05 janeiro, 2012

Estado paga, mais um buraco, dos crimes do BPN

BPN ladrões
"Estado paga 3,5 milhões de euros a padres enganados pelo BPN."
Mais umas vez os criminosos do BPN a saírem impunes e airosos dos crimes que cometeram, e o povo é quem paga...
Isto é vergonhoso! Que espécie de gente intocável escondia o BPN que nenhum dos crimes que cometeram são punidos e os prejuízos são, invariavelmente, pagos pelo inocente Zé Povinho?
O otário de sempre... O corno, já que é sempre o último a saber, o que fazem ao dinheiro dos seus impostos e o porquê de pagar crimes cometidos por criminosos privados, identificados pela justiça e por todos.

Ficou decidido, pelos políticos, que os crimes e prejuízos cometidos dentro, e nos arredores do BPN, são para ser perdoados aos autores, e imputados ao Zé Povinho. Obviamente que se trata de uma decisão onde os lesados e vitimas não tem direito a opinar, ao contrário da Islândia, onde o povo também teve voto na matéria. Mas em Portugal os criminosos é que fazem as leis e as opções.

Se o BPN pretendia ser um banco, parece que na realidade foi o saco sem fundo e o albergue dos políticos, sendo assim já era de esperar que os políticos decidam proteger-se e pagar todos os buracos dos desvios, roubos, e investimentos ruinosos com dinheiro do povo... para isso serve ter cargos e poder político... não para gerir os interesses da nação, mas para roubar a nação de forma limpa e legal.

Em que país do mundo o estado devolve o dinheiro perdido ou mal investido na bolsa??? 
Será que deveríamos interpretar esta medida corrupta e anti democrática como uma sugestão dos políticos insinuando que deveríamos todos começar a investir na bolsa e já agora, para dar mais pica, optar por investimentos de alto risco, se a coisa correr mal falamos com o estado que ele devolve, se correr bem ficamos calados e felizes, com o dinheiro.
A democracia é isto mesmo, nós é que desconhecíamos estas variantes... Oferecem-se os prejuízos ao estado e arrecadam-se os lucros...  

NOTICIA QUE MOTIVOU O COMENTÁRIO
"Uma instituição religiosa de Fátima entregou, ao longo de um ano, 3,5 milhões de euros a um gestor do BPN. Esse valor foi desviado e perdido na Bolsa e é agora o Estado que vai devolver o dinheiro na totalidade, avança o Jornal de Notícias.
O colectivo de juízes do Supremo Tribunal de Justiça condenaram o Estado a pagar os 3,5 milhões de euros que o Instituto Missionário da Consolata perdeu com o BPN, escreve o JN.
Os padres foram entregando cheques e dinheiro vivo ao gestor Leonel Gordo, de 46 anos, para investimentos de alto risco." 
sol

3 comentários :

  1. Mas como se explica, com honestidade, que uma instituição religiosa, que de uma forma geral andam constantemente a pedir contribuições e ajudas "dos fiéis que continuam invisuais/cegos" para lhes encherem as contas bancárias e mordomias permanentes, a entregar durante um ano numa instituição bancária 3,5 Milhões de €uros...
    O FISCO não averigua donde estes valores proveem, porque será, queima-lhes os olhos? Esta e muitas outras situações devem envergonhá-los, nas suas dignidades!!!
    Meus Senhores ganhem coragem e atuem...!!!

    ResponderEliminar
  2. Muito boa questão, a obtusidade provocada por um escândalo faz esquecer outro... Na realidade era interessante saber como conseguem as igrejas juntar tanto dinheiro? Só em Fátima 3,5 milhões? E porque razão tem benefícios fiscais e outras regalias?
    Veja-se aqui os benefícios fiscais http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/08/igreja-anti-democratica-e-cara.html
    e outros benefícios mais obscuros...
    http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/08/expropriacao-da-igreja-ou-extorsao-do.html

    ResponderEliminar
  3. POIS É ESTE GOVERNO NÃO PODE PRENDER OS CORRUPTOS, É ISSO MESMO, FALTAVAM-LHES ALGUMAS PESSOAS PARA FORMAREM GOVERNO. ESTOU A PENSAR IR CONFESSAR ME AO PAPA POR TER VOTADO NESTA GENTE

    ResponderEliminar