25 maio, 2012

Porque é que nos dizem que votar é um dever e um direito?

votos dão milhões aos partidos


Todos sabemos que votar é uma farsa.. ou devíamos saber. 
Votar cegamente é uma farsa.
Deveríamos fazer do acto de votar um verdadeiro acto de cidadania, votando informados e de forma justa, livre de qualquer cegueira partidária. Votar, punindo os que lesam o país e premiando os que lutam pelo país, é assim que gradualmente se elimina a corrupção e os corruptos do regime. É assim que funciona nos países menos corruptos do mundo, as pessoas votam nos bons políticos e não no seu "clube" partidário.
Mas em Portugal as pessoas teimam em não participar. Teimam em não punir os maus nem em premiar os bons. E assim ao longo de décadas, os maus políticos proliferaram livremente no poder, sem temer a justiça do voto, pois sabem que os únicos que votam são quase sempre os fanáticos dos seus partidos.Nada nem ninguém se lhes opõe, ninguém os julga, os seus fãs são cegos e lealmente cegos, façam eles o que fizerem.
1º porque votamos nas pessoas que mais mentem e manipulam?
2º porque votamos sem avaliar o currículo ou avaliar o percurso passado de quem escolhemos e do partido que elegemos?
Temos que votar em quem mostra competência, honestidade, ou uma carreira fidedigna.
Mas muitos de nós, votamos crentes nos partidos e suas ideologias, ideologias que nem os militantes já respeitam ou se sentem obrigado a respeitar...

Não te esqueças, vota contra eles, os nossos impostos não podem continuar a sustentar partidos corruptos, e que ainda nos roubam.
Por isso dêem-se ao trabalho, informem-se e saibam quem é que afinal é corrupto e quem é apenas vitima de perseguição por denunciar corrupto.
"Se as próximas legislativas se aproximarem das últimas no número de votos expressos (5,5 milhões) os vários partidos vão receber nos próximos quatro anos qualquer coisa como 69,8 milhões de euros. Durante a última legislatura o PS recebeu anualmente 7,1 milhões; o PSD 4,5; a CDU 1,19; o CDS 1,14; o Bloco de Esquerda um milhão.
Além destes cinco partidos, as próximas eleições legislativas podem trazer uma novidade em termos de financiamento partidário. É que, com as alterações agora introduzidas à lei do financiamento, os partidos que obtenham mais de 25 mil votos podem aceder à subvenção estatal - até agora a barreira estava nos 50 mil.
O que significa que se o PCTP/MRPP de Garcia Pereira e o Partido da Nova Democracia (PND) repetirem os resultados de 2005, terão direito a financiamento. Os 48 mil votos do PCTP valem este ano 151 mil euros; os 40 mil do PND darão direito a 127 mil euros.
Mais dinheiro
As alterações já aprovadas no Parlamento, por unanimidade, quase dobram o valor máximo dos apoios que os partidos podem conseguir dos privados. E este não é o único mecanismo que pode aumentar o financiamento, nomeadamente em campanha eleitoral. A nova legislação estabelece que os partidos em campanha podem agora receber donativos de singulares, até ao limite de 60 IAS por doador (cerca de 25 mil euros)." 
DN
por enquanto, pois eles em breve tratarão de mudar isso com uma lei conveniente e aprovada por unanimidade...

25 comentários :

  1. Zita - Em Parte você tem razão, mas eu tenho tanto repudio por todos os partidos e políticos, que não tenho coragem de comparecer para votar, há quase trinta anos que não voto, porque desde que me enganaram pela primeira vez, simplesmente desisti, não quero saber se faço bem ou mal, acabou, só voltarei quando for obrigatório, mas para rasgar o papelinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois mas se tem repúdio, como eu, tem que fazer algo para não contribuir para que eles vão para o poleiro e ainda se riam dos que não votam. Se votarmos todos num partido que não tenha ainda muitos vícios pelo menos o mal é menor, não quer dizer que não ganhem á mesma os larápios imorais, mas pelo menos começam a ter mais respeitinho... Agora se eles roubam e roubam e o povo finge que não vê, eles assim não vão sequer abrandar.

      Eliminar
    2. Um povo que não vota não pune os corruptos e eles cada vez mais perdem o medo e a vergonha, abusam e abusam
      60% dos portugueses desperdiçam o voto, em brancos nulos e abstenção, a única arma que poderiam usar contra os corruptos... claro que eles jamais serão eliminados da politica , enquanto o povo não acordar e não souber usar o voto...

      Os grupos de contestação pagos pelos corruptos, estão cada vez mais activos a manipular o eleitor para se manter longe das urnas. dizem:- "NÃO VOTES, NÃO VOTAR É REVOLUÇÃO" E O POVO ACREDITA...
      Se eles lhe disserem atira-te ao rio que isso é revolução, eles também vão.
      Infelizmente o povo ainda não percebeu que são os próprios corruptos que se disfarçam de revoltados para neutralizar os eleitores indignados.

      Eliminar
  2. A vinte e sete anos que não voto também me enganaram uma vez só e foi primeira e a ultima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois mas se não votar ainda é mais enganado, mais roubado. tem que fazer algo para não contribuir para que eles vão para o poleiro e ainda se riam dos que não votam. Se votarmos todos num partido que não tenha ainda muitos vícios pelo menos o mal é menor, não quer dizer que não ganhem á mesma os larápios imorais, mas pelo menos começam a ter mais respeitinho... Agora se eles roubam e roubam e o povo finge que não vê, eles assim não vão sequer abrandar.
      Como pode ver as pessoas quase todas deixaram de votar... e quem é que tem lucrado com isso? Os larápios de sempre, temos que deixar de votar, neles e votar em outros para repartir os deputados e para eles saberem que nós sabemos o que eles são.

      Eliminar
  3. Nas últimas eleições votei no PCP na Madeira.Também já votei no PND Madeira do Coelho que anda lixar a cabeça do Alberto joão jardim.Na Madeira a situação está péssima!

    ResponderEliminar
  4. Eu não reconheço mérito a nenhum político, como é que posso votar em pessoas que não confio, os partidos pequenos só existem para fazer barulho e no fundo é só fumaça, lamento desapontá-la Zita, mas para mim é ponto assente que Portugal, toda a Europa e o mundo, não tem alternativa, somos governados por ladrões e pronto, assim vai continuar a ser. A solução é o povo deixar de ser piegas e começar a roubar também forte e feio, assim ficava tudo em pé de igualdade, e quando acabasse, acabava para todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é a mim que tem que dizer lamento, eu mais que a maioria sei os politicos que temos, lamentamos todos que eles roubem e nós não consigamos por-lhe fim à festa... isso é que é de lamentar. O povo unido jamais seria vencido. Mas o povo não se consegue unir.

      SAQUE 1
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/sln-o-buraco-negro-que-tudo-absorve-em.html

      SAQUE 2
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/jorge-coelho-e-o-percurso-atribulado-e.html

      Acha que eu acredito em políticos? Mas também não acredito na inércia para resolver seja o que for.

      #Mais eficaz que a revolta cega, é a revolta dirigida com justiça e ao alvo correcto - a origem de todo o mal - retirar a capacidade de criar e aprovar leis aos criminosos que usufruem delas.
      Ambicionar que um dia a democracia terá a legislar os seus fundamentos, não os que nos saqueiam, e gerem com incompetência, mas sim os seus patrões e interessados num bom desempenho - o povo.
      Questionem-se...
      Será que algum destes senhores que desesperadamente lutam pelo poleiro, debatendo-se contra tudo e contra todos, em campanhas ferozes, desonestas e desprovidas de verdade, estariam dispostos a empreender esta mesma luta feroz, se o poleiro tivesse leis?
      Será que estes "bandidos" famintos por fama dinheiro e poder fácil, lutavam, ou mesmo, aceitavam um cargo politico se os cofres tivessem vigilância? Se as portas tivessem segurança? Se as paredes fossem transparentes? Se os seus negócios fossem desvendados ou gravados? Se os incompetentes fossem despedidos, e os criminosos punidos com crimes contra a nação?
      Certamente que iriamos assistir a um fenómeno raro e inesperado. Afastaríamos, sem recurso à violência, todos os criminosos, manipuladores, demagogos e incompetentes da politica.
      E em simultâneo tornaríamos o famoso poleiro, apenas apetecível a profissionais com ética, competência e dispostos a governar para fazer de Portugal uma "empresa" de sucesso.
      Este é apenas um caso comum de causa efeito. Governar atrai toda a espécie de bandidos pois não exige honestidade, competencia, moral, ética, profissionalismo... seria por ai que tudo devia começar."


      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/02/emidio-rangel-com-reforma-de-27-mil.html#ixzz1vvKf7s8P

      Eliminar
    2. Um povo que não vota não pune os corruptos e eles cada vez mais perdem o medo e a vergonha, abusam e abusam
      60% dos portugueses desperdiçam o voto, em brancos nulos e abstenção, a única arma que poderiam usar contra os corruptos... claro que eles jamais serão eliminados da politica , enquanto o povo não acordar e não souber usar o voto...

      Os grupos de contestação pagos pelos corruptos, estão cada vez mais activos a manipular o eleitor para se manter longe das urnas. dizem:- "NÃO VOTES, NÃO VOTAR É REVOLUÇÃO" E O POVO ACREDITA...
      Se eles lhe disserem atira-te ao rio que isso é revolução, eles também vão.
      Infelizmente o povo ainda não percebeu que são os próprios corruptos que se disfarçam de revoltados para neutralizar os eleitores indignados.

      Eliminar
  5. Votar é sujar as mãos.
    O cardápio eleitoral apresenta o cozinhado já feito nas sedes das quadrilhas partidárias.
    O eleitor apenas escolhe entre os já apurados pelas máfias partidárias para chefe de governo e esse vai escolher os restantes membros do gang que vai saltar sobre o erário público.
    Votar ou não votar é o mesmo.Com a diferença que votando ficamos com problemas de consciência.Colocámos lá o parasita que vai corromper,empobrecer o país e enriquecer as clientelas e capangas.
    Se muitos votarem,os bandidos sentir-se-âo mais legitimados.
    A participação política dos cidadãos deve fazer-se de outra forma,no combate ao submundo político,judicial e mediático.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que já todos percebemos que não votar lhes dá dinheiro, poder e glória, a eles e aos capangas todos que conhecem e família e amigos. Acho que já todos percebemos que todos sabemos que os politicos são pessoas desonestas, baixas, sem moral e sem vergonha...

      Então que fazer? Continuar a fazer o de sempre? Não votar para tudo continuar igual? Ou votar nuns quaisquer e dar uma chapada nestes ditadores megalomanos?

      http://www.youtube.com/watch?v=ISkRlzWe-Sg

      Eliminar
    2. Rejeitar o sistema é a resposta.
      Votar é perpetuar.
      Mas a participação do cidadão não se pode reduzir ao acto de votar/não votar.
      Se assim fôr,nada mudará.Com mais ou menos votos,eles continuarão a persistir nos vícios do sistema.
      A diferença para os pequenos partidos é quantitativa.Não adianta acalentar ilusões.
      As pessoas têm dificuldade em romper com estes esquemas rígidos,faz parte da sua natureza.
      É como jogar cartas com um baralho marcado.A solução é outro baralho.

      Eliminar
    3. Rejeitar o sistema é uma coisa não votar é outra, pq a realidade mostra-nos que mesmo sem votos eles ganham, pois bastam os votos dos amigos, dos boys e capangas para lhes dar a vitoria. Não votar parece que tb é uma forma de pactuar.
      Votar para estragar os esquemas do PS, PSD, CDS não é o mesmo que votar para eleger um partido....

      ACHO QUE TEMOS QUE TER NOÇÃO DISSO E DEIXAR DE VER SÓ NUMA DIRECÇÃO.

      Eliminar
    4. O VOTO PODE SER COMO UM ENXADA, SE A TIVER NA MÃO QUANDO ESTÁ A SER ATACADO, VOCÊ CERTAMENTE NÃO A USARÁ PARA CAVAR!!!

      O voto pode ser usado de outra forma sem ser para eleger.
      Mas claro que não estou a dizer que isso mudará o regime, mas quem sabe, pode ser que tenhamos a sorte de ter um partido que esteja disposto a mudar a constituição e a partir daí tudo mudará.

      """O Grande Golpe terá estado nos números 1 dos artigos 285 e 286, a seguir transcritos:
      Artigo 285.º
      1.A iniciativa da revisão compete aos Deputados.
      Artigo 286.º
      1.As alterações da Constituição são aprovadas por maioria de dois terços dos Deputados em
      efectividade de funções.
      Ou seja, o voto popular foi, afastado para sempre, das revisões constitucionais, permitindo que 2/3 dos deputados a ajeitem, como entendam conveniente, na defesa dos interesses da classe, maquilhando-os de “interesse nacional”. """

      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/05/como-e-onde-os-politicos-decidiram.html#ixzz1vyKb9LhQ

      Eliminar
  6. Pode votar em quem quiser.Pode passar uma vida a votar para estragar o esquema ao PS/PSD/CDS ou a outro qualquer,escolhendo canalhas que se acobertam noutras siglas.
    Pergunto se isso tem algum valor,algum resultado prático relevante.
    A resposta é óbvia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como deve calcular eu conheço as limitações que o nosso regime impõe ao povo, sei que esta ditadura disfarçada, protegida atrás da lei e do poder de fazer a lei, jamais permitirá que um simples cidadão ou blog, consiga roubar-lhes o precioso poder e dinheiro, que obtêm da politica. Não sou pretenciosa ao ponto de achar que posso solucionar o problema de base.
      Aliás, ninguém conhece solução para o problema, por isso mesmo permanecemos impávidos e serenos a assistir ao saque destrutivo.

      Apenas se está aqui a discutir qual das duas opções é pior. Votar ou não votar.

      Estará para nascer o visionário que poderá descobrir uma forma de devolver Portugal aos portugueses. Até lá cada um vai fazendo o que pode, uns mais outros menos, para as coisas não serem tão más.

      Por isso não percebo o seu comentário. Os resultados de votar ou não votar são mínimos. Mas também ninguém exibiu aqui a prepotência de achar que tinha descoberto a pólvora.
      De qualqer das formas acredito que o votar neles está visto que não resulta e já foi testado por décadas.
      Não votar também não resultou. Pois a abstenção foi gigantesca e eles lá estão mais criminosos que nunca e impunes que nem uma alface...

      Resta testar o voto noutros... OBVIAMENTE que PROVAVELMENTE Portugal e os portugueses cairão na miséria até próximas eleições.

      Mas continuo a aguardar que alguém... ou todos juntos, descubramos uma forma de antecipar a recuperação do país para as mãos do povo e da democracia.

      Eliminar
  7. «Mas como o valor é atribuído todos os anos da legislatura, significa entregar, a todos os partidos votados, o quadruplo dessa importância (€14,40), atingindo uma despesa superior a 70 milhões de euros;»

    Peço que corrijam esta informação, porque nem «todos os partidos votados» recebem esta subvenção.

    De facto os partidos com menos de 50,000 votos, não recebem qualquer tipo de subvenção pública. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O artigo contém essa informação como pode ver pelo extracto em baixo...
      "Além destes cinco partidos, as próximas eleições legislativas podem trazer uma novidade em termos de financiamento partidário. É que, com as alterações agora introduzidas à lei do financiamento, os partidos que obtenham mais de 25 mil votos podem aceder à subvenção estatal - até agora a barreira estava nos 50 mil."

      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/05/porque-e-que-nos-dizem-que-votar-e-um.html#ixzz25lz5A75j

      Eliminar
  8. Muito se tem falado sobre o esbulhamento dos direitos sociais e económicos, de todos os que trabalham por conta de outrém, conseguido pelos poderosos lobies que controlam as acções dos politicos.

    E agora?

    Qual o caminho a seguir?


    A política do 8 ou 80 tem de ser abandonada já que apenas leva a excessos e fanatismos de índole política.

    A violência fisica não se apresenta como a solução credível o que se pode comprovar com os fenómenos recentes no norte de África. A violência gera mais violência numa espiral incontrolável que leva os povos que a utilizam a cair numa miséria da qual dificilmente ou nunca serão capazes de recuperar.
    É um processo no qual apenas os mais violentos serão os maiores beneficiados e que espalha a insegurança, a pobreza e a castração política por todos os estratos sociais.
    Uma sociedade reconstruída segundo uma génese violenta não se mostra capaz de melhorar os seus índices de felicidade.

    Um novo partido?
    Era uma alternativa que talvez resultasse. TALVEZ. Não nos esqueçamos de que no nosso percurso após 25 de Abril utilizámos essa opção (PRD) e foi um verdadeiro fiasco pela incompetência e modo ligeiro como os assuntos de estado foram tratados durante essa fase.
    Mesmo que se encontrasse um grupo de pessoas capazes para deitar a mão e resolver os problemas com que nos debatemos não tardaria muito tempo, pela essência humana na qual estão imbuídos, para que o brilho dourado do poder e as benesses daí resultantes os fizesse ter um comportamento similar ao dos actuais governantes.

    Então não há alternativa?
    Claro que há. Só que nós, a chamada sociedade civil, não podemos voltar a cair no mesmo erro de delegar nos partidos politicos de uma forma irresponsável a defesa dos nossos direitos.
    Eles, partidos politicos, devem ser obrigados a informar correcta e honestamente o eleitorado sobre as acções governativas que irão desenvolver se forem eleitos.
    Devem informar em tempo útil os resultados obtidos e devem ser processados judicialmente pela sua incompetência ou falta de honestidade nos actos governativos.
    Para isso é necessário criar mais legislação que leve à exoneração de todo um governo que não cumpra estas normas.

    Nós, sociedade civil, obrigatoriamente teriamos de comparecer aos actos eleitorais. Obrigatoriamente teria de constar nos boletins de voto, além da referência aos partidos concorrentes, um quadradinho onde o eleitor manifestasse que não concordava com os programas partidários apresentados.
    Era esta pequena alteração que seria a grande mudança no relacionamento entre o eleitorado e os partidos já que os eleitores poderiam expressar-se sobre a qualidade dos programas propostos.

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde
    Podem apenas fazer o favor de me dizer onde posso eu obter informação oficial sobre os votos em branco ou nulos!?
    Obrigado e com os melhores cumprimentos
    Frederico Costa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que possuo sobre o assunto está aqui, no final tem uma imagem com os nrº dos artigos sobre o voto, no entanto é inconclusivo.

      """os votos em branco e os votos nulos não têm influência no apuramento dos resultados - será sempre eleito, à primeira ou segunda volta, o candidato que tiver mais de metade dos votos expressos, qualquer que seja o número de votos brancos ou nulos.

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz2MhDwRVOJ

      mas como deve calcular, a informação é deliberadamente confusa, porque a ideia não é fazer do voto uma ferramenta eficaz, mas apenas uma confusa ilusão.

      Eliminar
  10. Pela minha experiencia, ou se vota em quem nunca lá esteve, vote em branco ou nem aparecer.

    ResponderEliminar
  11. Isto não vai lá com panos quentes. Os únicos remédios eficazes para atacar esta "doença" são os tradicionais: a bomba e a bala.
    Não inventem!

    ResponderEliminar
  12. Uma pequena proposta/contribuição, dividir os votos de modo que a maioria só seria possível com três partidos.
    Porque dar maioria a um partido é o mesmo que impor uma ditadura parlamentar. Até agora o que tem acontecido é dois partidos terem a maioria. Se dividíssemos mais os votos forçaríamos o entendimento mais alargado.

    ResponderEliminar
  13. Só há uma solução,,, meia dúzia de manos começar a matar alguns PARASITAS deste País, e deixar alguns avisos.... VÃO VER QUE ISTO TOMA RUMO!!!

    ResponderEliminar