14 julho, 2014

Quanto ganham os sindicatos? Quanto custam, a todos nós, as lutas sindicais por interesses partidários?

ugt cgt sindicatos subsidios apodrecetuga
No video em baixo podemos ver algumas das conquistas sindicais que na realidade não protegem o trabalhador, apenas contribuem para falir a empresa que lhes paga o salário e os alberga e lesar os restantes trabalhadores/ contribuintes, que com os seus impostos, têm que pagar este regabofe promotor de desigualdade entre as classes laborais. 
Questionemos... 
As lutas sindicais serão na sua maioria uma luta pelas mordomias de alguns, contra o interesse de outros e do todo?
Porque razão os grupos de trabalhadores que mais poder sindical têm, são os que possuem mais regalias e direitos?
Afinal os sindicatos promovem a igualdade de direitos ou apenas lutam por aqueles que lhes dão mais poder e dinheiro? Por aqueles que mais possuem a capacidade de abalar a estabilidade de um governo? De ameaçar e chantagear um governo?
Não devemos subestimar o lado menos bom dos sindicatos porque ele existe e deve ser censurado e
corrupção centrais sindicais
não apoiado.

As lutas sindicais, são uma forma de usar determinados sectores da função pública, para pressionar governos, exigir mordomias insustentáveis, derrubar governos e conquistar poder e subsídios para os sindicatos, através de chantagens. E isso torna-se óbvio quando percebemos que as classes laborais, vitais para o bom funcionamento da comunidade, são as que fazem mais greves e conquistam mais regalias, não porque sejam merecidas, sustentáveis ou igualitárias, mas porque, pura e simplesmente, os governos têm que ceder mais rapidamente e facilmente a greves dos transportes ou da saúde porque são sectores com elevado peso numérico e cujas greves, custam muitos milhões aos cofres públicos e causam muitos transtornos aos cidadãos.
Se os sindicatos promovessem uma luta justa pelos direitos dos trabalhadores, pela justiça e igualdade, pelo bem comum, não apoiavam a ascensão de algumas classes em prejuízo e sobrecarga de impostos, para outras classes. Não promoviam a insustentabilidade das empresas públicas, e o consequente falência e desemprego. Nem promoviam uma luta que agrava a injustiça entre as classes laborais, lutava sim, por todos, de igual forma, e não apenas por alguns, contra os outros, apenas porque esses alguns são a sua arma mais poderosa para usar e abusar, quando precisam.

Indecentes mordomias das EP falidas, que todos pagamos. 

Sindicatos e patrões recebem milhões do Estado
O jornal i fez as contas e revela que por ano as confederações patronais e as centrais sindicais com assento na Concertação Social recebem cerca de 500 mil euros do Orçamento do Estado, através do Conselho Económico e Social (CES). Mas a este valor ainda acrescem mais 551 mil euros de despesas com pessoal do próprio CES e cerca de 90 milhões destinados aos centros protocolares e participação na concertação social.
As confederações patronais (CAP, CCP, CIP e Confederação do Turismo) repartem cerca de 500 mil euros, que recebem do Orçamento do Estado com as duas centrais sindicais com assento no Conselho Permanente de Concertação Social, a CGTP e a UGT, revela hoje o jornal i, acrescentando que este valor se tem mantido igual ao longo dos últimos três anos.
Contas do i referem que um montante idêntico é canalizado para as despesas com o pessoal do próprio Conselho Económico e Social (CES), que ascendem a 551,681 mil de euros por ano, e cuja média dos vencimentos dos 17 funcionários, incluindo o do presidente, ronda os 2700 euros mensais em termos brutos.
Assim sendo, no total são cerca de 1,2 milhões de euros transferidos anualmente pela Direcção-Geral do Orçamento para o Conselho Permanente de Concertação Social, cuja função é emitir pareceres obrigatórios, previstos na lei, ou solicitados pelos órgãos de soberania (Governo e Assembleia da República) e, ainda, no exercício do direito de iniciativa, emitir outros pareceres no âmbito da sua missão e competências, sempre que as circunstâncias o justifiquem, explica o jornal i.

Mas, os apoios do Estado aos patrões e sindicatos não se ficam por aqui.
Revela o i que existe uma série de centros protocolares, que os sindicatos e as associações patronais mantêm em conjunto com o Instituto do Emprego Formação Profissional (IEFP) e outras entidades, que também é financiada pelo Orçamento de Estado. Ainda que, neste caso, parte da verba seja concedida também pela União Europeia, nomeadamente através do Fundo Social Europeu.
Neste âmbito, para este ano, acrescenta o jornal, estão previstas transferências no valor de 90,3 milhões de euros para 29 centros co-geridos pelo IEFP e associações representativas do patronato e dos sindicatos. fonte

UGT - Central sindical tem quatro empréstimos no valor global de 3 milhões. ESTADO É O FIADOR
O Estado anda a conceder há vários anos garantias pessoais de 2,6 milhões de euros a empréstimos bancários contraídos pela UGT. Esta central sindical está a beneficiar destas garantias pelo menos desde o ano 2000, de acordo com os mapas das contas gerais do Estado (CGE). O i não conseguiu apurar nas contas de entre 1997 e 1999 se foram dadas garantias semelhantes, mas uma coisa é certa: em 1996 a UGT recebeu um aval de 600 mil contos (3 milhões de euros), concedido pelo ex-ministro das Finanças António Sousa Franco, para que a central pudesse pagar dívidas. A decisão causou uma grande polémica pois foi assinado pouco dias antes de o então secretário-geral João Proença ter celebrado o Acordo de Concertação Estratégica.
(...) A central sindical tinha activos que totalizavam os 7,5 milhões de euros em 2012 (+ 12 585) e fechou o ano com um resultado líquido positivo de 116 979 euros.
As quotas representaram 1,1 milhões dos 1,6 milhões de euros de receitas em 2012. Os restantes rendimentos vieram essencialmente de subsídios a projectos e seminários (247 mil euros) e reembolsos de despesas realizadas (73 888) e reembolsos das deslocações à União Europeia (59 798 euros).
Quanto aos custos, o documento refere "os importantes esforços efectuados no pagamento de dívidas relativas à formação profissional passada", os quais totalizaram "mais de 500 mil euros de 2009 a 2012". Em 2003, a UGT vendeu a sua sede, em Lisboa, por 2,5 milhões a um fundo de investimento imobiliário do Grupo Espírito Santo precisamente com o objectivo de pagar dívidas.
Apesar de o Processo Fundo Social Europeu ter finalmente chegado ao fim, o fecho de contas de formação profissional 1988/89 continua por regularizar.
Os gastos com pessoal totalizaram os 737 258 euros em 2012, mais 6% que em 2011.

Quanto custam os sindicatos aos contribuintes? Quem controla? 


Mais conquistas dos sindicatos e das elites
  1.  O caso da NAV. 
  2. Outras faces da luta sindical. 
  3. O caso da CP, e o poder de subjugar os governos.
  4. O caso da TAP... 
  5. O caso da CGD.. 
  6. Marinho Pinto denuncia instrumentalização do sindicato da justiça
  7. As mordomias da justiça
  8. Um sindicato assim para todos era o ideal?
  9. Este sindicato teve formação profissional no Dubai?

9 comentários :

  1. EXCELENTE POST. Felizmente que aqui no Apodrecetuga não há medo de chamar os nomes aos bois. Talvez custe mas há sectores na Alemanha que há muitos anos que não fazem greve e como sabemos as condições de trabalho, mesmo relativo ao custo de vida não tem comparação ao país das conquistas revolucionarias dos sindicatos. Quando ouço certos defensores da escola publica ou do SNS do campo dos sindicalistas não consigo reprimir a lembrança dum pedifilo que ouvi a louvar as crianças. Que os cidadãos sejam ajuizados e sabios nos seus juizos e não emprenhem pelos ouvidos. Quem ouvia os espiritos santos ou oliveias deste país acreditava que o ceu na terra existia - só que os impostos sempre crescentes têm mostrado quem paga os tais paraisos apregoados. Seja socrates ou coelhos parece que foram para lá com uma missao =carregar no pequenino para aliviar a escumalha instalada a todos os niveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada... é importante perceber que o que se critica não são os sindicatos mas o que está de errado neles. Não a sua função mas a sua distorção.

      Eliminar
  2. Acho muito bem estas mordomias, só por uma questão de coerência. Se o senhor contribuinte paga o que paga aos deputados, ex-deputados, seus familiares e amantes, não vejo razão para não pagar o dobro a pessoas que até trabalham.Se não chegar para todos faz-se um empréstimo.Não há crise...

    ResponderEliminar
  3. Porque é que o título só fala em sindicatos, quando, ainda mais escandaloso, é as organizações patronais receberem a mesma coisa???? Tendencioso, não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque o artigo não é apenas o titulo

      Eliminar
  4. No vídeo apresentado com Marques Mendes, existem um chorinho de conversa fiada, alguns exemplos, na Carris existem Barbeiros e Relojoeiros e não sei se existe à data ainda alguns, pois a sua existem deve-se ao início da Companhia ser dos Ingleses, e os mesmos com o sue gruo de exigência quererem transportes de horários certos, fornecerem relógios e o restiva manutenção aos trabalhadores, bem como a sua aparência ao publico, hoje não entra ninguém para esses serviços e são extintos conforme se vão reformando os funcionários, mas exemplos tem na suade os medicamentos comparticipados pela Companhia completado 100%? Sim, mas descontam mensalmente obrigatoriamente todos os meses para isso um valor em percentagem do ordenado, que é administrado pela Companhia, que também serve de complemento na reforma, só tem 22 de férias, etc., etc. etc.

    ResponderEliminar
  5. Está errado que os sindicatos defendam os direitos de uns trabalhadores e não os de outros, como tem sido o caso dos trabalhadores da cp, carris, metro etc etc que estão cheios de regalias e suplementos que apenas contribuem para endividar empresas que todos pagamos e agravar a desigualdade entre os outros trabalhadores.A desonestidade dos que defendem esta situação é flagrante, porque todos sabemos que isso está errado. Porque os sindicatos protegem os trabalhadores, mas apenas os que lhe convem e os que tem poder para lixar/vergar governos e obrigar os governos a dar mais subsidios aos sindicatos.
    Além do mais os sindicatos não deveriam ser subsidiados pelo governo mas apenas por quotas dos trabalhadores pois mais uma vez sabemos que isso é desonesto, quem não percebe isso é tb desonesto e é normal que o não perceba. Fartos de corruptos estamos nós e mais fartos ainda de quem apoia a corrupção pq nem sabe o que isso é.

    ResponderEliminar
  6. Sindicato em Portugal e CORRUPTO , Arruaceiro, INCOMPETENTE SELVAGEM que nao defende ninguem e so serve para DESTRUIR, como o tem feito desde a ABRILADA! A Ultima vitima foi a VALADARES, qual sera a proxima ? Toda a esquerda e PS incluido tem contribuido para a destruicao do tecido economico do PAIS, desde a INDUSTRIA,a AGRICULTURA E PESCAS ! Eu so nao consigo entender e como os TUGAS nao veem esta TRISTE REALIDADE ??!!

    ResponderEliminar
  7. Muitas azias apos alguém se ter vendido ao actual estado para poder manter mais uns dirigentes. Pena é que ao contrário de alguns dirigentes wue assinaram a parte o an passado os aumentos, os seu sócios tenham tido direito a um pontape no martelo.

    ResponderEliminar