09 maio, 2012

Depositamos as nossas reformas nas mãos do estado e ele geriu-as à forma do costume - danosamente e irresponsavelmente.

Politicos gestão danosa criminosa
PARA AJUDAR A ESCLARECER:
1. Até 1974 NÃO EXISTIA a SEGURANÇA SOCIAL mas a PREVIDÊNCIA SOCIAL;
2. Fiz parte da 1ª e 2ª Comissões que em 1976/77 preparou a Reforma da Previdência criando a Segurança Social, o Centro Nacional de Pensões, os Centros Regionais das Segurança Social integrando-se nesses as caixas de Previdência;
3. A 2ª Comissão integrou, além de mim próprio, maria de Belém Roseira, Leonor Guimarães, Fernando Maia e Madalena Martins;
4. NÃO HOUVE qualquer nacionalização e as próprias Casas do Povo e o regime dos rurais só em 1980 foram integradas na Segurança Social;
5. O ESTADO não tinha que meter dinheiro na Segurança Social pois o seu funcionamento foi e é assegurado pelas contribuições das entidades empregadoras e trabalhadores;
6. Outra coisa tem a ver com a CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES pois a mesma foi financiada exclusivamente pelas contribuições dos agentes do Estado a quem os funcionários confiaram mês a mês os seus descontos igualzinho aquilo que acontece com a conta poupança que vai capitalizando ao longo do seu período de vigência;
NÃO FIQUEM CALADOS. DIVULGEM
Muito gostava de saber o que é que o Governo e a Oposição têm a dizer sobre o que consta abaixo e sobre a real situação financeira da Segurança Social, se é que se atrevem...
Vale a pena ler, isto a ser verdade (parece que sim) agora sabemos porque não chega para todos....

A INSUSTENTABILIDADE DA SEGURANÇA SOCIAL
"A Segurança Social nasceu da Fusão (Nacionalização) de praticamente todas as Caixas de Previdência existentes, feita pelos Governos depois do 25 de Abril de 1974.
As Contribuições que entravam nessas Caixas eram das Empresas Privadas (23,75%) e dos seus Empregados (11%). O Estado nunca lá pôs 1 centavo. Nacionalizando aquilo que aos Privados pertencia, o Estado apropriou-se do que não era seu.

Com o muito, mas muito dinheiro que lá existia, o Estado passou a ser "mãos largas"! Começou por atribuir Pensões a todos os Não Contributivos (Domésticas, Agrícolas e Pescadores). Ao longo do tempo foi distribuindo Subsídios para tudo e para todos.
Como se tal não bastasse, o 1º Governo de Guterres(1995/99) criou ainda outro subsídio (Rendimento Mínimo Garantido), em 1997, hoje chamado RSI. E tudo isto, apenas e só, à custa dos Fundos existentes nas ex-Caixas de Previdência dos Privados. Os Governos não criaram Rubricas específicas nos Orçamentos de Estado, para contemplar estas necessidades. Optaram isso sim, pelo "assalto" àqueles Fundos. Cabe aqui recordar que Salazar, também recorreu a esses Fundos várias vezes: mas pedia emprestado e sempre pagou!
Em 1996/97 o 1º Governo Guterres nomeou uma Comissão, ( Correia de Campos e Boaventura de Sousa Santos), para fazer um estudo, que diz respeito ao Montante que o Estado já devia à Segurança Social, ex-Caixas de Previdência, dos Privados, pelos "saques" que foi fazendo desde 1975.
Pois, esse montante apurado até 31 de Dezembro de 1996 era já de 36.500 Milhões €. De 1996 até hoje, os Governos continuaram a "sacar" e a dar benesses, a quem nunca para lá tinha contribuído, e tudo à custa dos Privados.

Mais, desde 2005 o próprio Estado admite Funcionários que descontam 11% para a Segurança Social e não para a CGA e ADSE. Então e o Estado desconta, como qualquer Empresa Privada 23,75% para a SS? Claro que não!...
Outra questão se pode colocar ainda. Se desde 2005, os Funcionários que o Estado admite, descontam para a Segurança Social, como e até quando irá sobreviver a CGA e a ADSE?
Há poucos meses, um conhecido Economista, estimou que tal valor, incluindo juros nunca pagos pelo Estado, rondaria os 70.000 Milhões €!... Ou seja, pouco menos, do que o Empréstimo da Troika!...
Ainda há dias falando com um Advogado amigo, em Lisboa, ele me dizia que isto vai parar ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Há já um grupo de Juristas a movimentar-se nesse sentido."
(Este artigo foi-me enviado por E-mail, desconheço a fonte original, pois está publicado em dezenas de sites.) 

Não se pretende com isto desvirtualizar o valor do estado social e a importância que ele representa para a sociedade, mas apenas expor a forma danosa e irresponsável com que se gere o dinheiro dos portugueses, confiado a políticos incompetentes e gananciosos.
Na Suiça o fundo das reformas é passível de ser levantado pelo cidadão, em caso de abandono do país ou outras situações. Ou seja o dinheiro é sempre do cidadão. Na Suiça as reformas têm tectos para não falirem o sistema.
Antes de cortar no estado social, e para os governos terem legitimidade moral para o fazerem, primeiro cortem os milhões que sustentam, uma classe política perdulária, reponham justiça nos contratos ruinosos das PPP,  empenhem-se na renegociação da dívida e deixem de andar com a mão debaixo da banca. Essa mesma banca que os portugueses têm como tendo sido gerida por criminosos (BPN, BPP), por indivíduos que fogem ao fisco (Ricardo Salgado-BES) e por quem não respeita a dignidade dos pobres (Fernando Ulrich-BPI). Opinião essa que é pública e construída com base no que se vê e no que se ouve todos os dias.

12 comentários :

  1. É fartar vilanagem!

    ResponderEliminar
  2. Também nunca vi, nem patronato, nem sindicatos, exigirem fazer parte da SS, precisamente para controlarem esses desmandos.

    ResponderEliminar
  3. Não votar significa que os mesmos vão continuar a ocupar o poder! O sistema eleitoral e a organização política previstas na Constituição garantem que os do costume ganharão as eleições sempre que queiram. A minha pergunta é: que alternativa(s) propõe?
    Ou... que interesses serve?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O apelo não é não votar, mas sim não votar nestes senhores, que já deram provas do que pretendem do poleiro.
      A minha sugestão é votar nulo ou em branco ou então votar em massa num partido que ainda não esteja corrompido... mas também não sou especialista na área, e a qualquer momento os politicos podem inverter o sentido do voto em branco ou nulo... tal como fizeram com a abstenção , que a vergaram em seu proveito. Não votar dá vitória aos de sempre garantida, pois eles são eleitos por minorias

      Eliminar
    2. Não creio que se possa encontrar um partido ideológicamente puro (dependem sempre de lideranças conjunturais),onde se deve depositar os votos em massa.
      Pelo menos no lote dos que têm um peso eleitoral mínimo.
      Penso que o primeiro passo para romper o círculo vicioso,seria alterar a forma de eleição do PGR,do presidente do MP e do Supremo.Tudo eleito pelo povo,para se acabar com os concubinatos e impunidades.Fim das ligações maçónicas!
      Segundo,alterar a legislação sobre corrupção nos cargos públicos e gestão danosa.
      Penas pesadas e confiscação dos bens dos prevaricadores.
      Auditorias a todas as empresas públicas,municipais,etc.
      Escrutinar os bens de todos os dirigentes políticos actuais e passados,que seriam confiscados em toda a propriedade que não conseguissem justificar a origem.
      Seria um bom começo.
      Como se poderá colocar mais pressão sobre os dirigentes políticos,no sentido de aceitarem estas medidas?
      Simples,em primeiro lugar descolar das organizações oficiosas que mais não fazem que apropriar-se das lutas dos cidadãos para as controlar e tornar ineficazes.Veja-se o caso dos sindicatos.
      As populações podem começar por invadir as autarquias e exigir aos dirigentes locais que sejam seus porta-vozes.Caso não cumpram rigorosamente essa vontade,tornar-lhes a vida impossível até se demitirem e serem substituídos.
      Fico por aqui.Seria extenso entrar em detalhes.
      Cumprimentos.

      Eliminar
    3. Obrigado pelas suas ideias... e partilha. Realmente o povo já começa a ficar esclarecido sobre o que os políticos fazem e quais os interesses que os movem. Tenho lutado para que a verdade chegue a muitos, com este blog escrito de forma directa e selectiva.
      Todos estamos a ficar saturados de ser roubados pelos nossos "empregados"( políticos) à descarada. Mas ninguém sabe como acabar com este regabofe ou este abuso, pois eles moldaram a lei para se proteger do "patrão" (povo. Neste momento são intocaveis, imunes e impunes...
      As suas ideias poderiam ser uma solução para começar a penetrar no circulo fechado e impenetravel onde eles se abrigam.
      Neste momento sinto e acredito que o povo está pronto para resgatar Portugal e devolve-lo aos seus donos -- os portugueses- contudo falta o fulcral... o que fazer para os arrancar do poleiro, para lhes tirar as leis da mão, para lhes tirar o poder? o POVO PRECISA DE OBJECTIVOS bem definidos de acção... E NINGUÉM os tem, ninguém descobre como.
      Eles prosseguem a retirar capacidade ao povo de mudar seja o que for. A imprensa já não fala das manifestações e elas esmorecem como ondas sem vento. As petições que se tem feito, morrem no ridículo. E eles seguem indiferentes. Etc...

      Eliminar
  4. Certamente que uma esmagadora maioria dos portugueses apostaria num país que tivesse Guilherme Oliveira Martins na Presidência da República, Paulo Morais como Primeiro-Ministro, Medina Carreira nas Finanças, Marinho Pinto na Justiça, Carlos Moreno nas Obras Públicas, por exemplo. Assim, essas pessoas tivessem suficiente humildade para se juntar, formar um partido político e coragem para evitar as contaminações pelos lobbies habituais.

    Mais, em:

    http://desabafosdeumtraido2.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Várias vezes tenho pensado nisso, porque será que esses senhores que tanto desmascaram a corrupção e tanto se indignam com ela, não ajudam os milhões de portugueses que desesperam por socorro? Com a agravante que Paulo Morais é o responsável pela luta anti corrupção em Portugal!!!Eu inclusivamente enviei alguns mails ao Paulo Morais a perguntar como poderia voluntariar-me no seu projecto, e já mostrei vários artigos do meu blog a ele e ao Marinho e Pinto no intuito de perceberem que estamos na mesma luta e se eles poderiam avançar com os conhecimentos políticos e jurídicos que têm... mas nem um nem outro respondem.
      Inclusive sugeri e criou-se uma pagina no Facebook com o nome "Apoiamos Marinho e Pinto ao poder" mas desvaneceu-se.

      Eliminar
  5. O anónimo das 21.44 dá boas pistas para uma possível alternativa. Concordo também que não existem partidos ideológicamente puros. Haverá em breve uma oportunidade para se começar a mudar alguma coisa: teremos eleições legislativas antecipadas algures nos próximos 18 meses!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que os portugueses não voltem a votar em criminosos... temos que divulgar estas e outras verdades que divulgo aqui no meu blog, para que os portugueses parem de pactuar com criminosos.

      Eliminar
  6. são sempre os mesmos .ladrões rua com eles.

    ResponderEliminar
  7. Concordo plenamente. Estes republicanos andam há quase 40 anos disfarçados de democratas! Não passam de oportunistas que se fazem eleger por quem beneficia das suas políticas: Aqueles que nunca quiseram trabalhar, nunca quiseram responsabilidades bancárias para ter um lar, receberam "casinhas" dos municípios..., nunca pagaram segurança social (ou pagaram s/ salário mínimo - de conluío com os empregadores) e,AGORA?
    Paga quem trabalhou, descontou (IRS e CGA, nunca gozou férias porque tinha responsabilidades bancárias... Paga IMI à grande!(ladroes!)
    Utilizaram os nossos descontos (alterando o Sistema de capitalização para distribuição!.. SEM NOS CONSULTAREM! Beneficiaram aqueles que em nada contribuiram (e podiam e podem!). Que maravilha! Porque não utilizaram os impostos e foram buscar os nossos descontos?
    Valeu a pena fazermos descontos e privar-mo-nos de tudo enquanto outros gozam apoiados pelas Câmaras e SSocial? Sem necessitarem!..
    Lance-se na INTERNET uma recolha de assinaturas para ser pedida uma auditoria à CGA antes de a integrarem na Seg Social! Precisamos de saber para onde foram os milhões de milhões que nos descontaram!
    Não votarei nestes republicanos!

    ResponderEliminar