16 maio, 2012

A austeridade selectiva, só atinge o pão dos pobres, salvaguardando os luxos dos ricos.

abuso Sócrates Passos Coelho incompetentes
 Conheça bem os perigos que corre com
  políticos incompetentes, clique para ler!! 

(Veja a correcção no final- apesar de as viaturas terem custado o valor referido, o meu cometário ironizando a facilidade com que compram carros com dinheiro público, foi considerado calunioso pela Empresa em causa.)
A crise continua a ser generosa para alguns e madrasta para os outros. A Estradas de Portugal tem funcionários que precisam de carros grátis, e sendo assim, optam por comprar com o dinheiro dos contribuintes. 
E seguindo esta lógica, a Estradas de Portugal decidiu oferecer 3 carros novos aos seus funcionários... nada baratos por sinal, 127.897 euros!!! mesmo depois dos escândalos que têm surgido, acusando a empresa de ostentação e abuso na distribuição de carros. 
Pedido de esclarecimento por parte da Estradas de Portugal... clique nas imagens para ampliar e ler. 


A pedido das Estradas de Portugal aqui divulgo o modelo e a finalidade das viaturas adquiridas, que portanto, não se tratou de viaturas de uso, pessoal. No entanto o meu comentário era apenas uma ironia pessoal, já que o blog é uma ferramenta pessoal, onde eu comento noticias. O meu comentário pretendia apenas mostrar que nas empresas públicas é fácil oferecer carros aos funcionários, desconfiança esta, disseminada entre as opiniões de milhões de portugueses, no entanto o comentário foi excessivamente dirigido à estradas de Portugal e acabou por cair em erro... (pelo que estas provas mostram.) 
Por isso me disponho a esclarecer o caso em concreto. 
Quanto ás outras noticias sobre as 800 viaturas e os 10 mil euros aguardo mais confirmações, pois existem na imprensa nacional várias fontes que confirmam que assim era em 2008. Situação explicita no meu artigo  se seguirem o link da mesma informação. Links que resumo aqui:

1º- Estradas de Portugal tem 800 veículos para 1800 funcionários.08.01.2008 - 09:38 Por PUBLICO.PT

2º - A Estradas de Portugal tem uma frota de cerca de 800 veículos, num total de 1.800 funcionários (quase um automóvel por cada dois funcionários). As oito centenas dispõem de cartão de combustível sem "plafond". E a nova administração da empresa já deu ordens http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=308770
Como tal só podemos agradecer que a Estradas de Portugal, desde essa data, tenham REALIZADO cortes ao nível das despesas com viaturas. 
Actualização 12: Prego a fundo nas Estradas de Portugal (24/Fev./08)
Almerindo Marques, o gestor que pôs a RTP a dar lucro, com uma receita "milagrosa" que, além da taxa extorquida aos consumidores de energia eléctrica, passa por transformar o canal 2 numa emissora de constantes repetições, enquanto o canal dito principal aposta numa dieta baratucha de concursos, telenovelas e programas de conversa mole... Almerindo Marques, dizíamos, chegou à Estradas de Portugal, e cortou a direito nas mordomias e despesas que por lá grassavam.
Ficou-se então a saber que a EP tinha uma frota de 800 veículos, para um total de 1800 funcionários (quase um automóvel por cada dois funcionários). Melhor ainda, os 800 veículos dispunham de cartão de combustível sem "plafond". E mais: há registos de trabalhadores que apresentavam facturas anuais de combustível superiores a 10 mil euros (Para se perceber melhor o que este valor significa partamos do seguinte exercício: em 2007 o preço médio de um litro de gasóleo terá sido de 1 euro. 10 mil euros correspondem a 10 mil litros; numa viatura que gaste 5 aos cem, dá para percorrer 200 mil quilómetros - cinco voltas ao mundo...). A frota e o combustível representavam um encargo anual na ordem dos seis milhões de euros!
Tanto o antigo presidente, António Laranjo, como Almerindo Marques, escusaram-se a comentar os números vindos a público, mas foi avançado na comunicação social que o objectivo da nova administração era reduzir o parque automóvel da empresa a metade - e entretanto uma boa parte deles já foi a hasta pública - e conter os cartões de combustível às viaturas restantes, com um tecto mensal de 50 euros. Parece justo.
Mas um tão grande esforço de contenção tem de ser recompensado. Assim, a EP começa por triplicar o salário do presidente. António Laranjo recebia 4.752,60 euros mensais, e agora nas mesmas funções Almerindo Marques recebe 13.850,00 de remuneração-base (mesmo assim menos do que os 15.945,82 euros que recebia na RTP). Os aumentos salariais estendem-se a todo o novo Conselho de Administração, que fica 2,3 vezes mais caro à EP e ao Estado, seu único accionista, do que o anterior. Isto apesar de a equipa ter perdido dois vogais não executivos na transição.
Havia demasiada gente a "mamar"? Agora há menos mas "mamam" muito mais. Nesta terra é assim. Uns atestam o depósito e prego a fundo. Os outros vão a pé a engolir o pó. (Segundo artigos publicados no "Público" e "Jornal de Negócios" de 8.jan e "Semanário Económico" e  agengiafinanceira.iol.pt a 15.fev.08) http://trintadefevereiro.no.sapo.pt/biblioteca/arapaziadadormg.html



5 comentários :

  1. O EP é um dos maiores cancros de Portugal. Enquanto gente como a família Santinho Horta e outras não for corrida do EP, vamos ter sempre histórias destas.
    Quero lembrar que à uns anos atrás O Sr Engº Carlos Santinho Horta foi passar férias com um cartão de crédito de um empreiteiro que trabalhava para o actual EP.
    O irmão Engº Fernando Santinho Horta, criou uma empresa PCT a qual vivia dos projectos vindos directamente do EP ou indirectamente de empreiteiros que queriam pagar favores ao irmão Carlos Santinho Horta do EP.
    Todas estas situações já são do conhecimento publico(algumas delas já foram publicadas em jornais), todavia os Santinhos Horta continuam no EP a roubar. Hoje é a empresa Globalvia que serve de fachada para as negociatas entre os Santinhos Hortas e o EP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu contributo. Infelizmente estive a investigar noticias sobre esse personagem, que refere e não encontrei nada. Se souber de alguma noticia sobre o assunto agradecia o link.
      Nunca é demais divulgar e esclarecer os portugueses sobre a falta de seriedade dos que governam os nossos impostos.

      Eliminar

  2. Pedro Maia
    Sou a favor da televisão publica, mas quem me explica isto?
    mais de 70% do orçamento da RTP vem da famosa taxa, ou deverei dizer... TACHO?

    Fátima Campos Ferreira (10 mil euros mensais), Catarina Furtado (30 mil euros), Fernando Mendes (20 mil euros), José Carlos Malato (20 mil euros), Maria Elisa (7 mil euros), Jorge Gabriel (18 mil euros), Sónia Araújo (14 mil euros), João Baião (15 mil euros), Tânia Ribas de Oliveira (10 mil euros) ou Sílvia Alberto (15 mil euros), entre outros.

    ResponderEliminar
  3. e o povo paga.esta vergonha k reina neste país enquanto não houver uma boa revolta de todo o povo k se sente expuliado dos seus direito e do seu viver com dignidade isto não acaba.Também as privadas pagam e bem,mas aí há k haver um desconto,mas pergunto? o nosso indiretamjente também lá não vai parar algum?é para se pensar.Pois num país aonde a falta de vfergonha e decencia impéra, já nada me surpreende.pois tudo o k possa aparecer não é surpreendente.País, País quem te viu e quem te vê.naççao valente??????????nação de fracos,isso sim

    ResponderEliminar