31 julho, 2012

Lista dos reformados milionários de Portugal.


Esta lista circula pela internet e até agora não há desmentidos, as provas, também não poderão existir, num país democrático, onde eles, os ditadores decidem ocultar quanto recebem. 
Para facilitar o saque.... 
Lei do sigilo dos privilégios dos políticos. Aprovada!!
"Foi aprovada no passado dia 24 de Julho de 2013 pela Assembleia da República, com os votos favoráveis do PSD e do CDS, a Proposta de Lei 150/XII, por meio do Decreto nº 166/XII, enviado já para promulgação pelo Presidente da República e depois para posterior publicação no Diário da República, a nova lei que regula a a obrigatoriedade de publicitação dos benefícios concedidos pela Administração Pública a todos os particulares.
Esta lei procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 167/2008, de 26 de agosto, e revoga as Leis n.ºs 26/94, de 19 de agosto e 104/97, de 13 de setembro.
Esta nova lei, agora aprovada pela AR, no seu art.º 2, n.º 4, alínea b) exceciona propositadamente da publicitação "os subsídios, subvenções, bonificações, ajudas, incentivos ou donativos cuja decisão de atribuição se restrinja à mera verificação objetiva dos pressupostos legais", ou seja, coloca de fora do conhecimento público, portanto ficam protegidas pelo sigilo, as subvenções vitalícias dos titulares de cargos políticos. fonte

Vejam os nomes dos principais beneficiários das pensões milionárias do Estado, quase todos ex-políticos.
LISTA DOS PRINCIPAIS "COVEIROS" DO DESASTRE FINANCEIRO PORTUGUÊS PÓS 25 DE ABRIL.
Muitos deles acumulam reformas com salários e pensões vitalícias. (Email enviado ao blog)

PARTIDO - NOME DO POLITICO - TACHOS - CARGO ACTUAL- SUBVENÇÃO/REFORMAS 

P.S.D. Alberto João Jardim P. Gov Reg. Madeira S.V. 94.000 Euros/ano
P.S. Alberto Martins Ex-Dep Ex-Min Adv. Prof. Prof. UN S.V. 2.905 Euros acresce vários venc.
P.S. Alberto Souto de Miranda Ass. Estag. UN/Ex-Pres. C. Vice Presid. Anacom 14.198 Euros acresce S.V. Câmara Aveiro
P.S. Alda Borges Coelho Ex-Dir Fed Port Rugby Adm. ANA/NAER 110.000 Euros/ ano c/carro, telem. Desp. Desl.
P.S. Alexandre Rosa Ex-Sec. Est Ex. Ch. Gab. Vice Pres. IEFP 79.000 Euros/ano carro c/mot., telef. Desp rep.
P.S. Almerindo Marques Ex- Dep. Bancário/Gestor Gestor da Opway S.V. ???? 200.000 Euros/ano
P.S.D. Álvaro Barreto Ex-Ministro Reformado S.V. 3.400 Euros ref. 3.500 Euros/mês
P.S. Ana Benavente Ex-Sec. Est. Sub. Reint. 62.000 Euros
P.S. Ana Catarina Mendes Ex-Dep. Sub Reint. 24.000 Euros
P.S.D. Ana Manso Ex-Dep. Sub. Reint.
P.S. Ana Sofia Tomaz Aces. Sec. Est. Vogal C.Adm. E.P. 151.000 Euros/ano mais carro+telef. (o que faz?)
P.S.D. Ângelo Correia Ex-Dep Ex-Ministro Presid. Empresas S.V. 2.200 EUROS acresce vários vencimentos
P.S.D. Aníbal Cavaco Silva Ex- Dep. Ex-Ministro P.Rep. Pres. República 140.000 Euros/ano Prescindiu venc PR 6.523 Eu

30 julho, 2012

Investigação sobre a vida "artística" de Relvas.

relvas licenciado fora da lei
Curso ainda não existia
quando ele o tirou

Clique na imagem para ler

Para que se perceba bem e de uma vez por todas, porque razão Portugal está arruinado.
Para que se perceba quais as características mais importantes que valorizam estes senhores, que após passarem pela vida politica, são procurados, não pela justiça, como seria de esperar mas por empresas diversas, dispostas a pagarem pelos serviços deles, fortunas.
E ninguém estranha que aqueles políticos que arruinaram Portugal, quando estiveram  no governo, dando provas constantes de incompetência, gestão danosa ou criminosa, traindo o estado que representaram, sejam depois tão procurados para gerir as grandes empresas???As mais ricas? As mais bem sucedidas?  Será que elas gostam de incompetentes? Ou será que os políticos, mesmo no governo, estiveram sempre a trabalhar para as empresas privadas? Favorecendo-as, em prejuízo do estado?


Miguel Relvas - UM VERDADEIRO ARTISTA 
(no final desta janela, tem uma ferramenta para ampliar o documento)

Relvas o chantagista... 
Curiosidades sobre Relvas o empresário.





29 julho, 2012

A RTP ao sabor dos interesses dos privados... eles querem governo obedece.

Tal como nas PPP, tal como nos juros da divida pública à banca, tal como na privatização da EDP, tal como em muitas outras situações que cada vez mais se repetem, o governo protege interesses dos privados, usando os impostos para lhes garantir os lucros.
Se os privados se queixam de obter poucos lucros, o governo comove-se e oferece o dinheiro do povo para pagar rendas e garantir os lucros que eles exigem e sonham. 
Se as empresas privadas se queixam que não há mercado suficiente para o sector público e para o privado, o governo abdica dos seus clientes e oferece-os aos privados. Deixando as empresas públicas, em questão, despojadas da sua fonte de rendimento, dependentes do parasitismo dos impostos.

E é o que se passa no caso da privatização da RTP, e que ninguém tem já o pudor de esconder, porque usar o dinheiro dos contribuintes para favorecer os privados, é já uma prática tão comum que se fala do assunto com toda a tranquilidade.
(Em baixo, as citações dos donos das TV´s privadas.)
Eles opinaram e  decidiram a seu favor, quem opinou e decidiu a favor do estado?
Eles decidiram o que se deve cortar à RTP para que eles, os privados, mantenham os lucros e luxos a que estão habituados.  
Por exemplo, eles acham, e o governo concorda, que o negócio lucrativo da publicidade está mau, o governo não pode por isso, privatizar a RTP, porque apesar da privatização poder representar uma vantagem para os portugueses, estaria a prejudicar os senhores milionários da concorrência. 
Esses senhores têm quem os defenda, já os portugueses, apenas dispõem de traidores que os oferecem em sacrifício. 
E portanto não se privatiza, os contribuintes que aguentem pagar salários de luxo a pseudo vedetas, e que aguentem injectar, todos os anos, milhões de euros para sustentar mais um albergue de boys parasita. 
A RTP tinha tudo para ser uma empresa auto sustentável e lucrativa, como qualquer outra TV privada. Se em vez de boys e traidores tivesse profissionais competente a geri-la.  

Para além de termos que continuar a pagar impostos para manter o "monstro" RTP, o governo ainda decide que se devem retirar à RTP/estado e aos portugueses a receita da publicidade que aliviava o parasitismo, e oferecer essa receita de 30 milhões de euros, aos privados. Os portugueses nem dão por nada e os privados agradecem. 

27 julho, 2012

Directores traem companheiros da PSP.


O Director-Nacional, os três Directores adjuntos e o Inspector Nacional da PSP aumentaram-se a si próprios já no ano passado, colocando-se logo no novo regime remuneratório da polícia, deixando para trás a esmagadora maioria do efectivo que não transitou para esta tabela, em vigor desde início do ano. Só para o "chefe" máximo foram mais de 800 euros mensais.
Todo este esquema de auto favorecimento foi feito pelo Director Nacional Francisco Oliveira Pereira, que se aposentou em Abril 2011, e  pelo Director-Nacional Adjunto de Operações e Segurança, Guedes da Silva, actualmente o chefe máximo.
A iniciativa foi discreta e, até agora, rodeada do maior secretismo, e foi apenas descoberta por uma auditoria realizada este ano à PSP pela Inspecção-Geral de Finanças (IGF) que veio revelar a "traição" dos Directores aos seus homens. 
dn
"O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) classificou  de "imoral" que os diretores de topo da PSP tenham aumentado em segredo os seus salários, uma situação revelada por uma auditoria da Inspecção-Geral de Finanças."dn


26 julho, 2012

O império Bracarense, do século XXI, sob o domínio das elites corruptas.

corrupção apodrecetuga milionários autarcas

Mário Louro, chefe da Divisão do Planeamento Urbanístico na Câmara de Braga, tem uma vida de luxo.
(...)Em dez anos na autarquia (entre 1992 e 2002) recebeu 331 mil euros de salário bruto. Um valor bastante inferior ao preço da casa (sem o terreno), que custa seguramente mais de um milhão de euros.

Nuno Alpoim, 45 anos, é o número dois de Mesquita Machado na Câmara Municipal de Braga tem uma vida de luxo - (...) Entre 1997 e 2002, Alpoim registou dois barcos de recreio e ainda uma lancha C2. Já no campo automóvel, um Rover 414 SI, um Alfa Romeo 1565 e um Grand Cherokee Z6 foram as aquisições do edil.

Mesquita Machado, presidente da Câmara de Braga há 32 anos, tem uma considerável fortuna pessoal - (...) 34 Contas!!! 2.500.000€ em 10 anos... (...) Prendas de Casamento para os filhos dados por Empreiteiros... Cheques de 10.000€.... Será pela competência, que merece tanto
(2014)Mesquita Machado tem milhões em bens
Mesquita Machado tem quinta em Vila Verde, onde produz vinho, e moradia de luxo em Braga.
Tem um património avaliado em vários milhões de euros, mas na última declaração de rendimentos, referente a 2012, garantiu que num ano ganhou apenas 116 mil euros, valor que dizia respeito a salários e pensões. Mas possui parte da Quinta do Salgueirô, localizada em Cabanelas, Vila Verde, que foi herdada pela mulher. A quinta destina-se sobretudo à produção e comercialização de vinho, o que dará lucros muito elevados ao ex-autarca. A propriedade vale mais do que um milhão de euros.
Mesquita Machado tem ainda uma luxuosa moradia situada na rua Bernardino Machado, no centro de Braga. É lá que reside com a mulher. Também esta casa e os terrenos envolventes valem mais de um milhão de euros, apurou o Correio da Manhã.
A fortuna do antigo presidente de Braga – que esteve na câmara durante 37 anos – estende-se também aos filhos Ana Catarina Machado, Cláudia e Francisco. Possuem diversos apartamento e carros.
Nos últimos anos, investiram também na compra de estabelecimentos comerciais no centro da cidade. Alguns deles acabaram por não ter os lucros desejados pelos filhos do ex-autarca e o encerramento foi um passo inevitável.
Filha compra farmácia por 450 mil euros

25 julho, 2012

Os interesses da banca, dos construtores e dos políticos conduziram Portugal ao caos.



Neste video, bastante elucidativo e animado, explica-se como é que os nossos pseudo gestores políticos, nos deixaram chegar a este estado calamitoso.
- incompetência das entidades reguladoras que tudo permitiram
- inércia do Banco de Portugal
- ganancia dos empresários do sector imobiliário, sem limitações
- incompetência dos políticos sem visão a longo prazo
- incentivo aos cidadãos ao consumo, sem informação adequada.
- empréstimos enganosos e sem correcta avaliação, etc etc
veja no video como tudo acontece...
Tudo junto conduziu ás falências, desemprego, recessão e  destruição da economia. 

24 julho, 2012

Portugal e os portugueses ao serviço das elites... os servos da monarquia


Paulo Morais, sem medos e de forma concisa e certeira descreve como os poderosos se apossaram de Portugal e usurparam aos portugueses, o direito de viver de forma justa e democrática.
Os políticos usam e abusam dos impostos que os contribuintes pagam cada vez com mais sacrifícios.
É sobejamente conhecido o descaramento com que distribuem, entre eles, os impostos que serviriam para ajudar os mais desfavorecidos entre os portugueses e fazer de Portugal um pais digno para todos - doentes, idosos, crianças, estudantes - mas todos os serviços que protegiam as minorias, vão sendo desmantelados até que desapareçam por completo.
O dinheiro dos impostos vai sendo desviado para sustentar os luxos dos ricos gananciosos que nos usurparam os direitos e a paz.
Disfarçam a transferência do dinheiro do estado, para as suas contas privadas, através do compadrio e da traição dos que nos governam.
Através das rendas das PPP (hospitais privados e estradas ás quais o estado aceitou pagar rendas e financiar  a obra, traindo o interesse nacional e os cidadãos) 
Através dos juros da divida pública ( a banca pede emprestado ao BCE a 1% e empresta ao estado a 6% ou a 7%) , etc etc 
E ainda através da criação constante de albergues de boys, como são as fundações, os institutos, os observatórios, sociedades, etc
Pequenos favores a amigos, ao estilo do pedinchão "pobre" de espirito que pede aos amigos umas bolsas, ou umas adjudicações estranhas, ou obras inúteis,  regabofes !!!
É vê-los, que nem ratos, a sugar o dinheiro alheio.

"Até hoje, cativam uma parte significativa do orçamento de estado, à custa do qual se habituaram a enriquecer. Beneficiam de rendas das parcerias público-privadas da saúde, como acontece com o grupo Mello ou Espírito Santo. Recebem milhões pelo pagamento de juros da dívida pública. Obtêm concessões em monopólio, como acontece com a Brisa, detentora, por autorização governamental, das auto-estradas de Porto a Lisboa.
Os favores que recebem do estado têm revestido as mais diversas formas. No tempo do fascismo, obtinham licenças num regime de condicionamento industrial, em que só os amigos do regime podiam criar empresas. O seu domínio sobre a economia e a política vem dos tempos da monarquia, onde pontificava o conde do Cartaxo, antepassado da família Mello. Já os Espírito Santo descendem do poderoso conde de Rendufe.
Assim, estes grupos conseguiram trazer até ao século XXI, incólume, a lógica feudal, a tradição de atribuição de prebendas aos poderosos. Com uma diferença. Enquanto no tempo do feudalismo o rei atribuía privilégios que consistiam na doação de benefícios económicos (terras), a par de poder político (títulos), hoje apenas se concedem favores económicos. Assim, estes grupos mantêm o poder sem os incómodos do escrutínio democrático. 

Sabem que mais importante do que ter o poder na mão é ter a mão no poder. Até porque sempre influenciaram a política. Conseguiram-no no tempo de Salazar, através do fascínio que Ricardo Espírito Santo exercia sobre o ditador. Em democracia, contratam políticos de todas as tendências. Eanistas como Henrique Granadeiro, socialistas como Manuel Pinho ou social-democratas como Catroga.
Neste jogo democrático viciado, os cidadãos são hoje como os servos da gleba de outrora, mas agora sob a forma de contribuintes usurpados. E reféns do sistema vigente, que muitos chamam de neoliberalismo, mas que não é novo nem é liberal. É apenas a manutenção do velho feudalismo."
Paulo Morais 

Resta acrescentar a este belíssimo retrato de Portugal, que no tempo do feudalismo os servos não podiam votar e era-lhes imposto o regime e os que o comandavam... mas agora é o povo que vota nestes senhores, elegendo os seus próprios carrascos e usurpadores. É o povo que elege aqueles que abusam dele, dos seus impostos e dos seus direitos, que fazem dele um servo, com o seu próprio consentimento... mete dó, não é?
Antes vivia-se na ignorância, era compreensível que o povo pactuasse com os próprios traidores por desconhecer a realidade, por ingenuidade e ignorância, mas agora que quase tudo se deslinda e sabe... não há explicação para que os portugueses elejam partidos com provas dadas de traição, e amigos dos inimigos e traidores.


23 julho, 2012

Passos Coelho e o seu digníssimo currículo.

Passos Coelho merkel escravo
Encontrei este artigo do qual desconheço a veracidade, mas achei interessante partilhar, quanto mais não seja pelo humor e para divulgar algumas nuances do passado de Passos Coelho.
Atenção à linguagem utilizada pelo autor, que apesar de não ser muito do meu agrado, não a alterei, para manter o estilo original do autor, que poderá ser algum amigo da juventude de Passos Coelho. (fonte  do original)


"Tenho saudades dos tempos em que ia para as Docas, com o Passos Coelho, e o tinha de arrastar de lá, altas horas, já muito perto do coma alcoólico, porque ninguém o segurava, a noite inteira, a querer mais co***s de pretas.
Objetivamente, nada há de pernicioso em passar noites inteiras a tentar mais uma c***a de preta, porque as c***s de pretas são, a seu modo, como as parcerias público-privadas: quem se mete numa é capaz de se meter em todas as outras, e já não nota a diferença. Para nós, Portugueses, isso até poderia chamar-se multiculturalismo, se não tivesse levado o Estado a confundir taras privadas de um inapto com os poderes do Estado, e a conceder a um gajo bastante abaixo da média, cujos únicos interesses na vida eram o álcool e as c***s das pretas, o lugar de Primeiro-Ministro.
Isso aconteceu, ele estabilizou, casou com uma preta com ar de ser mãe dele, e o Estado ficou entregue a si mesmo.
O problema começa quando um Estado fica entregue, a si mesmo, e eu explico, nominalmente, o que é isso: um indivíduo com problemas neurológicos, no topo da Pirâmide, em quem a Maria tem de agarrar permanentemente na mãozinha trémula, para evitar que ele tenha um ataque público, ou comece a falar devacas; uma segunda figura do Estado, que subiu pelo Princípio de Peter, completamente ignara de leis e regimento da Assembleia da República, escorada pela Maçonaria e a Opus Dei, bimba no sotaque, e que é conhecida, nos bastidores do Estado, pelas anedotas e pela tara de comprar roupas, e depois andar, na Executiva dos aviões, a tentar traficar trapos, a qualquer hora e em qualquer circunstância, como uma reles vendedora de cobertor de feira. Descendo a escadaria, temos o tal fuçangueiro das c***s de pretas, que conseguiu o milagre de tornar José Sócrates numa pessoa respeitável (!), Miguel Relvas, um típico criminoso das tipologias de Lombroso, o ministro sombra, para amparar o lambedor de c***s de preta, nomeado pela sinistra Maçonaria PSD, e ao serviço de um estado pária, governado por uma família de criminosos, que anseia por usar Portugal para algumas ancoragens da Dinastia Dos Santos; um atrasado mental, cujos problemas de bipolaridade já vinham do Canadá, e a quem querem convencer de que Portugal ainda tem Economia -- uma coisa há muito destruída, nos anos sinistros das ditaduras do saloio Cavaco Silva -- um miserável, vendido a tudo, até ao Lobby Judeu, que não sabe distinguir uma lombada de um livro, mas que gere a "Cultura", e coisas ainda mais perniciosas, como uma anomalia, com problemas de dicção, que acha que uma asneira, repetida devagar e pausadamente, se pode tornar numa epifania evangélica, e aqui chegamos, realmente, ao fulcro do problema.

22 julho, 2012

Presidentes e deputados incompetentes e inúteis?

Hoje temos consciência que sem produção, nenhuma economia evolui.
Porém, durante cerca de 30 anos, fomos convencidos que a economia de alguns países podia evoluir apenas com especulação financeira, obra pública e comércio interno.
Os cerca de 10 milhões de euros que entram diariamente no país oriundos dos fundos comunitários alimentaram esta ilusão.
Como foi possível estarmos tantos anos adormecidos, desconhecendo os riscos que corríamos, a falta de lógica económica que envolvia o nosso presente e condenava o futuro?
Como foi e é, ainda, possível que os partidos de oposição sistematicamente afirmem que desconheciam a real situação do país e que – uma vez no poder – constatam que esta era muito pior do que pensavam logo, as suas promessas eleitorais não podem ser cumpridas e, cada vez mais, sacrifícios têm de ser impostos aos portugueses?
Mas que mecanismos democráticos são estes, que permitem a deputados eleitos, no exercício das suas funções, ignorar a real situação do país que têm de debater, diariamente, no Parlamento?
Quando discursam na oposição falam do que não sabem?
Representam peças de teatro para entreter os portugueses?
Não será altura de OBRIGAR a que a oposição saiba exactamente qual a real situação do país?
Para que serve o Presidente da República, se permite que os deputados da oposição ao governo desconheçam, sistematicamente, a realidade, e assista regular e sistematicamente a teatro parlamentar, silenciosamente? 

21 julho, 2012

Artigo de Paulo Morais que retrata Portugal e os que nos desgovernam.

Portugal...que futuro?
"Os portugueses sentem-se perdidos. Desiludidos com Passos Coelho, não vêem na oposição uma alternativa credível e de Cavaco Silva já não esperam qualquer solução. Ao fim de um ano de mandato, Passos vive dias difíceis. Tem contra si a opinião pública, por causa das promessas não cumpridas. Depois de se ter comprometido a não baixar os salários e a não aumentar os impostos, fez exactamente o contrário e conta agora com o divórcio da maioria dos portugueses.
Ainda por cima, a população não entende a razão de ser destes sacrifícios. Em primeiro lugar, porque eles não são igualmente repartidos. A Banca mantém os seus privilégios, as rendas pagas à EDP ou nas parcerias público-privadas não param de crescer. E, além do mais, nem sequer as contas públicas se reequilibram, pois, apesar do aumento de impostos, a colecta reduz-se, o ministro das Finanças não cessa de errar nas suas previsões. É o descalabro das contas públicas. Dentro do seu governo, é chamuscado pelo escândalo Relvas. Não conta com a solidariedade do seu parceiro de coligação, o PP (Paulo Portas), cujo principal objectivo é fazer campanha por si e pelos seus ministros. A deslealdade é, aliás, uma marca histórica no PP, vem de longe.
Num País sem governo e sem oposição, já nem o Presidente tranquiliza os portugueses. Descredibilizado pela gaffe da sua "modesta" reforma, Cavaco arrastar-se-á até ao fim do mandato, vaiado nas ruas. Resta-lhe o papel de comentador da actualidade. Mas essa função Marcelo desempenha melhor. Com o desemprego a atingir uma dimensão perigosa, na ordem dos quinze por cento, as famílias em dificuldades económicas, as empresas descapitalizadas e a classe política completamente descredibilizada – é o futuro que está posto em causa." Fonte

18 julho, 2012

Portugal tem a menor carga fiscal da Europa.... para os ricos... mas a mais pesada, para os pobres?

Clique na imagem para ampliar
Este é um gráfico que irá surpreender muitos. Mas, de facto, Portugal é dos países da UE com menor carga fiscal em relação ao PIB.
Como pode ser? Perguntarão indignados os que já não podem suportar tantos impostos? E a propaganda da comunicação social ao serviço dos grandes interesses serve-se habilmente desse justo sentimento, fazendo os portugueses acreditar que são uns sortudos.
Mas o problema e o azar dos portugueses é a famigerada injustiça fiscal, os benefícios (ajudas) fiscais concedidos a alguns milionários, a fuga ao fisco e os rendimentos e movimentos de capital isentos ou pagando pouco de imposto.
Estes grupos beneficiados, fazem parecer que a carga fiscal é baixa... mas os que pagam sem benefícios, são obrigados a compensar as faltas dos mais protegidos pelos governos.
A realidade é essa, os mais ricos, os que podem, pouco ou nada pagam. Essa é, aliás, uma das razões de fundo das dificuldades financeiras do Estado. Enquanto os da classe média e os pobres, pagam muito mais do que deviam e podem.

Repara-se, por exemplo, nos países nórdicos, onde a carga fiscal no PIB é maior, porque a injustiça fiscal é menor, os ricos pagam muito mais do que os de cá. E são países muito mais desenvolvidos e justos que o nosso.
Ou seja a nossa carga fiscal parece ser a mais leve mas essa aparência falsa é provocada pelo favorecimento que se dá aos mais ricos e pela sobrecarga nos mais pobres.
Na totalidade parece que somos favorecidos, mas analisando de perto, somos sobrecarregados para compensar a protecção aos ricos.
Com a agravante de que em Portugal pagamos impostos e depois os serviços sociais, que cada vez são mais caros.

"O peso da economia paralela em Portugal aumentou de 24,8 para 25,4 por cento do PIB entre 2010 e 2011, com 43,4 mil milhões de euros a fugirem ao controlo do fisco, segundo um estudo hoje divulgado. (...) «O que mais causa fuga ao fisco não é a falta de facturas, mas facturas a mais para se receber IVA que não se paga, para empresas fantasma, para manipular preços de transferência entre empresas do mesmo grupo e para ‘offshores’», sustentou.
Segundo os responsáveis do OBEGEF, bastaria que os níveis de economia paralela em Portugal caíssem para a média da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) – 16,4 por cento do PIB, contra os actuais 25,4 por cento – para, aplicando-se uma taxa média de impostos de 20% aos 9% de rendimento adicional considerados, o défice público descer dos 4,2% de 2011 para os 2,2%." Fonte

Como é que o INE pode afirmar que Portugal tem uma das menores cargas fiscais da UE em relação ao PIB, quando as pessoas se sentem asfixiadas por impostos?
Porque ambos têm razão.
Pode parecer paradoxal, mas é a verdade.
De facto, em Portugal, a carga fiscal é enorme para os trabalhadores, para os pensionistas, para as classes médias, para os que não podem fugir ao seu pagamento.
Mas para o grande capital, os impostos são 'residuais'.
E, para vários outros, que podem fugir a vários impostos, a carga não é assim tão elevada.
O resultado é o que mostra o gráfico, que depois se apresenta como uma das causas dos problemas orçamentais.

17 julho, 2012

Miguel Relvas e Passos Coelho, compinchas na corrupção. Palavras para quê? quem faz um cesto faz um cento...


Vejam o video que já foi apagado da SIC



Helena Roseta contou uma história que envolve a Ordem dos Arquitectos, o então secretário de Estado Miguel Relvas e uma empresa privada de Pedro Passos Coelho.
A história retrata aquilo que se pode chamar a essência que move os políticos portugueses...
- extorsão
- tráfico de influências
- desonestidade,
- despesismo, visando enriquecimentos pessoais.
- corrupção de Subsídios
- abuso das instituições
- manipulação das pessoas e subjugação
- utilização da coisa pública para interesses privados
- crime politico
- concorrência desleal
- falta de vergonha
- abuso do poder
- chantagem... aliás ele é bom nisso, (segundo a jornalista que chantageou).
Resumidamente, Relvas arranjava um bom subsidio de formação para a ordem dos arquitectos... se... a ordem dos arquitectos aceitasse , como imposição, que teria de ser a empresa de Passos Coelho a dar essa formação, na sua empresa Floral. 
Helena Roseta não alinhou, ficou sem subsidio...
Moral da história... quem não alinha em esquemas... lixa-se, quem alinha chega a ministro???
Entretanto a teia em redor da Floral era maior que o que parecia. Veja neste link. 

Creio que em Portugal as pessoas honestas, com moral e ética, já devem ter vergonha de ambicionar e exercer a carreira politica, porque cada vez mais se torna óbvio que ser politico é sinónimo de desonestidade, mentira, roubos, extorsão, etc etc etc... Portanto os que lutam por cargos políticos, sabem bem o que procuram.
-Percurso de Relvas e Passos Coelho, esmiuçado, aqui.
-Este é o perfil dos que lutam por cargos políticos, esta é a moral e ética dos que sonham ser políticos.
-Relvas um bom rapaz, bem ligado e com um curso na Lusófona tirado e ferro e fogo. Quem terá ele chantageado para tirar o curso?

Após publicar este artigo no facebook, pude constatar, que os portugueses que comentaram a noticia, mostraram desprezo pela Helena Roseta, por ter denunciado isto tardiamente... mas não vi comentários de portugueses ofendidos ou revoltados por terem descoberto que o PM de Portugal esteve envolvido em actos corruptos. Ninguém se mostrou preocupado por saber que Portugal está a ser comandado por pessoas sem moral e sem honestidade!!!!
É espantoso... e finalmente compreensível porque razão Portugal está devastado e arruinado... os portugueses adoram políticos, e mais ainda, os desonestos...
Helena Roseta mostrou-nos algo que todos devíamos abominar... mas as pessoas, irracionalmente decidem dirigir as criticas para quem denuncia, em vez dos que foram denunciados.

"Miguel Relvas vai processar Helena Roseta por difamação.
O ministro adjunto decidiu processar a vereadora da Câmara Municipal de Lisboa por difamação, depois de esta ter afirmado que Miguel Relvas lhe fez uma proposta para contratar empresa de Passos Coelho, avançou hoje o jornal i." fonte
Quem irá ganhar? A corrupção ou a verdade? Para aqueles que sabem o que se passa em Portugal, E CONHECEM a impunidade que Relvas obtém como protegido do Passos Coelho, já se vislumbra o final da história. Vão arranjar uma forma limpa, para que saiam todos airosos e impunes, desta vergonha.
E o caso do Relvas não é o único que nos mostra a impunidade dos maiores corruptos de Portugal. Todos conhecemos casos ofensivos de impunidade.
  1. Face Oculta,
  2. Freeport,
  3. BPN,
  4. Duarte Lima,
  5. SCUT
O caso Sá Fernandes,
"Vale a pena combater a corrupção?
Como deverá uma pessoa agir para não ser perseguida nem pelo corruptor nem pela justiça? Ou foge e fica calada, ou aceita o suborno ou, se achar que isso é insuportável, denuncia anonimamente, de preferência através da internet.
Mas há uma coisa que nunca deverá fazer: assumir que denuncia a corrupção, precaver-se contra os ataques do corruptor e colaborar com as autoridades. A não ser que seja tolo e queira ser perseguido e enxovalhado. " Artigo completo: /apodrecetuga.



Quando deixaremos de votar em criminosos?

Um ladrão vulgar rouba-te o dinheiro, o relógio, o telemóvel, o ouro e o carro.
O politico rouba-te a saúde, a casa, a educação, a reforma, a diversão, a dignidade e o trabalho.
O ladrão vulgar escolhe-te a ti, para te roubar.
O politico és tu que o escolhes, para te roubar.
Se queremos retirar poder aos políticos que nos desgovernam, temos que votar contra eles...
Até que haja democracia e verdade, é a única coisa que se pode fazer. VOTAR CONTRA ELES REVOLTA-TE CONTRA A CORRENTE...
ABSTENÇÃO É UMA ILUSÃO. ABSTENÇÃO TEM SERVIDO OS INTERESSES DOS CORRUPTOS.

16 julho, 2012

Vitor Gaspar depois das suas falhas aberrantes, continua ministro deste país? Inacreditável!!

A fuga desesperada à irresponsabilidade socrática, atirou os portugueses para as mãos de um recém-licenciado em economia, por uma universidade privada.
Provavelmente, pouco seguro das suas capacidades, convida um doutorado, leccionando nos EUA, com obra publicada, para conduzir o país para longe do caos financeiro onde estava mergulhado.

E aí vem o teórico, expectante em converter a realidade às suas teses.
Como ministro das finanças, opta pela lógica da “Escola de Chicago” e aplica à Democracia portuguesa o que ele sabia nem em Ditadura ter funcionado (Pinochet, no Chile) e, por toda a parte onde tem sido tentada, tem resultado em fiasco com consequências sociais graves.

Mas, apesar dos imensos avisos e exemplos de insucesso, Gaspar teimou e tentou.
Se tivesse resultado, ele teria aqui o seu trampolim para a glória!
Mas falhou! Retumbantemente e mais uma vez.
O anúncio do deficit de 7,9% no primeiro trimestre de 2012 , foi o golpe de misericórdia.

Nem com o imenso silêncio, doído mas colaborante, dos alvos do seu devaneio teórico Gaspar se aproximou, sequer, do esperado.
Claro que, para ele, a culpa foi da realidade. Ela traiu a sua teoria !!!
Tal como a Terra traiu Euclides ao não estar do centro do universo.
Ridículo! 

E Vitor Gaspar, depois de ter feito de nós cobaias das suas teorias aberrantes e ambição profissional, quando mais precisávamos de certezas, continua ministro deste país?
Inacreditável!
desabafosdeumtraido

15 julho, 2012

Mais um caso de luvas e dinheiro público desbaratado.

Uma denúncia sobre Luvas/ comissões terá chegado de forma anónima ao Ministério Público, em maio, acompanhada de documentos da contabilidade da extinta empresa de Abílio da  Costa. O que, aliás, deu origem ao processo das buscas nos TUB.
Abílio da Costa, dono da Oficina Auto Senhor dos Aflitos de Braga,  suspeito de corrupção ativa numa investigação aos Transportes Urbanos de Braga, garantiu ao tribunal que pagou 500 mil euros em "comissões". (luvas)
Embora Abílio Costa tenha entregue um documento escrito em tribunal, onde assume que entregou esses 500 mil euros,  não especifica a quem entregou a verba,
A Polícia Judiciária (PJ) quer saber se toda ou parte dela terá ido para o antigo presidente da Administração dos Transportes Urbanos de Braga (TUB), Vítor Sousa, e da vogal da empresa Cândida Serapicos. jn

Segundo o documento, entre 1999 e 2007 os TUB adquiriram 45 veículos, seis dos quais à Mercedes-Benz Portugal, 26 à MAN- Portugal e os restantes 13 à MAN-Braga, sendo sobre a aquisição destes últimos que recaem as investigações da Policia Judiciária.

O “vice” de Mesquita Machado na Câmara Municipal de Braga já garantiu estar de “consciência tranquila”  e, tal como Cândida Serapicos, correlacionou as noticias sobre este caso com o “actual momento político do PS-Braga”. 
Vitor Sousa ganhou recentemente a concelhia do PS-Braga, derrotando o deputado António Braga, e tem sido apontado como o provável sucessor de Mesquita Machado como número um da lista socialista à Câmara Municipal de Braga. Publico
Caso queira conhecer mais casos semelhantes, basta consultar a coluna do lado direito do blog onde se listam dezenas de abusos do dinheiro público e da paciência dos portugueses. 

14 julho, 2012

A promiscuidade entre a Lusófona e o governo, em plena harmonia.

A promiscuidade dos que nos governam continuam a destruir o país e a abalar de forma irreversível a estabilidade nacional.
Mas a eles, os protagonistas das promiscuidades, das chantagens, das corrupções, dos abusos de poder, dos abusos do dinheiro público... não causa abalo nenhum, distribuem tachos e rendimentos, acumulam cargos e mais cargos, primando pela incompetência em todos eles, mas garantindo um presente e um futuro de luxo, para todos.
Esta situação foi exposta, a Lusófona e o Relvas estão a ser escrutinados, desmascarados, mas o mais  importante não é a Lusófona nem o Relvas, porque se fossem apenas estes os focos de compadrio, favores, intercâmbio de tachos,  promiscuidade, etc Portugal estava salvo...O problema é que esta imagem que acima vemos, representa o estilo de quase todos os que estão no governo, ou á espera para entrar.
Representa ainda a forma como as empresas se submetem aos interesses particulares dos políticos por razões que todos sabemos que saem muito caras a Portugal e aos portugueses... As empresas submetem-se e favorecem, para serem posteriormente, favorecidas, directa ou indirectamente ás custas dos nossos impostos.

Perante este caos, tanto os políticos como os contribuintes pensam que resolvem tudo com demissões... mas o problema de fundo continuará lá... O Relvas continuará a exercer o poder abusivo que detém há muito tempo, o Relvas jamais deixará de ser o "amigo" de Passos Coelho, o Relvas jamais deixará de ser chantagista (segundo a Helena Roseta e a jornalista do público) e manterá a sua postura que lhe é própria.
Depois ...esta atitude faz parte da estratégia de um "bom politico", é aquele que se articula bem e está bem conectado, senão vejamos um exemplo que foi divulgado, e mostra bem o que se valoriza nas esferas politicas e das grandes empresas em Portugal.
Um Email, trocado entre Oliveira e Costa e o sr Vakil, onde se descreve o que se pretende das pessoas escolhidas para os cargos de chefia do BPN. Repare bem quais as característica que são valorizadas.
 Currículo vitae dos eleitos; 
- ter ocupado um cargo politico
- proximidade com políticos no activo
- provas dadas de gostar de fazer "favores"
- "bem inseridos na maquina do partido"
- "bem inseridos meio politico e discretos"
- boas "relações pessoais"
Em momento nenhum os intervenientes usam as palavras comuns, quando se trata de escolher profissionais para cargos... Porque será que não se avaliaram os pretensos candidatos com palavras como;
- competência?
- experiência?
- capacidade ?
- formação académica... ?
- Mérito e provas dadas?
- honestidade?
(Aceda aqui ao Email original - apodrecetuga)

Demitir governos ou políticos não muda nada, apenas aumenta o despesismo e a instabilidade... Serão milhões de impostos para indemnizar todos os que saem, e milhões de impostos para contratar os novos boys e girls do novo governo... Será mais do mesmo e sempre. Mante-los lá, é uma ofensa aos cidadãos e geram despesismo, demiti-los gera ainda mais despesismo... e como diz o outro, só se mudam as moscas!

 Lei de Cavaco dá reformas douradas a docentes do privado
"A Caixa Geral de Aposentações (CGA), a "segurança social" dos funcionários públicos, também paga pensões a reformados do setor privado, muitas delas milionárias.
No próximo mês de maio, por exemplo, começa a pagar uma reforma de 5000 euros a um dirigente de um externato particular, ao abrigo de uma lei antiga feita aprovar pelo então primeiro-ministro, Aníbal Cavaco Silva.
De acordo com a lista dos novos aposentados em maio, um ex-diretor pedagógico do Externato Marquês de Pombal Ensinus ficará com uma pensão de 5030 euros mensais brutos. Este estabelecimento pertence ao grupo Lusófona." (DN)

"Fernando Santos Neves, que atribuiu 160 créditos em 180 a Miguel Relvas no Curso de Ciência Política e Relações Internacionais, demitiu-se do cargo de Reitor da Universidade Lusófona do Porto."  jornaldenegocios

"Os diretores da Faculdade de Ciência Política, Lusofonia e Relações Internacionais da Universidade Lusófona colocaram os lugares à disposição da Reitoria e da administração."  fonte

13 julho, 2012

Gestores incompetentes, irresponsáveis do dinheiro dos portugueses.

Entre vinganças partidárias ou pessoais, e tentativas de favorecer privados com dinheiro público, quem sofre é sempre o contribuinte... Sofre porque vê os seus impostos serem tratados como lixo e sofre porque não usufrui daquilo que pagou. 
O jardim de infância de Barcelos é um exemplo, mas temos muitos mais exemplos, de obras inúteis e despesistas que não servem os interesses do cidadão, apenas das construtoras e dos políticos incompetentes ou corruptos.
"O novo jardim de infância de Macieira, em Barcelos, está pronto há mais de dois anos mas ainda não abriu, porque foi construído «no meio de um campo de milho, sem acessos», revelou ontem o presidente da câmara.
«Custou quase meio milhão de euros e está fechado neste momento. Se foi feito no meio de um campo de milho, como é que se chega lá?», questionou Costa Gomes (PS), em declarações à Lusa.
O equipamento foi construído pelo executivo anterior, que era de maioria PSD. Segundo Miguel Costa Gomes, «são precisos mais 300 mil euros para o pôr a funcionar».
«Nunca devia ter sido construído naquele sítio», criticou, apontando Macieira como o exemplo de uma freguesia «com péssimos investimentos».
À Lusa, o presidente da junta de freguesia, José Novais, também vice-presidente do PSD de Barcelos, disse que esta situação ainda se mantém por «vingança política» do actual executivo camarário.
«O jardim-de-infância foi construído no centro da freguesia, toda a área de Macieira é de campo. A junta já ali investiu 160 mil euros no terreno e está disposta a financiar o acesso. O que a junta não aceita é que a câmara queira entregar o equipamento a uma instituição particular de solidariedade social, quando ele foi concebido para integrar a rede pública. Isso não», referiu José Novais.
Segundo o autarca, a intenção da câmara será entregar o novo jardim-de-infância à delegação de Macieira da Cruz Vermelha Portuguesa, que já detém o actual.
«Nasceu para ser público e é assim que nós queremos que seja», referiu, sublinhando que «os tempos são difíceis e as famílias já têm encargos que cheguem».
Entretanto, como admitiu José Novais, o equipamento «está a deteriorar-se», fruto do abandono a que está votado"./sol.sapo

12 julho, 2012

Para ser doutor, basta a experiência de vida.... e alguns conhecimentos (de amigos)

Clique para ampliar 
Artigo interessante e cómico, do Correio da Manhã, para divertir os portugueses... Os licenciados que andaram anos a estudar a fazer trabalhos e cadeiras é que não devem achar muita piada.
Quando os valores mais estimados, de um pais, começam a ser abalados, tudo tem tendência a desmoronar-se, quando um senhor fala assim, como o video em baixo revela, um demagogo barato e bacoco, vazio de conhecimento e a explodir de banalidades, Portugal estremece, pelo menos aqueles que sabem que este homem não diz nada, apenas esgrima frases que escutava nos cafés, nos tempos em que colava cartazes, enquanto muitos portugueses estudavam nas universidades, nos tempos em que era duro e difícil ser doutor.
E este senhor Relvas apenas insiste em mostrar a baixeza da sua formação académica e pessoal.

Envolvido quase sempre em casos de chantagem e abuso de poder, como foi no caso do jornal Público, o caso das secretas, o caso da Helena Roseta, os casos das suas ligações empresariais...
No parlamento também exibe uma capacidade argumentativa válida e profunda... Ele não foi eleito pelos portugueses... nem tão pouco Passos Coelho o foi, já que o Passos Coelho que os portugueses elegeram, mentiu descaradamente e portanto não foi ele o eleito, mas as suas mentiras. Mas mesmo assim Relvas sente-se o maior... o ELEITO... o todo poderoso, adorado e respeitado pelos portugueses, e responde assim:

"Catarina Martins, deputada do BE, questionou, então, o ministro sobre se considerava ter condições para liderar este processo e questionou Miguel Relvas sobre a participação de António Borges, dizendo que, neste processo, Miguel Relvas "se faz acompanhar mal".
"Quem não tem condições para liderar é a senhora deputada, porque os portugueses não a escolheram para essa função. O seu partido não ganhou eleições" jornaldenegocios

"Carta aberta ao reitor da Universidade Lusófona
Exmo. Reitor. Foi com grande satisfação que soube que a Universidade Lusófona conferiu uma licenciatura em Ciência Política ao Dr. Miguel Relvas em apenas 14 meses, reconhecendo dessa forma a sua elevada estatura intelectual. Sempre sonhei com o alargamento das Novas Oportunidades ao Ensino Superior e fiquei muito feliz por terem dado o devido valor à cadeira de Direito que o senhor ministro fez há 27 anos com nota 10. Depois, naturalmente, o processo foi "encurtado por equivalências reconhecidas" (palavras do Dr. Relvas), após análise do seu magnífico currículo profissional.
É dentro desse mesmo espírito que vinha agora solicitar igual tratamento para a minha pessoa. Embora seja licenciado pela Universidade Nova com uns simpáticos 17 valores, a verdade é que o curso levou--me quatro anos a concluir e o Jornalismo anda pela hora da morte. Nesse sentido, e após análise da oferta disponível no site da universidade, venho por este meio requerer a atribuição do grau de licenciado em: Animação Digital (tenho visto muitos desenhos animados com os meus filhos), Ciência das Religiões (às vezes vou à missa), Ciências Aeronáuticas (já viajei muito de avião), Ciências da Nutrição (como imensa fruta), Direito (fui duas vezes processado), Economia (sustento uma família numerosa), Fotografia (tiro sempre nas férias) e Turismo (visitei 15 países). Já agora, se a Universidade Lusófona vier a ministrar Medicina, não se esqueça de mim. A minha mulher é médica, e tendo em conta que eu durmo com ela há mais de dez anos, estou certo de que em seis meses posso perfeitamente ser doutor."cmjornal.



11 julho, 2012

Em Portugal somos mansos... Adoramos os nossos carrascos e jamais os enfrentamos

Somos os mais complacentes...
A corrupção prolifera graças à nossa permissividade e ao descaramento crescente dos políticos.
A pobreza, entre o povo alastra-se, graças à nossa passividade que chega ao ponto de votarmos nos que nos saqueiam.
O espectro da fome caminha a passos largos sobre as famílias portuguesas, mas sondagens confirmam que PSD e PS continuam os favoritos... apesar de claramente responsáveis pelo estado do país.
O SNS é desmantelado descaradamente, encarecido impiedosamente, afastado do povo injustamente, e continuamos tranquilos a prometer votos aos mesmos
O desemprego galga portas e janelas e vai invadindo milhares de lares, desabrigando centenas de famílias... mas o povo continua tranquilo, a adorar os nossos carrascos sem lhes resistir.
Os crimes dos que nos governam, são desvendados, desmascarados, perpetrados por todos os partidos, ao longo de 3 décadas destrutivas... mas o povo ainda não aprendeu... vota neles e não contra eles?
Os políticos e amigos, famílias e parceiros da fortuna, enriquecem, ganham poder desmesurado, abusam dos luxos e das regalias, distribuem dinheiro e cargos públicos por quem eles bem entendem, deixando de fora do oásis, todos os pobres que os sustentam.
Inventam leis... inventam regalias inventam subsídios ... tudo que possa insuflar os seus rendimentos parasitários... com a mesma desfaçatez com que inventam impostos, taxas e cortes que possa emagrecer os poucos que ainda trabalham, entre o povo... Mas os votos continuam a elege-los, porque as vitimas recusam-se a lutar contra eles.

Na Madeira, o próprio João Jardim assume que gastou à grande e à francesa, porque tem o direito de estar ao mesmo nível dos continentais... assume que prejudicou o equilíbrio da nação com as suas megalomanias manifestadas em obras, apenas úteis para os ricos.
E o seu povo obtuso e submisso, agradece e vota nele, por ter saqueado o país... (que também é deles...) mas que eles acham que é dos continentais. E ei-los agora felizes com marinas de luxo, heliportos, túneis e mais túneis, foruns... mas desolados, sem comida na mesa, ou esperança de emprego...
Para pessoas com a mínima inteligência este senhor é o exemplo de como não gerir o dinheiro. Para os madeirenses é um ídolo!! 
A nossa fama já chegou longe...

"The New York Times' diz que portugueses aceitam austeridade
A população portuguesa é a mais "complacente" entre os diversos países da "zona de austeridade" na Europa, "pouco protestando" contra os cortes orçamentais ou aumentos de impostos, lê-se na edição desta sexta-feira do 'The New York Times'.
"Talvez em nenhum outro lado, contudo, as pessoas estão tão submissas como em Portugal. Mês após mês, o governo implementou cortes orçamentais, aumentos de impostos e leis laborais exigidas pelos seus credores internacionais, com poucos protestos dos portugueses", escreve o jornalista do diário norte-americano.


Rádio Comercial | A Austeridade na Mixórdia de Temáticas de Ricardo Araújo Pereira
O Pedro é amigo... Portugueses perdoam tudo aos seus carrascos.



10 julho, 2012

A nossa classe politica torna-se cada vez mais óbvia. São estes senhores que escolhemos para gerir os milhões dos nossos impostos?

O NOSSO ORGULHO 

Os exemplos da falta de ética e moral que move os nossos políticos continuam a chegar de todos os lados.
Do mais alto ao baixo nível eles estão todos unidos com o mesmo objectivo, que não é servir Portugal, mas servir-se de Portugal. Este é mais um exemplo da dignidade das pessoas que compõem a nossa excelentíssima classe politica...
Se quiser conhecer  mais exemplos, basta consultar a coluna do blog ao lado direito, e conhecerá mais a fundo o estereotipo do politico português. 
Uma classe a que qualquer cidadão honesto ou competente, já deve ter vergonha de pertencer.
Depois de ganharem o gostinho pelo dinheiro fácil, é difícil largar o vicio.
28cheques x 600 euros = 16.800 euros, no mínimo!

"Secretária do Governo apanhada em desfalque 
Durante 2 anos Ana Moura, vogal da comissão política do PSD de Setúbal, fingiu que pagava as rendas da antiga sede social-democrata, em Almada. Os 600 euros mensais foram sempre saindo da conta do partido, mas nunca chegaram às mãos da senhoria. Os cheques eram passados pela dirigente que depois os depositava na sua conta pessoal.
Há também suspeitas de que as facturas da electricidade e da água nessa sede do partido tenham tido o mesmo destino.
Ana Moura, de 49 anos, que até às eleições legislativas de 2011 foi vice-presidente do PSD Almada, estava a trabalhar no gabinete da secretária de Estado do Tesouro. 

Já aceite foi a demissão dos cargos que ocupava no PSD. Era actualmente vogal da comissão política do PSD/Setúbal.
Dívidas acumuladas
Ana Dias de Moura tinha uma empresa de importação e exportação que foi à falência. E o seu nome consta da lista de devedores singulares às Finanças, com pagamentos em atraso entre os 25 mil e os 50 mil euros.
No total, Ana Moura terá depositado 28 cheques nas sua conta bancária. Houve meses em que fazia mais do que um depósito de rendas, como em Fevereiro do ano passado, quando lhe caíram na conta 600 euros no início do mês e outro tanto no final.
Moura."sol.sapo.


Moral da história: No PSD quem rouba muda de cargo!!!??? perde o acesso aos cofres do PSD mas mantém-se a lidar com dinheiro dos contribuintes??? Actualizado 18/07/12
"Ana Moura – a ex-vogal da comissão política do PSD Setúbal que está a ser investigada por desvio de fundos do partido e falsificação de documentos – mantém-se a trabalhar no Ministério das Finanças, apesar de ter sido exonerada do cargo de secretária pessoal da secretária de Estado do Tesouro." fonte