13 fevereiro, 2013

A ORIGEM E A FÓRMULA DO DESEMPREGO


Gostava de saber as opiniões dos meus caros comentadores, que nunca falham, quando se trata de arranjar definições para tudo. 
Conseguem encaixar qualquer frase ou ideia, num regime qualquer do passado, como se não existisse presente ou futuro. 
O que acham desta proposta ou ideia? 
Em que regime se encaixa? 
Consideram isto uma ameaça ou apenas uma utopia? 
Deixo-os com algumas citações do autor, que promete mudar todos os velhos paradigmas... citações retiradas dos seus documentos em baixo. 
No final, podem seguir um link que dá acesso aos documentos todos do autor.

"O Meirelismo foi a denominação dada por um jovem participante dos Fóruns da geração à Rasca, em 2012, perante as teses do seu autor e definições, e também as suas explicações ao comportamento e análise dos comentários dos participantes, que eram explicadas através da 1ª fase da verdade relativa, e que, assim, deixava todas as pessoas sem resposta, precisamente devido à sua clarividência baseada ou na prova documental tida como impossível pelos participantes ou apenas na evidencia verificável."

 NESP faz este aviso: (Novo Estado Sombra de Portugal)
Garantimos o controlo do Comunismo ou máfia de origem estrangeira, e não deixaremos tocar nas instituições do Estado, nomeadamente o Parlamento e a Presidência.

Se a partir de 2014 as pessoas desempregadas não tiverem, individualmente, um rendimento mínimo de 80% do Salário Mínimo Nacional, em que o Estado Português contribui com 30% e os países culpados com a outra parte, nós começamos a encerrar todas as lojas desses países por falta de colaboração na criação da justiça económica.
Isto acontece porque o lucro de uma empresa externa nunca se pode repartir a mais para o PIB, mas sim ao contrário. Daí o desemprego, e uma vez que a economia não fica independente.

Mais motivos:
O custo da mão-de-obra nacional é 3 a 5 vezes inferior às necessidades do PIB, o que significa que Portugal está a usar PIB para importar em todas as áreas, em vez de usar o PIB para produzir e exportar as suas necessidades de crescimento nas áreas de necessidade de outros países.


A Revolução das Crises_Justiça no Mundo Económico termina a Divida Constante.

Outros documentos deste autor



22 comentários :


  1. Interessante.
    Vi lá umas ideias esclarecidas e bem arrojadas.
    O Jovem tem valor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro: Pode me emprestar os seus óculos para ler?
      Obrigado...!

      Eliminar
    2. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  2. SÓ queria saber como vais fechar essas empresas...Com manifestações e greves???? Actualmente as manifestações e grevas não estão a resultar...embora ache que é melhor que nada..mas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São ideias do Meireles... o Novo estado Sombra pode estar por aí algures já em estado avançado de imposição. Não sei, apenas me enviaram isto e achei interessante saber o que opinam, por aqui.

      Eliminar
  3. Conto de um avô aos seus netinhos, ao serão:

    Era uma vez, um mundo sem computadores, internet ou robots.

    Um mundo dividido em países, que durante milénios, se guerreavam entre si, matando milhares de jovens soldados, estropiando outros tantos, deixando jovens mães viúvas e/ou condenadas a uma vida de enormes sacrifícios, apenas para alimentar os filhos.

    Cada país tinha, pois, montado um exército para se defender dos invasores.
    Os países e as suas economias tinham moeda própria, fronteira e viviam melhor ou pior conforme as suas capacidades.

    Os países pequenos, depressa entenderam que não tinham qualquer forma de se opôr aos mais populados, invariavelmente com exércitos muito maiores e com níveis de bem-estar também superiores.

    Se o número de homens em armas era consequência imediata da maior ou menor população, já o bem-estar social resultava da necessidade de inovar tecnologias, que a luta contra climas agressivos obrigava as populações a, diariamente, travar.

    Se repararem, meus meninos, na Europa - onde decorreram todas as grandes descobertas científicas dos séculos XVIII e XIX, no séc XX já preponderaram as dos EUA - quanto mais a sul se situam os países, menor é o seu empenho na inovação e produção de bens socialmente úteis logo, virtuosos sob o ponto de vista das exportações de cada país produtor, base da sua riqueza.

    Nos anos sessenta do século passado, entra no cenário económico internacional uma droga a qual, como todas as drogas, comunicava um instantâneo bem-estar apesar de anteciparem o período normal de vida; neste caso, da vida económica.

    Tratou-se do dinheiro a crédito.

    Era – e é – emprestado por smart-shops (SS) apelidadas de bancos e os seus consumidores tornam-se, rapidamente, dele dependentes.
    Querem crédito para tudo: casa, carro, viagens, mobília…

    A estas SS, contudo, os governos dão todas as facilidades: poucos impostos, permitem publicidade enganosa e agressiva, um domínio de acção ilimitado.

    O princípio, profilático, que existia antes dessa época plasmado na máxima “quem não tem dinheiro não tem vícios” foi rapidamente esquecido.

    Com as SS, todos passaram a ter dinheiro, vícios e, claro, a ter de pagar juros por esses vícios.

    Quando se pede dinheiro para enfrentar necessidades básicas (casa), para um investimento reprodutivo ou para atenuar as consequências negativas de qualquer emergência inesperada, muito bem: o crédito até pode ser útil.

    Agora para pagar viagens, mobília ou telemóveis, meus meninos, é um erro monstro, que vos marca para a vida e para o qual este avô vos alerta absolutamente!

    Quando o viciado consegue parar para fazer contas, já paga muito mais em juros do que pelo valor do bem que adquiriu.

    Se hoje os bancos pagam depósito a prazo a 2,6% ilíquidos, há empresas parabancárias a emprestar dinheiro para futilidades a 23%.

    Um crime gritante de usura sobre viciados. Permitido pelos governos!

    (Por hoje, chega. Acho que as vossas cabecinhas já devem estar dormentes. Amanhã há mais… se tiverem capacidade para se manterem acordados. Boa noite!)





    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei... aguardo por amanhã ... :)
      Era bom que os jovens e adultos de hoje percebessem isso, mas acabei de saber que sim, que há pessoas que pedem dinheiro emprestado até para oferecer Ipad s e telemóveis aos filhos!!!!
      Pessoas que contraíram empréstimos para comprar as prendas de Natal!!!!!
      Criticam a banca e entregam-se nas mãos deles sem qualquer temor!!!

      Eliminar
  4. Boa noite avôzinho e obrigado pelos bons conselhos!!
    Apareça quando quiser!

    ResponderEliminar

  5. Jovens:

    Pensem como podem, positivamente, sair do impasse político e económico.
    Imponham lógicas compreensíveis, aceitáveis, revolucionárias se necessário e terão o futuro na vossa mão.

    Escrevam ideias, como Engels ou Marx fizeram no sec XIX, que possam desenhar um caminho de saída do atoleiro de hoje, a percorrer no futuro.

    A geração que hoje já se reformou, viveu o salazarismo, fez a guerra em África, a revolução de Abril, juntou Portugal à Europa.

    Muitos, dos que ainda estão no activo, mas não conhecereram estas realidades, limitaram-se a saborear os fundos comunitários, a intrigar na política e a corromper o estado com o apoio dos bancos e das construtoras.

    Trairam valores, deslumbraram-se com a fartura, venderam o país por trinta dinheiros, condenaram o futuro.

    Façam-os pagar!
    Mas a internet, por si só, não me parece que chegue...



    ResponderEliminar
  6. Sr. Anónimo ...diga ao Prof. cavaco silva para deixar a troika auditar as contas públicas sem quaisquer restrições, e poderem instaurar processos crime ;)

    ResponderEliminar
  7. NOTA DO AUTOR:
    “Quero criar a maior instituição do universo humano”.
    Primeiro a verdade, depois o direito e a seguir a Constituição
    da Humanidade”.

    A verdade em política, reside apenas na convicção com que as palavras são ditas...
    O direito - que não a Justiça - é um labirinto para inocentar ricos e condenar pobres...
    Constituição da humanidade? Já ouviste falar da Bill of Rights, sobre a Constituição dos USA? Já existe há muitos, muitos, anos. Experimenta propô-la aos chineses...

    Desculpem se tenho dificuldade em enquadrar este "autor" no futuro.
    De facto considero-o tão fraco, tão fraco, que nem enquadrável no passado será.

    A maior instituição do universo?
    O Hitler também queria o Reich de Mil Anos. Acabou com a Eva no bunker...

    Como o meu máximo de ficção do ridículo político se esgotou com o Sócrates e com o Relvas, quando o "autor" fala em "criar uma lei geral económica no mundo", só consigo alcançar 3 hipóteses:

    - Esquizofrenia aguda.
    - Ignorância crónica.
    ou
    - Dependência insatisfeita de heroína.

    Para qualquer dos casos, desejo as melhoras.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que já está diagnosticado o regime...
      Não é fascismo, nem socialismo nem comunismo é puro Esquizofrenismo... ?

      Eliminar
  8. Um anónimo disse:
    «Querem acabar desemprego?
    Aumentem a laboração ( dia de trabalho para 12 horas), com 2 turnos de 6 horas, claro que haveria de haver uma diminuição de salário para alguns ( pois haveria redução de horas), mas haveria trabalho para todos...»

    Pois é, mas existe um problema: muitos sindicalizados não abdicam do seu 'Status Quo'.
    Um exemplo: os maquinistas da CP ganham 2, 3 ordenados mínimos... e não param de fazer greves... prejudicando pessoas que precisam de transportes públicos para se deslocarem para o seu local de trabalho... sendo que muitas dessas pessoas só ganham o ordenado mínimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ÉS UM BURRO NÃO SABES O QUE ESCREVES, INFORMA-TE PRIMEIRO.

      Eliminar
  9. Caro menvp:

    Os maquinistas da CP ganham bem mais do que 3 salários mínimos.
    Essas pessoas têm horários reduzidos e subsídios para tudo e até, benesses da CP aos familiares.
    Na minha opinião a CP devia pura e simplesmente acabar.
    Se tudo se transforma e a sociedade tem de se adaptar às transformações, porque razão o combóio tem de prevalecer através dos tempos, se a sociedade civil o marginaliza?

    Porque a sociedade militar o impõe! Dizem os nossos 190 generais - de várias e gloriosas estrelas - que em caso de conflito armado (suponho que com a Espanha, que tem um exército 7 vezes superior ao nacional e absurdo enquanto existir UE...) - mas, voltando ao parecer da legião de generais, a única forma de transportar rapidamente tropas em território nacional... é de combóio.

    E os impostos de quem produz que paguem esta paranóia bélica, para sustento da "razão" militar!

    Mas há mais, menvp:

    Quando qualquer um começa receber um salário, a tendência natural é usar a parte sobrante do mesmo, após satisfação das necessidades básicas, em investimentos que, podendo ser discutíveis, são sempre socialmente úteis pois qualquer movimentação de capital pagará impostos.

    Mas mais, a pessoa poderá ter-se endividado em função do salário disponível.
    Ora, um corte nesse salário poderá penalizar além do próprio também os seus credores e cavará, mais ainda, as dificuldades imensas já hoje sentidas por todo o sector terciário - não básico - da economia.

    A satisfação de necessidades elementares de outro trabalhador com o qual fosse dividido o salário do homem da CP, não compensaria esse sector - não básico - da economia.

    Resumindo: A redução salarial, por si só, nunca foi solução para resolver problemas da economia.






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ÉS UM GRANDE BURRO NÃO SABES O QUE ESCREVES, INFORMA-TE PRIMEIRO.

      Eliminar
  10. «Mas mais, a pessoa poderá ter-se endividado em função do salário disponível.»

    -> E as pessoas que se endividaram... e agora não têm rendimento nenhum?!?



    «A redução salarial, por si só, nunca foi solução para resolver problemas da economia.»

    -> O fraccionamento do trabalho não vai resolver problemas da economia... mas vai resolver problemas de muitas pessoas.
    Nota 1: com um desemprego muito elevado... existe um maior risco de implosão social; ficar à espera de um crescimento económico significativo pode ser uma miragem de muito longo prazo... até lá o fraccionamento do trabalho vai diminuir o risco de implosão social.
    Nota 2: O fraccionamento do trabalho é reversível... isto é: existindo crescimento económico o fraccionamento do trabalho pode ir acabando...


    ResponderEliminar
  11. Aceito todas as críticas, mas têm de ser fundamentadas e na verdade, ou seja, explicar porque é que sou burro e esquizofrénico, com a devida fundamentação e não apenas com alegações.

    Qual de vocês sabe o que é a lei e o direito?

    Não se pode definir o Direito sem primeiro definir ambos os seus vectores: A lei e o direito.

    1. O que é a lei?
    Lei, conjunto das normas e de condições que servem para descobrir ou atingir o direito e aplicá-lo (por isso se diz que a lei é a fonte imediata do direito). Ou seja, as leis são o meio pelo qual estabelecem as normas correctas para atingir a rectidão. Portanto as leis são apenas a fonte para atingir a verdade e o direito, são a forma de dar inicio a um dever ou a um direito, quer do Estado e quer da sociedade civil, como fonte do primeiro dever público, social, fiscal e económico, igualmente para todos os cidadãos. Por isso as leis são baseadas nas necessidades económicas e sociais das partes envolvidas, designadamente os direitos delas como fonte da verdade (o direito é a fonte das leis e a verdade a fonte do direito).

    Nos Estados tiranos ou radicais de esquerda as autoridades, designadamente as policias, não têm qualquer formação sobre o que é o direito porque a intenção é aplicar ordens e criar uma justiça informal (ditadura e totalitarismo). Aliás os cargos públicos nos Governos de Esquerda são feitos por ordens e afinidade política a partir de uma ideologia imposta e não através da compilação das leis, da proporcionalidade e da competência.

    Ver o post seguinte sobre o que é o direito.

    ResponderEliminar
  12. Meirelismo >

    2. O que é o Direito?
    Direito, são as razões e objectivos de uma lei, facto ou acção humana destinadas à verdade (objecto do bem, contributo, apoio, necessidades da vida, etc. desde que sejam acções sem prejuízo para o próprio ou para terceiros, a economia e a sociedade). Se elas forem legítimas há direito, mas se foram ilegítimas, fora da verdade ou prejudiciais a alguém então não há direito, aplicando-se a lei ou seja a regra que depois de se descobrir o direito o restitui ao seu titular condenando o causador ou culpado.

    Por conseguinte, Direito é a fonte da lei e da primeira verdade. O seja, é o local onde vamos buscar em primeira mão o que é bem, recto, a realidade certa, a legitimidade, a liberdade, a igualdade e a fraternidade. Em suma, o direito é a pessoa, assistida por lei, razão e verdade.

    Não é direito um prejuízo ou dor para seres vivos, e todas as coisas que prejudicam a natureza do bem ou violam a integridade física, económica e social de pessoas e animais.

    Não é direito matar excepto por necessidade de sobrevivência como meio de manter a natureza das coisas. É direito a legítima defesa contra um crime. Não é direito o que outrem rejeita mediante a sua razão e legalidade (se a lei definir na realidade esse direito).

    Sem que uma autoridade pergunte porque violou a lei, todo o auto de notícia ou contra-ordenação é falso e destina-se à extorsão por abuso de poder, para financiar as redes políticas através do crime a partir do Estado e da Administração pública (financiar as esquadras e a ANSR, que depois procura fazer despesa e inflacionar orçamentos como meio de lavagem da verba pública para enriquecimento pessoal).

    Erradamente diz-se que o direito é o conjunto das normas que regem uma sociedade e que a lei é fonte do direito. Mas isso é falso porque, na verdade certa, o direito já é uma fonte (fonte da verdade). Portanto a lei nunca pode ser uma fonte de direito, e não é direito mas apenas as normas de uma sociedade influenciadas pelo presente e pelo passado, o conhecimento, cultura, instrução e costumes, embora como princípio do dever de todos, e uma vez que só depois da lei como acção inicial é que se pode conhecer o direito real (ao conhecer os factos ao pormenor e as circunstâncias e os direitos das partes como meio de verificar a sua legitimidade). Exemplo, a lei diz que “… ao transitar sem cinto de segurança na via pública há sanção e multa de…”. Ora, abusando de poder e de falsidade, a autoridade coloca agentes à procura de pessoas que transitem sem cinto de segurança em quaisquer circunstâncias as pessoas são até detidas pelo simples facto de se esquecerem do cinto de segurança ou quando vão colocar o carro na garagem. O objectivo é a extorsão e o estado subversivo de perseguição uma vez que as esquadras ficam com uma percentagem das multas. Para além disso os agentes do regime são colocados nos processos como prova testemunhal quando tal não está previsto na lei penal. Na verdade as policias só são colaboradores da autoridade judiciária e é uma burla e crime em massa o uso da policia para criar multas e crimes. Daí a instalação de centenas de sinais de trânsito falsos nas estradas portuguesas. Os agentes até procuram fazer horas extraordinárias (despesa extra) e para isso “andam sempre à procura de “cintos de segurança” junto às residências, lojas, bombas de gasolina, garagens, etc. Mas, na verdade, e legalmente, a lei não diz para a polícia procurar pessoas sem cinto de segurança, aliás tal só é permitido em caso fortuito ou durante as inspecções normais nas estradas, porque a lei é um preço sombra e o inicio do dever, mas é usada como ordem sem direitos.

    in – O Meirelismo
    Miguel Meireles

    ResponderEliminar
  13. ATENÇÃO: Como a Esquerda interpreta as leis, para enganar o Povo e também os seus próprios militantes:

    http://pt.scribd.com/doc/124892173/O-MEIRELISMO-CORRENTE-HUMANA-DA-VERDADE

    ResponderEliminar
  14. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar