30 abril, 2013

ANGOLA CHEGOU E VENCEU! GOVERNOS ABREM AS PORTAS.


MINISTÉRIO AFASTADO, MAS
ANGOLA É APROXIMADA? 
"Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és."
As elites portuguesas estreitam laços com Angola, o país dos milionários feitos com sangue e suor do povo.
Eis que nos vemos a ser vendidos e submetidos a países como Angola. Um, modelo económico e social, exemplar.
Paulo Morais, expõe a forma como Portugal, aproxima a nossa economia e sociedade, dos princípios Angolanos. Os pobres cada vez mais miseráveis os ricos cada vez mais ricos, o estado social, uma miragem. Serão estes os sonhos em breve realizados, das nossas elites? Actualmente os sinais estão bem visíveis, o sonho deles torna-se realidade, tomaram para seu deleite, o domínio de Portugal, para fazer dele o seu paraíso e o inferno do povo.
Se não acredita leia o artigo e perceba as semelhanças... perceba o estranho, tente perceber o porquê?

"O poder oligárquico angolano inva­diu a vida económica, social e até política de Portugal.
É dom­i­nante a pre­sença angolana nas maiores empre­sas por­tugue­sas. São inúmeras as suas par­tic­i­pações, que vão das tele­co­mu­ni­cações através da Zon, aos petróleos, onde mar­cam posição pre­dom­i­nante na Galp; pas­sando pela banca, através do Mil­len­nium ou do BIC, e estendendo-se a muitos out­ros sec­tores. Angola dom­ina hoje, directa ou indi­rec­ta­mente, uma parte sig­ni­fica­tiva do cap­i­tal bol­sista por­tuguês.
O din­heiro prove­niente das riquezas nat­u­rais angolanas jorra a rodos nos gru­pos económi­cos por­tugue­ses. Mas o bene­fí­cio para a econo­mia lusa é prati­ca­mente nulo.
Os angolanos não investem em nada de pro­du­tivo, não criam riqueza agrí­cola ou indus­trial. Limitam-se a com­prar par­tic­i­pações de cap­i­tal aos seus ami­gos por­tugue­ses que assim enrique­cem, vendendo uma parte do tecido económico por­tuguês. Mas não há qual­quer acréscimo de riqueza real, aumento de activi­dade económica ou cresci­mento do emprego, por via da pre­sença angolana.

Para além do mais, o for­t­alec­i­mento das relações económi­cas com Angola estim­ula a cor­rupção, pois esta contamina-se. Angola tem os piores indi­cadores de cor­rupção do mundo lusó­fono. Ocupa uma das mais baixas posições mundi­ais no rank­ing de transparên­cia da Trans­parency Inter­na­tional.
Uma pre­sença per­ma­nente de angolanos em sec­tores chave da econo­mia por­tuguesa virá aju­dar a pio­rar a já de si débil e deca­dente situ­ação de Por­tu­gal, um humil­hante, em ter­mos europeus, 33.º lugar. Não serão segu­ra­mente os angolanos e os seus negó­cios que aju­darão Por­tu­gal a recu­perar os níveis dese­jáveis de transparência.

Tam­bém no plano social, a pre­sença angolana é descome­dida. Nas lojas mais caras de Lis­boa, os mil­hões jor­ram. Os con­sum­i­dores de luxo são a oli­gar­quia con­sti­tuída pelas famílias dos grandes gru­pos económi­cos por­tugue­ses, os fute­bolis­tas e os mil­ionários angolanos.
Em Por­tu­gal, em tempo de crise, os por­tugue­ses mais pobres estão na mis­éria, a classe média exper­i­menta as provações do desem­prego, das dívi­das famil­iares e da ausên­cia de futuro.
Em Angola, o desen­volvi­mento não chega, a assistên­cia na saúde é uma miragem, falta edu­cação, o povo vive na mis­éria.
Entre­tanto, as elites angolanas com­pram os aparta­men­tos mais caros de Lis­boa e Cas­cais, gas­tam mil­hões em automóveis topo de gama e fre­quen­tam os mais caros restau­rantes da cap­i­tal portuguesa.

Final­mente, por via deste pre­domínio económico e influên­cia social, o domínio dos gov­er­nantes angolanos sobre o poder político por­tuguês é cres­cente. Há uma cor­rida de políti­cos por­tugue­ses que se deslo­cam a Luanda a prestar vas­salagem ao poder vigente. A influên­cia angolana é galopante e chega a todo o apar­elho da Admin­is­tração por­tuguesa.
Observam-se hoje situ­ações inimag­ináveis, como a do dep­utado Mota Pinto, que coor­dena a fis­cal­iza­ção dos serviços secre­tos por­tugue­ses e é, em simultâ­neo, admin­istrador da ZON, de Isabel dos San­tos. Jamais se imag­i­naria que um empre­gado de Isabel dos San­tos pudesse fis­calizar as sec­re­tas portuguesas.

As nos­sas autori­dades estão numa dependên­cia tal do gov­erno de Eduardo dos San­tos, que o min­istro dos estrangeiros, Paulo Por­tas , teve de vir des­cul­par pelo facto de a justiça por­tuguesa andar a inves­ti­gar alguns poderosos cidadãos angolanos. Uma ati­tude indigna dum min­istro de um gov­erno oci­den­tal. Com pos­turas destas, o gov­erno por­tuguês transformou-se num dos prin­ci­pais instru­men­tos das oli­gar­quias cor­rup­tas de Angola na Europa e torna-se cúm­plice da mis­éria a que o gov­erno de Eduardo dos San­tos con­de­nou os seus con­ci­dadãos, nos­sos irmãos angolanos.
Este artigo foi orig­i­nal­mente pub­li­cado na edição de 30 de março de 2013 do jor­nal angolano Folha 8

"Mortalidade infantil sobe. Há mais bebés a morrer em Portugal. Depois de mais de uma década de decréscimo, a taxa de mortalidade infantil aumentou." CM
Mais sinas de retrocesso de Portugal.

Conseguem vislumbrar o futuro? 
"Em Angola, segundo dados do instituto nacional de estatística, apenas 42% da população usa água para beber de fonte apropriada e somente 31,7% possui instalações sanitárias apropriadas." fonte
"Um inquérito realizado em 2008 pelo Instituto Nacional de Estatística indica que 37% da população angolana vive abaixo da linha de pobreza, especialmente no meio rural (o índice de pobreza é de 58,3%, enquanto o do meio urbano é de apenas 19%)[21] [nota 28]. Nas cidades grande parte das famílias, além dos classificados como pobres, está remetida para estratégias de sobrevivência[49]. Nas área urbanas, também as desigualdades sociais são mais evidentes, especialmente em Luanda[50]."

"Em 2005, a expectativa de vida foi estimada em apenas 38.43 anos, uma das mais baixas do mundo. A mortalidade infantil em 2005 foi estimada em 187.49 por 1000 nascidos vivos, as mais altas do mundo. A incidência de tuberculose em 1999 foi 271 por 100000 pessoas. Taxas de imunização de crianças de um ano de idade em 1999 foram estimadas em 22% de tétano, difteria e tosse convulsa e 46% para sarampo. Desnutrição afetado cerca de 53% das crianças abaixo de cinco anos de idade a partir de 1999. Desde 1975 e 1992, houve 300 mil mortes relacionadas com a guerra civil. A taxa global de morte foi estimada em 24 por 1000 em 2002. A prevalência de HIV/AIDS foi 3.90 por 100 adultos em 2003. A partir de 2004, havia aproximadamente 240000 pessoas que vivem com HIV/AIDS no país. Houve uma morte 21000 estimado de AIDS em 2003. Em 2000, 38% da população tiveram acesso à água potável e 44% tinham saneamento adequado[53]."

"Apesar dos recursos alocados para a educação terem crescido em 2004, o sistema educacional da Angola continua a receber recursos muito abaixo do necessário[55]. A taxa de alfabetização é muito baixa, com 67,4% da população acima dos 15 anos que sabem ler e escrever português."

«Ausência de saneamento básico contribui para o aumento do Paludismo» 
"Diarreia é a terceira causa de mortalidade infantil em Angola." 
"Por exemplo, a esperança de vida à nascença em Angola (51,5 anos) é das mais baixas em todo o mundo"
- Camas de hospital, per capita no mundo. Angola entre os piores.  
Índice de Desenvolvimento Humano.

Relvas, Angola e o BPN

7 comentários :

  1. - La democracia es una religión antropoteísta. Su principio es una opción de carácter religioso, un acto por el cual asume al hombre como Dios. Su doctrina es una teología del Hombre-Dios, su práctica es la realización del principio en comportamientos, en instituciones y en obras.
    - La popularidad de un gobernante, en una democracia, es proporcional a su vulgaridad.
    - La democracia ignora la diferencia entre verdades y errores; solo distingue entre opiniones populares y opiniones impopulares.
    -Hay que repetirlo y repetirlo: la esencia de la democracia es la creencia en la soberanía de la voluntad humana.
    - El capitalismo es deformación monstruosa de la propiedad privada por la democracia liberal.
    - Mientras no lo tomen en serio, el que dice la verdad puede vivir un tiempo en democracia. Después, la cicuta.
    - Errar es humano, mentir democrático.
    - La democracia sería una inocentada si no fuese el disfraz de una blasfemia.
    - Mientras más graves sean los problemas, mayor es el número de ineptos que la democracia llama a resolverlos.
    - La democracia, en tiempo de paz, no tiene partidario más ferviente que el estúpido, ni en tiempo de revolución colaborador más activo que el demente.
    - La democracia sólo tolera dos partidos: el vocero de las ideas estúpidas, el protector de las codicias sórdidas.
    - El mesías anunciado por los profetas de la democracia decomonónica resultó meramente el aborto del anticristo.
    - “Patriota”, en las democracias, es aquel que vive del Estado; “egoísta” aquel de quien el Estado vive.
    - Un hervidero de gusanos en el cadáver de una sociedad es síntoma de salud, según el demócrata.
    - Si el comunismo denuncia la estafa burguesa, y el capitalismo al engaño comunista, ambos son mutantes históricos del principio democrático, ambos ansían una sociedad donde el hombre se halle, en fin, señor de su destino.
    - Para la democracia individualista y liberal, la volición del hombre es libre de obligaciones internas, pero sin derecho de apelar a instancias superiores contra las normas populares, contra la ley formalmente promulgada, o contra el precio impersonalmente establecido. El demócrata individualista no puede declarar que una norma es falsa, sino que anhela otra; ni que una ley no es justa, sino que quiere otra; ni que un precio es absurdo, sino que otro le conviene.
    - La veneración de la riqueza es fenómeno democrático. El dinero es el único valor universal que el demócrata puro acata.
    - Los mandatarios burgueses del sufragio prohíjan el estado laico, para que ninguna intromisión axiológica perturbe sus combinaciones. Quien tolera que un reparo religioso inquiere la prosperidad de un negocio, que un argumento ético suprima un adelanto técnico, que un motivo estético modifique un proyecto político, hiere la sensibilidad burguesa y traiciona la empresa democrática.

    Nicolás Gómez Dávila, in “Sentencias Doctas de un Pensador Antimoderno o de un Auténtico Reaccionario”, Santa Fe de Bogotá, 2001, compiladas pelo Dr. Alejandro Ordóñez Maldonado, páginas 17 a 20.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK

      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  2. Excelente texto. Muito obrigado.

    ResponderEliminar
  3. Será que ninguém está interessado em travar a completa tomada de poder neste país e na Europa pelas mafias do petróleo, bancos e droga?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Ninguém.
      Porque isso é anti-democrático.

      Eliminar
  4. "Não. Ninguém.
    Porque isso é anti-democrático."

    Curto e grosso...Muito bem.

    ResponderEliminar
  5. "Não. Ninguém.
    Porque isso é anti-democrático."

    ehehehehehhhh! :-) :-)

    Exacto! E como é que amibas conseguiriam tal coisa?
    Passou-me pela cabeça os comunistas mas lembrei-me que tambem são democratas!!!
    LOL

    ResponderEliminar