28 fevereiro, 2014

Portugal a arder em nome dos tachos, boys, e outros interesses obscuros


O ALBERGUE PARA PARASITA QUE ESTAVA EM EXPANSÃO ACELERADA.
NESTE VIDEO TENTE PERCEBER PARA QUE SERVIA A EMA. UMA EMPRESA COM APENAS 3 ANOS, JÁ TINHA 15 DEPARTAMENTOS, E DISTRIBUÍA SALÁRIOS DE LUXO.
Portugal que arda que eles precisam do tacho. (em 2014 o governo tenta liquidar a EMA, mas não consegue)




Mais um atentado contra a nação, cujos traidores deveriam ser condenados à pena respectiva.
Queimam-se casas e terrenos, matas e animais, morrem inocentes, tudo porque o importante é manter as negociatas e os tachos.
Governo tenta liquidar a EMA e parar o parasitismo, mas eles não deixam??
Foi publicado em Diário da República, o Decreto-Lei nº 8/2014, que procede à dissolução da EMA. SITE
EMA deveria fechar portas a 31 de OUT/2014, já com um atraso de três anos, mas o OE para 2015 ainda reserva quase 20 milhões para a empresa. 
Ainda não é este mês que a Empresa de Meios Aéreos (EMA) vai ser extinta.
Miguel Macedo anunciou que a EMA seria extinta em Outubro de 2011. Na altura, o ministro explicou que o fecho da empresa, criada em 2007 para gerir dez aeronaves do Estado, permitiria poupar cerca de oito milhões de euros aos cofres do Estado. Porém, o encerramento nunca chegou a avançar.
Entretanto e antes que a mama acabasse, em 3 anos aproveitaram para ir tirando máximo que puderam?
Olhando para o portal Base, verifica-se que desde o anúncio de Miguel Macedo, há três anos, a empresa gastou mais de 11 milhões de euros.
Entretanto, dois dos seis Kamov foram penhorados por uma empresa privada, a Heliportugal, que tem tratado da manutenção dos helicópteros pesados e que se queixa de uma dívida de milhões por parte do MAI. Jornal I
Ten. Cor. Piloto Aviador -Brandão Ferreira expõe o regabofe e abuso dos impostos. 
"Uma das primeiras intervenções do Ministro da Defesa (MDN), efectuada numa visita à Força Aérea (FA), foi a de perspectivar o regresso daquele Ramo militar ao combate aos incêndios florestais (IF).
A ideia é boa, apesar de requentada, e mereceu desde logo – e bem – um alerta do respectivo Chefe de Estado Maior, lembrando que tal desiderato não seria viável de um dia para o outro.
Como as pessoas em Portugal têm a memória curta por esquecimento ou conveniência, vamos tentar dilucidar, sucintamente, todo este imbróglio. Porque de um imbróglio se trata, apesar da aparente candura das palavras ministeriais.

O Governo tinha adquirido, em 1982, equipamentos com o acrónimo “MAFFS”, que foram adaptados aos aviões C-130, e que permitiam largar sobre os incêndios uma quantidade apreciável de uma calda retardante. Custaram, na altura, cerca de 200.000 contos.
Para além disto, na “época dos fogos” distribuíam-se pelo país meia dúzia de helicópteros AL III, que ficavam em alerta aos incêndios. Estes helicópteros tinham uma capacidade muito reduzida de actuação, pois apenas podiam transportar equipas até cinco elementos e largar um pequeno balde de água sobre o fogo.
Com o agravamento anual do número de fogos e área ardida, cada vez foi necessário alugar mais hélis e aviões a empresas privadas, o que gerou um negócio de muitos milhões.

27 fevereiro, 2014

COMPRO 2 SUBMARINOS PARA IR EM BUSCA DA JUSTIÇA.





UMA INVESTIGAÇÃO CONDUZIDA PARA A IMPUNIDADE.
Mais um processo perdido nos vícios das leis. Um emaranhado onde ninguém se entende... só os corruptos.
Para Ana Gomes o Caso dos submarinos teve um "veredito vergonhoso"
A absolvição dos dez arguidos do processo das contrapartidas dos submarinos, é “um veredito vergonhoso para a Justiça e desesperante para os portugueses”. Além disso, alertou, esta “investigação” que “leva já mais de sete anos (…) pode acabar em abril próximo com a prescrição da responsabilidade criminal”.
Apesar disso, frisou, “acho que ninguém minimamente informado duvida de que houve corrupção, burla e fraude contra o Estado neste processo”.
Mostra como a partir de certa altura na investigação judicial tudo concorreu para conduzir à impunidade”.
“A imprensa diz que os juízes não encontraram prova de encenação engenhosa para que pudessem sequer configurar crime de burla ao Estado, (…), os juízes não negam que tenha havido prática de crimes só que decidem pela absolvição dos acusados, com base nos vícios e ilegalidades que dizem haver no modo como o Ministério Público obteve a prova”, salientou a eurodeputada, reforçando que “basta ler o contrato das contra partidas, as taxas de inexecução das contra partidas, a renegociação que este Governo tentou em 2012” para perceber que “houve corrupção, burla e fraude contra o Estado neste processo”.

Além disso, na opinião de Ana Gomes “desta sentença concluiu-se [ainda] que o Ministério Público (…) está dependente de orientações que podem refletir manipulações políticas, além de estar incapacitado por falta de recursos humanos e financeiros para investigações em casos de corrupção de grande complexidade e que envolvem decisores políticos”.
“Considero também particularmente alarmantes as considerações dos juízes de que este processo seria desnecessário (….) porque podia ter sido resolvido através de arbitragem ou negociação. É incompreensível que um tribunal aponte para a desnecessidade da justiça estadual como se estivessem em causa meros diferendos contratuais e não atos criminosos da maior gravidade e um prejuízo colossal para o Estado que o povo português está a pagar”, criticou a socialista.
“Submarinas e afundadas andam as responsabilidades de [Durão] Barroso e [Paulo] Portas”, à data primeiro-ministro e ministro da Defesa, respetivamente, assim como “submarina afundada anda também a justiça portuguesa”, rematou a eurodeputada. fonte

26 fevereiro, 2014

Onde está a esquerda? A questão de um Saramago desenganado...


Já tenho a explicação: a esquerda não pensa, não age, não arrisca um passo.
Ausento-me deste espaço por vinte e quatro horas, não por necessidade de descanso ou falta de assunto, somente para que a última crónica se mantenha um dia mais no lugar em que está. Não tenho a certeza de que o mereça pela forma como disse o que pretendia, mas para lhe dar um pouco mais de tempo enquanto espero que alguém me informe onde está a esquerda...
Vai para três ou quatro anos, numa entrevista a um jornal sul-americano, creio que argentino, saiu-me na sucessão das perguntas e respostas uma declaração que depois imaginei iria causar agitação, debate, escândalo (a este ponto chegava a minha ingenuidade), começando pelas hostes locais da esquerda e logo, quem sabe, como uma onda que em círculos se expandisse, nos meios internacionais, fossem eles políticos, sindicais ou culturais que da dita esquerda são tributários.
Em toda a sua crueza, não recuando perante a própria obscenidade, a frase, pontualmente reproduzida pelo jornal, foi a seguinte: “A esquerda não tem nem uma puta ideia do mundo em que vive”.

25 fevereiro, 2014

OS PRIVILEGIADOS MALDITOS, QUE NOS CONSOMEM. PAULO MORAIS DISCURSA NO PARLAMENTO.


RESUMO DO CORAJOSO DISCURSO DE PAULO MORAIS, NA CASA DA DEMOCRACIA, ONDE TODOS OS DIAS SE OFENDE A DEMOCRACIA E A JUSTIÇA.


INCOMPATIBILIDADES DOS DEPUTADOS, intervenção de Paulo Morais.
Um discurso que deveria afrontar não só os nomeados, mas também os cidadãos que os elegem e continuam a acreditar e a confiar neles as suas vidas e a de milhões de inocentes.
Paulo Morais expõe um dos mais graves problemas de Portugal, o assalto ao orçamento levado a cabo por deputados, para favorecer parasitas. Mas os cobardes, perante o peso de uma verdade tão inegável, nem se dignam a aparecer para justificar ou negar.
ESTRANHAMENTE NEM OS PARTIDOS DE ESQUERDA NEM OUTROS DA OPOSIÇÃO APARECEM PARA DEBATER A CORRUPÇÃO!! É UM ASSUNTO SEM INTERESSE?
Não deveria este ser um tema batido e debatido, pelos partidos que estão na oposição? Porque tem que ser o Paulo Morais a fazer o serviço das oposições? Andam todos a dormir? Deve ser da mama. Sempre ouvi dizer que a mama dá sono.
O descaramento e a falta de remorso é tão óbvia que nem sentem necessidade de disfarçar.
E os nomeados, por Paulo Morais, para os óscares do melhor actor com duplo papel.
  1. @ - DUARTE LIMA 
  2. @ - MOTA ENGIL 
  3. @ - MANUEL ISAAC, ARNAUT
  4. @ - PAULO MOTA PINTO
  5. @ - CANAVARRO 
  6. @ - MONTE ADRIANO
  7. @ - MIGUEL PAIS DO AMARAL
  8. @ - COMISSÕES TROIKA 
  9. @ - RICARDO RODRIGUES
  10. @ - OS ADVOGADOS DO DIABO
  11. @ - BPN O MAIOR ESCÂNDALO
O DISCURSO... 
"Nesta mesma Casa, na sede do regime democrático republicano, e perante aqueles que tinham acabado de o eleger, o Presidente Manuel de Arriaga, ciente de que tinham depositado nas suas mãos “um tesouro precioso, a liberdade”, promete, em nome dessa mesma liberdade, “eliminar todos os privilégios que, sendo mantidos à custa da depressão e ofensa dos nossos semelhantes, são para mim malditos”.

A eliminação dos privilégios malditos, porque o são à custa duma sociedade deprimida, deve ser a primeira das preocupações da Assembleia que é herdeira do nome e dos princípios da República de Manuel de Arriaga. Justamente por ser da República, esta Assembleia deveria combater todo o tipo de privilégios indevidos, na defesa da ética republicana e dos ideais de liberdade e igualdade, que enformam o mundo democrático contemporâneo.

24 fevereiro, 2014

6 mil milhões de euros em 5 anos de ajustes directos, sempre a abrir


O povo é que paga!
A democracia tem estes momentos de anarquia e libertinagem, em que OS GESTORES do dinheiro público, nem precisam de realizar concursos públicos, afim de obterem melhores preços, eles gostam mesmo é de ajustes directos. Oferecem o negócio a quem bem lhes apetecer e pelo preço que se quiser.
Mas o povo nada pode contra eles, nem contra o despesismo, e é forçado a trabalhar cada vez mais e mais, para pagar os abusos da liberdade, deles. Assim temos que, a excessiva liberdade de uns é a escravatura dos outros.

"Tudo serve em Portugal para gastar dinheiro dos contribuintes. 
Seja em festas, seja em brindes, seja a fazer pequenos favores a amigos, a realidade dos ajustes directos custa todos os dias muitos euros que saem dos bolsos de quem paga impostos. O pior é que muitas destas despesas, no mínimo, são de interesse duvidoso. Veja alguns exemplos eventualmente chocantes...

É profundo e recheado, o bolso do contribuinte, quando chega a hora de pagar despesa pública. E quem paga e não bufa nem sequer questiona se realmente precisa do serviço que acabou de comprar.
A listagem dos ajustes directos, feitos por organismos públicos, empresas do estado e autarquias, é um manancial de más despesas que o contribuinte, sem saber, paga. E paga bem.

23 fevereiro, 2014

Os estranhos seres, a quem ouvimos mais que a familia



O ESTRANHO
 Alguns anos antes de eu nascer, o meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade.
Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com este encantador personagem, e em seguida convidou-o para viver com a nossa família.
O estranho aceitou e desde então tem estado connosco.
Enquanto eu crescia, nunca questionei o seu lugar na minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial.
Meus pais eram professores: minha mãe ensinou-me o que era bom e o que era mau e meu pai ensinou-me a obedecer.
Mas o estranho era o nosso visitante narrador. Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias.

22 fevereiro, 2014

O 25 de Abril deu-nos democracia, e a democracia deu-nos 20 anos de Cavaco Silva

cravos abril liberdade aos corruptos
Ricardo Araújo Pereira explica que Portugal está dominado pelas ramificações mais tenebrosas da "democracia". A democracia não trouxe apenas a "liberdade" dos bons, trouxe também a dos maus. A  "liberdade" deles, que permite termos 20 anos de poder para uma figura como Cavaco Silva. Mas trouxe também a nossa falta de liberdade, para punir e travar a ditadura.
A impotência de nos podermos defender de votos de pessoas "ignorantes" ou manipuladas, enganadas descaradamente pela comunicação social e pelos políticos.
Uma democracia de fachada que retirou ao povo, razões para lutar, pois camuflou a opressão, anulou as ferramentas, para o povo se defender ou ter o poder de fazer valer a sua vontade e os seus direitos.

"O 25 de Abril deu-nos a liberdade e a democracia, e a democracia deu-nos 10 anos de Cavaco Silva como primeiro-ministro e outros 10 como Presidente da República.
Ainda assim, fazendo o balanço, creio que a data merece ser festejada. E, se puder ser festejada com um discurso de Cavaco Silva, melhor.

21 fevereiro, 2014

BRUTAL! MANUEL MONTEIRO EXPÕE A VERDADE, OS NOSSOS POLÍTICOS SÃO FANTOCHES


Vejam bem como Manuel Monteiro contou tudo no programa Olhos nos olhos. Para os que ainda tinham dúvidas.
Manuel Monteiro, neste video, revela a ausência de democracia em Portugal e o domínio da podridão mais profunda, da politica.
Abandonou a politica porque se considera um patriota e o CDS está totalmente dominado pelo sistema. Tentou criar um partido, mas os portugueses não aderem a ideais de gente honesta.
Denuncia:
As farsas do poder.
A perda de soberania.
As mentiras das campanhas.
Os políticos empresários que apenas procuram enriquecer na politica.
A desonestidade das promessas politicas.
Os grandes empresários de sucesso, que não passam de parasitas do povo.



Afirma que na politica ou se entra no jogo sujo, ou sai-se da politica."
Manuel Monteiro percebeu que aquilo era uma choldra.
Teve muitos convites para cargos bem pagos na politica, mas disse sempre não.

20 fevereiro, 2014

RTP dá prejuízo, mesmo com 4 vezes mais trabalhadores que a concorrência. Mas com metade da publicidade?


RTP dá prejuízo, mesmo com 4 vezes mais trabalhadores a esforçar-se para obterem lucro?
Os albergues de boys, costumam ter este problema nos recursos humanos... muita quantidade mas pouca qualidade. Muitos a trabalhar... para dar prejuízo.
Não se pretende defender a RTP, um verdadeiro antro de corrupção, despesismo, incompetência e boys. Este artigo pretende expor a forma como eles manipulam a informação sobre os problemas.
A RTP não é só um problema porque tem funcionários a mais, como Poiares Maduro pretende fazer crer. É TAMBÉM UM PROBLEMA, PORQUE É GERIDA DE FORMA CRIMINOSA E DANOSA, CONTRA O INTERESSE PÚBLICO.

Poiares Maduro, vem denunciar o despesismo da RTP, com pessoal, porque lhe convém justificar mais uns despedimentos.
Até aqui tudo bem, as TV´s privadas com 4 vezes menos funcionários dão milhões de lucro... A RTP tem que fazer um esforço, porque continua a dar milhões de despesa.
Estranha-se é o silêncio do Poiares Maduro que não vem também denunciar que o governo, com o apoio do velho amigo Relvas, decidiu cortar as pernas à RTP, no que toca a competitividade e sustentabilidade, forçando-a a abdicar das regalias, dadas ás privadas, na regulamentação da publicidade.
Ou seja denuncia o que lhe convém para despedir funcionários, mas não denuncia o escândalo que é, ser o próprio dono da RTP (estado) a obrigar a RTP a ter menos direitos no mercado, que as privadas? O que demonstra que a preocupação do governo ao denunciar excesso de empregados, não é a sustentabilidade e despesismo da RTP.

Passo a explicar. 
- RTP tem direito a apenas 6 minutos de publicidade por hora
- As privadas, têm direito ao dobro, 12 minutos de publicidade, tempo este que ilegalmente se atrevem a ultrapassar... porque é rentável infringir.
- RTP não pode ter mais publicidade para não lesar o lucro das privadas.
Ou seja o próprio governo decide que a RTP não pode dar lucro, e os contribuintes que a sustentem. Decide tramar a empresa do zé povinho, para ajudar a SIC e a TVI?
Não acreditam, leiam o artigo completo aquicom a citação das palavras sábias do Relvas.
Mas há mais... em 2012, o plano de sustentabilidade da RTP, previa que o estado abdicasse, na totalidade, da publicidade, uma fatia de mercado que rendia aos contribuintes 30 milhões/ano... 

19 fevereiro, 2014

Governos contratam empresas cuja gerente é ex de Santana Lopes?


Aos gangs da democracia, não lhes basta abusarem do dinheiro e do poder público, colocando 20 boys e girls, em tachos dourados, quando bastavam 1 ou 2 empregados, para fazer o serviço.
Para eles é sempre pouco, querem mais...
Há muitos amigos a precisar de dinheiro. E quando já não há forma de disfarçar o exagero de tachos, recorrem à contratação por ajuste directo, de serviços externos.

São Bento - 25 mil euros para... atendimento telefónico!!! (começou em 2010 com 51 mil euros)
"Passos Coelho, terá contratado os serviços de uma empresa privada, por 25,1 mil euros, para cobrir as necessidades de atendimento telefónico na sua residência oficial. Isto, quando São Bento dispõe de 10 secretárias e de 21 administrativos.
Dez secretárias, nove auxiliares e 12 funcionários e mesmo assim foi preciso ajuda? Passos Coelho, resolveu contratar a empresa We Promote – Outsourcing e Serviços, Lda. E o zé povinho que pague!
Clique nas imagens para ampliar

Saliente-se que, inclui “designadamente as funções de atendimento telefónico, gestão, registo e encaminhamento de chamadas” por 365 dias como pode confirmar na imagem ao lado.
E quando se perguntou ao Gabinete porque não recorrem aos funcionários públicos excedentes, de que eles tanto falam, ou aos que foram integrados no grupo de mobilidade, não houve resposta.
Ao que parece esta empresa já é a 5ª vez que ganha contratos destes, desde 2011, o que perfaz mais uma despesa com pessoal que já vai em 95 mil euros".  Artigo original FONTE

18 fevereiro, 2014

A arrogância ditatorial dos políticos que gerem o país para seu beneficio


OS PARASITAS E INCOMPETENTES DOS ASSESSORES




Não existe prisão mais eficaz e duradoura, que a falsa ilusão de liberdade. 
Ninguém luta pela liberdade se não souber que não é livre. 
Ninguém luta contra a ditadura se acredita viver em democracia. 

ARROGÂNCIA DITATORIAL é comparar a reforma de um Deputado com a de uma pobre viúva.
ARROGÂNCIA DITATORIAL é um cidadão ter que descontar 35 anos para receber reforma e aos deputados bastarem somente 3 ou 6 anos, conforme o caso. E que aos membros do Governo, para cobrar a Pensão Máxima só precisam do Juramento de Posse.
ARROGÂNCIA DITATORIAL é que os Deputados sejam os únicos trabalhadores (???) deste País que estão isentos de 1/3 do seu salário em IRS.
ARROGÂNCIA DITATORIAL é pôr na Administração milhares de Assessores (leia-se Amigalhaços) com salários que fazem inveja aos Técnicos mais Qualificados.
ARROGÂNCIA DITATORIAL é a enorme quantidade de dinheiro destinado a apoiar os partidos, aprovados pelos mesmos políticos que vivem deles.

16 fevereiro, 2014

Em Portugal a imprensa é silenciada pelos políticos.


Ricardo Araújo Pereira, explica como os políticos conseguem ter os órgãos de informação ma mão. Ou pelo menos tentam... não custa nada.

Libertinagem de imprensa
Vivem-se em Portugal sucessivos casos Etagretaw. Os casos Etagretaw, uma especialidade portuguesa, são casos Watergate ao contrário: em vez de serem escândalos políticos denunciados por jornalistas, são escândalos jornalísticos denunciados por políticos

É sempre a mesma coisa: isto das liberdades acaba por redundar em libertinagem. Ao abrigo da liberdade de imprensa, vários jornalistas têm urdido uma astuta conspiração contra Miguel Relvas. Primeiro, Pedro Rosa Mendes fez-se à censura. Como os futebolistas que se fazem ao penalty, o jornalista encostou-se ao adversário e atirou-se para o chão. Maldosamente, guardou para o fim do contrato um texto muito azedo acerca de um programa televisivo gravado em Angola para depois associar a normal (e há muito prevista, embora em segredo) cessação do contrato a um episódio de censura. Ricardo Alexandre, outro jornalista, conluiou-se com Rosa Mendes e demitiu-se, depois de confirmar que as crónicas tinham acabado por causa do que lá era dito, e não porque o contrato estivesse no fim.

15 fevereiro, 2014

As autarquias são mini-monarquias que podem ser interrompidas por mini-exílios dourados.


Nesta crónica de Ricardo Araújo Pereira, ficamos a conhecer as dificuldades com que se debatem os nosso corajosos autarcas. Os penosos momentos de luta contra a corrupção, e o recurso à justiça para perseguir quem lesa o interesse público. 
Os ferozes defensores de causas nobres. 
A ironia é certamente uma forma de, com humor, se divulgar os podres dos nossos políticos. A falta de visão e o desperdício de dinheiro, de tempo e recursos, em pequenas causas, contrastando com o esforço nulo na luta pelas grandes causas.  

Perdiz com alecrim e manjerona
Se eu mandasse, toda a gente era autarca uma vez na vida. 
Infelizmente, como os mandatos autárquicos chegam a durar 40 anos, nem toda a gente teria uma esperança de vida que lhe permitisse aguardar a sua vez.
Mas parece-me evidente que a gestão de uma autarquia rejuvenesce. Aponto como exemplo Fernando Ruas, presidente não só da Câmara de Viseu como também da associação de municípios, e que, aos 62 anos, não tem ainda um único cabelo branco.
Há qualquer coisa no trabalho autárquico que protege a saúde de quem o executa. Creio que é a absoluta ausência de preocupações. 

14 fevereiro, 2014

Desfalque de 38 mil euros dá multas de 16 mil? E penas a "fingir"? O crime compensa.


GEBALIS MAIS UM ANTRO DE DESFALQUES E CORRUPÇÃO.
Talvez assim os portugueses percebam para que servem as empresas municipais.
Para albergar criminosos dos partidos, sem emprego, sem escrúpulos, incompetentes e para desviar e esbanjar dinheiro público, e ainda favorecer amigos.
Neste caso há condenados... será? Condenados a quê? Foi feita justiça? Desviam mais de 38 mil euros, pagam menos de metade em multas e ainda ficam com saldo positivo.
Os próprios arguidos estranharam que a Gebalis, não tenha exigido a devolução do dinheiro desviado. E que tal processar a Gebalis, por não defender o interesse público?

AS PENAS " (03 Fev, 2014) Mário Peças, ex-administrador da empresa, foi condenado a três anos e nove meses prisão sendo a pena suspensa se pagar 10 mil euros. Já o ex-deputado Ismael Pimentel foi condenado a três anos e três meses também com pena suspensa mediante o pagamento de seis mil euros. Um terceiro arguido, foi sentenciado a dois anos e nove meses, também com pena suspensa. fonte com video. 
Neste video veja a advogada da Gebalis, (ao minuto 1.50) afirmar que está contente porque foi feita justiça? Somos pouco exigentes, essa é que é a verdade.

OS CRIMES: GASTAM 38 MIL EUROS  PARA IR VER SE AS OBRAS ESTAVAM FEITAS?
Mário Peças, ex-administrador da empresa municipal de gestão dos bairros municipais de Lisboa, Ismael Pimentel, ex-deputado do CDS-PP estão acusados pelo Ministério Público de peculato e falsificação, num alegado esquema de “falsificação de cheques para se apropriarem de dinheiro da Gebalis".
O ex-deputado Ismael Pimentel admitiu hoje em tribunal que recebeu de um ex-administrador da empresa municipal Gebalis 38.500 euros para ir para o terreno verificar se tinham sido realizadas centenas de obras em bairros lisboetas, entre 2002 e 2004.

Mário Peças explicou que, em 2006, quando assumiu funções como administrador executivo e passou a tutelar as obras, se deparou com "situações anómalas" ocorridas entre 2002 e 2004, período em que foram gastos "30 milhões de euros" em obras exteriores nos bairros geridos pela Gebalis.
Por "iniciativa própria" e sem dar conhecimento aos outros elementos do conselho de administração da empresa municipal, o arguido "convidou" Ismael Pimentel, que "atravessava dificuldades financeiras", para que este servisse de fiscal e fosse ao terreno confirmar se as obras que haviam sido faturadas foram realmente executadas.
Mário Peças justificou esta atitude, entre outras razões, com o facto de querer "manter o sigilo" da operação, acrescentando que entregou ao ex-deputado faturas relativas a "200 ou 300" obras.

Ismael Pimentel, por seu lado, explicou que, "como não se via num bairro social", tendo em conta a sua fisionomia e a "perigosidade" de alguns locais, mas como "queria ajudar" o ex-administrador da Gebalis na "eficácia" da operação, indicou o arguido Jorge Lopes para ir aos bairros, por se tratar de "uma pessoa da sua total confiança".
O ex-deputado assumiu hoje em tribunal ter recebido "quatro a cinco molhos de faturas", acrescentando que "coordenava" a vistoria e tratava diretamente o dossiê com Mário Peças, enquanto Jorge Lopes fez "todo o trabalho de campo".

O valor de cerca de 38 mil euros foi "conversado" entre Mário Peças e Ismael Pimentel, tendo em conta os "sete a dez meses de trabalho, as deslocações, a alimentação e o grau de perigosidade" de alguns bairros. Ao fim de três meses, o trabalho terminou, quando o ex-administrador "verificou" que, efetivamente, as principais obras tinham sido mesmo feitas. Apesar disso, foram emitidos dois cheques pela Gebalis - no valor total de perto de 38.500 euros - em nome de Jorge Lopes que, segundo o ex-deputado, lhe foram entregues pelo próprio, tendo sido depositados numa conta sua.
"O Jorge Lopes devolveu-me os cheques e eu depositei-os numa conta minha porque ele me pediu. Depois procedemos a um acerto de contas de umas dívidas e de uns adiantamentos que lhe tinha feito, mas entreguei-lhe perto de 15 mil euros", afirmou Ismael Pimentel.
Mário Peças, o ex-presidente da empresa, Francisco Ribeiro, e outra ex-administradora, Clara Costa, respondem noutro processo por peculato e administração danosa por alegado uso indevido dos cartões de crédito da Gebalis, entre 2006 e 2007. fonte

Os exemplos de abusos na Gebalis, são vários

13 fevereiro, 2014

NÃO VEJO O GOVERNO RESGATAR FAMÍLIAS DA MISÉRIA, PORQUE TÊM AS FAMÍLIAS QUE RESGATAR BANCOS?


Felizmente temos gente, no governo, com visão e coração, competente e que sabe como gastar os nossos impostos. Gente que compreende e premeia os sacrifícios que o povo tem feito para o bem do BPN... gente que, sabe ser justa e contribuir para que o fosso entre os ricos e os pobres, não se agrave em Portugal. 
Gente que começa a perceber que tem que respeitar o povo, porque o povo está a ficar farto. 
Que nada... o medo é nulo, o saque continua o descaramento é total, a injustiça e a incompetência, continuam a ser as marcas de referência. 
Para esta gente o BPN é sempre um bom investimento... 

Recentemente Manuela Ferreira Leite garantiu que o governo dispõe de 533 milhões de euros, ainda sem destino, no orçamento de 2014, uma espécie de fundo de maneio para emergências. Ou seja Passos Coelho tem 533 milhões a sobrar, que seriam suficientes para poupar,  muitos milhões de portugueses a sacrifícios.

Mas eis que o buraco BPN surge carente e necessitado e o governo decide injectar neste poço sem fundo, verdadeiro antro de crimes públicos, 510 milhões?
Será coincidência? Ou o fundo de 533 milhões de emergência foram para este fim? Será mais um desvio de dinheiro público?  Um abuso do poder público?
"João Semedo considera injecção no BPN "um descaramento muito grande"
João Semedo não percebe o porquê de as duas empresas em causa (Parvalorem e Parups) terem recebido um empréstimo superior a 500 milhões de euros depois de terem dado um prejuízo superior a 100 milhões. O bloquista pede explicações, sublinhando que em causa estão quase 650 milhões de euros do dinheiro dos contribuintes." fonte
Pelo historial das empresas beneficiadas com os 510 milhões de euros, é evidente que jamais irão reunir condições para devolver o empréstimo aos portugueses. Garante o BE. 

São mais 510 milhões para esquecer e para retirar ao SNS, aos reformados, aos remediados e à economia nacional.
Sempre que sobram uns trocos, no orçamento, o governo vai a correr injecta-los na banca, sempre que há dinheiro disponível, a prioridade é a banca? E mesmo que não haja dinheiro disponível, corta-se nos reformados e injecta-se na banca. Se um banco tem dificuldades e os seus accionistas deixam de conseguir comprar iates, pagar orgias e de comprar caviar, o governo corre a acudir e empresta aos milhares de milhões, sabendo que é dinheiro que faz falta ao país, e que é dinheiro emprestado (BCE) cujos juros os portugueses pagam, mas o governo insiste em correr a ajudar estes parasitas da banca a manterem as suas vidas de luxo...
Porém se um português cai na miséria, passa fome, perde a casa, ou um reformado deixa de ter dinheiro para os mínimos de decência, um estudante brilhante deixa de ir à universidade porque não há dinheiro para as propinas, um país inteiro tomba perante sacrifícios... e aí já ninguém corre a ajudar o povo que sucumbe, para ajudar milionários?
Não vejo o governo a resgatar uma família da miséria, porque tem as famílias que pagar o resgate do luxos dos parasitas do estado?
Isto é democracia? Alguém quer esta democracia?
Que raio de ditadura é esta? A ditadura da banca?

BPN self service de políticos para ganhar milhões
Na Islândia resgataram as pessoas e não a banca



12 fevereiro, 2014

COMO CORTAR MAIS DE 7 MIL MILHÕES NA DESPESA PÚBLICA, SEM SACRIFÍCIOS? PAULO MORAIS.


PAULO MORAIS AFIRMA QUE O ORÇAMENTO É FEITO PARA SERVIR OS PADRINHOS, PRIORITARIAMENTE.
DEIXA AINDA NO AR A PERGUNTA, PORQUE É QUE OS PARTIDOS QUE APARENTEMENTE ESTÃO FORA DO SISTEMA, PARECEM, ACOMODADOS COM O SISTEMA?



Há alternativa

"A austeridade que fustiga os portugueses, com aumento de impostos e redução de salários, é perfeitamente evitável. Desde que o governo opte por outro tipo de medidas, que penalize menos os cidadãos e as empresas, retire privilégios aos poderosos e altere de facto a estrutura de despesas do Estado.
- Em primeiro lugar, devem ser renegociadas todas as parcerias público-privadas rodoviárias, que chegam a ter rentabilidades garantidas superiores a 14%; o Estado terá, desde já, um ganho anual de cerca de três mil milhões de euros.
- A segunda medida consiste na imediata reestruturação da dívida pública, bastando substituir os contratos de crédito ruinosos, e assim poupar cerca de dois mil milhões. Não é admissível que o Estado continue a pagar anualmente em juros nove mil milhões de euros, mais do que gasta com o Serviço Nacional de Saúde.
- A terceira medida era reduzir os alugueres e rendas imobiliárias que o Estado paga neste momento. São centenas de milhões de euros a mais em cada ano! Numa fase em que o mercado imobiliário está em baixa e as rendas nos privados vêm diminuindo progressivamente, porque não baixa a despesa do Estado nesta rubrica? Ainda por cima, quando muitos contratos foram inflacionados para favorecer proprietários amigos!
- E quarta medida seria ainda cortar na formação profissional e assim obter um ganho de mil milhões. Grande parte da formação financiada limita-se a manter os formandos ocupados, enquanto a maioria dos recursos é desviada para o enriquecimento de alguns ‘empresários’ mais habilidosos.

11 fevereiro, 2014

NA ISLÂNDIA, RÁDIO E TEATRO TRANSMITIAM AS HISTÓRIAS DA CORRUPÇÃO QUE LEVARAM AO COLAPSO, E O POVO OUVIU.

Neste video perceba como a Islândia acabou com a corrupção




Este artigo resume algumas das acções que os Islandeses levaram a cabo para colocar um travão à corrupção e repor a democracia, no país.
Deixo realçado a amarelo, as medidas que fizeram toda a diferença, permitindo aos cidadãos que retomassem para si, o direito e o poder da verdadeira democracia, o de participarem nas decisões do futuro do país, e de terem o poder de impedir os políticos corruptos e vilões de voltarem ao poder. 

Uma das medidas fundamentais, foi terem redesenhado a constituição. Pois é a constituição que atribui direitos e deveres aos cidadãos e governantes. Actualmente, a nossa constituição admite excessivas limitações/deveres para os cidadãos e excessivas liberdades/direitos para os governantes, portanto claras vantagens para quem tem poder de mudar a constituição, e claras desvantagens para quem já não tem poder para nada.
Os cidadãos foram excluídos de exercer o seu direito e poder, de participar nas decisões vitais, para o país.
islandia exterminou corrupção

O essencial do sistema de protecção social escapou aos cortes, ou foi, até, melhorado.
Filha de um ex-governador do Banco Central, é professora de Ética, diretora do departamento, na Universidade da Islândia. "Nunca me interessei por política", diz, a rir, no seu novo gabinete, que ocupa desde novembro de 2010.
Ela é uma das 25 pessoas "comuns", cidadãos dos 18 aos 91 anos, eleitos pelo povo para reescrever a Constituição do país.
Os bancos faliram, o Governo não teve dinheiro para os salvar. Nacionalizou-os, mas não assumiu as maiores dívidas.
Vieram as histórias de compadrio, corrupção, o buraco negro de milhares de milhões de euros, a súbita e inesperada fragilidade das pessoas. A pobreza, o desemprego. "Era preciso dar uma resposta", explica Salvör.
Dois meses depois da crise, desencadeada em outubro de 2008, e de a revolução se ter instalado nas ruas de Reiquiavique a capital, com milhares de islandeses dispostos a tudo para conseguir uma solução para os seus problemas, Salvör integrou a Comissão Especial de Inquérito que reconstituiu a história da kreppa islandesa, o mais extraordinário e abrupto crash da história económica do mundo, parafraseando o Prémio Nobel da especialidade, Paul Krugman.
Eram apenas seis, na Comissão.

10 fevereiro, 2014

A insustentabilidade das pensões? E a da saúde? Da educação? Das PPP? Da justiça? Ou das Forças Armadas?





Porque insistem em falar da insustentabilidade das pensões e não falar da insustentabilidade da saúde? Da educação? Ou das rodovias (PPP)? Ou do sistema de justiça? Ou das Forças Armadas?
A ideologia punitiva sobre os mais velhos prossegue entre um muro de indiferença, um biombo de manipulação, uma ausência de reflexão colectiva e uma tecnocracia gélida.

Falácias e mentiras sobre pensões (Bagão Félix)
Escreveu Jean Cocteau: “Uma garrafa de vinho meio vazia está meio cheia. Mas uma meia mentira nunca será uma meia verdade”. Veio-me à memória esta frase a propósito das meias mentiras e falácias que o tema pensões alimenta.
Eis (apenas) algumas:

1. “As pensões e salários pagos pelo Estado ultrapassam os 70% da despesa pública, logo é aí que se tem que cortar”. O número está, desde logo, errado: são 42,2% (OE 2014). Quanto às pensões, quem assim faz as contas esquece-se que ao seu valor bruto há que descontar a parte das contribuições que só existem por causa daquelas. Ou seja, em vez de quase 24.000 M€ de pensões pagas (CGA + SS) há que abater a parte que financia a sua componente contributiva (cerca de 2/3 da TSU). Assim sendo, o valor que sobra representa 8,1% da despesa das Administrações Públicas.

2. Ou seja, nada de diferente do que o Estado faz quando transforma as SCUT em auto-estradas com portagens, ao deduzi-las ao seu custo futuro. Como à despesa bruta das universidades se devem deduzir as propinas. E tantos outros casos…

09 fevereiro, 2014

COMO A CORRUPÇÃO NASCE E O POVO É SILENCIADO?


Quando os bons se calam os maus avançam, quando não há punição, não há medo...
Quando não há medo, roubam-nos tudo, até a capacidade de nos defendermos.
Votem contra, não deixem de participar e fazer justiça nas urnas. Só com o julgamento e a punição se eliminam os criminosos/ maus políticos e se apoiam os bons. Chegamos a um ponto em que os bons já nem se atrevem a disputar as eleições, porque perceberam que a injustiça e inércia do povo, não os compensa na luta, não os avalia nem julga correctamente.

- Maiakovski, poeta russo escreveu, no início  do século XX :
Na primeira noite, eles aproximam-se e colhem uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem, pisam as flores, matam o nosso cão.
E não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles, entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua,
e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.
E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada.
    Maiakovski (1893-1930)

- Depois Bertold Brecht escreveu:
Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro
Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário
Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável
Depois agarraram os desempregados
Mas como eu tenho o meu emprego
Também não me importei
Agora estão me a levar a mim
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo. Já não há ninguém...
       Bertold Brecht (1898-1956)

- Em 1933 Martin Niemöller criou o seguinte poema:
Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram o meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei .
No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e me levaram a mim;
já não havia mais ninguém para reclamar…
       Martin Niemöller,(1892-1984)– símbolo da resistência aos nazistas.

- Em 2007 Cláudio Humberto presenteou-nos assim:
Primeiro eles roubaram-nos sinais, mas não fui eu a vítima,
Depois incendiaram os ônibus, mas eu não estava neles;
Depois fecharam ruas, onde não moro;
Fecharam então o portão da favela, que não habito;
Em seguida arrastaram até a morte uma criança, que não era meu filho…
       Cláudio Humberto, em 09 Fevereiro de 2007

- Também Martin Luther King (1929.1968):
O que mais me preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem carácter, dos sem ética… o que mais me preocupa é o silêncio dos bons!.

Actualmente...
Um dia bateram-me à porta e anunciaram-me que o governo tinha decidido cortar-me meio subsidio de Natal. Apesar de inconstitucional, compreendi o sacrifício que o Governo me pedia.
Noutro dia bateram à porta do meu pai e anunciaram-lhe que iam cortar meia pensão do Natal. Apesar de considerar que era um roubo, ainda admiti, porque o pais estava em estado de emergência.
Depois bateram-me à porta e anunciaram que me iam tirar dois meses de salário e dois meses de pensão ao meu pai. Depois da estupefacção resignação.
A 7 de Setembro, bateram-me à porta para me anunciar que tiravam 7% do salário para dar 5,75% ao patrão e ficavam com os trocos, em principio para os cofres da Segurança Social.
Desta vez fiquei indignado. Achei que estava a ser roubado e que estavam a transformar os patrões em receptadores do dinheiro roubado. Em reacção, corri para a rua para protestar.
Bateram-me mais uma vez à porta e informaram-me de que o ministro das finanças ia reescalonar as taxas de IRS, de modo a torna-lo mais progressivo.
Imaginando que iam poupar os rendimentos mais baixos e taxar fortemente os mais altos, pensei que o Governo, finalmente, voltava ao trilho da lei.
Mas para surpresa minha, voltaram a bater-me à porta para me ameaçarem com aumentos brutais no IMI. A minha indignação transformou-se em ira e juntei-me ao movimento nacional de resistentes ao pagamento do IMI.
Ainda mal refeito do choque do IMI, bateram-me novamente à porta para me mostrarem nos jornais, em grandes parangonas e cinco colunas, os novos escalões de IRS. Afinal aumentaram as taxas dos rendimentos mais baixos, menos os dos mais altos e não criaram nenhum escalão para os mais ricos. E a progressividade do rei dos impostos diminuiu. A minha raiva subiu de tom e resolvi que estou preparado para qualquer acção revolucionária que apareça. Ao fim e ao cabo eu o meu pai e a minha família já não temos nada a perder.

Vamos finalmente votar e deixar-nos de mentiras e crenças falsas de que o voto nulo, branco ou abstenção, possuem algum poder ou valor.
Os corruptos fazem tudo para levar os eleitores a acreditar que a abstenção e o voto nulo e branco, possuem um valor sentimental muito grande e poderoso... Pois mas esse valor, é apenas o que o eleitor vê ou imagina, porque na realidade não possuem valor nenhum. Servem apenas para desviar e desperdiçar milhões de votos que poderiam ser usados contra eles, que são desviados para o vazio. Para a nulidade.
Está bem explicito na lei que apenas os votos válidos possuem valor e legitimam aquele que tiver mais votos válidos, independentemente dos brancos, dos nulos, da abstenção e dos que os eleitores rabiscam com piadinhas de ódio ou de descontentamento...
Para os políticos corruptos, enquanto o povo estiver entretido a manifestar o seu descontentamento de forma inócua, e inofensiva, eles estão tranquilos a ganhar eleições sem qualquer luta ou esforço, bastam os militantes e amigos votarem, que o poleiro está garantido... nada nem ninguém se opõe. Os eleitores continuam a brincar ás revoltinhas ilusórias pensando que estão a punir os políticos com votos nulos e com a abstenção...




08 fevereiro, 2014

Assunção Esteves passou-se? Ou é mesmo assim? Um video inacreditável.

Um discurso que intriga os portugueses
Eu não consigo - tu desconsegues - ela inconsegue...
No fundo, Assunção Esteves tem razão e reflecte, porventura através de reminiscências de alguma sua cultura germanófila, o que de mais hiperbólico (des)grassa em Portugal: o inconseguimento frustracional derivado da crise, articulado com o espasmódico facto da Europa não projectar para o mundo o seu soft-power sagrado.





Estamos condenados?? Presidente da Assembleia da Republica, passou-se?
Partilhem esta vergonhosa demência de pessoas que mostram um desfasamento agudo da realidade e que ocupam lugares de responsabilidade nas decisões nacionais.
O país tem que saber que tipo de gente nos governa.
Portugal precisa de pessoas competentes e empáticas a governar.
Alguém tem conseguimento para encontrar coerência neste discurso?
Ou apenas estão como eu, num nível frustacional?
Esta srª precisa de espaços de energia, será que vem daí o bom relacionamento, dos governos com o Mexia, da EDP?
Esta srª está deslocada, trabalha no local errado, anda a confundir pensamento politico com criatividade??? Misticismo? Softpower sagrado? Alucinações? Joana Solnado?
("Parlamento cancelou palestra sobre "Vidas Passadas" que Alexandra Solnado, ia fazer hoje na AR!! ) Alguém chamou Assunção Esteves à razão!
Será que ela sabe que é presidente da assembleia da republica?
Espero que ela veja este video e perceba que há tratamentos para casos assim.
Como é que esta gente chega ao poder? Agora se compreende porque chama de carrascos aos cidadãos... deve alucinar.
Agora já se sabe como é que os deputados têm liberdade para exercer duplas funções e representar duplos interesses... como diz o Paulo Morais e não só, neste link ..
O seu inconseguimento mete mesmo muito medo, mas aos portugueses ...
Há quantos anos foi esta personagem tomada pela loucura? Terá sido por isso que se reformou do tribunal? Lá não dava para disfarçar?

Reformou-se aos 42 anos de idade.
E mais uma vez a generosidade dos dinheiros públicos não tem limites. A alma de rapina, que serve de conduta para todos os nossos grandiosos e nobres políticos, esvazia os cofres do estado desalmadamente..
Uns têm que trabalhar até aos 65 anos com reformas cortadas em 20%, mesmo que tenham descontado para a reforma durante 40 anos ou mais.
Esta generosa senhora, personagem importante na quadrilha que governa Portugal, recebe 7.255 euros de pensão por dez anos de trabalho como juíza do Tribunal Constitucional. Por não poder acumular esse valor com o ordenado de presidente do Parlamento, Assunção Esteves abdicou de receber pelo exercício do actual cargo, cujo salário é de 5.219,15 euros. Mantém, no entanto, o direito a ajudas de custo no valor de 2.133 euros.
Podem aposentar-se com 12 anos de serviço, independentemente da idade, ou com 40 anos de idade e dez anos de serviço.

Afinal quem é que não desconta o suficiente para as reformas que recebe? Ainda tem muitos anos de vida, pela frente, e já ultrapassou em muito o que descontou.
"Assunção Esteves tem direito a uma reforma de 7255 Euros pelos 10 anos de serviço como juíza do Tribunal Constitucional, entre 1989 e 1998. Ser juiz do Tribunal Constitucional deve ser uma profissão de desgaste rápido, mas só para ter uma ideia de como estamos a ser roubados, fui fazer umas contas.
O ordenado de juiz do Tribunal Constitucional era, em 2009, de 5957 euros. Sobre esse valor, uma taxa de Segurança Social de 34,75% resulta num desconto de 2070 Euros. Por ano são quase 29 mil euros de descontos (14 meses). Fazendo as contas aos 10 anos de serviço, temos um total de descontos de 290 mil euros. Isto são contas a valores de 2009, que foram os que encontrei numa pesquisa rápida. Também não incluí o IRS nas contas, mas servem perfeitamente para o propósito do exercício.
Assunção Esteves é reformada desde 98 ou 99. Vou considerar Janeiro de 1999. Recebendo a reformaARTIGO COMPLETO
em 14 meses temos, até 2012, 196 meses. Ao valor actual da reforma dá um total de 1 421 980 euros. Um milhão e quatrocentos mil euros. Ou seja, SÓ até 2012 a Segurança Social teria pago a Assunção Esteves, a valores de 2009, para cima de um milhão de euros a mais que os descontos realizados durante os 10 anos de serviço."

FIQUEM AINDA COM O INCONSEGUIMENTO DE CAVACO SILVA, UMA ANEDOTA, FRUSTRACIONAL ...VIDEO





07 fevereiro, 2014

FRAUDE LEVA ESTADO A PAGAR 700 EUROS POR DIA DE SUBSIDIO DE DOENÇA.


Arguidos chegavam a receber do Estado mais de 700 euros por dia em subsídio de doença. 
O técnico oficial de contas é acusado de 64 crimes de associação criminosa e burla tributária, a par de mais 53 indivíduos, alguns clientes do seu gabinete de contabilidade em Amorim, Póvoa de Varzim, e dezenas de beneficiários de apoios indevidos. Entre eles, empregados de fábricas de confeção que declaravam ordenados de craques de futebol.
Entre 2004 e 2011, a rede tirou aos cofres do Estado pelo menos 764 mil euros.
Num dos casos, a Segurança Social pagou 736 euros dia a um empregado de uma imobiliária que tinha 38 mil euros de salário. Nesse mês, o Estado pagou 28 mil euros. FONTE
Contabilista de Amorim, na Póvoa de Varzim, terá sido o cérebro das fraudes que envolviam várias empresas e uma centena de falsos trabalhadores.
O esquema envolvia um conjunto de empresas a operar na Póvoa de Varzim, Porto e Famalicão que simulavam operações para receberem diversos subsídios do Estado.
O técnico oficial de contas da Póvoa de Varzim, Carlos Manuel Dias, já se encontra preso juntamente com mais seis indivíduos.
O esquema contou com a cumplicidade de várias empresas, que declaravam um número de trabalhadores superiores aos seus efectivos ou que empolavam salários (sem entregarem os respectivos descontos na Previdência), e também com a participação de pessoas individuais que iam aos centros de Segurança Social receber prestações como o subsídio de desemprego, doença e paternidade.
O Estado terá sido lesado “na forma tentada, ascende a cerca de três milhões de euros”, revelou a Polícia Judiciária em comunicado.
A investigação decorria há mais de dois anos, e envolveu mais de 60 inspectores e vários funcionários de perícia contabilístico-financeira da Polícia Judiciária, contando com a colaboração de elementos do Instituto da Segurança Social, segundo o comunicado da PJ. fonte

AMORIM É UMA TERRA TÍPICA PORTUGUESA!! MUITO ACTIVA, NA CORRUPÇÃO.
Funcionários do centro de saúde de Amorim denunciam corrupção e são afastados??

06 fevereiro, 2014

EMPRESAS MUNICIPAIS, ALBERGUES DE LUXO PARA LIXO?


O contribuinte cá está para pagar esses desmandos....
“As empresas municipais de Braga que se encontram na situação económica e financeira mais complicada são as que pagam os salários mais elevados”, escreve o Diário do Minho, apresentando vários exemplos de salários relativos a 2009 e previsões para 2010. Das cinco empresas, apenas uma dá lucro. Há quem ganhe praticamente o mesmo salário que um Presidente da República.

1. A Empresa Municipal de Habitação de Braga paga um ordenado médio mensal superior a dois mil euros a cada um dos seus 11 funcionários. Este valor não inclui eventuais suplementos por turnos, nem horas extraordinárias nem ajudas de custo nem os encargos obrigatórios com a Segurança Social. Esta empresa tem um passivo acumulado de 1,5 milhões de euros

2. Theatro Circo. Era uma empresa municipal agora é uma sociedade anónima, detida a 100% pela Câmara. Os 21 colaboradores auferem remunerações médias mensais superiores a 1.800 euros. O financiamento camarário anual ronda os 950 mil euros. O Theatro Circo, que acumula um passivo de quase 1,2 milhões de euros, gasta cerca de 50% do seu orçamento com encargos com o pessoal.

3. O Parque de Exposições de Braga (PEB) paga aos seus trabalhadores quase 600 euros a mais que o valor do ordenado mensal que recebe cada funcionário que trabalha na Câmara Municipal. O salário base mensal médio é de 1.496 euros. Ainda assim, os custos com o pessoal traduzem uma redução de 10% face ao último exercício da gestão de Jorge Cruz, como presidente desta empresa municipal. No entanto, a passagem de Miguel Corais para o lugar anteriormente ocupado por Cruz coincidiu com um aumento de 50% dos vencimentos dos administradores.

4. Os Transportes Urbanos de Braga (TUB) tiveram de afectar 5,8 milhões de euros para cobrir os vencimentos base dos seus 332 funcionários. Os três (!) administradores custam 131.824 euros em salários.

05 fevereiro, 2014

UNIÃO EUROPEIA EXPLICA A CORRUPÇÃO DE PORTUGAL


NESTE VIDEO, PAULO MORAIS E CAIADO GUERREIRO, EXPLICAM COMO OS NOSSOS POLÍTICOS, FINGEM, MUITO BEM, LUTAR CONTRA A CORRUPÇÃO, COMO AFIRMA A UNIÃO EUROPEIA.



No artigo que cito em baixo, onde se resume o primeiro grande relatório de Bruxelas sobre o fenómeno da corrupção em Portugal, achei interessante proceder a um exercício de simplificação, para que a verdade seja mais evidente, por isso irei substituir os eufemismos, que distorcem a GRAVIDADE da verdade do relatório, por termos mais duros e realistas, os que na realidade deveriam ter sido utilizados pela UE e pelos jornalistas, se vivêssemos num mundo menos cínico.
A minha correcção ficará a vermelho. Isto é, a minha interpretação...
Vamos então chamar os bois pelos nomes? Divirta-se e indigne-se.

"Comissão Europeia está preocupada com a corrupção no financiamento partidário e "funcionário públicos eleitos". A UE denuncia a corrupção dos partidos que elegemos e seu financiamento, através de dinheiros e formas ilícitas.

"Em Portugal, apesar de terem sido implementadas várias iniciativas (fingidas, areia para os olhos) de luta contra a corrupção ao longo da última década, incluindo nova legislação, não existe uma estratégia nacional de luta contra a corrupção em vigor", lê-se no primeiro relatório anticorrupção da União Europeia, e que aponta para perdas anuais de 120 mil milhões nos Estados-Membros. Não existe uma verdadeira luta contra a corrupção, apesar de se investir nisso e se criarem cargos para isso, e organismos para isso, servem apenas para nos atirar areia para os olhos, gastar mais impostos e albergar mais boys. Basta perceber que foi também ao longo da última década, que fomos o país do mundo que mais desceu no rank da corrupção???? 
A mesma fonte sublinha que a aplicação de penas "nos casos de corrupção de alto nível continua a ser um desafio" em Portugal. Prender ou aplicar a lei em corruptos em Portugal é apenas ainda, uma ilusão.

04 fevereiro, 2014

PAGAR IMPOSTOS É COISA DE POBRE... OS MAIS RICOS DETESTAM PAGAR IMPOSTOS E ELES MANDAM.


IVA imposto sopa hoteleiro erótico

IVA de uma sopa  - 23%
Charutos e cigarrilhas - 20%
IVA hotéis - 6%
IVA espectáculos eróticos - 5%
IVA cantinas escolares 23%
IVA das touradas - 13%

Bagão Félix, defende a criação de uma taxa de IVA entre 30% e 40% para os artigos de luxo.
Se uma pessoa quiser ter um automóvel de luxo ou comprar uma jóia – produtos que são absolutamente dispensáveis e importados – pagaria uma taxa maior. E as pessoas perceberiam. Quem compra um carro de grande cilindrada, tanto compra com IVA a 23% como a 35%. Não faz é sentido que, para comprar um automóvel de grande cilindrada, se pague a mesma taxa que se paga na luz de casa ou na papa de bebé. fonte

Para Marinho Pinto, a legislação fiscal tem-se revelado "um crime monstruoso contra o interesse público e a igualdade tributária".
"As leis fiscais são feitas -a maior parte delas - por advogados, ao serviço dos que as fazem, à medida dos interesses dos seus clientes", acusou.
fonte

Em França... A coleta do imposto sobre as fortunas, em França, foi superior ao esperado pelo Governo de François Hollande, tendo alcançado 4,4 mil milhões de euros.
A taxa de 75% de imposto - aplicada sobre os rendimentos anuais superiores a 1,3 milhões e que afetou cerca de 300 mil contribuintes. fonte
Em Espanha... Espanha isenta de IRS rendimentos inferiores a 12 mil euros por ano. fonte

03 fevereiro, 2014

A obra do século em Portugal. A venda da ANA e o que nos espera.


AO MINUTO 16, PAULO MORAIS EXPLICA O ESQUEMA



Falemos de coisas concretas e consumadas: o casamento da ANA uma historieta que tem tudo para sair muito cara.
Passo a explicar: a ANA geria os aeroportos com lucros fabulosos para o seu pai, Estado, que, entretanto falido, leiloou a filha ao melhor pretendente.
Um francês de apelido Vinci, especialista em autoestradas e mais recentemente em aeroportos, pediu a nossa ANA em casamento. E o Estado entregou-a pela melhor maquia (três mil milhões de euros), tornando lícita a exploração deste monopólio a partir de uma base fabulosa: 47% de margem de exploração (EBITDA).**O Governo rejubilou com o encaixe...
Mas vejamos a coisa mais em pormenor.
O grupo francês Vinci tem 37% da Lusoponte, uma PPP (parceria público-privada) e assente numa especialidade nacional: o monopólio (mais um) das travessias sobre o Tejo.
Ora é por aqui que percebo por que consegue a Vinci pagar muito mais do que os concorrentes à ANA. As estimativas indicam que a mudança do aeroporto da Portela para Alcochete venha a gerar um tráfego de 50 mil veículos e camiões diários entre Lisboa e a nova cidade aeroportuária. É fazer as contas, como diria o outro...

02 fevereiro, 2014

UM ESTADO CAPTURADO PELAS CORPORAÇÕES, CONDENADO À BANCARROTA.






O estudo do FMI intitulado ‘Repensar o Estado – Opções Seleccionadas de Reforma de Despesa’, elaborado por seis técnicos do Fundo, faz um diagnóstico exaustivo da estrutura da despesa pública (excessiva) em Portugal e ilustra, ao longo de 96 páginas, como o designado ‘Estado Social’ também pode promover desigualdades, injustiça e desperdício de recursos, tornando-se perverso e lançando um país na bancarrota.

Os subscritores do relatório assinalam, logo de início, que o mesmo ‘discute as opções de reforma da despesa em Portugal contra o pano de fundo do debate sobre o tamanho e funções do estado, assim como sobre as experiências de reforma de outros países’, precisando que, no caso português, ‘a meta de redução de despesa do governo só pode ser atingida se forem focados os itens principais do orçamento, em especial a massa salarial e as despesas com pensões. Em conjunto, estes dois itens representam 24% do PIB e 58% das despesas do governo não relacionadas com juros’.

ESTADO CAPTURADO
Os argumentos avançados por James Buchanan e Gordon Tullock quanto à possibilidade de certos grupos de interesses e coligações levarem ‘o governo a instituir programas que promovem os seus próprios interesses, à custa da sociedade e da economia em geral’. A leitura do documento conduz à conclusão de que Portugal constitui um ‘case study’ da captura do Estado por interesses corporativos.

Os exemplos referidos ao longo do relatório que comprovam esta realidade são abundantes. E para os remover os técnicos do FMI preconizam reformas ‘inteligentes’ na despesa, ou seja, ‘reformas precisas com um objectivo definido (por oposição à austeridade indiscriminada), são passíveis de ajudar a convencer investidores da sustentabilidade a longo curso das finanças públicas e pode ter um papel importante no relançar do crescimento’. ‘Idealmente, acrescenta o relatório, a maioria das reformas a ser consideradas poderiam cumprir os objectivos de eficiência e equidade simultaneamente. Por exemplo cortes na despesa com vista ao crescimento poderão ter prejudicados a curto prazo que poderão sair beneficiados no médio e longo prazo’.fonte

Relatório original do FMI, alguns trechos
As reformas nas despesas com pessoal deverão concentrar-se em áreas com potencial
para propiciar ganhos de eficiência e poupanças orçamentais importantes. Nomeadamente, verifica-se um excesso de pessoal nos setores da educação e das forças de segurança, bem como de trabalhadores com baixas habilitações, sendo também de salientar a elevada fatura com horas extraordinárias (dos médicos) no setor da saúde. Devem também ser promovidas outras reformas de modernização do Estado (por exemplo: estruturas remuneratórias e contratuais suscetíveis de atrair os melhores talentos, equidade entre emprego público e privado com a redução do prémio salarial no setor publico(...) pg7

No entanto, com o sistema de pensões a envelhecer estruturalmente, a despesa com pensões irá continuar a aumentar na década em curso, se não se avançar com novas reformas. Trata-se de uma situação insustentável, sendo ainda de salientar que o sistema não é equitativo por, pelo menos, duas razões. Em primeiro lugar, o valor da pensão média da Caixa Geral de Aposentações (CGA) pago aos funcionários públicos é quase três vezes superior ao da pensão média do Regime Geral Contributivo (RGC), sendo ainda de acrescentar que os pensionistas da CGA trabalharam menos horas por semana e tiveram uma carreira contributiva mais curta que os pensionistas do RGC. Em segundo lugar, as atuais gerações de trabalhadores são duplamente penalizadas, na medida em que devem financiar as elevadas pensões dos pais e dos avós, mas irão auferir pensões muito mais baixas. (...) pg7

Por exemplo, no que se refere à despesa em educação, Mandl, Dierx e Ilzkovitz7 concluem que "a Finlândia, Áustria e Portugal gastam aproximadamente o mesmo, em percentagem do PIB, em educação, mas o seu desempenho no PISA (Programa internacional de Avaliação de Alunos) é muito diferente.” Também Afonso e St. Aubyn8, considerando alguns indicadores de eficiência (em termos de resultados), mostram que, dos 17 países da sua amostra, “Portugal regista os níveis de eficiência mais baixos. Os recursos investidos pelo país no setor da educação obtiveram, no PISA, um resultado 15,6% inferior ao obtido em condições de eficiência.” Da mesma forma, ao analisar o ensino superior na Europa, St. Aubyn et al. 9 concluem: “Portugal apresenta um fraco desempenho na nossa análise, quer considerando apenas os outputs da investigação, quer considerando apenas os outputs do ensino”. Vários estudos realizados sobre o setor da educação, entre outros, sugerem que, de um modo geral, Portugal poderia melhorar a eficiência da despesa pública sem comprometer a equidade. (...) pg12

Ao contrário de vários outros países da OCDE e da UE, em Portugal as transferências sociais beneficiam mais os grupos sociais com maiores rendimentos do que os de baixos rendimentos, agravando as desigualdades. (...) pg 15
Fonte para o Relatório original do FMI

  1. OCDE garante que Portugal está falido devido à corrupção
  2. A falsa luta contra a corrupção
  3. O mesmo relatório denuncia o desvio do dinheiro público, para as classes menos carenciadas



01 fevereiro, 2014

As leis fundamentais da estupidez humana. Onde encaixam os políticos e seus cúmplices?



Hoje decidi deixa-los com um pequeno livro que deveria fazer parte do conhecimento de todos, já que nos levaria a compreender muitas coisas inexplicáveis, com que nos deparamos todos os dias.
Entre elas, e não saindo da linha de pensamento deste blog, explica porque os políticos optam, preferencialmente, pelo caminho corrupto e explica também porque as pessoas os elegem.
Tudo tem a ver com as leis fundamentais da estupidez humana.
Por Carlo M. Cipolla (1922-2000), historiador de economia, professor na Universidade de Berkeley e na Escola Normal Superior de Pisa. 
Um esforço construtivo para investigar, conhecer e possivelmente, neutralizar uma das mais poderosas e obscuras forças que impedem o crescimento do bem-estar e da felicidade humana. 

RESUMO
Para estabelecer as leis fundamentais da estupidez, é preciso, definir quem é o estúpido. Para isso, ajudará a comparação com outros tipos de gente. Diz o autor que, quando temos um indivíduo que faz algo que nos causa uma perda, mas lhe traz um ganho a ele, estamos a lidar com um bandido. Se alguém realiza uma acção que lhe causa uma perda a ele e um ganho a nós, temos um ingénuo. Quando alguém age de tal maneira que todos os interessados são beneficiados, estamos em presença de uma pessoa inteligente. Quando alguém faz algo que provoca maiores perdas aos outros que o seu próprio ganho, estamos perante um bandido estúpido. (Políticos?)
A capacidade devastadora do estúpido está ligada, evidentemente, à posição de poder que ocupa. "Entre os burocratas, os generais, os políticos e os chefes de Estado, é fácil encontrar exemplos impressionantes de indivíduos fundamentalmente estúpidos, cuja capacidade de prejudicar é ou se tornou muito mais temível devido à posição de poder que ocupam ou ocupavam. E também se não deve esquecer os altos dignitários da Igreja.
Os estúpidos não são os incultos, já que pessoas que não tiveram oportunidade de estudar são simplesmente ignorantes, mas podem ser pessoas perfeitamente sensatas (embora sempre propensas a cair no risco de resvalar na idiotice ou na estupidez). Carlo Maria Cipolla é absolutamente categórico: estúpidos podem ser encontrados nos meios universitários, e até mesmo entre os prémios Nobel 
(Caso não tenha paciência para entender os gráficos, leia apenas as definições... e caso não queira ler todo o artigo, não deixe de ler a partir do capitulo 6 - A estupidez e o poder)

Introdução
As atividades humanas encontram-se, por unânime consenso, em um estado deplorável. Esta, no entanto, não é uma novidade. Olhando para trás até onde podemos, elas sempre estiveram em um estado deplorável. O pesado fardo de desgraças e misérias que os seres humanos devem suportar, seja como indivíduos, seja como membros da sociedade organizada, é substancialmente o resultado do modo extremamente improvável – e ouso dizer estúpido – pelo qual a vida foi organizada desde os seus inícios.