20 fevereiro, 2013

Os portugueses aguentam, a sanidade mental e física, é que não.

  CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR  

Os portugueses aguentam... Ou não!
Os nossos políticos despesistas, incompetentes e saqueadores, terão o descaramento de dizer isso aos portugueses que se suicidam? Que partem e que morrem, devido ao excesso de sacrifícios? Portugueses encurralados numa pobreza, pela qual não são responsáveis.
Eles que vão dizer isso aos milhares de idosos que morrem sem medicamentos, sem consultas e sem aquecimento.
14 Fevereiro 2013
"Ambos com 63 anos, Gaia, na fria madrugada de ontem o homem decidiu acender um fogareiro no quarto. O fumo, porém, foi fatal: pela manhã, o filho do casal encontrou Fernando sem vida, na cama. Estava abraçado a Maria, que sobreviveu. Ele não quis que a mulher passasse frio e aconteceu esta tragédia. " fonte
14 Fevereiro 2013
Horas antes, Sintra, um homem de 57 anos morreu, também vítima de intoxicação por monóxido de carbono – depois de se aquecer com uma braseira. Um amigo encontrou-o morto, na banheira da casa de banho, com a braseira em chamas ao lado. fonte
11 Março 2013
" Pai sufocado em dívidas atira-se a um poço com filho de 2 anos nos braços." Viana do Castelo. Fonte
26 de Janeiro 2013 
A mãe que envenenou os filhos e se suicidou de seguida, foi mais uma das vitimas da austeridade, empurrada para a morte porque não aguentou.
Os media não contaram toda a história, mas Hernani Carvalho, relatou na revista "TV Mais", que a professora, desempregada, tinha chegado a uma situação extrema e desorientadora. Vivia com os 2 filhos numa casa sem luz, água e gás. Conta que os filhos, por vezes ficavam em casa da avó e de uma das vezes, se recusaram a ir com a mãe para sua casa, devido às más condições. Situação essa que levou a mãe, desesperada, a bater nos filhos. Daqui resultou uma acusação de violência, e no dia 25 de janeiro recebeu a sentença de que perderia os filhos, dia em que se suicidou.
No meio de tantas perdas, decidiu partir. Não aguentou...  
A situação é passível de vários julgamentos, quanto às razões ou falta delas, para uma mãe ter enveredado por esta opção. 
Mas não é isso que se pretende com este relato. O que pretendo é completar a história incompleta que corre na imprensa, que deixa no ar, muita responsabilidade sobre a mãe, e nenhuma responsabilidade da conjuntura do país e respectivos responsáveis. Este não foi apenas mais um caso de uma mãe tresloucada que decide matar os filhos... 
Foi sim, mais um caso de uma pessoa levada ao extremo devido ao caos em que o país se afunda, e com ele arrasta pessoas para a loucura, para o desespero e em caso extremo, muitas... demasiadas, para a morte.
Assim aguentam, com bons tachos.
E quem sustenta os parasitas?
Esposa de Ulrich, em tempo de crise
 arranja um tacho.
27 de fevereiro de 2012 
Os idosos também não aguentam; 
"Estima-se que tenham morrido mais de três mil pessoas numa semana, a maioria idosos com mais de 65 anos. fonte
25 de janeiro 2012
Os doentes de cancro também não aguentam...  "Portugueses doentes de cancro, esperam a morte em casa, por não disporem de dinheiro para se tratar. Veja o video." fonte
16 de fevereiro de 2013
O número crescente dos sem abrigo seguem imparáveis, e quem sabe se aguentam sem ir falar com o Ulrich?
"2012 Casas entregues aos bancos aumentaram quase 70%" fonte
25 de janeiro de 2013
Entre três mil e quatro mil doentes de cancro por ano não fazem tratamento de radioterapia devido à insuficiência deste tipo de equipamentos no País. Na União Humanitária dos Doentes com Cancro, são recebidos diariamente reclamações e protestos de doentes, que se queixam de esperar semanas ou meses por uma consulta de oncologia ou tratamentos.
A denúncia da insuficiência de equipamentos de radioterapia em Portugal surgiu ontem num estudo publicado na prestigiada revista científica ‘Lancet Oncology'.
Segundo a investigação, o nosso país tem uma taxa de 4,6 aparelhos de radioterapia por milhão de habitantes, um número abaixo da média europeia, que é de 5,3. Isto significa que 19 por cento dos tratamentos oncológicos não são realizados. fonte
22 de novembro de 2012
1800 PESSOAS, POR DIA, DEIXARAM DE IR ÁS URGÊNCIAS. GOVERNO CONTINUA EFICAZ NA SUA CHACINA CONTRA OS POBRES E DOENTES.
19 fevereiro 2013
"Suicídios de empresários da restauração estão a preocupar o sector" fonte

Mas o Ulrich e o Fernando Leal da Costa, secretário de estado adjunto da saúde, acham ridículo as pessoas queixarem-se... 
Apesar do caos que reina pelo país, onde os inocentes estão a ser forçados a pagar pelos criminosos, onde os crimes prosseguem e se estendem a todos os sectores que evolvam dinheiro público, estes senhores subestimam a miséria alheia, pela qual possuem a sua quota de responsabilidade e pela qual não mostram o mínimo remorso.

Os que partem... Carta aberta, ao PR de uma portuguesa que não aguenta mais... 
Exmo. Sr. Presidente da República,
Começo hoje o meu caminho de saída. Saio do meu país levando comigo os meus trinta anos, os meus sonhos, a minha força e vontade de trabalhar. Saio do meu país escorraçada por uma economia podre e corrupta; por políticas sujas e elitistas; por políticos que há mais de trinta anos governam as suas vidas ao invés de governar o país. Onde o senhor se inclui, Sr. Presidente da República.
Começo hoje o meu caminho de saída. E deixo para trás um país que premeia o trabalho com pedidos de sacrifícios, o esforço de uns com a opulência descarada da vida de outros, os sonhos com frustração e desespero. Deixo um país a lutar pelo futuro e levo comigo a mágoa de não ficar para a luta. Mas a minha vida já esperou de mais; o meu filho de dois anos já esperou demais, já deve demais. Viver neste país tem sido uma teimosia que, para mim, termina agora.
Não sei se volto. Farei parte da grandiosa diáspora que V/ Ex.ª se farta de elogiar e louvar em folclóricos eventos, de gente que foi escorraçada do seu país? Serei um dos brilhantes cérebros em que os país investiu e que, estupidamente, mandou embora? Serei um dos repetidos exemplos daqueles que só depois de deixar o país alcançam o respeito do mesmo país que os ignorou enquanto lutavam por ele? Serei uma pessoa, mais uma, uma cabeça e um corpo a lutar num país que não é o seu? Isso, de certeza.

Deixo o meu país e sei que vou encontrar oportunidades novas e novos desafios. Mas não vo-lo agradeço. E dispenso os discursos paternalistas de que "há males que vêm por bem", de que devo receber com entusiasmo as dificuldades da minha vida porque elas escondem oportunidades imperdíveis. Dispenso esse discurso porque o meu país me retirou a possibilidade de escolha. Dispenso o seu paternalismo. A sua pena. O seu desprezo pela classe a que pertenço. Dispenso os seus discursos, os seus silêncios, as suas palavras, as suas reservas em contribuir para a governação de um país onde é Presidente da República. Dispenso-o.
Ainda assim, dirijo-me a si, porque, contra a minha concordância e o meu voto, é o Presidente da República do meu país. E tem responsabilidades, E devia pagar pela culpa que tem no estado a que as coisas chegaram. E como não paga, tem, ao menos, de me ouvir.Começo hoje o meu caminho de saída. De si, Sr. Presidente da República que se dispensa de o ser, dispenso tudo. De si e de todos aqueles que, neste momento, encaminham o meu país para o abismo.
Ana Isabel Oliveira (facebook)


8 comentários :

  1. "...neste momento, encaminham o meu país para o abismo."

    Errado Ana.
    Você diz que tem 30 e poucos anos..., pois saiba que Portugal morreu precisamente na altura que a Ana estava a nascer. Esse foi o fim histórico de Portugal, o que está acontecer agora é o 3º fim económico e financeiro em 30 anos da merdocracia, de um país que se chamou PORTUGAL.
    Continuem a cantar a grandolavilamorena!!
    Óh ignorância!

    Beijo



    ResponderEliminar
  2. Portugal é um País cada vez mais Pobre, mas a nível de burocracias estamos no top. Vamos tomar um café, e temos de pedir a respectiva factura senão além do pagamento do café pagamos uma multa. Francamente estes políticos gozam e abusam dos portugueses que são pacíficos até demais. Agora quando algum ministro vai discursar lá vai uma pequena manifestação cantar o grandioso Zeca Afonso. Isto já não vai só com cantigas, quando esses atrasados dos ministros iam discursar a manifestação das pessoas era cada pessoa pegar numa pedra e atirar a respectiva pedra ao incompetente ministro sem excepção desde do primeiro ministro ao presidente da república.
    Quem não se revolta com a fome da população, com a miséria a atingir mais de metade da população. Quem quiser ter uma vida digna terá de emigrar. A troika já está cá a cerca de 20 meses. Mas alguém sabe que mordomias os políticos cortaram neles? Ou melhor toda a gente sabe que eles não cortaram em nada.

    O povo tem de deitar abaixo o governo.


    Fernando

    ResponderEliminar
  3. Ulrich, O Sem-Abrigo20 fevereiro, 2013 15:29

    Ai aguentam, aguentam! Eu por exemplo passarei a beber whisky de qualidade inferior, a usar fatos da Sacoor em vez dos Armani e a andar num carro utilitário, não é? Eu ganho tão pouco que até o treinador do Benfica ganha mais que eu. Ufa, mas lá terei que aguentar! Sei que como gestor valho ZERO pois fui daqueles que mais "investiu" em dívida grega arrastando o Banco para a ajuda estatal. Reconheço que até o Pato Donald era capaz de fazer melhor que eu. Sei que num país a sério já teria sido despedido por incompetência. Mas aqui há sempre razões que contrariam a lógica. Os Bancos são um negócio sem risco por isso não há problema. Posso continuar a cometer erros que o contribuinte português paga. Reconheço que podia e devia estar calado mas não consigo porque sou vaidoso e megalómano. Mas vocês AGUENTAM-ME!

    ResponderEliminar
  4. Ulrich, o verdadeiro

    E vós pertenceis a um rebanho que só mereceis aquilo que tendes, sois incapazes de vos revoltar. Sois maldosos, invejosos e incompetentes (como eu), farinha do mesmo saco, a diferença é que eu tenho muito l'argent e adoro a vossa democracia. Se não estais contentes ide, carneirada, votar noutro partido que a mim tanto se me dá! Experimentai o bloco de esquerda e ides ver como a coisa vai melhorar. Mas é importante não perdermos a democracia que os nossos grandes capitães de abril nos ofereceram.
    Ide, ide e aguentai.

    ResponderEliminar
  5. Este palhaço do Ulrich diz o que os outros da mesma laia pensam tipo o Ricardo Salgado e companhia. Mas é mau demais que palhaços digam aguentam aguentam eu também com um salário de 60.000€ aguentava bem a austeridade. Mas há determinados cargos que as pessoas tem de ter a consciência no que dizem. Eu pessoalmente não tenho conta bancária no bpi, caso tivesse tinha retirado o meu dinheiro nesse banco de gente sem escrúpulos.

    Ulrich o maior palhaço deste País, quase levou o bpi à falência está apto para o bce para adjunto do vitinho constâncio. Este bce é so gente incompetente por isso foi admitido o vitinho gaspar e o constâncio. Portanto o palhaço Ulrich tem lá o lugar assegurado ahh ahh ahh triteza de Portugal com gente deste calibre tem de continuar na cauda da Europa. A minha avozinha é que tinha razão eu com o mal dos outros posso bem. Mas há coisas na vida que são sagradas podemos pensar, mas moralmente e eticamente ficam mal a dizer-las.

    Mas há pessoas que nem tem consciência das suas palavras, quanto mais dos actos.

    Fernando

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Porque alimentar estas pessoas mantendo conta no BPI ? É preciso mudar temos alternativas. Tira o teu dinheiro, tira a tua conta ordenado tira o pagamento da tua reforma do BPI e verás o resultado.

      Eliminar
  6. É preciso ser activo. Porque AGUENTAR TER DINHEIRO NO BPI, quando existem alternativas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar