29 outubro, 2011

Paulo Campos distribui tachos e dinheiro público. Um caso de policia...





E mais uma vez vem à tona o nome de Paulo Campos envolvido em mais um caso que evidência a falta de respeito que exibe pelos portugueses e a sua Pátria. 
Paulo Campos, criticado, por usar e abusar do estado em seu beneficio e dos seus compinchas. Aparentemente ética e moral não faz parte do seu currículo... 
Mais conhecido pelo seu toque mágico de conseguir transformar sapos em príncipes encantados, com ou sem beijo, ou seja amigos sem currículo, em grandes gestores, distribuidor de tachos sem escrúpulos, aparece envolvido num caso onde aparentemente os interesses do estado foram novamente lesados e submetidos ao interesse do privado...  
Num contrato que já estava estabelecido e que tinha custo zero para os portugueses, a Mota-Engil decide renegociar o contrato exigindo benefícios unilaterais, até aqui tudo normal, uma empresa defender os seus interesses.
Os troços de autoestrada que eram pouco lucrativos estavam a incomodar a concessionária que perdia dinheiro pois as portagens não faziam entrar dinheiro que os satisfizesse. 
Paulo Campos resolveu-lhe o problema:
passou a pagar à Ascendi, por estradas que não custavam um cêntimo ao Estado, 1,864 milhões em rendas fixas, recebendo 1,267 milhões de portagens. Para isso mudou o Código da Contratação Pública e entregou depois (ou antes, não se sabe) a feitura do contrato a um escritório de advogados... ligado às construtoras.
Paulo Campos rouba estado
 Antes e depois da negociata. 
O resultado foi um rombo de 597 milhões anuais na despesa pública que você, leitor, e eu estamos agora a pagar à Ascendi, que é da Mota-Engil e do BES.
Contudo o estranho e nada normal, neste caso, é que o estado, representado por Paulo Campos, ex-secretário de Estado e agora deputado do PS, na comissão de Economia e Obras Públicas, governo de Sócrates, aceitou realizar este contrato totalmente desprovido de justiça ou de razão de ser. 
A única razão plausível, que Marques Mendes encontra para justificar tamanho prejuízo para o estado, só pode ser mesmo compadrio e "caso de policia" , pois trata-se de um crime. 
Infelizmente a única coisa que se vai exigir a estes personagens dolosos, é que se justifiquem, e isso no mundo da corrupção, do compadrio e da impunidade, é o mais fácil. 
O mais difícil será, mais uma vez, o povo português ter que assistir, impotente ao saque.

"Mendes fala em "caso de polícia"
O ex-líder do PSD, Marques Mendes, que renegociação de concessão de auto-estradas entre o Governo de José Sócrates e o grupo Mota (da Mota-Engil) em 2010 representam 1,4 mil milhões de euros de prejuízos para o Estado.
 "A não haver uma justificação muito clara e muito objectiva, eu diria que estamos perante um caso de polícia", avisou Marques Mendes, sustentando que a negociação não foi só para a introdução de portagens em auto-estradas sem custos para o utilizador, mas em duas grandes concessões, em Lisboa e Porto que já tinham portagens. Por isso, Mendes diz-se "estupefacto".
Os números foram apontados, a propósito da polémica com Paulo Campos, ex-secretário de Estado e agora deputado do PS, na comissão de Economia e Obras Públicas. O caso ganhou nova polémica com a empresa KPMJ a frisar que os dados que Campos usou no dia 25 de Outubro, não era da sua responsabilidade, ao contrário do que inicialmente se pensava.
Negócio de 2010 que passou de custos zero para prejuízos para o Estado de 1,42 mil milhões Euros por exigências da Mota Engil.

Para Mendes, que o Grupo Mota Engil “faça uma exigência dessas é um problema seu”, porque “está a defender o seu interesse particular”. 

“Agora, que o Governo tivesse aceitado aquela exigência isso é que é absolutamente irresponsável. Porque é suposto o Governo defender não o interesse particular mas sim o interesse público”, acrescentou.
Lembrou que os prejuízos “quase davam para pagar o subsídio de férias e de Natal que vai ser cortado aos funcionários públicos e pensionistas” (cerca dois mil milhões em termos líquidos) e falou na possibilidade de se estar perante “um caso de polícia”.
E acrescentou que ou “tudo isto é muito bem explicadinho” ou as pessoas podem ser levadas a pensar que se está perante um caso de “promiscuidade ou de negociata pelo meio”.
Assim se fez a gestão ruinosa e irresponsável de José Sócrates e Paulo Campos [ex-secretário de Estado das Obras Públicas]”, concluiu.  
fonte, fonte


“SÓ HÁ DUAS FORMAS DE GOVERNO: O QUE TEM POR OBJECTIVO O BEM DA COMUNIDADE E O QUE VISA SOMENTE A VANTAGEM PARA OS GOVERNANTES” ARISTÓTELES

13 comentários :

  1. É, sem dúvida, um caso de polícia!

    Mas onde pára a polícia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem policia nem juízes nem deputados detêm estes senhores, eles são impunes e assim permanecerão com o apoio dos que votam PS E PSD ...

      Eliminar
    2. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  2. Cara Zita se o povo fosse unido - que nao e', a nao ser quando canta o Grandola - deixava de comprar qualquer jornal diario ou semanal. Excepto os de tematica desportiva para os que gostam da bola. Nao e' o meu caso.
    As redaccoes entrariam em panico e deixavam de ser "muletas", "mulas" ou porta-voz dos partidos politicos.
    A chamada grande imprensa, manipula e confude as mentes de um povo ainda politicamente alheio e distraido. Os jornais recebem e fazem favores a' classe politica.
    Se nao podemos "matar" o menssageiro, pelo menos tentemos derrubar o cavalo.
    Mas... ao povo basta um partido acenar com um almoco, jantar, esferografica ou bone, e o povo atropela-se e caiem na armadilha que nem passarinhos acabados de sair do ovo.

    Nota: a falta de acentos graficos deve-se ao meu keybord.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É notória a incapacidade do povo português para se unir em torno de uma ideia ou de um objectivo. A ignorância, o desconhecimento das tramoias dos politicos, e o excesso de humildade que ensina os portugueses a achar quem tem obrigação de aguentar tudo, parecem ser as causas para essa incapacidade. Não sei... sinceramente espanta-me e por isso uso este blog, tentando divulgar algumas tramoias, tentando mostrar que não temos que aguentar tudo, tentando perceber porque não reagem as pessoas em conformidade com a gravidade do que os rodeia...

      Eliminar
    2. Ainda bem que a Zita tem este blog, e nos informa destas atrocidades, corrupções, conluios, clientelismos, quase todos nunca denunciados nos mídia, nem noticiam. Esta vergonha não pode ficar impune, mas motivar, impulsionar este povo é mesmo muito díficil somos pacíficos, calmos, brandos e não temos a coragem, força, empenho por lutarmos contra estes roubos.

      Eliminar
    3. Estas noticias estão nos jornais e tv, o problema é que a manipulação das massas está sempre muito activa. E eles conseguem fazer passar noticias desta gravidade misturadas com banalidades.
      Utilizam formas complexas de comunicar, e informam de crimes hediondos contra a pátria e a democracia como se estivessem a falar de um complexo caso de economia ou um complexo caso judicial... quando na realidade é um crime descarado... que eles mascaram.
      Eu apenas tento retirar as máscaras que eles colocam. Expor o mais cruel, o mais descarado e chocante de forma mais simples.

      Obrigada pelo apoio... e pelas suas palavras. Portugal sucumbe e ninguém lhe deita uma mão.

      Eliminar
  3. A classe politica portuguesa tudo faz para manter o povo do tipo marionete. Sempre suspenso por cordelinhos e promessas que nunca se cumprem na totalidade. Um dia, o trabalho, a luta e a cruzada da Rita - e de mais alguns "teimosos" - sera reconhecido. Esperemos - e faco votos para isso - que nao seja ha boa maneira portuguesa ...
    Cordiais cumprimentos desde os Antipodas

    ResponderEliminar
  4. Parece-me que não temos Justiça nenhuma que resolva este tipo de delitos "cozinhados" adequadamente para que sejam legais. Com este país nunca iremos a nenhum lado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  5. renegociação de concessão de auto-estradas entre o Governo de José Sócrates e o grupo Mota (da Mota-Engil) em 2010 representam 1,4 mil milhões de euros de prejuízos para o Estado.

    http://apodrecetuga.blogs...

    Ler mais: http://expresso.sapo.pt/portagens-nas-scut-sao-ilegais=f708651#ixzz2eKy7HVLx
    Esse link publicado no Expresso a 2 de março de 2012 dá pagina apagada. É assim mesmo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo alerta ---- O Expresso corta o texto que estiver a mais, para além dos caracteres permitidos e deve ter cortado o resto do link, mas já encontrei o artigo , e o link
      "Mendes fala em "caso de polícia"
      O ex-líder do PSD, Marques Mendes, que renegociação de concessão de auto-estradas entre o Governo de José Sócrates e o grupo Mota (da Mota-Engil) em 2010 representam 1,4 mil milhões de euros de prejuízos para o Estado.
      "A não haver uma justificação muito clara e muito objectiva, eu diria que estamos perante um caso de polícia", avisou Marques Mendes, sustentando que a negociação não foi só para a introdução de portagens em auto-estradas sem custos para o utilizador, mas em duas grandes concessões, em Lisboa e Porto que já tinham portagens. Por isso, Mendes diz-se "estupefacto".
      Os números foram apontados, a propósito da polémica com Paulo Campos, ex-secretário de Estado e agora deputado do PS, na comissão de Economia e Obras Públicas. O caso ganhou nova polémica com a empresa KPMJ a frisar que os dados que Campos usou no dia 25 de Outubro, não era da sua responsabilidade, ao contrário do que inicialmente se pensava.
      Negócio de 2010 que passou de custos zero para prejuízos para o Estado de 1,42 mil milhões Euros por exigências da Mota Engil.
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/paulo-campos-distribui-tachos-e.html#ixzz2eLKt1MLn

      Eliminar
  6. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar