30 setembro, 2014

Cavaco Silva não se dava com o presidente do BES porque o médico, recomendou-lhe evitar os salgados.

corrupção espirito santo suspeitos banco
"Coluna de alterne
Cavaco - o que o Presidente sabe sobre o BES
A pedido de Sua Excelência (sua dele) e de várias famílias residentes no estrangeiro, em especial na Suiça, Luxemburgo, Panamá e Ilhas Caimão, somos a publicar um comunicado inteiramente falso - mas mesmo falso a sério - do inquilino do Palácio de Belém

O Presidente Cavaco Silva não sabe quase nada sobre o BES e tudo o que sabe foi-lhe dito pelo primeiro-ministro Passos Coelho e pelo Governador do Banco de Portugal Carlos Costa.
O que o Presidente Cavaco Silva não sabe sobre o BES dava para fazer um livro do tamanho da lista telefónica de Tóquio antes da invenção do telemóvel, mas o Presidente Cavaco Silva fez-nos saber que confia nas informações do primeiro-ministro Passos Coelho e do Governador do Banco de Portugal Carlos Costa.
O Presidente Cavaco Silva nem sabia bem o que era o BES. Confessou a um colaborador que pensava ser um clube de futebol chamado Benfica E Saudade ou, em contrapartida, um acrónimo de Banco do Estado Sólido.

28 setembro, 2014

Maria José Morgado: Uma entrevista abrangente a não perder. A corrupção viral.

M.J.Morgado garante que tudo serve de desculpa
para travar a justiça
Maria José Morgado
Do que falámos? 
Dos mecanismos da corrupção, “velha como o mundo”.
De Portugal ser “o campeão das Parcerias Público Privadas”. O que há nelas?, corrupção ou esbanjamento de dinheiro públicos?
Do “país de funcionários públicos” que somos, onde o dinheiro do Estado, o empregador, o animal perigoso, foi tratado “como se não fosse nosso”.
De obras públicas. “ Em Portugal têm uma regra: as derrapagens”.
De coisas absurdas. “O bater das asas de uma borboleta no tribunal pode provocar um atraso de 15 anos num processo. A simples falta de um toner pode provocar uma prisão preventiva.”
De a justiça ser o bombo da festa, de se assistir a uma tabloidização da justiça.(...)
Maria José Morgado foi considerada a mulher mais poderosa do país. É responsável pelo DIAP.

Como é que isto se endireitava?
Essa é a pergunta pior de todas, porque não há um único remédio. Não há um elixir. Lugar comum: precisamos de um país empreendedor, de gente com garra, capaz de emergir do choradinho e do fatalismo. Temos de reconhecer que há dois países. O que vive sob a capa da protecção do Estado, que nunca quis fazer nada, e o país da luta, da inovação. Se esse país emergente conseguir rasgar caminho e impor-se sobre o país da lamúria, algum dia nos endireitaremos. Mas não vai ser tão cedo, há um caminho longo a percorrer.
Quando lemos textos antigos, de romancistas a historiadores, percebemos que isto que vivemos parece inscrito no ADN colectivo. Esta propensão para o fado, para o queixume, este estar à beira do precipício.
É ler o Portugal Contemporâneo do Oliveira Martins – está lá tudo. A dependência das famílias do Estado. Toda a gente querer arranjar emprego no Estado para ter segurança. Ninguém querer arriscar. Não haver empreendedorismo.

26 setembro, 2014

O que liga Cavaco Silva a Ricardo Espírito Santo? Banca e a politica, romance que todos pagamos caro.

O que liga Cavaco Silva a Ricardo Espírito Santo?
Será verdade?
O que é facto é que o genro de Cavaco Silva ganhou em 2012 o concurso aberto pelo Governo para a venda do Pavilhão Atlântico, aprovada este ano pela Autoridade da Concorrência, apesar dos vários processos de execução a correr em tribunal contra as empresas de Luís Montez, por dívidas a várias outras empresas.
Luís Montez era considerado nos meios financeiros como financeiramente inelegível, por não possuir garantias suficientes para poder, em condições normais, só por si, portanto sem uma alta recomendação, conseguir chegar a um financiamento de mais de 20 milhões de euros para a referida compra.

23 setembro, 2014

Polémica entrevista a Marinho Pinto. Video. Revelação de esquemas sujos,nos salários dos eurodeputados

RR- entrevista a Marinho Pinto, com denúncias graves que lesam o país e os contribuintes, mas os jornais só fizeram titulo com parte de uma frase e fora de contexto. 


Primeiro criticavam-no porque falava, falava mas não agia...
Decidiu agir, agora criticam-no porque está a agir.
Criticaram-no por ir ganhar muitos milhares como eurodeputado, agora quer vir ganhar menos como deputado, mas ainda assim é criticado.
Criticam-no por ter cão ou por não ter, por dizer ou não dizer, por fazer ou não fazer...  e o mais interessante é que a comunicação social, diverte-se a fazer-lhe perseguição descarada... o povo será assim tão ingénuo, que se podem dar ao luxo de manipular a verdade, à descarada?

Marinho Pinto um criminoso e um pecador, cujo pecado é ser demasiado sincero e honesto. Faz as coisas com alma e não por calculismo ou estratégia. Deixou o MPT porque este "não servia o interesse nacional" (no video)... mas isso é muito mal visto pelos eleitores e jornalistas...  porque parece mal? Não importa que a razão por ter deixado o MPT seja heróica ou patriota. Não importa perceber que Marinho Pinto perdeu milhares de votos ao tomar esta opção. Para o povo o que importa é que parece mal, fica mal e isso é crime. Em Portugal preferem a mentira agradável dos manipuladores que nos roubam há 40 anos, que nos mentem com más intenções do que verdade incómoda, e com boas intenções?

COMO NÃO EXISTEM FACTOS QUE INCRIMINEM MARINHO PINTO, INVENTAM OPINIÕES QUE O INCRIMINAM? MAS HÁ PESSOAS QUE CONFUNDEM OPINIÕES COM FACTOS...

21 setembro, 2014

OS INTERESSES OBSCUROS QUE LEVAM A UE E O GOVERNO A SALVAR BANCOS E DESTRUIR O PAÍS?

PAULO MORAIS... E NÃO SÓ, RESPONDEM...


Neste video fique a perceber porque Portugal prossegue as operações suicidas de salvar bancos falidos e colocar o país a pagar os crimes e incompetências da banca.
Todos os nossos sacrifícios e a austeridade têm, afinal, como único objectivo salvar os bancos, porque a Merkel e os países mais fortes, têm interesse em que os bancos falidos dos países corruptos e incompetentes, não afectem e contagiem os seus países.
Mas nada como ver e ouvir o video e perceberá que andamos a sofrer para salvar milionários corruptos e incompetentes e assegurar a salvação da banca alemã e afins.

Ajudas a Portugal e Grécia foram resgates aos bancos alemães.
Philippe Legrain, foi conselheiro económico independente de Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, o que lhe permitiu acompanhar por dentro o essencial da gestão da crise do euro. A sua opinião, muito crítica, do que foi feito pelos líderes do euro, está expressa no livro que acabou de publicar “European Spring: Why our Economies and Politics are in a mess”.
A tese do seu livro é que a gestão da crise da dívida, ou crise do euro, foi totalmente inepta, errada e irresponsável, e que todas as consequências económicas e sociais poderiam ter sido evitadas.

@-Porque é que as coisas se passaram assim? O que é que aconteceu?
Uma grande parte da explicação é que o sector bancário dominou os governos de todos os países e as instituições da zona euro. Foi por isso que, quando a crise financeira rebentou, foram todos a correr salvar os bancos, com consequências muito severas para as finanças públicas e sem resolver os problemas do sector bancário.
Já é mau demais ter-se um patrão imperial porque não tem base democrática, mas é pior ainda quando este patrão lhe impõe o caminho errado.

19 setembro, 2014

Corrupção a nu. Esfera dos Livros lança hoje “Os Facilitadores”, o 2º livro de Gustavo Sampaio, autor do “bestseller”- Os privilegiados


Uma obra a não perder para os que desejam conhecer, com detalhe e rigor, os meandros mais obscuros da corrupção, em Portugal.

"Trata-se de uma investigação jornalística, rigorosa e inédita, que compila os factos, faz o cruzamento de dados e compõe um retrato impressionante da triangulação de interesses entre o poder político, o mundo empresarial e os consórcios de advocacia. 
Neste trabalho o autor revela as listas de clientes das maiores sociedades de advogados, as interligações políticas e empresariais, as participações no âmbito da produção legislativa ou da actividade de regulação, apresentando casos concretos.

Sinopse: 
Ajustes directos, contratos swap, PPP (nos sectores da saúde, educação, águas, resíduos, vias rodoviárias e ferroviárias, etc.), privatizações de empresas públicas, concessões e subconcessões, contratos de exploração a meio século, auto-estradas com portagens virtuais, rendas excessivas no sector energético, mais-valias decorrentes da venda de gás natural não partilhadas com os consumidores, aumentos das taxas nos aeroportos nacionais, direitos adquiridos sobre pontes e aeroportos que ainda não foram construídos, indemnizações devidas por causa de projectos adiados, ou mudanças de sede fiscal para a Holanda ou para a Zona Franca da Madeira...
Quase todos estes contratos, negócios e direitos adquiridos foram assessorados, intermediados, aconselhados, estruturados, facilitados pelas principais sociedades de advogados que operam em Portugal.
As que mais facturam. Quer do lado do Estado, em representação do interesse público, quer do lado do sector privado, defendendo os interesses empresariais dos respectivos clientes. Ou em ambos os lados, muitas vezes em simultâneo, por entre indícios de conflitos de interesses. 

17 setembro, 2014

Ex ministra da educação de Sócrates condenada por favorecer amigos em 265 mil euros?

Há mudanças a acontecer em Portugal, talvez porque o povo esteja a despertar.
Os portugueses estão a ficar mais exigentes, mais civicamente activos e mais críticos. 
Se repararmos, no caso do BES, apesar do desfalque ser semelhante ao do BPN, já foram notórias algumas diferenças, pelo menos, os governantes e os banqueiros tiveram mais vergonha (Passos Coelho nem apareceu) e tentaram disfarçar melhor o crime. Não é que isso seja o objectivo final que se pretende, mas pelo menos demonstra que sentem mais medo e vergonha... 
O caso de Armando Vara foi mais uma demonstração de que também a justiça começa a ter vergonha do rasto de inércia que sempre exibiu, perante a corrupção. 
E agora mais o caso da ex ministra da educação de Sócrates, condenada. 
Não tenhamos ilusões, todos eles continuarão a sair impunes, graças aos infinitos recursos que podem pedir, mas as diferenças, apesar de ténues, são visíveis. 
Por isso portugueses não desistam, continuem a criticar, a mostrar a indignação e a mostrar que sabem que somos roubados e enganados e que já basta. Continuemos despertos, e sem papas na língua, quando chega a hora de defender o país, os nossos filhos e os nossos impostos. 
A história da corrupção em Portugal sempre se assemelhou ao oposto da típica novela, pois aqui são os prevaricadores que sabem que terão sempre um final feliz, onde podem contar com a impunidade e glória. Os actores podem deleitar-se, tranquilos a saborear e a partilhar entre amigos, o recheado piquenique a que chamam o dinheiro público?

"Contratar irmão de Paulo Pedroso custou a Lurdes Rodrigues 30 mil euros e pena suspensa de 3 anos. 
Tribunal deu como provado crime de prevaricação da ex-ministra da Educação e João Pedroso. Sentença determina que indemnizem Estado do dinheiro que gastaram ilegalmente.
Maria de Lurdes Rodrigues foi condenada esta a uma pena suspensa de prisão de três anos e meio e ainda a pagar ao Estado 30 mil euros por ter violado a lei, ao contratar por ajuste directo, quando era ministra da Educação, o irmão do dirigente socialista Paulo Pedroso.
Os 265 mil euros que mandou pagar entre 2005 e 2007 ao advogado João Pedroso eram para que este compilasse toda a legislação portuguesa da área da educação. Mas o trabalho não foi levado até ao fim, e o advogado acabou mesmo por ter de devolver parte do dinheiro - mas só depois de o caso ter vindo a público e se ter tornado um escândalo.

Porque não houve concurso público? 

14 setembro, 2014

OS IMPARAVEIS JUROS: Apesar das privatizações, cortes na despesa e aumentos de impostos, alterações na legislação do trabalho, no cálculo das pensões, a dívida continua a crescer

O OUTONO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO ESTÁ AÍ
Sumário
A tara privatizadora
Nova contabilidade junta dívida à dívida
Retoma, onde te escondes?
A brilhante classe política portuguesa

A tara privatizadora
A desaparição da PT, engolida na Oi, faz lembrar quando a empresa teve de ceder a Vivo à Telefónica[1] com altos lucros para os acionistas, dominados pelo BES, o mesmo que, recentemente, utilizou o seu agente Granadeiro e outros para uma golpada de 900 M na PT; esta empresa foi uma desnatadeira do regime cleptocrático vigente há perto de 40 anos, RIP.

Também a Cimpor foi comprada por brasileiros, a EDP por chineses, a REN por franceses, a Tranquilidade ficará para americanos, a Espirito Santo Saúde para mexicanos, etc. enquanto o cervejeiro nomeado para ministro se afadiga na magna tarefa de vender a TAP, depois de concretizada a alienação dos CTT. Tudo isto para além da costumeira e silenciosa[2] privatização que se oculta nas rubricas de fornecimentos e serviços de terceiros das entidades públicos, como emanações contabilísticas de lógicas de downsizing complementadas com outsourcings. Essas designações em inglês constituem pretensões provincianas de modernidade ou - de pugresso como verbaliza Cavaco – que ocultam a indigência cultural dos mandarins governamentais. Está aberta uma feira internacional de privatizações com saldos, promoções e contribuições para o cofre do partido.

07 setembro, 2014

Marinho Pinto: O que os incomoda é que denuncie a podridão e exponha os cúmplices que se calam.


Marinho Pinto denuncia as mordomias dos eurodeputados, mas mesmo assim há quem critique



ESTE… É O HOMEM!
Ex-bastonário dos advogados responde aos que o criticam... Assustados!
Fariseus
“Há cerca de três semanas anunciei que, em 2015, iria pedir ao eleitorado que substituísse o meu mandato de deputado ao Parlamento Europeu pelo de deputado à Assembleia da República, pois iria candidatar-me ao cargo de primeiro-ministro. E revelei as razões por que o fazia.
Imediatamente, os alabardeiros do sistema político, que vão de uma direita burlesca a uma extrema-esquerda apatetada e a outra de sacristia, reagiram com a finalidade de desviar as atenções do que é importante.
Na verdade, como um coro bem afinado, eles acusaram-me de tudo e mais alguma coisa mas nem uma palavra sobre os motivos da minha intenção de sair do PE.
Para eles é irrelevante que os deputados recebam mais de 18 mil euros mensais para representarem um país cujo salário mínimo é inferior a 500 euros;
que só paguem impostos sobre um terço dessa remuneração e a uma taxa de 20%, enquanto as pessoas que os elegeram, vivem esmagadas com impostos que lhes podem confiscar mais de 50% dos rendimentos do trabalho;
que um simples mandato de cinco anos possa dar direito a uma pensão vitalícia de cerca de 1300 euros mensais quando os portugueses precisam de trabalhar várias décadas para obter uma pensão que nem sequer os sustenta na velhice.

05 setembro, 2014

M. José Morgado: A corrupção em Portugal pode estar fora de controlo.


Esqueçam a justiça, o BPN, as PPP, os submarinos, a democracia e Portugal. 


O alerta partiu da magistrada Maria José Morgado, que apontou a apatia da sociedade civil, o sigilo fiscal e o segredo bancário como factores “para não haver um verdadeiro combate à corrupção”.

Maria José Morgado, no seu discurso no I Congresso sobre a Democracia em Portugal, considerou que “a sociedade civil tem de exigir à Polícia Judiciária, ao Ministério da Justiça e ao Procurador Geral da República, Souto Moura, estatísticas, estudos, diagnósticos e resultados sobre o combate à corrupção”.
Ao CM, a magistrada explicou que “tem de haver um tratamento especializado dos dados, para definirmos a corrupção nos diferentes serviços do Estado, bem como quais as categorias de funcionários envolvidas e a relação com o crime organizado”.
A ex-directora nacional adjunta da Polícia Judiciária, defendeu ser “necessária a quantificação de objectivos e definição de programas por parte dos políticos”. Enquanto esse trabalho não for efectuado “existe uma realidade de paz podre em que não se pede responsabilidades a ninguém”, sustentou.

04 setembro, 2014

Cavaco Silva é um fracasso. Uma colecção de vídeos para rir... ou chorar!





Cavaco Silva:"sou muito rigoroso"? SLN o BPN, e as mentiras.
29 028 visualizações
Onde está a ética a moral e o rigor? Como é possível pessoas destas, terem a lata de mentir assim? Insultarem quem as ouve, ...


O inconseguimento de Cavaco Silva, rei das gafes ou senil?
26 481 visualizações
Compilação dos momentos em que Cavaco Silva se recusa a informar os que serve. Umas vezes afirma que não percebe, outras ... enfim mais valia estar calado.


Amigos do BPN que financiaram Cavaco até ao poleiro.
2 822 visualizações
CAVACO SILVA BEM TENTA LIMPAR-SE DA LAMA DO BPN, MAS ESTÁ TÃO ENTRANHADA E JÁ LHE ESTÁ NO SANGUE, ...

01 setembro, 2014

O BES e a cobertura do Banco de Portugal. Não há desculpas que convençam, crime é crime.


Miguel Cadilhe desmonta a desculpa do Banco de Portugal, de que as irregularidades quando camufladas, não são possíveis de ser detectadas... Desculpa esta utilizada para justificar a cegueira da
instituição reguladora perante a gigantesca calamidade que se desenrolava no BES e se desenrolou no BPN.
Por isso é aconselhável que os portugueses comecem a pensar noutra razão para que tenha sido possível ao BES e ao BPN, levar a cabo, todas as irregularidades que conhecemos e as que desconhecemos, a desculpa da camuflagem não pega. 
Quando nos bombardeiam com mentiras descaradas será certamente porque a verdade é algo tão abominável e condenável, que vale tudo para a ocultar!
Há crime e criminosos e há rabos presos de gente muito importante de todos os partidos com poder, por isso nenhum viola o pacto de segredo que protege a classe politica, aquela onde todos conseguem o acesso aos cofres públicos e à impunidade necessária, para nos roubar!
Não é credível que não haja ninguém na oposição ou no poder que não possua conhecimentos para revelar ou exigir a verdade sobre o BES, os nomes, os esquemas, o prejuízo para o país, os culpados pelo encobrimento, as falhas das entidades reguladoras e a extrema bondade da justiça. 

Pedro Sousa Carvalho realçou uma questão moral: o que acontecerá a Ricardo Salgado, depois de ter reconhecido que no BES e no GES houve irregularidades consideradas crime?
«Em Portugal temos o presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, dá uma entrevista a um jornal a dizer que no banco dele, e nas empresas do grupo dele, foram cometidas irregularidades, ou seja, esconderam 1,3 mil milhões de euros, ou seja, ele está a confessar que houve um crime no banco (...) e não acontece nada?! (...) Desde 2008, que o banco está a vender produtos aos seus clientes (...) com base em contas de empresas que estão falsificadas, e não acontece nada?!», questionou o jornalista. TVI

"Não dou o benefício da dúvida ao Banco de Portugal"Em entrevista ao "Diário Económico", o economista e antigo ministro das Finanças sublinha que a supervisão tinha obrigação de ter atuado mais cedo no BES.
Depois daqueles casos do BPP e sobretudo do BPN, que conheci por dentro, tendo a estrutura de supervisão falhado como falhou ao longo de anos, qual a razão para que o BdP nunca tenha mandado fazer, que eu saiba, um inquérito interno às causas das falhas?", questiona Cadilhe
"Chocadíssimo" com o colapso do BES, Miguel Cadilhe afirma que Portugal "sofre claramente de um mal, da falta de qualidade das instituições, públicas e privadas".
(...) o economista diz que a supervisão tinha obrigação de ter atuado mais cedo no Banco Espírito Santo e, pela informação que é pública, jamais deveria ter aprovado o aumento de capital.
Miguel Cadilhe não aceita a explicação do Banco de Portugal, segundo a qual há irregularidades que, se bem camufladas, dificilmente podem detetar-se a tempo. "Não há limites orçamentais à capacidade técnica de um banco central", acusa.
"Na supervisão, na inspeção, na fiscalização, tem que se ver se a estrutura está à altura da função.
"Se o fizeram (o inquérito), não foram consequentes. Ou então o inquérito foi inconclusivo. Se mandaram uma pessoa da própria estrutura fazer o inquérito, isso não é inquérito. Devia ter sido feito por pessoas independentes e externas. O BdP alguma vez terá feito uma auditoria assim aos seus serviços, depois de se comprovar que ao longo de anos falhou várias vezes? Esta é minha dúvida...", acrescenta Cadilhe economista que chegou a assumir a presidência do BPN até à sua nacionalização. Expresso

Não deixa de ser curioso... para além da PT que se arruinou para ajudar o BES, também temos esta noticia estranha. "A Goldman Sachs emprestou 635 milhões de euros ao Banco Espírito Santo em julho, um mês antes do BES ter sido dividido em dois pelo Banco de Portugal, mas já numa altura em que não conseguia obter crédito nos mercados financeiros."

COMISSÃO DE INQUÉRITO BPN - VÍTOR CONSTÂNCIO ACUSADO E EXPOSTO, NÃO RESTAM DÚVIDAS 


UM PASSADO BEM PRESENTE, QUE NÃO DEVÍAMOS ESCONDER OU ESQUECER
NO CASO BPN CADILHE DENUNCIOU: 
- Constâncio foi incompetente na supervisão e um entrave para a melhor solução. Cadilhe fala em fraude gigantesca (2012)
- "Miguel Cadilhe sustenta na entrevista concedida ao Diário de Notícias que o que se passou no BPN "é a maior, a mais continuada e a mais ostensiva fraude na banca portuguesa".
O antigo ministro, que durante cinco meses presidiu ao banco, afirma que a opção de Sócrates pela nacionalização foi apenas política (não se preocupou com o interesse nacional mas com o interesse dos políticos). Cadilhe continua a defender o seu plano para um banco com capitais mistos como a melhor opção e a menos onerosa para o país.
Cadilhe deixa ainda críticas a Vítor Constâncio, afirmando que o papel do ex-governador do Banco de Portugal foi uma lástima. Constâncio, afirma, foi sempre um entrave para uma solução.
Para Cadilhe, o caso só chegou onde chegou porque "externamente o Banco de Portugal falhou ano após ano" e porque uma manta de silêncio cobria de um lado pessoas como Oliveira e Costa ou Dias Loureiro e do outro as hostes de Vítor Constâncio. Constâncio foi "uma lástima, um permanente entrave com aquele estilo dubitativo que se lhe conhece"
Diz que dele esperava um papel sincero e de apoio, mas que, ao contrário, Constâncio regateou a liquidez, impôs um mecanismo gota a gota, mesquinho e aflitivo e asfixiou o BPN: “alegou a emergente crise internacional e tirou-nos o tapete".
Três anos depois insiste que a salvação do BPN passava por uma solução mista com capitais públicos e privados, opção rejeitada pelo Governo Sócrates, que não concedeu apoio de liquidez e optou por uma solução mais onerosa. Tomando uma decisão que, diz Cadilhe, foi só política e nunca económica.
E Cadilhe questiona: "Teixeira dos Santos e Sócrates escolheram politicamente contra nós. Porquê? Por que não impediram certas entidades públicas de retirar grandes depósitos do BPN privado? Por que declararam que a nacionalização era grátis para os contribuintes?”. RTP

A IMPUNIDADE E AS MENTIRAS 
"A Procuradoria-Geral da República tinha talvez o dever de averiguar porque é que a instituição falhou assim tão visivelmente, tão flagrantemente, e com consequências sérias para as finanças públicas, para a credibilidade do sistema financeiro”.
“O que nós assistimos é que, internamente no Banco de Portugal, se se apurou alguma coisa, não houve consequências”, refere.
Miguel Cadilhe conclui com ironia que “Há qualquer coisa que não está bem na República de Portugal, não é?
Teixeira dos Santos e Constâncio "enganaram" portugueses ao justificar nacionalização
"O ministro das Finanças e o Governador [do BdP] enganaram o país a 2 de Novembro de 2008 quando, em conferência de imprensa, argumentaram com o risco sistémico” ao tempo da nacionalização, disse no Parlamento o presidente do BPN.
Para Miguel Cadilhe, estes dois responsáveis não podiam ter invocado o argumento de que o BPN poderia provocar o colapso do sistema financeiro português quando o banco tinha uma quota de mercado de apenas 2%. "O risco sistémico é uma das partes mais infelizes do argumentário da nacionalização", sublinhou. TVI
Criticou também a venda em saldo do BPN ao BIC principalmente com as condições do contrato que foram oferecidas. Expresso
-- Conheça alguns dos vergonhosos contornos do contrato ruinoso assinado na venda do BPN, por Maria Luís Albuquerque, ainda no governo de Sócrates. Neste link a compilação.

AS MENTIRAS DO GOVERNO PS SERVIAM PARA ENCOBRIR QUAL VERDADE?
UMA AUDITORIA DESCOBRIU EM 6 HORAS O QUE O BDP NÃO DESCOBRIU EM ANOS?  


OUTRA DAS DESCULPAS DE VÍTOR CONSTÂNCIO PARA A CEGUEIRA NO CASO BPN, FOI QUE NINGUÉM PODERIA IMAGINAR QUE OLIVEIRA E COSTA FOSSE CAPAZ DO QUE FEZ, NESTE VIDEO AS PROVAS DE QUE A ATITUDE DE OLIVEIRA E COSTA JÁ VINHA DE LONGE.



E QUANTO A RICARDO SALGADO? TAMBÉM NINGUÉM PODERIA IMAGINAR? 
UM BANCO COMO O BES, QUE ESTEVE ENVOLVIDO EM VÁRIOS ESCÂNDALOS DE CORRUPÇÃO? UM GRUPO QUE É DOS MAIORES BENEFICIÁRIOS DOS CONTRATOS CRIMINOSOS DAS PPP? UM GRUPO QUE ESTEVE ENVOLVIDO NO ESCÂNDALO DOS SUBMARINOS, DOS SOBREIROS, NO ESCÂNDALO DA PRIVATIZAÇÃO DA EDP? UM BANCO CONHECIDO PUBLICAMENTE COMO O BANCO DO SISTEMA? 
QUE MAIS DESCULPAS ESTÚPIDAS PODERÃO INVENTAR? SEREMOS UM POVO ASSIM TÃO BURRO E INDIGNO DE RESPEITO, QUE NEM MERECEMOS A VERDADE OU UMA DESCULPA COM PÉS E CABEÇA? 

O BES O BANCO DO SISTEMA, A SAGA CONTINUA
  1. As escutas do BES e do CDS (video)
  2. 20 milhões, por assessoria do BES.
  3. BES e os submarinos do Portas
  4. Lusófona e o BES
  5. BES e as grandes obras da Policia Judiciária
  6. Paulo Morais denuncia
  7. As SCUT´s e o BES
  8. O BES e Almerindo Marques
  9. O BES, o Mensalão e o Relvas
  10. BES e a privatização da EDP
  11. BES os juros e as PPP
  12. Manuel Pinho e o BES
  13. O BES e o desfalque nos CTT
  14. O BES na comissão que negoceia com a troika?
  15. O CDS e o depósito de 1 milhão no BES
  16. BES beneficia das PPP de Sócrates.
  17. O BES no Banco de Portugal
  18. As conquistas do BES.
  19. BES e o caso Portucale
  20. PS amigo das PPP´s e do BES
  21. O BES albergue de políticos 
  22. BES acusado de roubar empresa
  23. Gomes Ferreira explica como a Banca manda
  24. Os homens políticos do BES
  25. A vigarice do BES, por CFA
  26. Prender os que enganaram o estado nas PPP
  27. Fisco aliado do BES, contra o cidadão?
  28. Ricardo Salgado, o destemido, limpa o BES
  29. BES & CML uma parceria conveniente? Perguntem ao António Costa