09 setembro, 2011

400 carros de luxo para as Águas de Portugal! Só para as chefias.




Mais uma despesa vampiresca do erário público.
400 viaturas, topo de gama, usadas para os luxos dos que gerem as Águas de Portugal.
E ainda há que juntar as despesas colossais de combustível. Só um dos funcionários gasta 7 mil euros por ano o que perfaz uma bela média de 20 euros por dia, segundo o video!!!! Escandalizem-se!!! Partilhem sejam cidadãos activos e protectores do que é nosso.
Mais... há ainda que perceber que a empresa tem uma frota que totaliza 1.190 viaturas!! 
Como justificação para este abuso descarado, a AP afirma que precisam de muitas viaturas porque têm funções de Norte a Sul de Portugal...
Alguém acreditará que isso justifique tamanha má gestão e o excesso de carrinhos pagos por todos nós?  Como é óbvio, todas as grandes empresas (públicas ou privadas) que fornecem o país de Norte a Sul certamente têm funcionários residentes e departamentos em diversas zonas de norte a sul... ou vivem todos em Lisboa e deslocam-se diariamente para o serviço, a norte e sul???
É vergonhoso todo este panorama, e incoerente a justificação. Até porque as 400 viaturas referidas são apenas as viaturas de técnicos superiores e não dos piquetes.

"Em comunicado, o grupo AdP justifica que emprega cerca de 5.300 trabalhadores «que exercem funções em praticamente todo o país, do Norte ao Sul», justificando assim o volume de viaturas ao seu dispor. O grupo conta com 1.190 viaturas de serviço, das quais 388 são automóveis atribuídos a administradores e quadros directivos. O diário afirma que existe uma frota de cerca de 400 carros de alta cilindrada ao serviço de médios e altos quadros da empresa pública, e que os gastos mensais em combustível chegam a milhares de euros por viatura. O jornal adianta que os automóveis são também utilizados pelos colaborados para fins pessoais. CDS-PP considerou «inaceitável» as práticas de aluguer de viaturas daquela empresa pública que, segundo recorda a deputada Cecília Meireles, «já ultrapassou» o limite de endividamento estipulado pelo Governo para este ano. O Governo ordena a suspensão imediata do plano de renovação da frota automóvel de todas as empresas do Grupo Águas de Portugal. A decisão do Governo surge na mesma semana em que o jornal «Correio da Manhã» noticiou que no presente ano já foram substituídas 34 viaturas de alta cilindrada. Mais...

Para finalizar, repare-se bem na frase realçada na citação "já ultrapassou o limite de endividamento", ou seja as empresas públicas não tem metas para atingir poupança ou sustentabilidade, e claro muito menos o lucro, têm metas de endividamento... podem desorganizar-se, esbanjar, comprar muitos e muitos carros, vender combustível, porque AFINAL, PODEM ENDIVIDAR-SE ATÉ ULTRAPASSAR O LIMITE, QUE NINGUÉM SE ESPANTA... é a meta!!
Já podemos imaginar o chefe a falar de metas:
- Pessoal ainda estamos longe de atingir as nossas metas, o endividamento ainda não foi alcançado, vamos fazer um esforço conjunto e comprar mais uns carros...
Gestores destes, em países decentes, estavam no desemprego ou até presos... em Portugal são os maiores, com cargos importantes em empresas vitais para o país, milhões de euros do país, com carros topo de gama, salários topo de gama e metas para dar prejuízo.

Águas de Portugal gastou 3,8 milhões de euros com viaturas
Uma auditoria do Tribunal de Contas detetou que os custos com viaturas ao serviço do grupo Águas de Portugal aumentaram entre 2010 e 2011, recomendando que a tutela e os gestores tomem medidas para reduzir esta despesa. Embora exista "maior rigor na gestão das viaturas", com o encargo a descer de 2,5 milhões de euros em 2006 para 780 mil em 2011, o Tribunal de Contas (TC) salienta que os custos têm vindo a aumentar, na sequência de um despacho de 24 de Setembro de 2010 que visava o efeito contrário. JN
Quando os cortes de pessoal e despesismo são grandes, a privatização aproxima-se.
"Águas de Portugal limpa mais de metade das suas chefias em 2014
Anúncio foi feito pelo ministro Moreira da Silva, em audição na comissão parlamentar de Ambiente. Corte atinge 55% das chefias do grupo Águas de Portugal." Ler mais: 

AS PPP DO SECTOR DA ÁGUA, LESAM O INTERESSE PÚBLICO
O Tribunal de Contas (TC) acusa a Entidade Reguladora do Setor das Águas e Resíduos (ERSAR) de negligenciar a defesa do interesse público por não promover junto dos municípios a renegociação dos contratos de concessão de água.
"A ERSAR não tomou qualquer iniciativa, direta e concreta, com o objetivo de promover, junto dos municípios concedentes, o acatamento das recomendações formuladas pelo TC, pelo que se considera uma situação não consentânea com a defesa do interesse público", revela uma auditoria do TC hoje divulgada.
As recomendações em causa constam de uma outra auditoria do TC, do ano passado, sobre 'Regulação de Parcerias Público-Privadas (PPP) no sector das águas' que incidiu sobre 19 das 27 concessões municipais em baixa (distribuição de água às populações) adjudicadas a operadores privados.
O TC avaliava de forma muito crítica os encargos públicos com concessões das águas (que atingiram os 93,4 milhões de euros em junho de 2013) e propunha um corte de 10% na remuneração acionista, além de apresentar um conjunto de recomendações ao Governo e à ERSAR, que tiveram no caso do regulador "um nível de acolhimento insatisfatório".

Na resposta ao Tribunal, a ERSAR alegou que tem promovido junto dos municípios "a adoção de todas as medidas que em cada caso se revelam mais adequadas", mas manifestou reservas em termos da concretização de algumas recomendações como a implementação de mecanismos de partilha de benefícios com os utentes e/ou concedentes, materializada nos respetivos contratos ou eliminação de cláusulas contratuais que impliquem a transferência de riscos operacionais, financeiros e de procura para o concedente.
Por outro lado, admite-se que "a recente transformação da configuração institucional da ERSAR, I.P., (para entidade administrativa independente) " reforce as suas competências como entidade reguladora e contribua para "sanar a falta de meios" e melhor defender o interesse público.
Quanto às PPP para concessões de água em baixa, o TC considera que "não obstante as falhas e insuficiências" identificadas, "o modelo de gestão concessionada pode constituir um adequado instrumento de contratação pública", desde que siga algumas regras.
Entre os "pilares-chaves" incluem-se um nível de densidade populacional que sustente o investimento programado, partilha equilibrada dos riscos entre concedentes e concessionárias, cláusulas de partilha de benefícios que permitam que o reequilíbrio financeiro funcione, também, em benefício dos municípios e dos seus utentes, por via da redução do tarifário e implementação de mecanismos de penalização e responsabilização das concessionárias por
águas de Portugal
situações de incumprimento.
"Os municípios concedentes (...) demonstraram disponibilidade para concretizar as medidas recomendadas, apesar de sublinharem a omissão da ERSAR no que respeita à promoção e divulgação das recomendações do Tribunal", sendo particularmente crítico o comentário de Barcelos, acrescenta o documento.
Os municípios concedentes são: Alcanena, Alenquer, Azambuja, Barcelos, Batalha, Campo Maior, Carrazeda de Ansiães, Cartaxo, Cascais, Elvas, Gondomar, Fafe, Figueira da Foz, Fundão, Mafra, Marco de Canaveses, Matosinhos, Ourém, Paços de Ferreira, Paredes, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Setúbal, Trancoso, Trofa, Valongo e Vila do Conde.
Quanto ao Governo foi "positivo o facto de este ter procedido à revisão do estatuto da ERSAR". DN





11 comentários :

  1. Encontrei este blog por acaso e já estou toda arrepiada de nojo. Já sabia que o cancro da nossa sociedade era a corrupção as nunca pensei que tivesse este alcance. Temos andado tão distraídos, nas nossas vidinhas; é hora de acordarmos. Faço minhas as palavras de um militante líbio que se admirava por Kadaffi ser um homem pequeno sem a pujança que lhe conferia o poder :" quem fez dele o líder sanguinário que era com o poder que tinha fomos todos nós, todos nós somos responsáveis!"
    Parabéns! Faz falta muitas vozes independentes para dar um abanão aos portugueses.
    cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras de apoio. A intenção deste blog é precisamente divulgar, espalhar a verdade e a profundidade da devastação de Portugal, por políticos incompetentes, gananciosos corruptos e sem escrúpulos. Vergam-se a que, lhes dá mais e a quem lhes promete futuros dourados que a vida politica é efémera.
      Andamos mesmo muito distraídos e crentes.

      Eliminar
    2. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  2. É preciso todos saberem que estamos em crise, e que esta não é para ser paga pelos mais pobres mas por todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O governo sempre hasteou a bandeira dos cortes colossais...
      Garantiu ao povo, que iria realizar cortes históricos na despesa pública...
      Mal sabíamos nós...ingénuos, a ameaça que esta promessa ocultava.
      Ingénuos fomos levados a acreditar que eles se referiam a cortes na despesa pública, respeitantes aos luxos e mordomias da classe politica e dos gestores públicos.
      Ingénuos acreditamos que eles iam abdicar dos carros de luxo, das ajudas de custo colossais, das reformas acumuladas, precoces e desproporcionadas, dos boys, das fundações e instituições despesistas e inúteis, do financiamento dos partidos, do financiamento das campanhas, dos salários colossais e acima da média da Europa, etc etc...
      Ingénuos, os portugueses vêem-se agora confrontados com os tais cortes históricos, mas aos já curtos direitos do povo, colocando em perigo a sua vida, a sua saúde, a sua dignidade, a sua educação, a sua reforma e outros mais direitos adquiridos, por muitas e muitas décadas a pagar impostos.

      Eliminar
    2. A promessa não passou disso mesmo, só quem não conhece os políticos, e o curriculum do 1º ministro, ministro adjunto e dos assuntos parlamentares, poderia esperar, acreditar, que os cortes na despesa pública poderiam ser nas despesas ministeriais, parlamentares, nas Instituições, Fundações, carros de luxo, despesas de representação, deslocação, alojamento, salários. Nós Portugueses temos de nos revoltar, protestar, manifestar de forma massiva, com frontalidade, objetividade como este blog e a Zita fazem de forma independente, objetiva e brilhante.

      Eliminar
    3. Obrigada pelo apoio... Não a mim mas à minha causa - Portugal

      Eliminar
  3. E também é preciso que todos saibamos que eles abusam pois a nossa ignorância é permissiva. Temos que nos aliar e divulgar até que eles sintam vergonha pelo que fazem ao nosso país e ao povo que gerem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  4. Olá : O blog é bastante bom , Parabéns. Agora quanto aos cortes...; Mesmo que cortassem nos carros , não havia como pagar a divida. Havia que cortar noutros lados. 75% ou 80% da despesa do estado é com salários e pensões. Òbviamente seria aí que eles teriam de cortar.
    Este Governo nem está a ser mau mas não se espere que os deputados concordem em diminuir despesa do poder autárquico,por exemplo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vejamos como é que o governo na França está a ser bom ou mau... comparado com o nosso.

      """""O Executivo francês revelou hoje o seu orçamento mais duro em 30 anos, escreve o britânico Financial Times. O documento com as linhas mestras que guiarão o destino de França em 2013 inclui o controverso imposto de 75% para os rendimentos superiores a um milhão de euros, que estará no activo nos próximos dois anos.
      No total, o Governo francês prevê arrecadar 20 mil milhões de euros através de novos impostos às grandes empresas e sobre os mais abastados. Tudo para cumprir a meta do défice de 3% no próximo ano, apesar do fraco crescimento económico."" http://www.noticiasaominuto.com/economia/12479/fran%C3%A7a-revela-or%C3%A7amento-mais-duro-em-30-anos-ricos-pagam-imposto-de-75#.UGXqCpi5OlW

      Ou ainda a ITÁLIA
      """ Em Itália as medidas são aparentemente mais eficazes, adaptadas a níveis de maior ou menor riqueza, e prevê arrecadar, não 1025 milhões, mas 45 mil milhões.
      - SALÁRIOS SUPERIORES A 90 MIL EUROS AO ANO, PAGARÃO MAIS 5%
      - SALÁRIOS SUPERIORES A 150 MIL EUROS AO ANO, PAGARÃO MAIS 10%
      - SALÁRIOS DOS PARLAMENTARES QUE GANHEM MAIS DE 150 MIL AO ANO, PAGARÃO MAIS 20%
      - REDUZIR O NÚMERO DE PARLAMENTARES
      - supressão das províncias com menos de 300.000 habitantes ou 3.000 quilómetros quadrados de superfície.
      - aumento do imposto sobre os rendimentos financeiros, de 12,5% para 20%
      - Lei contra a evasão fiscal mais efectiva.
      Para os contribuintes mais penalizados até 2013, descontar 10 ou 20% do seu salário não irá provocar falência de orçamentos familiares ou mudanças drásticas, e o seu contributo terá um impacto mais visível na redução do deficit.""
      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/08/italia-combate-crise-de-forma-mais.html#ixzz27n2NbpxM

      Não é apenas com cortes que vamos lá, há que aumentar também a receita... e não é com 2,6 mil milhões de isenções fiscais que conseguimos, por exemplo. Como noticiou Hoje o Económico.

      Eliminar