31 março, 2013

Carta a Passos Coelho, de uma mãe preocupada.

"A culpa da banca ... 
Deu-lhes jeito os empréstimos que "deram" para compra de tudo e mais alguma coisa, uma vez que eram esses mesmos bancos que muitas vezes aliciavam as pessoas à compra de carro ou mobilias, quando os clientes adquiriam o seu imóvel. 
Ora esta politica financeira mostrou-se desastrosa, quer para os bancos que agora ficaram com crédito mal-parado, ora para o clientes, que andaram a pagar os seus créditos (imobiliário) todos estes anos, e no fim ficam sem as suas casas e sem o investimento que fizeram.
Acresce aqui um facto muito importante, enquanto os bancos gozavam lucros astronómicos, nada foi feito pelos anteriores governos a fim de os colectar da mesma forma que o fazem as restantes empresas, neste momento que os seus lucros decresceram, pedem ajuda ao estado. É tudo isto que revolta qualquer um.
Para não falar nos roubos e desvios efectuados à cara podre, por membros de anteriores governos, por funcionários camáririos, etc, etc. que o senhor ministro muito bem conhece, sem que haja uma responsabilização para estes crimes. Creio que se os mesmos fossem responsabilizados, e devolvessem o que andaram a desviar, o povo não precisava de fazer tantos sacrificios. E quando falo povo, falo das pessoas que não têm como fugir aos impostos, pois que os mais ricos, gozam de todos os estratagemas para o fazerem, ficando cada vez mais ricos e impunes.
Sem dúvida que a riqueza deve ser colectada com impostos maiores sobre compras de bens de luxo. Não se pode colocar um pacote de leite com chocolate ou um sumo ao IVA de 23% e um iate ou carro de luxo ao mesmo IVA. Será justo?

Sei que é uma medida pouco simpática, mas com certeza mais justa. Acabar de vez com a ADSE, onde ocorrem imensas fraudes com custos elevadissimos para o Estado. E quando há esta guerra entre os F.P. e os privados, fico varada, pois que sou trabalhadora privada, e quando quero uma consulta, uma cirurgia, óculos ou dentista, tenho de esperar para ter alguma poupança para poder acorrer a estes cuidados EXCLUSIVOS DOS PRIVADOS, já os F.P. têm tudo isto em clinicas privadas a custos baixissimos, sendo todos nós a pagar.
Ora a equidade aqui não existe, bem como não existe nas pontes, nos artigos da lei que lhes permitem faltarem sem perda de vencimento, é-lhes mais fácil ausentarem-se dos seus locais de trabalho, pois o chefe sempre é mais compreensivo e existem outros colegas que podem fazer o seu trabalho.
Acho senhor Ministro, que a cortar desta forma sem mostrar que efectivamente está a cortar nas grandes gorduras do estado, não irá lá com facilidade. Sei que não deve ser fácil nem simpático, mas tem de ter coragem. As ppp têm de ser rápidamente renogociadas, o Estado não pode ficar com os deficites e as Empresas exploradoras com os lucros.
Não podemos continuar a dar reformas, subvenções vitalicias, carros de luxo, segurança a tantas pessoas que já fizeram parte de governos anteriores e presidentes. As pessoas estão a ficar asfixiadas e todas as reformas que V. Exª. possa fazer, levarão à estagnação da economia interna, e portanto isto será uma bola de neve que nunca acabará e tornar-se-á cada vez maior.
O Ensino está uma desgraça. Os profs. têm de ser mais responsabilizados pelo mau ensino. Tenho conhecimento pessoal, que há profs. que vão para as aulas de ciências e não dão qualquer matéria. Como é que ficarão estes alunos? Queremos melhores alunos, sem a vergonha a que temos assistido, queremos pessoas melhor formadas civicamente a fim de podermos ter uma sociedade mais igualitária e democrática, em que todos participam e reconhecem as politicas de avanço.
Sem dúvida que estamos a recuar no tempo, em que tinhamos pessoas mais ignorantes, mas que essa foi sempre a vantagem de governos autoritários. Senhor Ministro, o Senhor é pai e responsável familiar, sabe a dificulade que é fazer crescer uma criança de forma digna. è dificil para uma mãe/pai, dizer a uma criança que só pode comer um pão com manteiga, ou um pouco de leite, pq. no dia a seguir tem de continuar a haver. É dicifil dizer a um filho, que anda com os sapatos rotos, que não podemos compra-lhe outros porque não há dinheiro para isso e temos de pagar a casa, a água, o gaz a electicidade, a alimentação, a que ninguém pode fugir. Senhor 1º. Ministro, socilito o seu bom-senso, não se deixe enveredar por caminhos sinuosos dos corredores do parlamento, onde existem partidos, que estarão sempre em desacordo, faça-se isto ou aquilo, porque há muita gente, que sabe que pode perder o tacho caso não defendam aquelas posiçoes. Veja o caso dos Sindicatos.
Os próprios dirigentes, mantêm os seus lugares na função pública, recebem os seus vencimentos e nunca mais ocuparam aqueles cargos. O sindicalismo não é uma profissão. Em vez de andarem sempre a constestar, pedia-lhes que por ex: apresentassem soluções credivéis. Por causa deles e da sua pressão, em 2008 o Governo de Sócrates entendeu aumentar os F.P. e os Profs. veja-se o que aconteceu.
Bem não me alongo mais. Espero sinceramente, pelo nosso presente e pelo futuro dos nossos filhos que tudo isto seja o começo e uma viragem à dignificação do papel do estado e em que os responsáveis sejam culpabilizados e obrigados a devolver o que roubam. Veja como é o funcionamento dos países do norte da europa. Não deverá ser dificil com certeza. Copiamos tanta coisa."

8 comentários :

  1. Olá!
    Sou um beneficiário da ADSE.
    Fico triste se ela acabar.

    Mas, mais triste ficarei, por ver mais uma táctica do governo fracassada para "combater" a crise.
    O governo, com a desculpa da crise, tem vindo a abater com meticulosa crueldade, tudo o que bom as pessoas beneficiavam.

    Mas a crise agrava-se cada vez mais.

    Quer isto dizer que este governo não está a combater crise alguma: está a colocar tudo nas mãos da finança, agora internacional, desculpando-se com a crise.

    Estes senhores estão, apenas, a aplicar uma obsessão ideológica!
    Que sempre castigou quem trabalha e brindou quem especula.
    A mesma estratégia que a ditadura de Pinochet aplicou ao Chile ou não fosse Gaspar um reverente e atencioso Chicago-boy.

    O fim da ADSE será para arranjar clientes para os seguros de saúde. Para os donos das seguradoras, internacionais e nacionais, ficarem mais ricos.

    Os portugueses, que nasceram e habitam neste país, pouco mais são do que contribuintes líquidos dos portentados económicos e financeiros internacionais (dívida externa, seus juros, edp, telecom, galp...)

    Portugal só existe para dar tachos a quem tem cargos públicos, juízes e militares, e roubar quem trabalha. Estes só pagam...!

    Somos pobres no mundo, miseráveis na Europa e chulados, indecentemente, neste país.
    Por favor arranjem-me alternativa política para sair daqui...!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se esqueça que a ADSE já é neste momento um dos maiores clientes das seguradoras privadas. Ou seja acabar ou não com a ADSE, vai dar lucro ás seguradoras, tal como está a dar, o facto de estarem a encarecer e a destruir o SNS.
      Eles irão arranjar sempre forma de favorecer os ricos e roubar aos pobres.

      Eliminar

    2. Já está mal, eu sei.
      Mas só vai piorar.
      E o pior para os outros, não resulta numa melhoria para nós...
      Para NINGUÉM vai melhorar.

      Devemos procurar o que é JUSTO para todos.
      E isso ninguém propõe, assume ou promete.

      Daqui o impasse numa decisão unânime entre quem trabalha, que vai sendo aproveitado pelos corruptos triunfantes.


      Eliminar
    3. As pessoas quando afirmam que a ADSE é injusta e geradora de desigualdades, não querem que todos estejamos mal e que todos percam o que tem de bom, apenas querem igualdade, e certamente a prefeririam que esta fosse nivelada por cima, - o bem para todos, - obviamente que o governo faz sempre o oposto, mas isso já não é culpa dos que reclamam por justiça...
      Infelizmente os governos que temos aproveitam sempre para nivelar por baixo.

      Eliminar
    4. Assim de cabeca, mais centena de milhao de euros, menos centena, os valores sao os seguintes:
      A ADSE custa ao estado portugues cerca de 1200 milhoes de euros por ano.
      As contribuicoes dos FP correspondem cerca de 400 milhoes de euros por ano.

      O que significa que TODOS os portugueses, inclusivamente aqueles que nao tem direito a ADSE, e tem que pagar por tudo e mais alguma coisa, financiam as varias mordomias e privilegios em 2/3.

      Eh portanto facil, ou os funcionarios publicos passam a descontar 3x mais para a ADSE, ou acabe-se com a mesma.

      Aquilo que devia era haver 1 e so 1 sistema de saude, universal, que correspondesse as necessidades de toda a gente, desde o presidente da republica ao desempregado.

      Eliminar
  2. Porque não aparece um partido político, tendo com ponto único do seu programa, a integração predominante da legislação sueca na totalidade dos códigos legislativos nacionais?
    Não é simples? Não é eleitoralmente atraente?
    Façam qualquer coisa e depressa, enquanto estes palhaços não convertem este país em mais um circo eleitoral autárquico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se consegue fazer nada, as pessoas nem imaginam a cegueira que inundam o nosso povo. Vão continuar a participar no circo e a eleger palhaços criminosos.

      Já publiquei um artigo sobre isso.... Pontos mais marcantes deste video, em resumo.
      1- O fiscalista Tiago Caiado Guerreiro afirma que "bastava pegar em 250 euros pagar a um advogado e tradutor para traduzir as normas, anti corrupção, de um país decente e acabava-se com a corrupção por cá. Na verdade as que se fazem cá, é só atirar areia para os olhos."
      2- Os governos fazem sempre uma confusão e depois não dá em nada. Vem com um conjunto enorme de medidas em vez de normas claras e transparentes sobre o que é que é a corrupção.

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/04/areia-para-os-olhos-na-luta-contra.html#ixzz2P8b0DQIO

      Eliminar
  3. A propósito sabem quem é o informante do Marques Mendes?
    É o mesmo que contratou o Sócrates...

    Como o cara é habilidoso, hem?

    ResponderEliminar