20 outubro, 2011

GRÉCIA AFUNDA-SE E GOVERNO PORTUGUÊS OBRIGA-NOS A SEGUIR O MESMO CAMINHO.

AUSTERIDADE grécia afunda
ISTO É PARA CONTINUAR ? ATÉ ONDE? 
Miguel Sousa Tavares afirmou que o que o governo nos pede é que Portugal se deixe morrer e daqui a 2 anos terá de ressuscitar!
Este pedido, vindo de uns senhores em quem supostamente devemos confiar cegamente, deixa transparecer  um quadro hipotético que vai contra qualquer lógica e todas as expectativas.
Se o governo pretende que o povo aceite, pacificamente o sufoco até á morte da economia portuguesa, como poderá ela erguer-se das cinzas?
Principalmente se tivermos em conta que nem no seu estado actual, ou no anterior, tivemos a capacidade de curar a nossa economia, mesmo quando estava apenas enfraquecida e doente. O que levará estes nossos governantes a crer que, aqueles que não tem poder de curar um doente irão ter o poder de ressuscitar um defunto??? 
Nada... Nada faz crer que isso venha a ser possível... estamos condenados, verdadeiramente condenados a cair no buraco onde já se afunda a Grécia... um buraco triste, profundo e irreversivel. No entanto os nossos governantes, aqueles em quem confiamos, sabem que eles estarão acima de qualquer perigo de miséria, acima de qualquer suspeita de incompetência, nenhum tribunal os julgará por destruírem milhões de famílias e uma nação,  no entanto julgam-se no direito de exigir ao povo que permita esta "experiência"  macabra e que alinhe num homicídio irreversível.
São estes senhores políticos que serão os primeiros a arrecadar dinheiro quando ele escassear, cargos quando já não houver emprego, a abandonar o barco quando se afundar, e a sacudir a culpa para governos anteriores e seguintes, como sempre tem sido.
Nós portugueses vamos aceitar que estes senhores emagreçam o povo até ao limite (cortes, impostos) que anulará o consumo, e toda a economia será reduzida a sombras e fantasmas.
O país terá apenas empregos em cargos do estado e sustentar-se-á com impostos dos trabalhadores do estado. Fará algum sentido? Claro que não faz sentido... quando acabarem os dinheiros que nos injectam do exterior, irá ser assim que funcionará o país.
Tudo isto porque a contrastar com a AUSTERIDADE EXIGIDA AO POVO temos a bonança ofensiva de que gozam os nossos políticos, esses senhores que vivem num mundo cerrado onde não há cortes, nem impostos, nem crise, nem fome, nem desemprego.


PORTUGAL TEMOS QUE COMEÇAR AGORA A DIZER NÃO... ANTES QUE SE PERCA TODA A AUTONOMIA.
A GRÉCIA MOSTRA-NOS O QUE NOS ESPERA E MESMO ASSIM SOMOS GUIADOS ATÉ LÁ COMO CARNEIROS MANSOS?
TEMOS QUE EXIGIR O FIM DESTES GOVERNOS PARASITAS. FIM DOS CORTES AO  POVO.
MAS A ENGORDA ESTÁ PREVISTA CONTINUAR
(SE ESTAS MEDIDAS FOSSEM APLICADAS, NINGUÉM QUERIA SER POLITICO, QUAL É A PIADA DE SER POLITICO SEM ESTAS VANTAGENS TODAS?)
Medidas de austeridade na França e Itália penalizam políticos e banca, ao contrario de Portugal
Gastar em grande.

A GRÉCIA NA FASE QUE NOS ESPERA A NÓS PORTUGUESES  "Nós chegamos ao nosso limite de resistência e, o que é pior, não há um vestígio de esperança", afirmou Stathis Anestis, porta-voz da GSEE. "Queremos enviar a mensagem de que essas políticas de austeridade têm sido uma catástrofe para a Grécia."O Governo grego, pressionado pelos credores internacionais, enviou este mês ao Parlamento propostas para cortar empregos e salários no setor público, reduzir as reformas mais altas, acabar com direitos coletivos de algumas categorias e impor novos impostos aos contribuintes, entre outras medidas.Domingo, líderes europeus vão trabalhar visando uma solução abrangente para a crise da dívida do bloco. O grupo deverá também decidir se disponibiliza mais uma parcela de ajuda para a Grécia. O país necessita receber 8 mil milhões de euros da UE e do FMI nas próximas semanas, ou o governo de Atenas, segundo alegou, ficará sem fundos em meados de novembro. FONTE

5 comentários :

  1. Do grego temos Democracia,
    e também temos Anarquismo,
    e Cristo e seu Cristianismo,
    Evangelho,Eclésia e Teologia.

    Plutocratas e Plutocracia,
    Teólogos e Teocratas,
    Ortodoxos e Autocratas,
    Pirómanos e Piromania.

    ResponderEliminar
  2. Que nasça outro Otelo Saraiva de Carvalho , e o povo estará com ele, assim
    espero, já que para banana, para muitos Portugueses só lhes falta a casca.

    ResponderEliminar
  3. Que o povo Portugues aprenda a estar a favor dos que
    não se calam e fazem oposição ás manobras sujas duma
    politica tendêncial, em que todos apertam o cintos mas
    os politicos continuam com o cinto largo, cortes nos seus
    salários nem sombra, fim à hipocrisia dos que nos governam e apareça o nosso tiririca para governar o País, porque, de certeza que pior do que está, não fica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar