29 setembro, 2011

Águas de Portugal dá prémios de 2,3 milhões em crise.

Estado esbanja
O Tribunal de Contas detectou irregularidades nas ÁGUAS DE PORTUGAL, com prejuízos de 75 milhões distribui 2,3 em prémios.
Como vem sendo prática comum.
O  TC estranha que numa situação económico-financeira débil se façam gastos de 4,8 milhões de euros com viaturas de serviço, prémios de incentivo, 478 mil dos quais respeitantes a combustível. Carros de luxo

Contudo a justificação das AdP surge certeira, e ficamos todos esclarecidos do porquê de se gastar o dinheiro do povo a premiar maus resultados. -
"Mesmo uma empresa em situação económica difícil pode atribuir prémios aos trabalhadores, Trata-se de premiar o trabalhador pelo seu mérito e se quero ter bons trabalhadores, e quero, tenho de premiar os melhores, disse o presidente do grupo."
Como se existisse o risco de perder os preciosos gestores públicos, alguém consegue imaginar vê-los a a abdicarem dos tachos mais ambicionados de Portugal? É preciso prémios para convencer gestores a permanecer em "Tachos Dourados"? Essa é nova.
Muito mal justificado este despesismo. Um bom profissional, não precisa de receber milhões de prémios para o continuar a ser, UM BOM PROFISSIONAL ENTENDE QUE EM FASE DE CRISE NA EMPRESA, SE DEVE ABDICAR DE ALGUMAS REGALIAS, principalmente, se a crise é na empresa... e no país, e a empresa é do país.
O TC detectou ainda irregularidades na aplicação das tarifas, que as AdP justificaram como sendo "tarifas de equilíbrio", que são usadas apenas no espaço de tempo em que as infraestruturas estão a ser preparadas mas não usufruídas pelo público, como tal estas tarifas não visam o equilíbrio financeiro da empresa.
Só devemos lamentar que esta politica aplicada ás tarifas não tenha também sido aplicada aos prémios chorudos dos gestores, deveriam ter também oferecido, aos tais bons profissionais que dão prejuízo, apenas o ordenado base, para equilíbrio e não prémios chorudos para enriquecimento, enquanto o estado da empresa se apresenta DÉBIL. Seria o "salário de equilíbrio", tais como as "tarifas de equilíbrio", até a empresa se fortalecer financeiramente.
Mas isto quando se trata de favorecer amigos e esbanjar dinheiro público,  as politicas sofrem metamorfoses que a própria razão desconhece. 
NOTICIAS QUE ATESTAM O ACIMA ACIMA ESCRITO O presidente da empresa “Águas de Portugal”, Pedro Serra, disse, que os prémios aos funcionários “são totalmente justificados”. "Mesmo uma empresa em situação económica difícil pode atribuir prémios aos trabalhadores, disse Pedro Serra, em declarações à SIC.
Trata-se de premiar o trabalhador pelo seu mérito e se quero ter bons trabalhadores, e quero, tenho de premiar os melhores. O TC exortou a empresa a encontrar uma “solução célere para regularizar os desvios tarifários que têm vindo a ser contabilizados", algo que Pedro Serra relevou. “As nossas contas são auditadas todos os anos. Se os auditores considerassem os desvios tarifários irregulares não as aprovariam”, disse, em defesa de visões diferentes sobre os mesmos números. “Há um diferente entendimento sobre o nosso modelo de negócio”, disse.Os défices tarifários resultam de um modelo de negócio em que, até que estejam aptas as infra-estruturas necessárias à prestação do serviço, são praticadas "tarifas de equilíbrio" e não as "tarifas necessárias" ao equilíbrio financeiro e económico da concessão. fonte 
Águas de Portugal' com prejuízos de 75 milhões distribui 2,3 em prémiosRelatório denuncia gastos exagerados com viaturas de serviço e prémios de incentivo"Situação económico-financeira débil" e gastos de 4,8 milhões de euros com viaturas de serviço e prémios de incentivo. O Tribunal de Contas não poupa o grupo Águas de Portugal e recomenda a "imediata reestruturação".O Tribunal de Contas, num relatório em que analisa a actividade da holding entre 2003 e 2006, aponta como causas da má situação económico-financeira a internacionalização do grupo, que se traduziu num "falhanço empresarial" e "a excessiva fragmentação do sector", por via da criação de "demasiadas unidades empresariais", algumas das quais "não estão a conseguir ser auto-sustentáveis".O TC realça que "a política de atribuição dos prémios não está assente num sistema indubitavelmente claro e transparente, nem está associado à concretização de objectivos, já que no grupo não existe avaliação de desempenho por objectivos, orientado para resultados". O Tribunal de Contas sublinhou, igualmente, que as empresas do grupo atribuem viaturas de serviço, com plafond de combustível, a administradores e a alguns funcionários. No período em análise, e nas sete empresas consideradas no relatório, foram gastos 2,5 milhões de euro, 478 mil dos quais respeitantes a combustívelfonte

4 comentários :

  1. O unico comentario que me ocorre, é uma vergonha o que estão a fazer a este pais, um pais a saque.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  2. Perante tanta roubalheira consentida mesmo os otimistas tem dúvidas sobre o fim deste país!

    Como será possível eliminar tantas mordomias quando uma parcela substancial da população tem que VIVER com menos de 500€ mensais ou pior????

    Tenham vergonha! Deviam estar condenados a uma insónia contínua como castigo!

    Porque será que ninguém (destes senhores que roubam os honestos) não segue o exemplo do ex-Presidente da República General Ramalho Eanes?

    É com muita revolta que vejo tantos casos como estes...
    MJM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar