20 dezembro, 2012

O sonho de Pedro Passos Coelho... Já para realizar este Natal


passos coelho mata portugueses
Esta poderia ser a carta de Passos Coelho ao Pai Natal!

«"Um terço é para morrer.
Não é que tenhamos gosto em matá-los, mas a verdade é que não há alternativa.
Se não damos cabo deles, acabam por nos arrastar com eles para o fundo. E de facto não os vamos matar-matar, aquilo que se chama matar, como faziam os nazis. Se quiséssemos matá-los mesmo, era por aí um clamor que Deus me livre. Há gente muito piegas, que não percebe que as decisões duras são para tomar, custe o que custar e que, se nos livrarmos de um terço, os outros vão ficar melhor.

É por isso que nós não os vamos matar. Eles é que vão morrendo. Basta que a mortalidade aumente um bocadinho mais que nos outros grupos. E as estatísticas já mostram isso. O Mota Soares está a fazer bem o seu trabalho. Sempre com aquela cara de anjo, sem nunca se desmanchar.
Não são os tipos da saúde pública que costumam dizer que a pobreza é a coisa que mais mal faz à saúde? Eles lá sabem. Por isso, joga tudo a nosso favor. A tendência já mostra isso e o que é importante é a tendência. Como eles adoecem mais, é só ir dificultando cada vez mais o acesso aos tratamentos. A natureza faz o resto.
O Paulo Macedo também faz o que pode. Não é genocídio, é estatística. Um dia lá chegaremos, o que é importante é que estamos no caminho certo. Não há dinheiro para tratar toda a gente e é preciso fazer escolhas. E as escolhas implicam sempre sacrifícios. Só podemos salvar alguns e devemos salvar aqueles que são mais úteis à sociedade, os que geram riqueza. Não pode haver uns tipos que só têm direitos e não contribuem com nada, que não têm deveres.
Estas tretas da democracia e da educação e da saúde para todos foram inventadas quando a sociedade precisava de milhões e milhões de pobres para espalhar estrume e coisas assim. Agora já não precisamos e há cretinos que ainda não perceberam que, para nós vivermos bem, é preciso podar estes sub-humanos. 

Que há um terço que tem de ir à vida não tem dúvida nenhuma. Tem é de ser o terço certo, os que gastam os nossos recursos todos e que não contribuem. Tem de haver equidade. Se gastam e não contribuem, tenho muita pena... os recursos são escassos.
Ainda no outro dia os jornais diziam que estamos com um milhão de analfabetos. O que é que os analfabetos podem contribuir para a sociedade do conhecimento? Só vão engrossar a massa dos parasitas, a viver à conta. Portanto, são: os analfabetos, os desempregados de longa duração, os doentes crónicos, os pensionistas pobres (não vamos meter os velhos todos porque nós não somos animais e temos os nossos pais e os nossos avós), os sem-abrigo, os pedintes e os ciganos, claro. E os deficientes. Não são todos. Mas se não tiverem uma família que possa suportar o custo da assistência não se pode atirar esse fardo para cima da sociedade. Não era justo. E temos de promover a justiça social.

O outro terço temos de os pôr com dono. É chato ainda precisarmos de alguns operários e assim, mas esta pouca-vergonha de pensarem que mandam no país só porque votam tem de acabar. Para começar, o país não é competitivo com as pessoas a viverem todas decentemente. Não digo voltar à escravatura - é outro papão de que não se pode falar -, mas a verdade é que as sociedades evoluíram muito graças à escravatura. Libertam-se recursos para fazer investimentos e inovação para garantir o progresso e permite-se o ócio das classes abastadas, que também precisam. A chatice de não podermos eliminar os operários como aos sub-humanos é que precisamos destes gajos para fazerem algumas coisas chatas e, para mais (por enquanto), votam - ainda que a maioria deles ou não vote ou vote em nós. 
O que é preciso é acabar com esses direitos garantidos que fazem com que eles trabalhem o mínimo e vivam à sombra da bananeira. Eles têm de ser aquilo que os comunistas dizem que eles são: proletários. Acabar com os direitos laborais, a estabilidade do emprego, reduzir-lhes o nível de vida de maneira que percebam quem manda. Estes têm de andar sempre borrados de medo: medo de ficar sem trabalho e passar a ser sub-humanos, de morrer de fome no meio da rua. E enchê-los de futebol e telenovelas e reality shows para os anestesiar e para pensarem que os filhos deles vão ser estrelas de hip-hop e assim.

O outro terço são profissionais e técnicos, que produzem serviços essenciais, médicos e engenheiros, mas estes estão no papo. Já os convencemos de que combater a desigualdade não é sustentável (tenho de mandar uma caixa de charutos ao Lobo Xavier), que para eles poderem viver com conforto não há outra alternativa que não seja liquidar os ciganos e os desempregados e acabar com o RSI e que para pagar a saúde deles não podemos pagar a saúde dos pobres.
 Com um terço da população exterminada, um terço anestesiado e um terço comprado, o país pode voltar a ser estável e viável. A verdade é que a pegada ecológica da sociedade actual não é sustentável. E se não fosse assim não poderíamos garantir o nível de luxo crescente da classe dirigente, onde eu espero estar um dia. Não vou ficar em Massamá a vida toda. O Ângelo diz que, se continuarmos a portarmo-nos bem, um dia nós também vamos poder pertencer à elite."»
José Vítor Malheiros, (no Público) 

9 comentários :

  1. Um excelente texto, algo irónico, que reflete bem a realidade da medíocre mentalidade politica nacional e internacional.

    Seria cómico se não fosse verdade mas infelizmente o texto transcreve aquilo que a passos largos nos vai sendo encaminhado, se nada fizermos.

    É pena que a maior parte da sociedade ainda considere que o que se está passar não passe de uma coisa passageira ou simplesmente uma ficção.
    Convençam-se que não é! A realidade mais chocante deve estar ainda para vir!
    Chegou a altura de acordar!!

    ResponderEliminar
  2. A imagem que está em cima do texto, diz tudo. Está na hora de deitar abaixo o governo, já chega, este atrasado mental (primeiro ministro) tirou 4 feriados, aumentou a idade da reforma, aumentou o irs, vai reduzir a compensação por despedimento para 12 dias tudo em nome da competitividade. Antes demais, é um roubo de direitos aos trabalhadores.

    Temos de acordar, senão qualquer dia trabalhamos tipo escravatura para comer uma sopita dos pobres. Vejam o exemplo de País como a Suiça, os trabalhadores trabalham tem dinheiro para poupar, e para comprar o que quiserem. Aqui neste País da treta, trabalha-se e passa-se fome, miséria. E a cambada de parasitas (políticos) querem que o povo seja analfabeto para aceitar tudo o que lhes dizem, porque pessoas com pouco conhecimento tem espírito pouco critico.

    Está na hora de dar um pontapé a este governo, é só merda, tanto os conselheiros de estado, como o presidente da república e claro os inúteis dos ministros, qual deles o pior. Não servem para nada.


    Fernando

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando:

      Já agora, refira também que a Suiça é um off-shore financeiro que vive dos lucros dos seus bancos, que ocultam em contas secretas, os milhões que as máfias - como as de cá do burgo - roubam aos respectivos povos e lá, tranquilamente, depositam.

      Exemplar a Suiça? Talvez nos relógios e nos chocolates...!

      (A UBS foi recentemente multada em 1500 milhões de euros, só, por fraude e manipulação das taxas de referência bancárias londrinas... Tudo gente exemplar...)



      Eliminar
  3. Se reparar-mos bem, esta cambada é sempre a mesma de há uns anos para cá. Será que não há mais ninguém capaz para governar este país. Apetece-me gritar, dizer palavrões, espernear,porque desespero com a inércia do povo portugês. Somos enganados, roubados,e vemos estes gajos todos desde PS a PSD e CDS a enriquecerem de um dia para o outra sem explicação plausível, que não seja a de gamarem que nem uns doidos, e ninguém faz nada. É só corrupção, todos sabem e todos viram a cara para o lado. QUEM NOS ACODE?!?!?!?!?!?!?.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito em revoluções, revolucinários, homens providenciais nem em sistemas que digam respeitar um povo que, a si próprio, não se respeita.

      A História mostra que a Democracia só funciona onde existe uma cultura democrática de honestidade, transparência e tolerância, desde as mais tenras idades.

      Tudo o resto são oligarquias de ladroagem, travestidas de democracia, para enganar incautos.

      A falta de cultura política dos portugueses faz com que, ao invés de deitarem eles mesmos a porcaria e os responsáveis por ela, para um qualquer esgoto, se ponham a gritar que cheira mal, que os políticos são todos uns sujos, tapem o nariz com molas da roupa e ficam a aguardar pelos serviços de limpeza, esquecendo que estes, são controlados por políticos...

      Seria cómico, não fôra triste.

      Necessitamos de alternativa forte - credível, sustentada e dourada com esperança - para dirigir o voto para longe dos mafiosos que nos dominam.



      Eliminar
    2. Grande Rochedo diz:

      O anónimo das 18.10 sintetizou muito bem a situação actual.

      Em suma, estamos...

      Eliminar
  4. http://www.youtube.com/watch?v=8h7WcYoO5XQ

    Concordo com quase tudo o que o autor do texto de partida, Vitor Malheiros, refere na entrevista que dá, no endereço que refiro.

    Mas o texto que hoje é aqui publicado, fica muito aquém do nível intelectual do autor. Coisas de quem tem de escrever todos os dias, por profissão...

    ResponderEliminar
  5. “OS CONFLITOS BÉLICOS ENTRE NAÇÕES NOS HORRORIZAM. MAS A GUERRA ECONÓMICA NÃO É MAIS BENIGNA. É COMO UMA INTERVENÇÃO CIRÚRGICA. A GUERRA ECONÓMICA É UMA ESPÉCIE DE TORTURA PROLONGADA. E OS SEUS ESTRAGOS NÃO SÃO MENOS TERRÍFICOS QUE OS DESCRITOS PELA LITERATURA SOBRE AS GUERRAS PROPRIAMENTE DITAS. NÃO PENSAMOS NESTA OUTRA GUERRA PORQUE ESTAMOS ACOSTUMADOS AOS SEUS EFEITOS LETAIS. (…)
    (M.K. Gandhi – Non-violence : The Greastest Force, 1926)

    Sugestão de leitura : A Doutrina do Choque - A Ascensão do Capitalismo de Desastre da jornalista Naomi Klein

    ResponderEliminar
  6. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK

    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar