta.... tem também um ''espirito'' e esse é que tem valor!!

      Eliminar
    2. ""há também que não esquecer que as obras do pintor holandês Reembrant valem milhões mas não passam somente de alguns gramas de tela e tinta.... tem também um ''espirito'' e esse é que tem valor!!"""

      Não sabemos quem ganhou com este negócio estupidamente abusivo e ofensivo, mas alguém beneficiou, pois não faz sentido nenhum alguém colocar candeeiros de design internacional e caríssimos, numa escola de miúdos, assim como também não faria sentido colocarem um Reembrant.
      Aqui não está em questão o valor do designer nem do design, esta em questão o abuso do dinheiro público e os fins para que é utilizado.

      Eliminar
  5. E é este Siza tão comuna!

    ResponderEliminar